Manchetes

sexta-feira, 16 de julho de 2010

Características da espiritualidade litúrgica

A Igreja manifesta na liturgia uma espiritualidade própria e as características peculiares desta espiritualidade pertencem ao tesouro da vida espiritual cristã. Examinemos quais são as características principais desta espiritualidade:

1- Espiritualidade bíblica

A espiritualidade litúrgica é fundamentalmente bíblica. A liturgia não somente se serve constantemente da Sagrada Escritura, mas não pode prescindir dela, porque é a Palavra de Deus que prepara e explica a ação litúrgica no seu sentido e no seu valor eminentemente salvífico. O que é anunciado pela Palavra é levado a termo no ato sacramental. A Palavra de Deus na liturgia deixa de ser uma 'palavra escrita', morta, para assumir sempre mais a função de anúncio-proclamação de um acontecimento salvífico. Em outras palavras, o acontecimento que 'se lê' na Escritura é o mesmo que 'se realiza' na liturgia. Portanto, o Lecionário da Missa e o da Liturgia das Horas, além de serem os principais livros de meditação e de oração propostos à comunidade dos fiéis, são o anúncio permanente da salvação presente e atuante no mistério litúrgico.
Precisamente porque bíblica, a espiritualidade litúrgica é histórica e profética. Ela é sensível ao sentido salvífico dos acontecimentos da história do povo de Deus, especialmente da vida de Cristo, na qual continua a atuar o mistério divino da salvação (cf. Ef 3, 3-11). De fato, a liturgia repropõe o acontecimento salvífico, que tem como centro o Cristo morto e ressuscitado, com as suas leis objetivas de preparação, de crescimento na vida do homem, de remate e de projeção para o Reino. O fato histórico proposto não está fechado em si mesmo e proposto como tal, mas é oferecido em vista do seu envolvimento na situação existencial do crente; isto é, o acontecimento histórico tem a sua especificidade soteriológica , sua finalidade histórica.

2- Espiritualidade cristológica

A liturgia abrange todas as dimensões da história salvífica reunidas e centradas em Cristo. Todo o acontecimento Cristo é levado em consideração, da Encarnação até a sua volta gloriosa, no fim da história. O mistério de Jesus não pode ficar reduzido aos acontecimentos da sua vida terrestre. Jesus está vivo na glória do Pai. Cristo está presente na Igreja que Ele vivifica e conserva no Espírito Santo. A Liturgia cristã é, portanto, uma cristologia 'extensiva', que recapitula em si toda a história humana e cósmica. A liturgia, manifestando fielmente essa visão do Mistério de Cristo, revela, anuncia e torna presente no tempo e no espaço a sua força salvífica.



Parte-se de Cristo, mas atinge-se necessariamente a Trindade inteira. O Pai de quem Cristo é Revelador; o Espírito que Ele promete e envia. A espiritualidade litúrgica manisfesta continuamente, desta forma, a dimensão trinitária do Mistério da Salvação. Por conseguinte, a liturgia é uma escola na qual se aprende o Plano de Salvação que existe desde a eternidade em Deus e o modo da sua atuação, antes em Cristo e depois, por meio do Espírito, em nós.

3- Espiritualidade eclesial e sacramental

Na assembléia litúrgica a Igreja encontra a sua forma concreta de localização, pela qual nós, batizados, reunidos em assembléia, tomamos consciência e nos realizamos como Igreja que existe em determinado lugar e que aí tem o dever do testemunho e da missão. A Igreja destaca a dimensão comunitária da experiência cristã com a frequente referência a uma multiplicidade de imagens: povo, rebanho, família, etc. Além disso, os textos litúrgicos nos introduzem no caráter 'mistérico' da Igreja, já definida por Pio XII como Corpo Místico de Cristo. Ela é também Esposa de Cristo, nossa Mãe, nova Eva, Cidade Santa, Jerusalém Celeste, Reino de Deus, Casa de Deus, etc. A dimensão eclesiológica da liturgia torna-se evidente, especialmente na celebração dos sacramentos, dos quais a Igreja é depositária e dispensadora.

