Manchetes

Nosso Parceiro

quinta-feira, 9 de julho de 2009

A estrutura da Missa no rito romano

Teologicamente, a essência da Missa é a Consagração, o sacrifício de Cristo oferecido na Cruz e tornado real e novamente presente sobre o altar mediante a conversão do pão e do vinho no Corpo e no Sangue do Senhor. À Consagração se unem sua preparação – o Ofertório – e sua consumação – a Comunhão. Desse modo, podemos dizer que essas três cerimônias são o centro e ápice da Missa, e isso em qualquer rito litúrgico.


Cada um desses ritos tem a sua particularidade na combinação dos elementos que antecedem à Consagração e que a seguem, e mesmo sua diferença quanto ao que se deve dizer, como se deve dizer, o que vestir, o que fazer, quem deve fazer e assim por diante.


No rito romano – e aqui falamos da sua estrutura básica que, vindo desde os tempos de São Gregório, foi sistematizada por São Pio V e permanece, sim, na reforma de Paulo VI e João Paulo II (com certa perda de alguns elementos, o que lamentamos, é preciso dizer) –, a Missa consta de vários textos e cerimônias: orações, antífonas, hinos, momentos de silêncio, cânticos, procissões, gestos, monições, responsórios, leituras bíblicas. Alguns dos textos se dizem em voz alta, outros em voz submissa. Uns constituem o rito ou cerimônia por si mesmo (como o Agnus Dei, o Kyrie etc), enquanto outros se destinam a acompanhar o rito (como os cantos de Entrada e de Comunhão).


§ 1. Liturgia da Palavra e Liturgia Eucarística


O centro da Missa, em qualquer rito, é o conjunto de ações de oferecer os dons, consagrá-los (ou seja, torná-los o Corpo e o Sangue de Cristo, realizando o sacrifício da Cruz), e consumi-los. O Ofertório é a preparação para um ato e a Comunhão é a consumação desse ato: a Consagração. Dos três elementos, um é aquele em torno do qual gravitam os demais. À Consagração chegamos pelo Ofertório, e da Consagração chegamos à Comunhão. Esses três momentos e uma série de outras cerimônias e ações litúrgicas previstas nas rubricas formam, no rito romano, a parte da Missa que chamamos Liturgia Eucarística. É a Missa propriamente dita, o sacrifício e seus adjetivos principais. Também é chamada Missa dos Fiéis e, como tal, era designada oficialmente na antiga forma litúrgica romana.


Preparando a Liturgia Eucarística, encontramos a Ante-Missa, a Missa dos Catecúmenos, ou, conforme a denominação atual, a Liturgia da Palavra. É ela que nos prepara para o sacrifício.


Anexos à Liturgia da Palavra, como uma sua introdução, estão os Ritos Iniciais. E anexos à Liturgia Eucarística, como uma sua conclusão, estão os Ritos Finais.


Desse modo, podemos dizer que cada Missa está dividida em duas grandes partes. A primeira é aquela que abrange os Ritos Iniciais e a Liturgia da Palavra. E a segunda a Liturgia Eucarística e os Ritos Finais. Em um sentido amplo, podemos até dizer que a Liturgia da Palavra engloba os Ritos Iniciais, e a Liturgia Eucarística os Ritos Finais, de modo a termos as duas partes bem definidas.


§ 2. Ordinário e Próprio


Os elementos presentes tanto na Liturgia da Palavra quanto na Liturgia Eucarística são de variados tipos. Uns são fixos, presentes em todas as Missas, e outros variam conforme a Missa que se celebra.


A Missa em rito romano, portanto, tem uma estrutura de fácil entendimento, e os seus textos e cerimônias, sejam os da Liturgia da Palavra ou da Liturgia Eucarística, estão agrupados em duas grandes categorias. À parte fixa da Missa, invariável (ou, melhor dizendo, pouco variável, pois existem algumas coisas que mudam nos diversos tipos de Missa), chamamos Ordinário. Nele estão as orações, monições e outros textos que se devem dizer em todas ou em quase todas as Missas, de um modo geral. Já a outra categoria é o Próprio, do qual constam os textos, orações, antífonas específicos de cada Missa.


Quem vai à Missa, ao menos todos os Domingos, conhece o Ordinário quase de cor. E o normal é que aconteça isso mesmo. Aliás, o normal seria que o fiel católico conhecesse o Ordinário da Missa de cor tanto em vernáculo quanto em latim, respondendo a todas as partes da Missa dialogada.


