Manchetes

Nosso Parceiro

segunda-feira, 20 de junho de 2011

O Sacerdote na Celebração Eucarística de Corpus Christi

8970F393230148858E912F5031CF1654

O Sacerdote na Celebração Eucarística de Corpus Christi

(tradução dos Estudos do Oficio das Celebrações Litúrgicas do Sumo Pontifice)

Original em: http://www.vatican.va/news_services/liturgy/details/ns_lit_doc_20100608_sac-corpus-domini_it.html

A Solenidade do Santíssimo Corpo e Sangue de Cristo, nas palavras do Papa Bento XVI, "convida-nos a contemplar o mistério supremo da nossa fé: a Santíssima Eucaristia, presença real do Senhor Jesus Cristo no Sacramento do Altar. Cada vez que o sacerdote renova o sacrifício eucarístico, na oração da consagração, ele repete: "Este é o meu corpo ... este é o meu sangue ". Ele empresta sua voz, as mãos e o coração a Cristo, que quis permanecer conosco e ser o coração da Igreja "[1].

1. As origens da festa de Corpus Christi [2]

As origens remotas da festa de Corpus Christi está localizado no desenvolvimento do culto da Eucaristia, na Idade Média. As disputas doutrinárias entre Pascasio Radbertus († 865) e Ratramno de Corbie († 868), e especialmente entre Berengário de Tours († 1088) e Lanfranco de Pavia († 1089), levaram a um esclarecimento da doutrina sobre a Presença Real de Cristo no Sacramento e, portanto, um culto sincero e generalizado da Eucaristia.

No século XIII, manifesta-se um movimento mais amplo de devoção eucarística entre as pessoas e também entre os teólogos, com um forte contributo da nova ordem franciscana. O IV Concílio de Latrão (1215), afirmando a doutrina da Igreja com a fórmula da transubstanciação do pão e do vinho no Corpo e Sangue de Cristo, levou ao desenvolvimento do culto eucarístico. O próprio Conselho prescrita a obrigação da comunhão pascal anual da Eucaristia e da habitação em um local seguro [3]. E na liturgia disseminar a prática de elevar a hóstia e o cálice durante a Missa para os fiéis o desejo de ver e de adorar as espécies consagradas.

A solene celebração de Corpus Christi, tal como a conhecemos hoje, é devido à inspiração da religiosa flamenga Santa Juliana de Cornillon (1191-1258). A festa, fundada na diocese de Liège, na Bélgica actual, em 1246 e espalhou-se rapidamente, graças aos esforços do flamengo James Pantaleone de Troyes, mais tarde eleito Papa Urbano IV (1261-1264). Ele incluiu a festa no calendário litúrgico com a Transiturus de hoc mundo, 11 de agosto, 1264 [4]. No entanto, devido a diferentes eventos, era celebrada em toda a Igreja somente após o Concílio de Viena (1311-1312).

De acordo com a vida de Santa Juliana, o próprio Cristo disse que o principal motivo para querer que esta nova festa, era para recordar a instituição do Sacramento do seu Corpo e Sangue de maneira particularmente solene, o que não era possível na Quinta-Feira Santa, quando o liturgia é marcada pela lava-pés e pela Paixão do Senhor. Este festa seria um aumento de fé e de graça para os cristãos que incentivados a participar com mais atenção ao contrario do que ocorre em dias normais, com menos devoção, ou mesmo por negligência.

A festa foi marcada para quinta-feira após a oitava de Pentecostes, a primeira quinta-feira após a Páscoa, de acordo com o calendário litúrgico dell'usus antiquior. A festa é tão claramente ligada à Quinta-Feira Santa, e manifesta o seu caráter essencial: "Na festa de Corpus Christi, a Igreja revive o mistério da Quinta-Feira Santa à luz da Ressurreição" [5].

2. A Missa

Apesar das duvidas de historiadores, foi confirmado por pesquisas recentes que a Missa e o Ofício de Corpus Christi foram compostos por São Tomás de Aquino, sob as ordens do Papa Urbano IV. A missa original permaneceu a mesma nas várias edições do Missal Romano até os anos cinquenta do século XX, com a excepção do “tropo” do Kyrie [6] (retirado de uma fonte mais antiga), que havia desaparecido no Missal de São Pio V ( 1570).

