Manchetes

Nosso Parceiro

segunda-feira, 27 de janeiro de 2014

"Miados inafáveis", pelo professor Carlos Ramalhete

Recebemos do professor Carlos Ramalhete um artigo de sua autoria para publicação no Salvem a Liturgia, o que nos honra e alegra. Como de hábito, seu texto é muito instrutivo e interessante. Temos certeza da grande importância destas palavras para todos os católicos.

*   *   *

Miados inafáveis 

Há algumas décadas eu digo que a minha impressão é que o estado da liturgia de hoje na imensa maior parte das paróquias é semelhante ao que teria acontecido se os adultos houvessem morrido e deixado às crianças tomar conta de tudo. Quem tem filhos sabe como é quando eles resolvem preparar um lanche para os pais, de surpresa: a mesa está posta, mas com tudo no lugar errado, faltando coisas essenciais e com quantidades enormes de coisas desnecessárias. Isto decorre de as crianças não dominarem os códigos desenvolvidos ao longo de séculos, que determinam como a mesa deve ser posta. O que eles fazem é reproduzir a impressão deles, desordenada e incompleta por falta de compreensão, do que é uma mesa de lanche. Tudo, evidentemente, com muito amor. 
O mesmo ocorre na liturgia: coisas que chegam a ser farsescas (como a colher de arroz que as crianças acham que deve ser boa para servir mingau), misturadas com mensagens fora de lugar (como os cartazes pendurados no presbitério), mas tudo com muito amor. E é neste sentido que eu vejo um site como o Salvem a Liturgia: é uma tentativa de educar estas amorosas crianças para que aprendam a botar a mesa do lanche. Faz parte da nossa civilização, e, no caso da liturgia, da nossa religião. 
No caso, escrevo devido a um acontecimento engraçado – como são engraçados os esforços amorosos das crianças – que testemunhei há alguns dias. Um padre da Administração Apostólica, que só celebra a Missa na Forma Extraordinária, fez 39 anos de ordenação. Um rapaz amigo dele, que costuma tocar teclado e cantar, divinamente, canto gregoriano nas suas Missas, compareceu à festa acompanhado de duas mocinhas da paróquia de origem dele. Mais ainda: duas mocinhas do coral da paróquia dele. Na hora da festa, as mocinhas resolveram cantar uma música em homenagem ao padre, acompanhadas no teclado pelo rapaz. Abriram as boquinhas e soltaram um daqueles miados melismáticos pseudo-gospel que estão na moda, em que não é incomum que se glisse dois ou três tons, indo e voltando, com um tremolo soando a compungido no final. 
Ora, para elas, pobrezinhas, aquilo era música religiosa. A cara do padre, que daria um bom jogador de pôquer, conseguiu esconder parte do seu espanto: ele não conhece a horrenda mania que acomete muitas paróquias de, especialmente no Salmo Responsorial, botar lá na frente uma moça para miar como um gato sendo estrangulado, numa demonstração de talento vocal absoluta e completamente alheia ao espírito da liturgia. 
Notem que o problema não é o melisma (termo técnico para a ocorrência de várias notas numa só sílaba – pense na canção americana “I’ll Always love you”, em que o “I” se estende por vários compassos), mas o próprio estilo destes salmos pseudo-gospel, que é contrário aos princípios da música litúrgica católica. Alguns podem ser boa música, mas não música litúrgica. Na igreja, infelizmente, em geral nem isso ocorre. O que se tem é um miado oscilante e sincopado, com glissandi passando por microtons completamente fora de qualquer escala ocidental. 
O uso de melismas na música litúrgica – de que o canto gregoriano é a forma mais perfeita – é uma longa tradição. Na verdade, é uma tradição não apenas no nosso Rito mas, mais ainda, nos ritos orientais. Os melismas do gregoriano, contudo, caracterizam-se pela perfeita pertença à escala própria àquele canto. Esta pertença é tão perfeita que, quando um instrumento temperado é usado para acompanhar os cantores, é comum que diminua a qualidade e a afinação, pois não se trata de uma escala temperada, sim de uma escala natural.
Em outras palavras: no canto gregoriano – a fortiori, no canto litúrgico católico – o canto salta limpa e claramente de uma nota a outra da escala, sem glissar e, principalmente, sem oscilar. Isto permite que o coro cante em uníssono perfeito, preservando – mesmo através de longos melismas – a compreensão do texto litúrgico. Afinal, o que se tem na liturgia é o texto litúrgico cantado, não uma “letra de música” que pode perfeitamente não ser compreendida para que a melodia seja apreciada.
