Manchetes

Nosso Parceiro

quinta-feira, 3 de dezembro de 2009

Diversos grupos e soluções diante da crise litúrgica

Diante da atual crise litúrgica, com aberrações gritantes, falsas concepções acerca da liturgia católica, bagunças nas Missas, debates quanto a mutilações e acréscimos feitos pela própria autoridade eclesiástica no texto do rito, levantam-se inúmeras propostas quanto ao que fazer. As sugestões, tendências teológicas, inclinações canônicas, e preferências pessoais (baseadas ou não na realidade dos fatos), são muitas. Podem, todavia, ser agrupadas, nesse quesito, em cinco grupos:

1. Os tradicionalistas

Segundo este grupo, a solução seria simplesmente retornar à última versão do Missale Romanum codificado por São Pio V, i.e., ao texto previsto em 1962, antes da reforma litúrgica de Paulo VI. Percebem os defensores de tal tese que os missais de 1962 e de 1970, embora conservem uma essência comum, são distintos por vários acréscimos feitos, bem como mutilações e adaptações, tanto no Ordinário quanto no Próprio. A linguagem, dizem, também teria mudado. Mais ainda: o modo como foi feita a reforma do Missale Romanum, em 1970, não teria respeitado o princípio do desenvolvimento harmônico, e, portanto, tratar-se-ia mais de um rito fabricado do que uma continuidade do rito romano clássico.

Parcela dos defensores dessa tese admitem que, enquanto não se chega à situação ideal de generalizar a prática da hoje chamada forma extraordinária a ponto de se tornar o rito normativo, possa-se tolerar o rito novo.

2. Os reformistas

São os que percebem que o rito novo possui várias lacunas, como, por exemplo, a exclusão das Orações ao Pé do Altar e do Último Evangelho, de certos paramentos como o manípulo ou o pluvial no Asperges antes da Missa Dominical, a simplificação por demais radical do Ofertório, a eliminação do lecionário de São Jerônimo, a mudança brusca no calendário e em certas orações do Próprio etc. Sabem também que o desenvolvimento harmônico não foi observado em sua confecção.

Todavia, vários pontos positivos existem no rito novo, segundo este grupo: a possibilidade de se usar canto gregoriano e incenso em todas as Missas e não só nas cantadas e solenes (embora, ironicamente, na prática, se tenha excluído de nossas paróquias tanto um quanto outro), a cessação da artificial duplicação de certas cerimônias, o Ite Missa Est depois da Bênção Final, as Orações dos Fiéis, a Procissão do Ofertório, o Salmo Responsorial como opção ao Gradual, o aumento de leituras bíblicas, o Próprio para os dias de semana do Advento e mesmo novas leituras nas férias do Tempo Comum, a simplificação na gradação das festas, a valorização do Domingo etc.

Alguns sentem falta também de rubricas mais precisas e duras, que eliminem qualquer possibilidade de dupla interpretação, para que não se as possa invocar para celebrar uma liturgia de qualquer modo. A exclusão prática do latim e a popularização do “versus populum” também são pontos negativos levantados pelos reformistas.

O que propõem com base em suas teses? A chamada “reforma da reforma”. Manter os pontos positivos da reforma de Paulo VI em seu Missale Romanum de 1970, mas incorporar aqueles elementos que não se deveriam ter perdido e que se encontravam no de 1962. E que isso seja feito de modo harmônico. Primeiramente, é preciso que o rito anterior tenha ampla liberdade e divulgação, e que os padres que celebram no novo se deixem influenciar pela mente do antigo, pelos costumes, pela piedade, pelo silêncio, e tais valores sejam transportados para o novo. Depois, que se obrigue a celebrar, mesmo no novo rito, “de costas”, “versus Deum”, e ao menos certos trechos em latim. Alguns clamam que uma Missa de Domingo seja em latim, no mínimo. Terceiro, que opções sejam dadas, pelo Papa, para incorporar, aos poucos algumas cerimônias que não se deveriam ter mudado por ocasião da reforma. O resultado será que o rito antigo será a base para um rito romano unificado e que tenha os pontos positivos do novo. Em um modo de falar, teríamos o desenvolvimento harmônico do rito antigo. Por outro ponto de vista, teríamos o novo indo beber no antigo.