Para a epístola escolheu-se a a criação da Instituiçào da Eucaristia do Apóstolo Paulo (1 Coríntios 11,23-29), em uma versão mais curta do mesmo texto, que é usado durante a Missa da Ceia do Senhor na Quinta-feira Santa (1 Cor 11 20-32). Esse quadro também faz parte do Evangelho (Jo 6,56-59) a partir do grande "discurso eucarístico" de Jesus, que segue o milagre da multiplicação dos pães.

Além das orações habituais e antífonas, a Missa contenha uma longa seqüência, também “dell’Aquinate”, o Lauda Sion. Essa seqüência é um belo exemplo de como a lex credenti se exprime na lex orandi, como mencionado Bento XVI:

"Temos apenas cantado a seqüência:" “Dogma datur christianis, / quod in carnem transit panis, / et vinum in sanguinem - É a verdade de cada cristão / transforma o pão em carne e o sangue torna-se o vinho ". Hoje reafirmamos com alegria nossa fé na Eucaristia, no mistério que constitui o coração da Igreja. [...] Portanto a festa de Corpus Christi é um festa singular, um importante ponto da fé e hoje de louvor para toda comunidade cristã. Esta festa teve origem num determinado contexto histórico e cultural: é fundada com a finalidade específica de reafirmar abertamente a fé do Povo de Deus em Jesus Cristo, vivo e realmente presente no Santíssimo Sacramento da Eucaristia. É uma festa criada para adorar, louvar e agradecer ao Senhor, "no sacramento da Eucaristia continua a amar-nos « até ao fim ", mesmo com o sacrifício de seu corpo e seu sangue" (Sacramentum caritatis, 1) [7].

São Tomás de Aquino a quem se atribuíu à missa de Corpus Christi e o Prefácio do Natal do Senhor: " No mistério da encarnação de vosso Filho, nova luz da vossa glória brilhou para nós. E, reconhecendo a Jesus como Deus visível a nossos olhos, aprendemos a amar nele a divindade que não vemos”. [8]. Esta escolha é importante, pois estabelece uma íntima conexão entre o mistério da Encarnação e da Transubstanciação: no Sacramento é real e substancialmente presente, o Cristo vivo, o Corpo, Sangue, Alma e Divindade.

No Missal Romano de 1962, que atualmente é normativo para a forma extraordinária do Rito Romano, o Prefácio da Natividade foi substituído pelo comum. No entanto, em 1962, quatro novos prefácios foram aprovados para algumas dioceses, incluindo um prefácio do Santíssimo Sacramento, também usado para Corpus Christi.

No Missal Romano de 1970 e nas posteriores edições típicas, os textos da festa permaneceram essencialmente os mesmos, mas foi atribuído o novo prefácio da Santíssima Eucaristia. A diferença principal é o enriquecimento com a segunda leitura no ciclo de três anos (Ano A: Dt 8,2-3.14 b-16, 1 Cor 10,16-17, Jo 6:51-58; Ano B: 24,3 Es -8, Hb 9,11-15, Mc 14,12-16.22-26, Ano C: Gn 14,18-20, 1Cor 11,23-26, Lc 9,11-17).

3. A Procissão

Em todo o mundo, Corpus Christi é marcado pela procissão eucarística solene que segue após a missa. Também a festa, se recorda a celebração da Quinta-Feira Santa, que termina com a procissão eucarística até o altar da reposição. Deve-se notar, contudo, que a procissão de Quinta-feira Santa lembra o êxodo do Senhor no cenaculo para a solidão do Monte das Oliveiras, onde ele foi traído por Judas, e, portanto, tem um aspecto escuro e triste, é a noite que leva à Paixão Sexta-feira Santa. Em vez disso, a procissão eucarística de Corpus Christi é realizada à luz alegre da Ressurreição. Ao portar Cristo Sacramentado pelas cidades e aldeias, campos e lagos, a Igreja age "em obediência ao convite de Jesus para" proclamar de cima dos telhados "que ele nos contou em segredo (cf. Mt 10:27) . O dom da Eucaristia, os Apóstolos receberam do Senhor na intimidade da Última Ceia, mas era destinado a todos, a todo o mundo "[9].

