Manchetes

Nosso Parceiro

segunda-feira, 9 de setembro de 2013

Tradição e Juventude Combinam?




Missa Pontifical na Forma Extraordinária do Rito Romano, durante a Jornada Mundial da Juventude Rio2013



Normalmente ouvimos dizer que os jovens são rebeldes, querem “romper” com a tradição, que consideram anacrônica e retrógrada. Talvez não seja bem assim, talvez o jovem só rejeite o que não compreende.

Recentemente, uma jovem de minha comunidade fez 15 anos, e teve uma festa de aniversário muito bonita, estilo debutante, com direito a troca de vestidos, valsa, tudo o que tem direito. 

Essas festas, que surgiram como um rito de passagem para as meninas, em que eram apresentadas à sociedade (e estavam, a partir daí, disponíveis para serem paqueradas, namorarem e casarem), são bem antigas, remontando, no Brasil, ao tempo de D. Pedro I, e na Europa, segundo algumas fontes, anteriores à Revolução Francesa. 

As tradições e o roteiro da festa pouco mudaram: a debutante inicia a festa com um vestido mais delicado, mais infantil, para, à meia-noite, aparecer com um vestido mais sofisticado, receber jóias das mãos do pai, que também faz a troca dos sapatos por saltos altos, num visual mais adulto. Depois é a hora da valsa com o pai, com o avô, o irmão, o padrinho, enfim, a(s) figura(s) masculina(s) presente(s) em sua vida, a primeira dança em um evento social. 

Se na década de 80, o “cool” era recusar a festa, trocando-a por um presente, uma viagem, ou fazendo uma festa de aniversário simples, sem conotação de debutante (meu caso), a partir da década de 90 as festas de debutantes ressurgiram com força total. Algumas meninas chegavam a contratar cantores famosos ou galãs de novela para dançar a valsa, e faziam questão de um cerimonial completo. 

Em 2013, a tradição das festas de debutante está mais viva que nunca. As meninas tomam a frente das escolhas, ditam como querem os vestidos, os sapatos, decidem qual será a valsa, enfim, são pró-ativas, sem deixar de lado a tradição. 

Os jovens – não só as aniversariantes, mas também os seus amigos – compreendem os elementos da tradição que lá estão: a passagem de “menina” para “mulher”, nos sinais exteriores do vestido, jóias, sapatos; a valsa, o destaque para a debutante, que é o centro das atenções da festa. Apreciam-lhes a beleza e o significado, porque através de memórias, fotos e da vivência, aprenderam a valorizar os ritos. 

O que consigo concluir de tudo isso é que tradição e juventude não se opõem. O jovem é atraído pela beleza, ainda mais quando ela é plena de significação. Se quando vivencia a tradição, lhe explicam o sentido dos ritos, é capaz de lhes compreender a profundidade e de participar deles com a correta disposição de alma.

Creio que com a liturgia da Santa Missa não é diferente. Nossos jovens são perfeitamente capazes de apreciar a beleza do rito tridentino, assim como compreender o significado dos vários elementos da forma extraordinária. Sem dúvida, poderão se beneficiar muito da vivência, “afinando” a sua sensibilidade para o Sagrado e o transcendente. 

Entendo que conhecer a forma extraordinária do rito romano - a partir de um correto ponto de vista, sem vínculos com grupos sectários - pode levar os jovens a uma melhor compreensão do sentido sacrificial da Missa, e, posteriormente, trazendo esta disposição de alma para a forma ordinária, podem os jovens participar dela com maior reverência. 

Ninguém ama o que não conhece. Pais, Párocos, catequistas e coordenadores de grupos jovens, não tenham medo de apresentar a Missa Tridentina aos seus jovens. Essa Missa é um tesouro de nossa fé e identidade católica, da qual eles serão os guardiões. Para que nossos jovens possam amar e assumir essa fé e identidade, devemos providenciar que conheçam o que celebram. 

A Sagrada Liturgia diz respeito ao culto a Deus prestado pelo próprio Jesus Cristo, e a Santa Missa é a própria história da salvação que se desenrola diante de nós na celebração, já que nela se atualiza (torna presente) tudo o que Deus realizou ao longo dos séculos para salvar os homens. Cabe aqui, ainda, destacar as palavras da Constituição Sacrosanctum Concilium: “Toda celebração litúrgica, enquanto obra de Cristo e do seu corpo, que é a Igreja, é ação sacra por excelência” (n.7). 

Por fim, importante lembrar que, durante séculos, muitos se santificaram por esta forma da Missa, inclusive São Padre Pio e Santa Teresinha do Menino Jesus, santos tão populares entre nossos jovens atualmente. Se corretamente instruídos e motivados, nossos jovens com certeza têm tudo para abraçar a Sagrada Liturgia, conservando a integridade dos ritos e seu desenvolvimento orgânico. 

Então, voltando à reflexão inicial, “tradição e juventude combinam?”, creio que a resposta é: SIM! Nossos jovens são especiais, disseram o seu “sim” a Cristo e à Igreja, querem plenitude de significação, do Sagrado, de Graça. Cabe a nós apresentar a Liturgia Tradicional de maneira que o jovem a conheça, compreenda e ame, transportando seus significados para a vivência litúrgica e eclesial em sua paróquia. 

blog comments powered by Disqus
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...