Enquanto a “reforma da reforma” não é feita (ao menos não como implementação de um novo código de rubricas), dedicam-se a promover, num grau maior ou menor: a) a maior disseminação possível da forma extraordinária (rito romano antigo); b) a celebração da forma ordinária (rito romano moderno) em estrita obediência às rubricas atuais, com toda a solenidade possível (belos paramentos, cantos gregorianos, polifonia sacra, música popular mais sóbria e tradicional, diáconos, incenso, Missas pontificais com o Bispo de dalmática por baixo da casula e todo o cerimonial); c) a popularização do latim e do “versus Deum” mesmo nas Missas da forma ordinária, inclusive com eventuais Missas totalmente em latim.

3. Os idealistas

Para esses, o rito novo, de Paulo VI, não precisa de reforma alguma. Está perfeito. Tudo aquilo que tradicionalistas e reformistas enxergam como mutilações ou indevidas adaptações, foi bem feito. Nada de “Orações ao Pé do Altar” ou de “Último Evangelho” mesmo. Advogam um rito romano “puro”, medieval, desfeito de tudo o que consideram “estilo barroco” ou intromissão espúria do rito galicano. Alguns são fortemente influenciados pela heresia do arqueologismo, condenada por Pio XII, embora nem todos a ela prestem adesão.

Uns poucos, mais radicais, defendem o “versus populum” como a melhor das posições, e não admitem o latim em hipótese alguma nas Missas ordinárias. A maioria, entretanto, quer esse rito “puro”, mas com boas doses de latim, de gregoriano, de incenso, e “versus Deum”.

4. Os ultramontanos radicais

Para eles, o que o Papa decretar está correto, e não se preocupam com a profundidade da discussão. Não tanto por desinteresse ou por não serem experts na questão, mas por uma visão um tanto simplória e legalista das coisas. O Papa proibiu o rito antigo? Ótimo! O Papa liberou? Ótimo! O Papa reformou a liturgia? Ótimo! Não reformou? Ótimo!

É uma distorção da virtude da obediência e do princípio de andar no passo da Igreja.

5. Os revolucionários

Para eles, a crise litúrgica não é verdadeira crise. O problema é justamente a insistência dos conservadores (tradicionalistas, reformistas, idealistas e ultramontanos radicais).

Nesse grupo estão os liberais, os modernistas, os que acham que mesmo o Missale Romanum de 1970 fez pouco, e o tem apenas como um guia. Vão sempre além: aposentam a casula, ignoram o latim e o canto gregoriano, advogam o folk-pop e o rock romântico açucarado na Missa, sequer cogitam celebrar com incenso, consideram uma piada de mau gosto o “versus Deum”, colocam aqui e acolá elementos não previstos (cartazes na procissão de entrada, uma árvore no altar quando o Evangelho fala da videira e dos ramos, aplausos ritmados acompanhando as músicas), colocam leigos para fazer funções sacerdotais, rompem completamente com a tradição litúrgica, defendem a “Missa afro”, a “Missa crioula”, a “Missa funk”.

Claro que nem todos defendem todos esses bizarros elementos. Sua mentalidade é tão liberal que se dão ao luxo de escolher, entre os acima listados e outros mais (pois distorcem a sadia criatividade e mesmo o princípio da “actuosa participatio”), os elementos que vão adotar ou que acham corretos.

-----

Pessoalmente, estou no grupo 2, dos reformistas. E tu?

16 comentários:

  1. Olha, analisando com cuidado e desprendido de qualquer "tendencia" eu fico com o grupo 2 e - sem querer ser o dono da verdade -, repudio o grupo 5. E aliás, este grupo 5 está deteriorando todo sentido sacrificial da Santa Missa e tem o apoio de muitos sacerdotes. Está infestando 95% das paróquias da minha cidade.

    Rodney

    ResponderExcluir
  2. Eu me encaixo no grupo 2 .... embora o grupo 5 atinja, acredito eu, 100% das paróquias de minha cidade...

    ResponderExcluir
  3. Por que na Missa antiga o "Ite Missa est" é antes da bênção final?

    ResponderExcluir
  4. Também me enquadraria no grupo 2. Encontro, porém, em minha cidade e diocese todas as paróquias,padres e muitos leigos, para não dizer todos, no grupo 5, muito sem se darem conta disso. E, infelizmente, não sei o que pode ser feito a este respeito.

