Manchetes

Nosso Parceiro

segunda-feira, 27 de janeiro de 2014

"Miados inafáveis", pelo professor Carlos Ramalhete

View Comments
Recebemos do professor Carlos Ramalhete um artigo de sua autoria para publicação no Salvem a Liturgia, o que nos honra e alegra. Como de hábito, seu texto é muito instrutivo e interessante. Temos certeza da grande importância destas palavras para todos os católicos.

*   *   *

Miados inafáveis 

Há algumas décadas eu digo que a minha impressão é que o estado da liturgia de hoje na imensa maior parte das paróquias é semelhante ao que teria acontecido se os adultos houvessem morrido e deixado às crianças tomar conta de tudo. Quem tem filhos sabe como é quando eles resolvem preparar um lanche para os pais, de surpresa: a mesa está posta, mas com tudo no lugar errado, faltando coisas essenciais e com quantidades enormes de coisas desnecessárias. Isto decorre de as crianças não dominarem os códigos desenvolvidos ao longo de séculos, que determinam como a mesa deve ser posta. O que eles fazem é reproduzir a impressão deles, desordenada e incompleta por falta de compreensão, do que é uma mesa de lanche. Tudo, evidentemente, com muito amor. 
O mesmo ocorre na liturgia: coisas que chegam a ser farsescas (como a colher de arroz que as crianças acham que deve ser boa para servir mingau), misturadas com mensagens fora de lugar (como os cartazes pendurados no presbitério), mas tudo com muito amor. E é neste sentido que eu vejo um site como o Salvem a Liturgia: é uma tentativa de educar estas amorosas crianças para que aprendam a botar a mesa do lanche. Faz parte da nossa civilização, e, no caso da liturgia, da nossa religião. 
No caso, escrevo devido a um acontecimento engraçado – como são engraçados os esforços amorosos das crianças – que testemunhei há alguns dias. Um padre da Administração Apostólica, que só celebra a Missa na Forma Extraordinária, fez 39 anos de ordenação. Um rapaz amigo dele, que costuma tocar teclado e cantar, divinamente, canto gregoriano nas suas Missas, compareceu à festa acompanhado de duas mocinhas da paróquia de origem dele. Mais ainda: duas mocinhas do coral da paróquia dele. Na hora da festa, as mocinhas resolveram cantar uma música em homenagem ao padre, acompanhadas no teclado pelo rapaz. Abriram as boquinhas e soltaram um daqueles miados melismáticos pseudo-gospel que estão na moda, em que não é incomum que se glisse dois ou três tons, indo e voltando, com um tremolo soando a compungido no final. 
Ora, para elas, pobrezinhas, aquilo era música religiosa. A cara do padre, que daria um bom jogador de pôquer, conseguiu esconder parte do seu espanto: ele não conhece a horrenda mania que acomete muitas paróquias de, especialmente no Salmo Responsorial, botar lá na frente uma moça para miar como um gato sendo estrangulado, numa demonstração de talento vocal absoluta e completamente alheia ao espírito da liturgia. 
Notem que o problema não é o melisma (termo técnico para a ocorrência de várias notas numa só sílaba – pense na canção americana “I’ll Always love you”, em que o “I” se estende por vários compassos), mas o próprio estilo destes salmos pseudo-gospel, que é contrário aos princípios da música litúrgica católica. Alguns podem ser boa música, mas não música litúrgica. Na igreja, infelizmente, em geral nem isso ocorre. O que se tem é um miado oscilante e sincopado, com glissandi passando por microtons completamente fora de qualquer escala ocidental. 
O uso de melismas na música litúrgica – de que o canto gregoriano é a forma mais perfeita – é uma longa tradição. Na verdade, é uma tradição não apenas no nosso Rito mas, mais ainda, nos ritos orientais. Os melismas do gregoriano, contudo, caracterizam-se pela perfeita pertença à escala própria àquele canto. Esta pertença é tão perfeita que, quando um instrumento temperado é usado para acompanhar os cantores, é comum que diminua a qualidade e a afinação, pois não se trata de uma escala temperada, sim de uma escala natural.