Na solene celebração de Corpus Christi, em muitas paróquias e comunidades católicas, se expressa a alegria da fé, na qual Bento XVI, como teólogo e como papa, muitas vezes refletiu: a força com que a verdade da fé cristã se faz, deve ser a maneira de alegria com a qual se manifesta. Esta alegria é uma alegria pascal, enraizada de fato em Cristo, ressuscitado dentre os mortos. A Igreja tem necessidade de aproveitar todo o esplendor da beleza, de expressar esta alegria suprema.

Não devemos perder a coragem de insistir sobre a prioridade do culto divino, ultrapassando assim uma restrita interpretação moralista e legalista do cristianismo. Bento XVI dá o exemplo, porque é profundamente convencido de que "a lei e a moral não caminham juntos se não estiverem ancoradas no centro litúrgico e não se aspiram" [10]. A adoração, que se expressa de modo particular na Missa e da Procissão de Corpus Christi, é constitutiva da relação do homem com Deus e da direta existência humana no mundo.

Neste ano sacerdotal * , o ministro do Santíssimo Sacramento tem uma razão para voltar a meditar sobre a incomparável dignidade, que foram chamados por vocação divina. Sendo sacerdotes ordenados tem uma referência fundamental e insubstituível para o poder de consagrar a Eucaristia. Por várias razões que são de fundo teológico para a alegria de todo cristão diante do dom da Eucaristia, o sacerdote acrescenta ainda à sua forma - e certamente humanamente imerecida – Ao Cristo Sacerdote, que está verdadeiramente presente no Santíssimo Sacramento do Altar. Queremos, portanto, que sacerdotes de todo o mundo vivam a procissão de Corpus Christi como um tempo de adoração, contemplação e reflexão sobre o grande mistério que se torna presente de novo no mundo através de suas mãos, ungidas um dia com o santo crisma, para poder consagrar e tocar o Corpo sacramentado de Cristo.

(*considera-se que o presente estudo foi escrito no decorrer do Ano Sacerdotal 2009-2010)

Notas

1) Bento XVI, Angelus (10 giugno 2007).

2) Cf. L. Pristas, «The Calendar and Corpus Christi: An Historical and Theological Consideration of the Church’s Sacred Year», in U. M. Lang (ed.), The Genius of the Roman Rite: Historical, Theological and Pastoral Perspectives on Catholic Liturgy, Hillenbrand Books, Chicago 2010, pp. 159-178.

3) Concilio Lateranense IV (1215), Constitutiones, 20. De chrismate et eucharistia sub sera conservanda: in Conciliorum Oecumenicorum Decreta, p. 244.

4) Cf. DS 846-847.

5) Bento XVI, Omelia nella Solennità del SS.mo Corpo e Sangue di Cristo (26 maggio 2005). Hoje, em muitos países onde a quinta-feira não é um feriado, a festa de Corpus Christi é celebrada no domingo seguinte.

6) Com essa expressão se entende a ínvocação do «Kyrie, eleison» acompanhada de um verso introdutorio chamado «tropo», por ex.: «Senhor, que viestes salvar, os corações arrependidos, , tente piedade de nós».

7) Bento XVI, Omelia nella Solennità del SS.mo Corpo e Sangue di Cristo (7 giugno 2007).

8) «Quia per incarnati Verbi mysterium nova mentis nostrae oculis lux caritatis infulsit: ut dum visibiliter Deum cognoscimus, per hunc in invisibilium amorem rapiamur».

9) Bento XVI, Omelia nella Solennità del SS.mo Corpo e Sangue di Cristo (7 giugno 2007).

10) J. Ratzinger, Introduzione allo spirito della liturgia, San Paolo, Cinisello Balsamo 2001, p. 16.

blog comments powered by Disqus
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...