    ResponderExcluir
  5. Eu fico no grupo 2.
    Sempre gostei de paramentos liturgicos belos, inclusive com a graça de Deus, mandei fazer alguns para minha paróquia(apesar do meu pároco dizer que o Vaticano II aboliu o uso da casula e justamente por isso ele não as usa)e se Deus me permitir vou mandar fazer mais no ano que vem (aproveitando que o meu pároco será outro que valoriza os símbolos liturgicos e assim se Deus quiser em 2010 a minha paróquia vai iniciar de vez a Reforma da reforma).
    Jean

    ResponderExcluir
  6. Eu li e não me achei enquadrado em nenhum grupo.

    Digamos que eu sou do grupo 1 com fortes tendências para o grupo 2(rsrs)

    Explico-me: eu não considero o Rito de Paulo VI como algo mau em si mesmo, pelo contrário, ele é um bom rito.

    No entanto considero o Rito de São Pio V melhor em todos os aspectos...

    Ora, entre o bom e o melhor, se escolhe obviamente a segunda opção.

    No entanto, por reconhecer que não seja possível uma retomada total do rito tradicional, eu defendo a reforma do rito novo e que ele seja cada vez melhor celebrado, bebendo cada vez mais da fonte do rito tradicional (pensamento semelhante ao do gupo 2)

    ResponderExcluir
  7. eu fico no grupo 4, a melhor opção é obedecer a igreja. que se celebre a santa missa nos dois ritos com dignidade.

    ResponderExcluir
  8. Eu não sei ainda em quais grupos me enquadrar, alias, eu não sei se querer uma missa bem celebrada é querer ser tradicionalista, reformista, etc...
    Gosto da missa tanto no rito extraordinário como no ordinário, só não gosto de missas mal celebradas, barulho alto de instrumentos, leitores sem dicção ao proferir as leituras, comentáristas que parecem papagaio de pirata e dos leigos que acham que o presbitério é balcão de informações onde quem não está exercendo funções na celebração podem subir a hora que querem pra falar com o padre ou algum leigo em particular, mandar o ciclano do carro cinza da placa tal tirar o veiculo do estacionamento, etc. Também não gosto de homilias onde vc percebe claramente que o padre tira o seu sermão do que lhe vem na cabeça na hora de falar sem ter ao menos preparado ela antes, e pior, acaba falando de tudo e de todos, menos das leituras e do evangelho.
    As vezes eu tenho a impressão de que alguns padres não gostam de celebrar e o fazem por obrigação, sei lá....

    ResponderExcluir
  9. Eu me incluo entre os reformistas. Mas que os revolucinários estão presentes na maioria das paroquias e dioceses do Brasil não há a menor duvida.

    ResponderExcluir
  10. Estou também no grupo 2. Entretanto, ainda não compreendo bem as Orações dos Fiéis, tenho ainda dúvidas de que tenha sido uma adoção positiva do rito novo. Nos outros pontos estou muito de acordo.

    ResponderExcluir
  11. Eu me encontro oscilante entre os grupos 1 e 2.
    Na minha diocese não acontecem tantos abusos e as aberrações são raríssimas, porém ainda falta muito o q mudar e se aprimorar, como a popularização da latim e do versus deum, além do silêncio sacro e da piedade.

    ResponderExcluir
  12. O grupo 4 é o mais pratico para quem não conhece muito. Mas na forma que vcs colocam, faz-me sentir um pateta por obedecer ao Santo Padre e confiar nele. É "Ultramontanismo radical" confiar no papa???

    ResponderExcluir
  13. Anônimo,

    Ninguém disse para não obedecer nem confiar no Papa. É por isso que temos que diferenciar o ultramontanismo do ultramontanismo RADICAL. Lê de novo: eu deixei BEM CLARO que o erro está na VISÃO SIMPLÓRIA das coisas, e não na confiança. Quem não conhece o assunto é evidente que não se encaixa nesse grupo. De qualquer modo, eu deixei NOVAMENTE BEM CLARO que, entre as tendências, há distinções, nuances, que devem ser consideradas. Não leste direito, meu caro.

    ResponderExcluir
  14. Aqueles que não entram na discussão e preferem se abster de se enquadrar em algum grupo, quer por terem outras prioridades espirituais, doutrinárias e apostólicas, quer simplesmente por não se interessarem tanto no debate, simplesmente obedecendo a confiando NÃO podem ser enquadrados no grupo 4, dos ultramontanos RADICAIS. Na lista acima, coloquei apenas os grupos que DEBATEM sobre a reforma, não o conjunto total dos católicos. Muitos fiéis, padres e Bispos podem não estar em nenhum desses grupos.

    ResponderExcluir
  15. Fico anonimamente no meu grupo. Algo entre o 1 e o 2, tendendo mais para o 1.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...