Em outras palavras: no canto gregoriano – a fortiori, no canto litúrgico católico – o canto salta limpa e claramente de uma nota a outra da escala, sem glissar e, principalmente, sem oscilar. Isto permite que o coro cante em uníssono perfeito, preservando – mesmo através de longos melismas – a compreensão do texto litúrgico. Afinal, o que se tem na liturgia é o texto litúrgico cantado, não uma “letra de música” que pode perfeitamente não ser compreendida para que a melodia seja apreciada.
Já no pseudo-gospel que assola nossas paróquias (e no seu irmão mais velho e mais agradável aos ouvidos, o gospel verdadeiro, tipo de música que não condiz com a liturgia mas pode e deve ser apreciada fora da igreja, bem como seus descendentes – soul, blues, etc.), o que seria o texto litúrgico praticamente desaparece, em uma demonstração de virtuosismo que consiste principalmente na capacidade de cantar fora da escala. Na música negra americana tradicional, bemolizam-se (abaixa-se meio tom) algumas notas, para dar à melodia um jeitão inesperadamente “triste”, forçando um tom menor onde normalmente se esperaria um maior. Nas demonstrações de virtuosismo que se tornaram parte das formas mais novas deste tipo de música, contudo, em que um solista massacra a melodia ao ponto de torna-la mera referência, o que se faz é muito mais do que isso: a voz do cantor oscila, glissa de uma nota a outra, criando uma outra melodia em microtons que faz de cada melisma não uma sequência de notas distintas, mas um longo glissando oscilante digno de um trombone de vara tocado por um trombonista com mal de Parkinson. Dizem que é o que ocorre no programa de TV “The Voice”, que nunca assisti. Mas é possível; é uma moda que, se não estivesse presente, não teria invadido e depreciado a música sacra.
O resultado disto é que o texto do salmo é, na prática, substituído por uma mera desculpa para uma demonstração de virtuosismo que nada tem de litúrgica. Mais ainda: os habituados a este tipo de coisa frequentemente propõem, como melodia para o responsório do salmo, algo no mesmo estilo, o que o torna simplesmente incantável pela multidão.
Outro problema sério deste tipo de invasão é o ritmo sincopado que têm, tradicionalmente, as melodias gospel em que se inspiram os invasores. Ora, uma seita protestante nada mais tem que a oralidade: é a oração (frequentemente cantada) entremeada com oratória, e nada mais. Um culto protestante é basicamente um falatório, sem que nada de sobrenatural possa ali acontecer.
Isto faz com que seja necessário, para que os frequentadores continuem voltando semana após semana para cantar e ouvir alguém explicando o que a teologia deles afirma não ser necessário explicar (a Escritura), que haja algo mais. No caso das seitas compostas por negros no Sul americano, onde se originou o gospel, este “algo mais” é a dança, além de fenômenos histéricos pseudo-pneumatológicos. O ritmo sincopado das músicas gospel (em geral em 16/8) foi desenvolvido justamente para levar as pessoas à movimentação física, ao requebro que as torna mais propensas a aceitar sem racionalizar o que lhes é dito do púlpito (é a mesma função da tradição protestante de responder ao que o “pastor” diz com brados teoricamente espontâneos de “amém”, etc.).
Ora, na liturgia católica, tudo o que não se quer é que as pessoas tenham vontade de requebrar. A Santa Missa é o Sacrifício do Calvário, tornado novamente presente de forma incruenta. Estar na Missa é como estar aos pés da Cruz, na companhia excelsa de Maria Santíssima e São João. Quem estaria requebrando, ali? Creio que nem mesmo os judeus e romanos teriam tamanha desfaçatez!
Há quem se dedique a transpor para o vernáculo as melodias gregorianas; é possível, hoje em dia, baixar o próprio de cada Missa em melodias gregorianas e em português (ainda que o Concílio Vaticano II tenha determinado que os fiéis devam aprender a cantar suas partes no canto gregoriano original, em latim). É uma opção para quando, por alguma razão, não se considera adequado usar a língua da Santa Madre Igreja. 
Outra opção é simplesmente ler os salmos, em voz pausada, para que, como deve ser, o texto litúrgico – não o talento, ou ausência de talento, do cantor – sobressaia.
Em todo caso, urge eliminar, o quanto antes, os miados pseudo-gospel que assolam nossas igrejas.
Na Quinta São Tomás, em Carmo de Minas, na festa de São Rugero,