O Ordinário reúne, por exemplo, a Saudação, o Ato Penitencial, o Kyrie, o Gloria, o Credo, a Oração Universal (é verdade que as preces variam não só conforme o dia, mas segundo a igreja e o celebrante, pois são livres para que cada comunidade componha a sua, mas a estrutura da oração e os exemplos de responsórios estão previstos no Missal de modo fixo), o Ofertório, o Sanctus, as Orações Eucarísticas (algumas das quais possuem prefácio fixo, outras variável), o Pai Nosso, a Oração da Paz, o Agnus Dei, e as diversas cerimônias como bênção, distribuição da Comunhão, procissões etc.


São definidas pelo Próprio, ou seja, são variáveis, as antífonas (de Entrada e de Comunhão e, se for usado o canto gregoriano, a prevista no Gradual para o Ofertório), as três orações coletas (Oração do Dia ou Coleta propriamente dita, Oração sobre as Oferendas, e Oração depois da Comunhão), o Prefácio (mesmo quando ele é fixo a uma Oração Eucarística específica, faz parte do Próprio, eis que definido conforme a escolha da Missa do dia), e as leituras. Nesse sentido, quando falamos “Próprio de Nossa Senhora de Guadalupe” ou “Próprio de Matrimônio” ou “Próprio do II Domingo do Advento”, estamos nos referindo às partes do Missal que estão previstas especificamente para essas três Missas. A Oração do Dia do IV Domingo de Páscoa, por exemplo, é distinta daquela prevista para a XXXII Semana do Tempo Comum, que, por sua vez, difere da específica da Terça-feira da II Semana de Quaresma, e das que se devem rezar em Missas de Matrimônio, de Crisma, pela Eleição de um Papa, pelos Defuntos etc. O Próprio, enfim, é o conjunto das especificidades de uma Missa. Justamente por isso o nome: “próprio”.


Alguns Próprios são propositalmente incompletos. Falta-lhes algum elemento (uma antífona, uma oração, uma leitura etc). Nesse caso, o elemento faltante é tirado do chamado Comum. Assim como há um Próprio para as diversas festividades de Nossa Senhora, há um Comum de Nossa Senhora, com os elementos que servem para encaixar naqueles Próprios que não os têm em sua integralidade. Há, por sua vez, Comum dos Mártires, Comum dos Pastores, Comum dos Doutores da Igreja, Comum das Virgens etc.


O conjunto dos Próprios, i.e., daqueles elementos que caracterizam uma determinada Missa e a individualizam, acaba por formar os dois grandes ciclos do calendário, segundo veremos no Cap. 21: o Próprio do Tempo ou Temporal (com as celebrações ao longo do Ano Litúrgico e seus diferentes Tempos litúrgicos) e o Próprio dos Santos ou Santoral.


§ 2. Visão geral da estrutura da Missa


A Missa, no rito romano moderno, começa com os Ritos Iniciais, vai pela Liturgia da Palavra, culmina na Liturgia Eucarística e se encerra pelos Ritos Finais.


Os Ritos Iniciais compreendem a ida do sacerdote, com seus ministros, ao altar em procissão (partindo da sacristia ou do fundo da igreja), durante a qual se canta o Intróito – do Próprio, i.e., variável – ou outro canto adequado (ou se reza o Intróito), bem como o sinal-da-cruz, a Saudação, o Ato Penitencial, o Kyrie, o Gloria (nos Domingos fora do Advento e da Quaresma, nas Solenidades e festas, e, facultativamente, em outras ocasiões mais solenes a critério do celebrante), a Coleta (ou Oração do Dia, do Próprio). Nos Domingos, pode-se realizar antes da Missa, somente nas igrejas e oratórios, a Aspersão da Água Benta, que substitui o Ato Penitencial.


A Liturgia da Palavra, por sua vez, compreende as leituras, que variam conforme a Missa que é celebrada (há um elenco das leituras para cada dia do ano, para cada Domingo, Solenidade, festa e Missa votiva ou para diversas necessidades), o Aleluia e o Salmo (também variáveis), o Evangelho (idem), e, quando indicados, a Homilia, o Credo e a Profissão de Fé.


