Manchetes

Nosso Parceiro

segunda-feira, 2 de maio de 2011

Toledo, Espanha: Solene Ação Litúrgica de Sexta-feira Santa na forma extraordinária – com breves explicações sobre os paramentos

Celebrada pela Fraternidade de Santa Maria Rainha, na Igreja de São Salvador. Reparem que a cor litúrgica da primeira parte da liturgia é o negro, e da segunda o roxo. Outra distinção é que se usa pluvial na primeira parte, e casula na segunda. No rito novo, a cor é uma só, e vermelha, e se usa só casula, não pluvial.

Bem que a reforma da reforma poderia resgatar essa distinção, que tem uma razão de ser: separar bem a “Missa dos Pré-Santificados” (Pater, Comunhão, Pós-Comunhão), em que se usa casula, e a Adoração da Cruz, Leitura da Paixão e Impropérios, em que se usa pluvial por ser outra cerimônia, ainda que unida, ligada. A diferença de cores também indica que o preto é o luto pela morte de Cruz, e o roxo um início de alegria (o roxo é mais claro do que o preto, e é, em uma espécie de escala penitencial, mais suave do que ele) pela Comunhão do Corpo e Sangue do Senhor. Bugnini não andou bem, como de costume, ao simplificar demais e eliminar essas riquezas simbólicas. Ademais, o preto e o roxo são bem mais significativos do que o vermelho: a morte de Cristo não foi um martírio para se celebrar com a cor vermelha; Ele mesmo Se entregou.

Todavia, na questão dos paramentos, no tridentino, igual ao rito novo, se retira a casula/pluvial para a adoração da Cruz, porém, ao contrário deste, se retira também na prostração inicial.

 


 

 

 

 

 




 

 

 

 

 

blog comments powered by Disqus
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...