Carlos Ramalhete

quinta-feira, 23 de janeiro de 2014

"Dominus Nobiscum" : A celebração dominical na ausência do sacerdote

View Comments
A falta de sacerdotes é uma triste realidade para muitas comunidades paroquiais em nosso país. Essa carência prejudica a administração dos sacramentos, em particular a Santíssima Eucaristia. A Igreja com sua preocupação pastoral roga aos Bispos e párocos que procurem outros sacerdotes, diocesanos ou religiosos, como primeira solução, para que celebrem a Santa Missa nesses locais de modo que os fiéis possam cumprir o preceito dominical. Ainda assim, pode não haver sacerdotes em número suficiente para atender todas as comunidades nos domingos e solenidades. Dessa forma, é pedido aos fiéis que se locomovam para uma igreja vizinha para lá celebrar a Eucaristia.

Se, apesar de todos esses esforços, for impossível aos fiéis assistir a Santa Missa, estão eles de acordo com o direito, desobrigados do preceito. Ainda assim, a Igreja convida vivamente, embora não obrigue, o fiel a se reunir em comunidade para a celebração da Palavra ou, pelo menos rezar em família ou, ainda, sozinho. A primeira dessas formas de oração, a comunitária, realiza-se com uma celebração da Palavra de Deus na qual se pode distribuir a comunhão eucarística. A esse ponto temos muitos problemas. O primeiro deles é que a celebração raramente é feita como deveria de acordo com o "Ritual da Sagrada Comunhão e o Culto do Mistério Eucarístico fora da Missa". O que se vê de mais comum é um esboço de missa, da qual se arrancam ou adaptam tudo que seja sacerdotal.

Um ícone dessa realidade é a expressão "O senhor esteja conosco" que é uma clara adaptação tupiniquim da saudação clerical "O senhor esteja convosco", do latim "Dominus Vobiscum". E é justamente o latim que mostra como tal expressão é uma adaptação simplória e estranha ao Rito Romano, uma vez que a resposta da saudação só faz sentido na tradução brasileira, no latim o "Et cum spirito tuo" remete claramente ao espírito sacramental que habita na pessoa do ministro ordenado. Tal adaptação infeliz não se prende a essa saudação, mas se estende a"... e a comunhão do Espírito Santo esteja sempre coNosco", "A paz do Senhor esteja sempre coNosco", "Abençoe-Nos o Deus todo-poderoso..." e até ao absurdo "... por Jesus Cristo. Que CONOSCO (sic!) vive e reina, na unidade do Espírito Santo". Casos mais graves podem incluir recitação do prefácio ou imitações do mesmo e, ainda, da própria Oração Eucarística retirando-lhe tão somente a narrativa da consagração. Detalhes à parte, essa celebração que nasce da adaptação do rito da Missa não possui aprovação da Santa Sé.

Outro problema dessas celebrações, não de natureza ritual, mas teológica é equiparar tais celebrações à Santa Missa. A Sé Apostólica é insistente ao falar desse assunto quando diz que aqueles que preparam tais celebrações devem despertar nos fiéis "fome" pela Eucaristia, deixando claro que ali não se celebra o sacrifício, ainda que os fiéis noutro sacrifício por meio da comunhão. Pede-se inclusive que nessas celebrações, que devem possuir sempre um caráter extraordinário, faça-se uma especial prece pelas vocações sacerdotais a fim de que se tenha o mais breve possível o retorno à normalidade, isto é, a celebração da Missa.

Existe ainda uma ideia bastante estranha à mentalidade católica que diz ter maior valor a celebração da Palavra feita na comunidade local do que ir buscar a Santa Missa em alguma paróquia próxima. Isso é algo certamente anticatólico baseado na ideia de "primazia da assembleia", endeusando a comunidade reunida e colocando-a à frente do próprio Cristo, do seu sacrifício redentor e do inestimável dom do sacerdócio ministerial. Ademais, enquanto católicos, qualquer comunidade católica no mundo é tão nossa quanto aquela que frequentamos aos domingos, mesmo que de um rito distinto.

Assim, busquem os fiéis deslocar-se para outros locais e, principalmente, outros horários para participar da Santa Missa. Nesse sentido o "Diretório para a celebrações na ausência do sacerdote", emanado pela Congregação para o Culto Divino e Disciplina dos Sacramentos, proíbe explicitamente que uma celebração da Palavra tenha lugar na mesma igreja em que já se celebrou a missa ou em que se vai celebrar em horas posteriores.

Algo bastante complicado nessas celebrações é a questão da presidência. Se existe um diácono ele preside a celebração como presidiria uma hora canônica. Pode usar sobrepeliz e estola ou alva acompanhada de amito, cíngulo e estola. O uso da dalmática, embora não se proíba, é pastoralmente desaconselhável na maioria dos casos por ser um elemento característico da solenidade e tal celebração, por sua excepcionalidade, não poderia se revestir deste caráter. O diácono faz uso da cadeira do presidencial.

 O caso mais comum, porém, é a ausência de qualquer ministro ordenado. Neste caso a "presidência" fica vacante, aqueles que guiam a celebração sejam tratados como um entre os outros. A instrução Redemptionis Sacramentum sugere que os diversos ofícios sejam distribuídos entre várias pessoas, para que não se tenha a falsa noção de que um leigo preside. Estes devem se sentar junto da assembleia, fora do presbitério. Se for porém, um acólito instituído, pode se sentar no presbitério, mas nunca na cadeira do presidente. Para bem marcar a ausência deste, pode-se depositar sobre a cadeira do celebrante uma estola da cor do dia, trazida por aqueles que guiarão a celebração.
No que diz respeito ao que se deve preparar tenha-se sempre em mente a dignidade da Palavra e da Eucaristia, mas também a modéstia que se deve manter em tal circunstância. Não se faz uso do incenso, ainda que na presença do diácono. Sobre o altar se acendam duas velas, por mais que seja costume usar até seis nas missas dominicais. Não se acende o círio pascal, que é previsto apenas para a Missa, Laudes e Vésperas. Prepare-se a chave do sacrário, cuide-se que as hóstias consagradas sejam em quantidade suficiente, se possível do mesmo domingo; na credência o que se necessita para a comunhão e a purificação dos vasos: cibórios, galheta d'água, corporal e sanguineo, além de um purificatório com manustérgio. No ambão, o lecionário; e para aqueles que guiam a celebração o Ritual de "A sagrada comunhão e o culto do mistério eucarístico fora da missa". A tradução de Portugal se encontra aqui, a brasileira na loja Paulus mais próxima de você; existe também a possibilidade de se fazer o rito de acordo com o original em latim.