De outra sorte, a Liturgia Eucarística compreende o Ofertório (com ou sem procissão, com ou sem Antífona – do Próprio –, e, caso não haja antífona, com ou sem outro canto apropriado), a Oração sobre as Oferendas – do Próprio –, a Oração Eucarística ou Cânon (com o Diálogo antes do Prefácio, o Prefácio mesmo – Próprio –, o Sanctus, a Consagração, as intercessões, a doxologia), o Pai Nosso, a Oração da Paz, o Agnus Dei, a Apresentação do Corpo do Senhor, a Comunhão (com uma Antífona, rezada ou cantada – do Próprio –, ou outro canto apropriado), o silêncio que a ela se segue (com ou sem cantos, com ou sem orações devocionais), e a Oração depois da Comunhão – que consta do Próprio.


Os Ritos Finais, enfim, englobam eventuais avisos, a Bênção e o Ite Missa Est – Despedida. Algumas Missas possuem a opção de uma Bênção Solene ou de uma Oração sobre o Povo antes da Bênção. Outras não pedem Despedida, conjugando-se outro rito após.


Dito isto, passemos a outro ponto.


Aprofundemos um pouco mais, não em relação às regras para o canto, que foram estudadas em outro post, porém em seu desenvolvimento desde o Missal de 1962 até a promulgação do Novus Ordo Missae.


Pelas rubricas anteriores, de São Pio V ao Beato João XXIII, que cessaram com a reforma litúrgica de Paulo VI, havia três tipos básicos de Missa: a Missa dita (Missa dicta, ou rezada, ou lida, ou baixa – Low Mass, em inglês), a Missa cantada (Missa cantata, ou alta – High Mass ou Sung Mass), e a Missa solene (Missa solemnisSolemn High Mass ou Solemn Sung Mass).


A Missa dita era celebrada por um sacerdote sem o auxílio de diácono e subdiácono. Apenas um acólito o ajudava. Não podia ser cantada em nenhum trecho. Música e canto poderiam acompanhar a Missa, mas o Ordinário e o Próprio nunca eram cantados. Por exemplo, não se cantava o Gloria ou o Kyrie, nem a Antífona da Comunhão. Mas, durante a Comunhão, poderia ser cantado um canto qualquer piedoso que servisse no lugar da antífona – que era, então, lida pelo celebrante. Para resumir, poderia existia um canto que acompanhasse um rito, mas não um canto que fosse o próprio rito.


Já a Missa cantada era aquela celebrada igualmente sem diácono e subdiácono, mas, por outro lado, tinha o Próprio e o Ordinário cantados, como o nome diz. Todas as partes da Missa (ou, ao menos, como veremos mais adiante, a grande maioria) eram cantadas. Se a Missa rezada não admitia que os trechos da Missa fossem cantados – embora admitisse cantos durante a Missa –, a Missa cantada não admitia, salvo raríssimas exceções, que houvesse trechos lidos.


Enfim, a Missa solene era aquela celebrada com a ajuda de um diácono e um subdiácono. Sempre era cantada.


Resumindo, há dois grandes tipos de Missa, sendo que um deles se divide em dois outros. O número 271 das Rubricas Gerais do Missal Romano promulgadas pelo Beato João XXIII, equivalentes à atual Instrução Geral sobre o Missal Romano, bem especificava: há a Missa lida e a cantada, e esta última, quando tem a assistência de diácono e subdiácono, chama-se solene.


Tratava-se, como visto, de uma hierarquia de solenização. Em ordem crescente: Missa rezada, Missa cantada, Missa solene.


Não se deve olvidar, outrossim, da chamada Missa pontifical, que nada mais era do que a Missa solene – cantada e com a assistência de diácono e subdiácono – celebrada pelo Bispo ou por algum Prelado com as mesmas faculdades episcopais, e com observância de uma série de cerimônias previstas nos livros litúrgicos.


Contudo, via-se, nisso, uma série de problemas. Um deles era a rigidez demasiada das rubricas, que impediam, por exemplo, que houvesse uma Missa solene, i.e., com diácono e subdiácono, rezada – e isso, por vezes, é necessário quando o clero não sabe bem cantar certas partes da Missa, mas o povo não pode se ver privado da beleza de um ofício tão bonito quanto aquele em que o diácono e o subdiácono atuam junto do sacerdote. A Missa rezada, outrossim, não admitia, como vimos, nenhum rito cantado – outra vez, poderia dar-se o caso de, em uma situação, na haver tempo ou circunstâncias que dessem causa a uma Missa toda cantada, mas certos ritos cantados talvez fossem convenientes, o que não era possível. Se houvesse diácono, então, sempre teria a Missa que ser cantada; e, se fosse rezada, nenhum rito poderia ser cantado.


