Manchetes

Nossos Parceiros

sábado, 28 de março de 2020

Texto integral da homilia do Papa Francisco em 27/03/2020

View Comments


HOMILIA DO SANTO PADRE

Adoração do Santíssimo

e Bêncão Urbi et Orbi
(«Sagrado» da Basílica de S. Pedro, 27 de março de 2020)
«Ao entardecer…» (Mc 4, 35): assim começa o Evangelho, que ouvimos. Desde há semanas que parece o entardecer, parece cair a noite. Densas trevas cobriram as nossas praças, ruas e cidades; apoderaram-se das nossas vidas, enchendo tudo dum silêncio ensurdecedor e um vazio desolador, que paralisa tudo à sua passagem: pressente-se no ar, nota-se nos gestos, dizem-no os olhares. Revemo-nos temerosos e perdidos. À semelhança dos discípulos do Evangelho, fomos surpreendidos por uma tempestade inesperada e furibunda. Demo-nos conta de estar no mesmo barco, todos frágeis e desorientados mas ao mesmo tempo importantes e necessários: todos chamados a remar juntos, todos carecidos de mútuo encorajamento. E, neste barco, estamos todos. Tal como os discípulos que, falando a uma só voz, dizem angustiados «vamos perecer» (cf. 4, 38), assim também nós nos apercebemos de que não podemos continuar estrada cada qual por conta própria, mas só o conseguiremos juntos.
Rever-nos nesta narrativa, é fácil; difícil é entender o comportamento de Jesus. Enquanto os discípulos naturalmente se sentem alarmados e desesperados, Ele está na popa, na parte do barco que se afunda primeiro... E que faz? Não obstante a tempestade, dorme tranquilamente, confiado no Pai (é a única vez no Evangelho que vemos Jesus a dormir). Acordam-No; mas, depois de acalmar o vento e as águas, Ele volta-Se para os discípulos em tom de censura: «Porque sois tão medrosos? Ainda não tendes fé?» (4, 40).
Procuremos compreender. Em que consiste esta falta de fé dos discípulos, que se contrapõe à confiança de Jesus? Não é que deixaram de crer N’Ele, pois invocam-No; mas vejamos como O invocam: «Mestre, não Te importas que pereçamos?» (4, 38) Não Te importas: pensam que Jesus Se tenha desinteressado deles, não cuide deles. Entre nós, nas nossas famílias, uma das coisas que mais dói é ouvirmos dizer: «Não te importas de mim». É uma frase que fere e desencadeia turbulência no coração. Terá abalado também Jesus, pois não há ninguém que se importe mais de nós do que Ele. De facto, uma vez invocado, salva os seus discípulos desalentados.
A tempestade desmascara a nossa vulnerabilidade e deixa a descoberto as falsas e supérfluas seguranças com que construímos os nossos programas, os nossos projetos, os nossos hábitos e prioridades. Mostra-nos como deixamos adormecido e abandonado aquilo que nutre, sustenta e dá força à nossa vida e à nossa comunidade. A tempestade põe a descoberto todos os propósitos de «empacotar» e esquecer o que alimentou a alma dos nossos povos; todas as tentativas de anestesiar com hábitos aparentemente «salvadores», incapazes de fazer apelo às nossas raízes e evocar a memória dos nossos idosos, privando-nos assim da imunidade necessária para enfrentar as adversidades.
Com a tempestade, caiu a maquilhagem dos estereótipos com que mascaramos o nosso «eu» sempre preocupado com a própria imagem; e ficou a descoberto, uma vez mais, aquela (abençoada) pertença comum a que não nos podemos subtrair: a pertença como irmãos.
«Porque sois tão medrosos? Ainda não tendes fé?» Nesta tarde, Senhor, a tua Palavra atinge e toca-nos a todos. Neste nosso mundo, que Tu amas mais do que nós, avançamos a toda velocidade, sentindo-nos em tudo fortes e capazes. Na nossa avidez de lucro, deixamo-nos absorver pelas coisas e transtornar pela pressa. Não nos detivemos perante os teus apelos, não despertamos face a guerras e injustiças planetárias, não ouvimos o grito dos pobres e do nosso planeta gravemente enfermo. Avançamos, destemidos, pensando que continuaríamos sempre saudáveis num mundo doente. Agora nós, sentindo-nos em mar agitado, imploramos-Te: «Acorda, Senhor!»