O Ritual não descreve que a celebração comece com procissão. Todavia, se for o diácono a presidir, pode-se fazer uma pequena procissão de entrada com aqueles que servem o altar de maneira simples. Não havendo diácono, convém que aqueles que guiam a celebração já estejam em seus lugares na assembleia, para exprimir que sejam "um entre os iguais", como dizem os documentos da Sé Apostólica e não "presidentes leigos" como proibem os mesmos documentos.

No início da celebração, não se diz "Em nome do Pai...", apenas saúda-se o povo. O diácono pode usar das mesmas fórmulas que o sacerdote usa na missa, entre as quais se inclui "O senhor esteja convosco". Os leigos, entretanto, saúdam o povo dizendo "Irmãos e Irmãs, bendizei a Deus...", como vem no ritual. Não se pode fazer esta saudação do altar, o diácono a faz da cadeira, o leigo pode fazer da entrada do presbitério, sem subir os degraus. Segue o ato penitencial, para o qual se dispõe de três fórmulas semelhantes àquelas presentes no missal ou, no breviário, para a oração das Completas.

Terminado o ato penitencial, todos se sentam e passa-se à liturgia da palavra, omitindo-se Kyrie, Gloria e Oração do Dia. Diferentemente da Santa Missa, permite-se aqui uma certa liberdade na escolha das leituras. Todavia, salvo alguma ocasião particular como por exemplo quando se queira rezar a Deus para que conceda à comunidade a graça de um sacerdote, é conveniente tomar as mesmas leituras previstas para aquele dia, a fim de que os fiéis ouçam os mesmos trechos lidos em todo o mundo de rito latino. As leituras se fazem como de costume para a Santa Missa ou Liturgia das Horas, o leitor faz reverência ao altar e sobe ao presbitério, dirige-se ao ambão de onde proclama a leitura, assim também é o salmo.

O Evangelho, se for proclamado pelo diácono, poderá seguir o mesmo esquema da Santa Missa. O diácono inclina-se ao altar, rezando o "munda cor meum", a seguir se dirige para o ambão, de onde diz "O Senhor esteja convosco". O costume é que o diácono diga essa saudação de mãos juntas, por não ser ele que preside a Missa, neste caso, poderia fazê-lo abrindo as mãos e juntando-as na sequência. Diz então "Proclamação do Evangelho...", traçando a cruz sobre o livro. Terminando, beija o livro como de costume e pode rezar "Per evangelica dicta...". Caso seja um leigo a fazer a leitura, pode-se manter a aclamação ao Evangelho, todavia, durante ela não se inclinará profundamente ao altar nem dirá a oração, fará reverência ao altar antes de subir ao presbitério e dirigirá diretamente ao ambão. De lá dará início à leitura como na oração das Vigílias (Ofício das Leituras estendido) "Leitura do Evangelho de Jesus Cristo segundo...", não traçara a cruz sobre o livro. Todos escutam ao evangelho de pé de como de costume, ao final não beija o livro ou faz a oração.

O código de Direito Canônico proíbe expressamente que os leigos ou religiosos façam a homilia no Cân. 767 § 1. Assim, só se pode ter homilia se a celebração da palavra for presidida por diácono. Noutro caso, a critério da autoridade competente, o pároco pode escrever a homilia para que um fiel leigo faça a leitura da mesma na celebração, a fim de que mesmo não possuindo o ministro fisicamente, ele possa fazer uma reflexão sobre os textos proclamados para a comunidade ali reunida. Reza-se ou canta-se o creio. A liturgia da Palavra se conclui com a oração dos fiéis, dentre as quais, se faz uma prece pelas vocações sacerdotais.

A seguir, realiza-se um ato louvor que pode ser feito de dois modos. O primeiro, canta-se um hino como o Gloria; um cântico, como Magnificat; um Salmo, como o 100, 113, 118, 136, 147, 150; ou ainda uma prece litânica, isto é, em formato de ladainha. A segunda opção é, o ministro se dirigir ao sacrário, abrí-lo, genufletir tomar um cibório e o pôr sobre o corporal aberto em cima do altar, então se ajoelha com toda a assembleia; diz-se então um salmo, hino, cântico ou prece litânica, que deverá ser dirigida ao Cristo Eucarístico.