A reforma de Paulo VI, ao mesmo tempo em que procurou resgatar o uso medieval do rito romano, em que a Missa mais comum era a cantada, autorizou que a Missa com diácono (não mais com subdiácono, dado que esta “ordem menor” ou “ministério” foi suprimida na mesma reforma) pudesse também ser lida, não somente cantada. De outra sorte, com vistas ao incentivo do canto gregoriano e da polifonia, para que, mesmo nas Missas mais simples algo dessa rica tradição musical ocidental pudesse ser mantida, fez constar que as celebrações lidas, meramente rezadas, pudessem não só ter cantos acompanhando os ritos, porém fossem alguns de seus trechos cantados. Bem o sabemos quanto essa intenção do Papa, na esteira do Concílio, foi solenemente ignorada pelos dessacralizadores “de plantão” – entre os quais padres e Bispos, e mesmo Cardeais: de uma simplificação de rubricas para permitir o gregoriano em todas as formas de Missa, passou-se a deixar o canto oficial da Igreja completamente esquecido, relegado aos mosteiros. A liberdade, que serviria para a maior sacralidade, foi invocada pelos progressistas para implantar sua baderna, sua babel litúrgica, totalmente na contramão do verdadeiro movimento litúrgico, que previa a popularização dos ritos – dando ao povo a chance de penetrar mais em seu espírito –, na medida em que se os solenizava. De qualquer modo, a ratio dessa simplificação era clara: flexibilizar as regras, de modo que mesmo nas Missas lidas algo de gregoriano pudesse ser cantado.


Nesse sentido, de três tipos básicos de Missa no uso tridentino, o rito romano moderno dispôs de quatro, combinando-se a Missa rezada/cantada e a Missa simples/solene. Se antes a Missa simples, sem diácono, podia ser rezada ou cantada, e a Missa solene só cantada, hoje pode haver: Missa simples rezada, Missa simples cantada, Missa solene rezada e Missa solene cantada. Cada uma delas com suas particularidades, conforme o quadro a seguir especifica:



Música

Ministros

Velas

Incenso

Missa simples rezada

Com ou sem cantos; com ou sem trechos cantos do Próprio e do Ordinário.

Sem diácono; pode haver todos os acólitos, menos o tocheiro.

No mínimo, duas. Possível de quatro a seis. Recomendado, seis, se for Domingo ou dia de preceito.

Possível.

Missa simples cantada

Toda cantada, ou quase toda cantada, exceto o trecho mais importante da Oração Eucarística, e/ou o Confiteor, e/ou trechos da Oração Universal, e/ou as leituras.

Sem diácono; pode haver todos os acólitos, menos o tocheiro.

No mínimo, duas. Recomendado de quatro a seis, em dias normais. Recomendado, seis, se for Domingo ou dia de preceito.

Recomendado.

Missa solene rezada

Com ou sem cantos; com ou sem trechos cantos do Próprio e do Ordinário.

Com diácono; pode haver todos os acólitos, inclusive o tocheiro. Presença de acólitos recomendada.

No mínimo, duas. Recomendado de quatro a seis, em dias normais. Recomendado, seis, se for Domingo ou dia de preceito.

Extremamente recomendado.

Missa solene cantada

Toda cantada, ou quase toda cantada, exceto o trecho mais importante da Oração Eucarística, e/ou o Confiteor, e/ou trechos da Oração Universal, e/ou as leituras.

Com diácono; pode haver todos os acólitos, inclusive o tocheiro. Presença de acólitos recomendada.

No mínimo, duas. Possível quatro. Recomendado seis.

Extremamente recomendado.

Missa pontifical

Toda cantada, ou quase toda cantada, exceto o trecho mais importante da Oração Eucarística, e/ou o Confiteor, e/ou trechos da Oração Universal, e/ou as leituras.

Com diácono (ou sacerdote concelebrante que lhe faça as vezes); com dois diáconos auxiliares (ou sacerdotes capelães que lhes façam as vezes). Presença de acólitos, inclusive o tocheiro, obrigatória.

Sete.

Obrigatório.


blog comments powered by Disqus
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...