Manchetes

Nosso Parceiro

terça-feira, 18 de setembro de 2012

A relação da música com a Liturgia



Dando sequência à busca de mais sacralidade nas celebrações, reproduzimos uma pregação do formador geral da Comunidade Canção Nova, padre Wagner Ferreira, falando sobre a relação da música com a liturgia. 


Pe. Wagner Ferreira
Para refletir a respeito da música, na liturgia da Igreja, recorro a um Quirógrafo do Sumo Pontífice João Paulo II , publicado em 22/11/2003, em razão do centenário do Motu proprio Tra Le Sollicitudini – Sobre a Música Sacra, do Papa São Pio X

Quero refletir com vocês alguns princípios citados pelo beato João Paulo II, os quais precisamos observar para viver bem a liturgia da Igreja. Todos sabem que existem vários ritmos de músicas e cada um destes se adequam a um respectivo ambiente. Música para um momento de lazer, ritmos para descansarmos e também há um ritmo próprio para as celebrações litúrgicas.


O beato João Paulo II, citando o parágrafo 112 da Constituição Conciliar sobre a Sagrada Liturgia, Sacrosanctum Concilium, afirma que as ações litúrgicas possuem, como finalidade, a glória de Deus e a santificação dos fiéis na santidade de Cristo, por isso ela possui um poder extraordinário.


Muitos homens de Deus testemunham sua conversão, seu encontro pessoal com o Senhor por meio da música litúrgica. Um destes foi Santo Agostinho. Em sua obra "Confissões", ele descreve sua experiência com Deus por meio dos hinos e canções no momento do seu batismo; o santo afirma que foi tomado por um sentimento de santidade quando ouvia os ritmos. 

Quanto aos instrumentos musicais, os critérios que os Documentos da Igreja nos oferecem exigem que estes estejam adaptados ou sejam adaptáveis ao uso sacro, correspondendo à dignidade do templo, podendo sustentar o canto dos fiéis e favorecendo a sua edificação. Portanto, o momento da liturgia não é de espetáculo, de ensaio, nem é lugar para que os músicos fiquem aparecendo. A finalidade é a glória de Deus e a edificação dos fiéis. 

A música instrumental e a vocal se não possuem, ao mesmo tempo, o sentido da oração, da dignidade e da beleza, ela prestará um desserviço e impedirá aos fiéis ingressar na intimidade com Deus; por isso sua finalidade deve ser sempre observada. Um detalhe fundamental é que os ministros de música sejam, acima de tudo, homens e mulheres de oração à luz da Palavra de Deus, pois é dela que decorre toda musicalidade cristã. A liturgia deve cantar os textos sagrados. 

Não devemos cantar na liturgia, mas cantá-la, pois ela dá o conteúdo, a melodia da música, ela oferece o ritmo. A liturgia possui uma forma peculiar, por isso, nem todas as formas musicais são aptas para ela.
blog comments powered by Disqus
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...