Segue o rito da comunhão. O ministro, se já não colocou a reserva eucarística sobre o altar, o faz neste momento. Então, convida os demais a rezar a oração do Senhor. Omitindo-se o embolismo, passa-se ao abraço da paz, se for conveniente. Não se diz o Cordeiro de Deus. O ministro, tomando a hóstia e voltando-se para a assembleia, diz "Eis o cordeiro de Deus..." ao qual todos respondem. Permite-se aqui, em caráter de excepcionalidade que o ministro rezando em silêncio "Que o corpo de Cristo me guarde para a vida eterna." comungue por suas próprias mãos. Não existe todavia a obrigatoriedade de que aquele que dirige este momento comungue, como os sacerdotes são obrigados a comungar na missa. A comunhão se distribui como de costume, acompanhado de um canto adequado.

Por fim, repõe-se a reserva eucarística no sacrário e, também em caráter de excepcionalidade, o ministro ainda que não seja acólito instituído pode purificar os vasos sagrados. Encerra-se este rito com a oração depois da comunhão. Caso haja diácono, ele dirá "O senhor esteja convosco" e abençoará a assembleia da mesma forma que o sacerdote faz na Missa. Por fim, despedirá a assembleia. No caso de não haver ministro ordenado, aquele que guia este momento dirá, traçando o sinal da cruz sobre si "O senhor nos abençoe, guarde-nos de todo o mal e nos conduza à vida eterna", da mesma forma que no final de Laudes ou Vésperas, o povo acompanha o movimento e responde "Amém"; e não se despede o povo.

Esta é a celebração de acordo com o Ritual Romano, devidamente aprovada e seguindo as orientações da Santa Sé referentes à esta situação "espinhosa" dentro do campo litúrgico que é a celebração realizada para suprir a falta da missa na ausência do sacerdote. Tenhamos em mente, nestes casos, que em qualquer tipo de dúvida ou incerteza é mais conveniente procurar referência, não no rito da Santa Missa, mas na Liturgia das Horas; uma vez que na Missa todas as rubricas consideram a existência do sacerdote, enquanto que na liturgia das horas, estas consideram como comum a celebração também na ausência do ministro ordenado.

Referências Bibliográficas
  •  Instrução Redemptionis Sacramentum 162-167;
  • Diretório para a Celebração Dominical na Ausência do Sacerdote;
  •  Cerimonies of the Roman Rite, Mons. Peter Elliott;
  • Ritual Romano, A Sagrada Comunhão e o Culto do Mistério Eucarístico Fora da Missa.

sábado, 18 de janeiro de 2014

Papa Francisco celebra versus deum o Batismo do Senhor

View Comments
Muitos de vocês já devem ter visto esta notícia nas redes sociais (divulgamos também em nossa fan page no Facebook), mas creio ser importante trazê-la aqui, com mais fotos, e comentá-la melhor.

Sim, o Papa celebrou novamente a missa ad orientem. Desta vez na Capela Sistina, onde celebrou também sua primeira missa como Papa, aos cardeais do Conclave. Naquela ocasião, por motivos que desconhecemos, ele optou por usar um altar móvel e celebrar versus populum. Desta vez não, usou o altar fixo à parede, como vinha fazendo seu predecessor, Bento XVI.

Como eu já havia dito na outra ocasião em que o Santo Padre celebrou a missa "voltada para Deus", "o Papa não é ideologicamente contrário a esta orientação litúrgica".

Como foi possível interpretar de seus discursos e atitudes, o Santo Padre manteve, no essencial, a hermenêutica de interpretação do Concílio Vaticano II de Bento XVI, da "reforma na continuidade", e definitivamente não pertence àquela linha danosa que atribui ao Concílio Vaticano II certas coisas que ele não disse, como o "fim da celebração de costas para o povo", algo que é não só mentiroso como teologicamente incorreto.













segunda-feira, 13 de janeiro de 2014

Reforma da Reforma: Santa Missa na Capela do Memorial Beato João Paulo II na Arquidiocese de Cuiabá

View Comments

Santa Missa Dominical rezada na Capela do Memorial Beato João Paulo II na Arquidiocese de Cuiabá. A Santa Missa foi rezada pelo Padre Marcos R. Ferrucci, que nos enviou as fotos, na forma Ordinário do Rito Romano (versus Deum e partes fixas em Latim) na Solenidade da Sagrada Familia de Jesus, Maria e José, por ocasião dos seus 5 anos de Ordenação Sacerdotal.













domingo, 12 de janeiro de 2014

Ordinário da Missa (rito gregoriano/tridentino)

