Manchetes

Nosso Parceiro

domingo, 22 de abril de 2012

Reforma da reforma e o sacramento do Batismo

Mais um artigo de nossa despretensiosa série sobre uma futura unificação das formas do rito romano, conduzindo o mundo católico a uma normalidade litúrgica. Desta vez, teceremos comentários a respeito das cerimônias que cercam o Batismo.

Dia desses, meu segundo filho, Bento, foi batizado. Usamos a forma extraordinária, em vernáculo e latim. Minha primeira filha, Maria Antônia fora batizada pela forma ordinária, igualmente em vernáculo e latim. A comparação entre as duas formas foi inevitável.

Em um primeiro momento, confesso que fiquei muito feliz ao ver um libanês pelotense, ministro extraordinário da Comunhão, que acompanhou o batizado do Bento, no batistério da Catedral Metropolitana de Pelotas, RS, para depois fechar a igreja, nos dizer: "Que lindo o ritual antigo... Parece muito o meu rito maronita." De fato: os ritos tradicionais, ainda que diferentes em muitos aspectos uns dos outros, parecem falar a mesma linguagem, por serem naturais, orgânicos e não criação de liturgistas de laboratório.

Há muitos elementos da forma extraordinária do Batismo que deveriam ser aproveitados em uma unificação litúrgica romana: o uso de duas estolas, roxa para a primeira parte, e branca ou doutorada para a segunda, indicando que o candidato ainda não é filho de Deus e está se penitenciando; o início do Batismo obrigatoriamente fora da igreja (e sua entrada será triunfal e simbólica da entrada na Igreja Católica); os diversos exorcismos; a profundidade dos textos das orações e monições; as duas profissões de fé (uma para a assembléia, que reafirma que crê, e outra para o batizando, que responde pela boca dos pais e padrinhos); a estola roxa sendo colocada sobre o ombro esquerdo do batizando ao entrar na igreja (mostrando que a Igreja o acompanha com a penitência, e que ele, o batizando, é penitente e se "veste" de roxo, quase como o sacerdote, nos ritos orientais, sobrepondo a estola sobre quem se confessa para indicar o poder sacerdotal de absolver pecados).

Entretanto, não há que se negar que na forma ordinária existem elementos positivos: as leituras bíblicas (não com tantas opções como é hoje, frise-se, para que não se dê aquele clima de liberdade excessiva e muita escolha, que tanto ajudam a dessacralizar o rito e a transmitir a idéia de que se pode fazer qualquer coisa), o canto de um hino ao Espírito Santo (mas que seja fixado um, o Veni Creator, e não dando espaço para qualquer hino), e o uso do pluvial pelo celebrante (no rito antigo, só o Bispo usa).

Penso que o pluvial para o sacerdote unifica as normas, dado que em todas as celebrações extra-Missa do rito antigo que requeiram mais cerimônias, o padre usa pluvial, menos no Batismo e Matrimônio. Cria-se uma mentalidade muito "de lista", e não de princípios, e o princípio deveria ser de que o pluvial é o paramento extra-Missa, para padre e para Bispo, e não em uns para padres e Bispos, e em outros momentos só para Bispos. Ademais, é um paramento muito bonito e imponente: o celebrante poderia usar só a estola roxa no início do Batismo e, depois, ao trocá-la pela branca, envergar o pluvial.

É um ponto positivo que o rito antigo do Batismo seja econômico nas lições (na verdade, é tão econômico que não há sequer uma leitura bíblica), e é positivo que o rito novo se preocupe em ter lições (mas não com tantas opções como, infelizmente, é hoje). O melhor, a nosso ver, seria o justo termo: uma leitura só, do Evangelho, e específica sobre o Batismo, sem outras opções ad libitum.
blog comments powered by Disqus
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...