Os sacramentos da Igreja, que constituem a liturgia, são meios de participação direta e eficaz (ex opere operato) nos atos redentores de Cristo, especialmente pela sua morte e ressurreição. Deles nasce uma assimilação com a pessoa de Cristo, ou 'imitação' na própria vida dos mistérios celebrados na liturgia. É um assunto que aparece em muitas orações: imitar ou testemunhar nas obras o que é celebrado no sacramento. Assim, por exemplo, a oração da Coleta da sexta-feira na Oitava da Páscoa: "Concede-nos testemunhar na vida o mistério que celebramos na fé". Neste sentido, a espiritualidade litúrgica se transforma num estímulo permanente para o fiel tornar conforme à sua vida aquilo que está celebrando. Esta verdade é assimilada corretamente somente se considerarmos o sacramento como um encontro objetivo e eficaz de salvação com Cristo, encontro que transforma e renova o cristão. De fato, o cristão pode completar a Paixão de Cristo (ação moral) porque ela já existe inicialmente nele como realidade sacramental (ser cristão). O sacramento, portanto, não deve ser considerado principalmente como um meio para realizar um contato, de qualquer modo, com a pessoa de Cristo, especialmente com o objetivo de estabelecer um 'colóquio' interior com ele, dimensão procurada em certa espécie de espiritualidade; mas, é considerado como o ponto de inserção, que, ao mesmo tempo, é a comunicação do Mistério e razão de assimilação a Cristo justamente na perspectiva do Mistério comunicado.

4- A espiritualidade pascal

A espiritualidade litúrgica se baseia no Mistério Pascal enquanto ele é a síntese de toda a revelação-salvação. De fato, sob o denominador comum de "Páscoa" na Sagrada Escritura, praticamente, aparece, toda a revelação-atuação, tanto profética quanto definitiva, do plano da salvação humana, existente no desígnio de Deus desde toda a eternidade. A História da Salvação, que se concretizou no Mistério de Cristo, encontra o seu acabamento, a sua realização e o seu centro na Páscoa. Esta visão unitária do mistério salvífico, que tem como centro a Páscoa, não existe somente na Bíblia e na história salvífica por ela narrada, mas está presente na liturgia, que sempre é celebração do Mistério Pascal.



Segundo o Novo Testamento e a mistagogia dos Padres da Igreja, a vida cristã consiste na realização da vivência cotidiana da morte e ressureição de Cristo, que se realizou em nós, sacramentalmente na imersão e na emersão batismal e da qual nos nutrimos no banquete pascal, renunciando cada dia ao pecado para viver em novidade de liberdade (cf. Rm 6, 3-11). A liturgia, portanto, na sua essência, nos transmite a tendência para fazer-nos viver a salvação-mistério pascal em cada um dos seus momentos e consegue isso realizando em nós mesmo Mistério Pascal reproduzido no seu momento culminante: morte e ressurreição de Cristo.

O dinamismo pascal projeta, por sua vez, a nossa vida para o completo aperfeiçoamento da obra redentora. Daqui, origina-se também a dimensão escatológica da espiritualidade litúrgica.

5- A espiritualidade mistagógica

A liturgia não é a ocasião para apresentar uma idéia para despertar a atenção dos participantes ou para oferecer a eles um exemplo moral a ser imitado, mas é o momento indicado para entrar em contato com o 'mysterium salutis' de Deus, o Mistério de Cristo, chamado a tranformar nossa vida. Neste sentido, afirmamos que a liturgia é mistagogia. De fato, para os Padres da Igreja, a mistagogia é "um ensinamento destinado a provocar a compreensão do que os sacramentos significam para a vida, mas que pressupõe a iluminação da fé, que brota dos próprios sacramentos; é o que se aprende na celebração ritual dos sacramentos e o que se aprende vivendo conforme aquilo que os sacramentos significam para a vida". O método mistagógico usado pelos Padres da Igreja, identifica, portanto, três elementos: a valorização dos sinais na liturgia; a interpretação dos ritos à luz da Sagrada Escritura, na perspectiva da história da salvação; a abertura para o compromisso cristão e eclesial, expressão da vida nova em Cristo.

As celebrações litúrgicas que sucedem ao longo do ano litúrgico objetivam permitir-nos compreender e viver sempre em mais profunda plenitude o mistério de Cristo, atualizado pelos sacramentos. Daqui resulta a dimensão mística da espiritualidade litúrgica no sentido mais autêntico da palavra, isto é, como atualização do mistério celebrado na vida do cristão. O mistério que celebramos na liturgia é o dom da vida , escondido nos séculos em Deus, que ele quis manifestar e comunicar aos homens no seu Filho, morto e ressuscitado, com a efusão do Espírito Santo.
blog comments powered by Disqus
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...