View Comments

Fonte: http://apologeticacatolicablog.blogspot.com.br/2014/01/ordinario-da-missa-rito.html

No nosso país o movimento em prol da restauração da liturgia gregoriana enfrenta muitas dificuldades, algumas derivadas da falta de organização e espírito comunitário de nossos companheiros de luta, outras da falta de foco, que levam os esforços a se perderem em torno de questões bizantinas (como a famosa "querela das calças femininas"). Não podemos deixar de lembrar, também, que muitas vezes a falta de recursos financeiros se faz sentir, seja por pura falta de meios, seja pela irresponsabilidade das pessoas em contribuírem monetariamente com seus grupos de pertença. Todos esses fatores somados acabam impedindo certas coisas básicas, como a publicação de um Missal dos fiéis em latim/português. O católico tradicionalista brasileiro tem de lidar com velhos missais comprados em sebos ou repassados por parentes mais velhos, ou, às vezes, contar com a sorte para adquirir um que ficou no estoque de alguma loja.

Para suprir essa falta, várias pessoas ou grupos publicaram pequenos ordinários que, se juntados aos próprios que o grupo aqui de Recife produz (para ser mais específico, o confrade Karlos - e que serão futuramente disponibilizados em seu blog), dão conta do recado. Assim sendo, os membros da Comunidade Apologética Católica também se engajaram na tarefa de produzir um novo ordinário, com a melhor coleção de rubricas possível (derivadas de uma seleção feita nos missais já consagrados e em livros como o Missa Tridentina - Explicações das orações e cerimônias da Santa Missa, de D. Guerranger) e com uma tradução que também reúne algo das já existentes, mas sem arcaísmos ou lusitanismos (mas sempre com a poesia).

O trabalho durou uns sete meses e, por experiência própria com seu uso numa celebração, atesto que ficou com uma excelente qualidade. Vou postar em anexo o resultado. É bom lembrar que ele está no formato para ser impresso em forma de livreto, ou seja, uma página dessa é para metade de um A4 em paisagem. Espero que com essa modesta contribuição possamos ajudar na universalização das celebrações no rito romano tradicional na nossa pátria (é bom lembrar que nosso país nasceu com ele).

Ordinário da Missa 

quinta-feira, 9 de janeiro de 2014

Reforma (não "deforma"!) arquitetônica: o caso da igreja de São João Batista em Nitéroi

View Comments
Por este Brasil afora vemos exemplos de reformas em igrejas que acabam suprimindo àqueles elementos da arquitetura sacra que mais contribuem para criar um espaço celebrativo adequado ao culto litúrgico. Tais reformas pautam-se geralmente por optar pelo minimalismo além de apropriar-se de conceitos próprios da arquitetura moderna, como a arte abstrata. Na raiz da questão, segundo a proposta do arquiteto suíço Le Corbusier, está o entendimento do templo como uma máquina. Não a "máquina para morar", como ele pretendia suas casas, mas a máquina para o culto litúrgico. Esta máquina, portanto, seria desprovida de alma, tornando-se um espaço frio, seco, sem vida: assim são muitas das igrejas construídas nas últimas décadas.

Na contramão desta indevida apropriação da arquitetura moderna para o templo católico, num movimento que já tem muita força me outros países, começam a surgir, também aqui, alguns exemplos de boa combinação dos elementos arquitetônicos modernos com nossa tradição litúrgica.

Trago aqui o exemplo da Paróquia São João Batista, em Tenente Jardim, Niterói, onde é pároco nosso já conhecido Pe. Demétrio Gomes. Vejam a reforma do presbitério e dos objetos litúrgicos que esta pequena comunidade conseguiu realizar em apenas dois meses:


Por que este presbitério é mais apropriado que o anterior?, poderia perguntar-se o caro leitor. Tento tratar de alguns pontos:
  • Como já mencionei, conseguiu-se pegar elementos arquitetônicos modernos, do nosso tempo, e usá-lo em consonância com a tradição litúrgica católica. Percebe-se, por exemplo, que o estilo é mais limpo, sem muitos detalhes nas paredes, contudo sem cair no minimalismo. Temos colunas, arcos, alguns relevos e outros detalhes que destacam certos elementos, como a cruz ao fundo do presbitério e as imagens nas laterais. Em seu modo, é uma aplicação arquitetônica da nobre simplicidade a que o Concílio Vaticano II se refere.
  • O presbitério antigo, por seu formato cúbico e pelas paredes vazadas, acabava colocando ambão e altar visualmente em uma mesma linha, por mais que fisicamente não estivessem assim. Isto causa uma certa perda de profundidade e de movimento, o que traz grande perda psicológica e espiritual (cf. JOHNSON, Cuthbert; JOHNSON, Stephen. O espaço litúrgico da celebração: Guia litúrgico prático para a reforma das igrejas no espírito do Concílio Vaticano II. 2006. Editora Loyola).
  • Agora são três os degraus da nave para o presbitério, segundo o costume do rito latino.
  • Também um degrau para o altar, que ganha mais destaque pela elevação.
  • Não é iconoclasta. Muitas reformas atuais substituem as imagens por ícones ou simplesmente removem-nas. Nada contra os belíssimos ícones, mas na Igreja Latina, ocidental, não sabemos ler e rezar com os ícones como os orientais, ao passo que as imagens nos transmitem uma sensação de familiaridade e proximidade. Além de seu uso ser incentivado pela Sacrosanctum Concilium.
  • E, finalmente, a reforma ficou harmoniosa com o restante da igreja, a transição da nave para o presbitério é gradual e não há um choque de estilos. É bem comum encontrarmos reformas que ficaram belas quando olhadas isoladamente, porém não combinam com o restante da igreja.
Há certamente outros pequenos detalhes que não percebi, mas estes me parecem suficientes para responder à pergunta.

