Manchetes

Nosso Parceiro

sábado, 5 de março de 2011

Reflexões sobre a Sagrada Comunhão


De que devemos primeiramente considerar a imensidade desse mistério: É admirável a obra de Deus na Criação e de como Ele maravilhosamente fez a Criação toda retamente ordenada, como uma bela rosácea de uma Catedral. Mas no mistério da Sagrada Eucaristia, Deus fez algo mais excelso do que todas as obras da Criação, Deus fez com que a substância de pão e de vinho se transformasse em Si mesmo! Os hebreus comiam da carne de seus animais oferecidos a Deus, mas nós... nós comemos da carne do próprio Deus que se oferece a Si próprio por nós! Na Sagrada Comunhão, tornam-se mais intensas aquelas palavras de São Paulo sobre a recapitulação de todas as coisas em Cristo posto que nós nos unimos a Cristo e com Ele nos oferecemos ao Pai, de forma que em Cristo, Deus e Homem verdadeiro, tudo convirja para Deus. Considerai que Jesus Cristo, que é Deus infinitamente feliz e perfeito no Céu quis fazer se nós Sua Morada. Jesus quer assentar-se como rei em nossos corações tal como senta-se no Trono Celeste sobre os Querubins. Considerai que sob o véu do pão e do vinho, recebemos o mesmo Cristo nascido da Virgem Maria em Belém, padecido na Cruz, ressuscitado e que assentou-se glorioso à destra do Pai. Aquele que os profetas ardentemente e ansiosamente desejaram nós o agora o recebemos, fazendo de nosso corpo e nossa alma um Templo Sagrado, um Palácio, um Paraíso para o Rei de imensa e tremenda majestade! Não há no mundo graça mais excelsa! Com razão disse o Angélico Doutor que se compreendêssemos verdadeiramente esse insondável mistério, morreríamos de amor.

De como devemos proceder na Sagrada Comunhão: Considerando, pois a imensidade desse santo dom, que é o próprio Senhor dos Senhores que vive e reina por toda a eternidade, quem ousaria aproximar-se da Sagrada Mesa sem antes examinar sua consciência? Se comermos da carne do Senhor e bebermos de Seu sangue sem distinguir, ou seja, sem reconhecermos a grandeza do Senhor que recebemos, estaríamos comendo e bebendo nossa própria condenação, dado que estaríamos cometendo um sacrilégio. Se tivermos, portanto algum pecado grave na consciência devemos primeiramente buscar o perdão de Deus no sacramento da confissão para que possamos receber o Senhor glorioso em Corpo, Sangue, Alma e Divindade como Rei e Senhor de nossa alma, nossa mente e nosso coração. Procedamos também com reverência, lembrando o conselho de Santo Agostinho “que ninguém coma dessa carne sem antes ter adorado”. Não façais como muitos que recebem este Admirável Sacramento com a mesma indiferença que receberiam em sua mão uma mera bolacha ou uma moeda! Recebei-O com reverência profunda interna e externa, sabendo que vais conter em ti Aquele que o Universo inteiro não pode conter! De preferência recebei o Cristo Eucarístico de joelhos e deixai que o sacerdote mesmo o coloque em tua boca. Reconhece-te pequeno diante do Senhor, deixai-te alimentar qual uma criança, pois se não te fizerdes criança não poderás entrar no Reino de Deus! Comunga sempre como se fosse a última comunhão de tua vida, e tratai ao Senhor com a mesma adoração e reverência que o faria se o visse vindo em Sua glória sobre as nuvens do Céu, escoltado pelas milícias celestes. Toda vez que o Senhor se faz presente sob as espécies eucarísticas Ele em certa medida antecipa a sua Parousia e a realização plena de Seu Reino sem fim. Por fim, paguemos amor com amor, recebendo com muito amor Aquele que nos amou primeiro e, amando-nos, amou-nos até o fim.

Do que devemos dizer ao Senhor quando estivermos unidos a Ele: Quando estivermos unidos a Cristo, devemos dizer que desejaríamos poder corresponder ao seu amor. Ofereçamo-nos também ao Pai Celeste juntamente com Jesus eucarístico pela salvação e redenção de todos os homens. Peçamos ao Senhor como São Boaventura para que Ele fira o nosso coração com o salutar dardo de sua abrasada Caridade! Digamos-Lhe que cremos de coração e confessamos com a língua que Ele está real e substancialmente presente neste admirável Sacramento tal como está glorioso reinando nos Céus! E assim, renovemos nossa Fé, Esperança e Caridade nEle e Lhe roguemos para que Ele aumente nossa Fé, nossa Esperança e nossa Caridade, reconhecendo-nos totalmente dependentes de necessitados dEle. Ofereçamos também a Hóstia Divina como desagravo pelos pecados nossos e dos demais homens, principalmente pelos pecados cometidos contra o Sagrado Coração de Jesus e o Imaculado Coração de Jesus. Roguemos a Jesus, manso e humilde de coração, que faça nosso coração semelhante ao Seu. Peçamos primeiramente pelas necessidades da Santa Igreja, em especial do Papa, do Bispo de nossa diocese, de nosso pároco... peçamos depois a conversão dos que estão afastados da Igreja e de todos nós, pecadores. Depois peçamos pelas almas do purgatório. Por fim, peçamos por nossa pátria e pelas necessidades materiais e espirituais de todos os homens (nesse caso, podemos nomear em especial algumas pessoas queridas ou que sabemos muito necessitadas). Depois, façamos uma profunda ação de graças. Rendamos graças primeiramente por termos podido assistir ao Santo Sacrifício da Missa. Depois rendamos graças pela Comunhão e peçamos que ela seja para nós remédio para nossas enfermidades e sustento para nossa vida. Depois rendamos graças a Deus por todos os benefícios que concede a nós e a todas as pessoas (podemos nesse momento também nomear em especial algumas graças... o alívio de uma necessidade, a solução de um problema, as amizades confortantes e edificantes, as oportunidades de boas leituras ou boas conversas que tivemos, os momentos de oração...). Depois finalmente, rendamos Glória a Deus, unidos intimamente a Jesus, podendo recitar mentalmente o final do hino do Glória tu solus Sanctus tu solus Dominus tu solus Altissimus Iesu Christe cum Sancto Spirito in Gloria Dei Patris. Amen.

Das Graças que recebemos na Sagrada Comunhão: Quanto mais comunhões fizermos com devoção, mais graças poderemos receber. A comunhão freqüente é muito útil e salutar para o fortalecimento das virtudes, o domínio dos vícios e a constância na vida espiritual. Se porventura não pudermos comungar quotidianamente, nos dias em que estivermos afastados da comunhão eucarística, façamos um ato de comunhão espiritual, dizendo mentalmente a Jesus o quanto o amamos e o desejamos unirmo-nos a Ele e expressando-Lhe o desejo de recebê-lo com a mesma pureza, humildade e devoção com que o recebeu a Santíssima Virgem Maria, com o espírito e o fervor dos santos. Busquemos comungar quanto mais dias forem possíveis, para que o Pão Vivo descido do Céu seja cada vez mais o nosso “pão nosso de cada dia”.


blog comments powered by Disqus
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...