Já no pseudo-gospel que assola nossas paróquias (e no seu irmão mais velho e mais agradável aos ouvidos, o gospel verdadeiro, tipo de música que não condiz com a liturgia mas pode e deve ser apreciada fora da igreja, bem como seus descendentes – soul, blues, etc.), o que seria o texto litúrgico praticamente desaparece, em uma demonstração de virtuosismo que consiste principalmente na capacidade de cantar fora da escala. Na música negra americana tradicional, bemolizam-se (abaixa-se meio tom) algumas notas, para dar à melodia um jeitão inesperadamente “triste”, forçando um tom menor onde normalmente se esperaria um maior. Nas demonstrações de virtuosismo que se tornaram parte das formas mais novas deste tipo de música, contudo, em que um solista massacra a melodia ao ponto de torna-la mera referência, o que se faz é muito mais do que isso: a voz do cantor oscila, glissa de uma nota a outra, criando uma outra melodia em microtons que faz de cada melisma não uma sequência de notas distintas, mas um longo glissando oscilante digno de um trombone de vara tocado por um trombonista com mal de Parkinson. Dizem que é o que ocorre no programa de TV “The Voice”, que nunca assisti. Mas é possível; é uma moda que, se não estivesse presente, não teria invadido e depreciado a música sacra.
O resultado disto é que o texto do salmo é, na prática, substituído por uma mera desculpa para uma demonstração de virtuosismo que nada tem de litúrgica. Mais ainda: os habituados a este tipo de coisa frequentemente propõem, como melodia para o responsório do salmo, algo no mesmo estilo, o que o torna simplesmente incantável pela multidão.
Outro problema sério deste tipo de invasão é o ritmo sincopado que têm, tradicionalmente, as melodias gospel em que se inspiram os invasores. Ora, uma seita protestante nada mais tem que a oralidade: é a oração (frequentemente cantada) entremeada com oratória, e nada mais. Um culto protestante é basicamente um falatório, sem que nada de sobrenatural possa ali acontecer.
Isto faz com que seja necessário, para que os frequentadores continuem voltando semana após semana para cantar e ouvir alguém explicando o que a teologia deles afirma não ser necessário explicar (a Escritura), que haja algo mais. No caso das seitas compostas por negros no Sul americano, onde se originou o gospel, este “algo mais” é a dança, além de fenômenos histéricos pseudo-pneumatológicos. O ritmo sincopado das músicas gospel (em geral em 16/8) foi desenvolvido justamente para levar as pessoas à movimentação física, ao requebro que as torna mais propensas a aceitar sem racionalizar o que lhes é dito do púlpito (é a mesma função da tradição protestante de responder ao que o “pastor” diz com brados teoricamente espontâneos de “amém”, etc.).
Ora, na liturgia católica, tudo o que não se quer é que as pessoas tenham vontade de requebrar. A Santa Missa é o Sacrifício do Calvário, tornado novamente presente de forma incruenta. Estar na Missa é como estar aos pés da Cruz, na companhia excelsa de Maria Santíssima e São João. Quem estaria requebrando, ali? Creio que nem mesmo os judeus e romanos teriam tamanha desfaçatez!
Há quem se dedique a transpor para o vernáculo as melodias gregorianas; é possível, hoje em dia, baixar o próprio de cada Missa em melodias gregorianas e em português (ainda que o Concílio Vaticano II tenha determinado que os fiéis devam aprender a cantar suas partes no canto gregoriano original, em latim). É uma opção para quando, por alguma razão, não se considera adequado usar a língua da Santa Madre Igreja. 
Outra opção é simplesmente ler os salmos, em voz pausada, para que, como deve ser, o texto litúrgico – não o talento, ou ausência de talento, do cantor – sobressaia.
Em todo caso, urge eliminar, o quanto antes, os miados pseudo-gospel que assolam nossas igrejas.
Na Quinta São Tomás, em Carmo de Minas, na festa de São Rugero,


Carlos Ramalhete
blog comments powered by Disqus
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...