Na Missa de Natal, quando se inaugurou o novo presbitério

Finalizo com as palavras do pároco, Pe. Demétrio Gomes, a respeito do novo presbitério:
Há três meses assumi o pastoreio de minha primeira paróquia. Naquela ocasião dissemos que o centro de nosso ministério seria a Santíssima Eucaristia. Não poderia ser distinto, pois dEla vive a Igreja.
No primeiro mês já tínhamos conseguido restaurar e adquirir todos os objetos litúrgicos, e lançamos uma proposta de um novo presbitério para acolher o Senhor em Seu Natal. Coisas de padre jovem e louco...
Nossa paróquia é pobre e não conta com muitos recursos, mas a fé dos fiéis superou as limitações materiais.
Compartilho com vocês o presente que, em apenas dois meses, conseguimos dar ao Senhor. Que esta obra seja apenas um reflexo da obra interior que queremos que o Divino Paráclito realize em cada um de nós!
Num dos comentários, o padre deu mais detalhes do acontecido, mostrando também o efeito pastoral de um presbitério mais apropriado:
"Todas as pessoas que frequentam a paróquia estão mais do que felizes com o novo presbitério. O número de fiéis multiplicou. Posso garantir-lhe que os fiéis sentem-se muito melhor acolhidos que antes! São pobres, mas têm fé e com muito bom grado dão o seu melhor para Deus. Precisava ver a alegria e as lágrimas de emoção nos rostos dos fiéis na noite de Natal!

O padre não impôs nada, apenas propôs e todos deram do seu pouco com muita alegria, e estão santamente orgulhosos, sentindo-se valorizado depois de anos…

O presbitério não tem nada de caro, não tem ouro nem nada precioso a não ser o Santíssimo Sacramento. Simplicidade não significa desleixo e mal trato com as coisas sagradas, muito menos com o Corpo do Senhor!

Além do mais, não há verdadeiro amor aos pobres sem a primazia do amor a Deus. Quando se inverte a ordem, deixa-se de amar a Deus, e o suposto amor aos pobres se converte em uma perversa ideologia que além de não comunicar-lhes o Evangelho, engana-lhes prometendo um paraíso terrestre.

Nunca vi uma paróquia que trate sem zelo as coisas de Deus cuidar dos seus pobres. O contrário? Tenho muitíssimos exemplos..."
É... salvar a liturgia é salvar o mundo, é salvar a fé!!!


E você, conhece outros exemplos de belas reformas arquitetônicas? Não deixe de comentar ou nos enviar as fotos para divulgação.

terça-feira, 7 de janeiro de 2014

E chamam a isso “liturgia”!

View Comments



Trazemos hoje um excelente texto postado por Dom Henrique Soares da Costa, bispo auxiliar de Aracaju, em sua página pessoal no Facebook, sobre as palavras do Cardeal Arcebispo Emérito de Bruxelas, Cardeal Godfried Danneels logo após o Sínodo sobre a Eucaristia:

O cardeal, afirma: “A indicação mais útil surgida no Sínodo foi a recomendação de celebrar bem a Missa. A primeira obra de evangelização é a própria liturgia. Se ela é bem celebrada, exerce uma força de atração e é já uma evangelização em si mesma. Não é necessário acrescentar coisas... O que é belo, atrai e desarma. Muitos bispos africanos e asiáticos falaram-me dos ‘prosélitos de porta’... aqueles pagãos que chegam à porta das igrejas atraídos pela beleza da liturgia. Sentem que algo importante acontece ali...”



O Cardeal recordou que a Eucaristia não é um simples banquete festivo, mas é primeiramente o Sacrifício de Cristo: “Depois do Concílio, colocou-se a ênfase na Eucaristia como banquete. Mas, a última ceia não foi simples banquete. Foi um banquete ritual e ao mesmo tempo sacrifical. Os apóstolos e Jesus não se encontraram no cenáculo somente para comer juntos... Reuniram-se para fazer memorial da ceia pascal dos judeus e comemorar a obra da salvação realizada por Deus no Egito”.

Daneels está certíssimo! Nunca esqueçamos que a Celebração eucarística não é uma folia, um teatro, uma invenção da cabeça de padre espertinho e de uma comunidade “criativa” em inventar modas! A Missa não é um festa – pelo menos não uma festa no sentido corrente do termo! Não é isso e nunca será isso!

A Missa é um sacrifício sagrado, santíssimo na forma ritual de banquete. Um rito não deve ser mudado, inventado, adulterado! O rito é algo sagrado e santo: deve ser simplesmente recebido e celebrado! Participar do rito não é inventar coisas, fazer coisinhas, pequenas atividades, mas sim deixar-se tomar por ele, invadir por ele: pelo silêncio, pelas palavras, pelos gestos sagrados, pela gravidade, pela piedade, pelo senso do mistério santo... Participa bem e frutuosamente do rito quem, invadido por ele e nele mergulhado, encontra o Santo, o Eterno, o Senhor tão íntimo, tão próximo e tão santo e aí, por Ele colhido e tocado, é transformado! Por isso mesmo, Jesus seguiu à risca o rito judaico e estabeleceu um novo rito, o rito eucarístico, que devemos celebrar com reverência, unção e respeito amoroso.

O Cardeal também ficou muito contente com a ênfase na adoração eucarística: “Vejo que tantos jovens a descobrem como uma coisa nova. Viu-se isso em Colônia e na adoração silenciosa dos meninos de primeira comunhão (com Bento XVI), na Praça de São Pedro. Os jovens apreciam uma fé anunciada sem enfeites, sem intermináveis preâmbulos e truques de pré-evangelização (ou seja, aquelas coisas que querem tornar a fé mansinha, fácil e agradável ao mundo). Eles são abertos a quem testemunha a sua fé cristã na liberdade, sem procurar convencer-lhes fazendo pressão sobre eles...”

O Cardeal está coberto de razão! Basta pensar em João Paulo II e Bento XVI... O Santo Padre Francisco, quando celebra, não faz gracinha para ninguém: celebra os santos mistérios e pronto: com gravidade e reverência.



Veja ainda o que ele diz: “Os sacramentos são gestos concretos, que utilizam sinais materiais. O sinal é sempre visível, mas é sempre apenas um sinal de “algo” invisível, a realidade mesma do sacramento, que nos é dada através do sinal. É aqui que está a força da liturgia! Este “algo” não é perceptível quando a liturgia se torna um teatro, uma autocelebração inventada por nós mesmos. Quando acontece isso, a liturgia torna-se algo pesado. Não tem sentido sair de casa para assistir todo Domingo à mesma peça teatral!”

Veja que a afirmação do Cardeal é perfeita. Se a liturgia for inventada pelo padre ou pela comunidade, não passa de um teatro chato e de mau gosto! Liturgia inventada é coreografia, é autocelebração que cedo ou tarda, cansa, mata de monotonia! O rito repetido sempre é mistério santificante; a coreografia é gesto humano que sempre tem que ser renovado pela criatividade e, ainda, assim, acaba enfadando! A liturgia somente encanta se for maior que o padre e que a comunidade, se for sagrada, se nos der a presença santíssima e misteriosa do Senhor Jesus, o Enviado do Pai!




E pensar que no nosso Brasil a gente tem que suportar cada celebração, cada invenção, cada criatividade! É dança “litúrgica”, é um palavreado vazio, é uma inflação de comentários, é um repertório de cânticos que não tem nada de litúrgico nem ligação alguma com o tempo litúrgico e o mistério celebrado, é aviso que não acaba mais, é palma pra lá e pra cá, é o mau gosto na ornamentação, é a bagunça nos paramentos inventados, é a falta de respeito ao texto do missal... E chamam a isso “liturgia”!

sexta-feira, 3 de janeiro de 2014

Santa Missa na Solenidade da Imaculada Conceição na Catedral Basílica de Nossa Sra. da Luz dos Pinhais

View Comments

Santa Missa na Solenidade da Imaculada Conceição, na tarde do dia 7 de dezembro, na Catedral Basílica de Nossa Sra. da Luz dos Pinhais, em Curitiba. Foi presidida pelo Bispo Auxiliar de Curitiba, D. Rafael Biernaski, concelebrada por diversos sacerdotes e assistida por dois diáconos. Foi oferecida em ação de graças pela formatura da turma de Bacharelado em Filosofia da Faculdade Vicentina.










Agradecemos ao Felipe Koller pelo envio das fotos.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...