«Porque sois tão medrosos? Ainda não tendes fé?» Senhor, lanças-nos um apelo, um apelo à fé. Esta não é tanto acreditar que Tu existes, como sobretudo vir a Ti e fiar-se de Ti. Nesta Quaresma, ressoa o teu apelo urgente: «Convertei-vos…». «Convertei-Vos a Mim de todo o vosso coração» (Jl 2, 12). Chamas-nos a aproveitar este tempo de prova como um tempo de decisão. Não é o tempo do teu juízo, mas do nosso juízo: o tempo de decidir o que conta e o que passa, de separar o que é necessário daquilo que não o é. É o tempo de reajustar a rota da vida rumo a Ti, Senhor, e aos outros. E podemos ver tantos companheiros de viagem exemplares, que, no medo, reagiram oferecendo a própria vida. É a força operante do Espírito derramada e plasmada em entregas corajosas e generosas. É a vida do Espírito, capaz de resgatar, valorizar e mostrar como as nossas vidas são tecidas e sustentadas por pessoas comuns (habitualmente esquecidas), que não aparecem nas manchetes dos jornais e revistas, nem nas grandes passarelas do último espetáculo, mas que hoje estão, sem dúvida, a escrever os acontecimentos decisivos da nossa história: médicos, enfermeiros e enfermeiras, trabalhadores dos supermercados, pessoal da limpeza, curadores, transportadores, forças policiais, voluntários, sacerdotes, religiosas e muitos – mas muitos – outros que compreenderam que ninguém se salva sozinho. Perante o sofrimento, onde se mede o verdadeiro desenvolvimento dos nossos povos, descobrimos e experimentamos a oração sacerdotal de Jesus: «Que todos sejam um só» (Jo 17, 21). Quantas pessoas dia a dia exercitam a paciência e infundem esperança, tendo a peito não semear pânico, mas corresponsabilidade! Quantos pais, mães, avôs e avós, professores mostram às nossas crianças, com pequenos gestos do dia a dia, como enfrentar e atravessar uma crise, readaptando hábitos, levantando o olhar e estimulando a oração! Quantas pessoas rezam, se imolam e intercedem pelo bem de todos! A oração e o serviço silencioso: são as nossas armas vencedoras.
«Porque sois tão medrosos? Ainda não tendes fé?» O início da fé é reconhecer-se necessitado de salvação. Não somos autossuficientes, sozinhos afundamos: precisamos do Senhor como os antigos navegadores, das estrelas. Convidemos Jesus a subir para o barco da nossa vida. Confiemos-Lhe os nossos medos, para que Ele os vença. Com Ele a bordo, experimentaremos – como os discípulos – que não há naufrágio. Porque esta é a força de Deus: fazer resultar em bem tudo o que nos acontece, mesmo as coisas ruins. Ele serena as nossas tempestades, porque, com Deus, a vida não morre jamais.
O Senhor interpela-nos e, no meio da nossa tempestade, convida-nos a despertar e ativar a solidariedade e a esperança, capazes de dar solidez, apoio e significado a estas horas em que tudo parece naufragar. O Senhor desperta, para acordar e reanimar a nossa fé pascal. Temos uma âncora: na sua cruz, fomos salvos. Temos um leme: na sua cruz, fomos resgatados. Temos uma esperança: na sua cruz, fomos curados e abraçados, para que nada e ninguém nos separe do seu amor redentor. No meio deste isolamento que nos faz padecer a limitação de afetos e encontros e experimentar a falta de tantas coisas, ouçamos mais uma vez o anúncio que nos salva: Ele ressuscitou e vive ao nosso lado. Da sua cruz, o Senhor desafia-nos a encontrar a vida que nos espera, a olhar para aqueles que nos reclamam, a reforçar, reconhecer e incentivar a graça que mora em nós. Não apaguemos a mecha que ainda fumega (cf. Is 42, 3), que nunca adoece, e deixemos que reacenda a esperança.
Abraçar a sua cruz significa encontrar a coragem de abraçar todas as contrariedades da hora atual, abandonando por um momento a nossa ânsia de omnipotência e possessão, para dar espaço à criatividade que só o Espírito é capaz de suscitar. Significa encontrar a coragem de abrir espaços onde todos possam sentir-se chamados e permitir novas formas de hospitalidade, de fraternidade e de solidariedade. Na sua cruz, fomos salvos para acolher a esperança e deixar que seja ela a fortalecer e sustentar todas as medidas e estradas que nos possam ajudar a salvaguardar-nos e a salvaguardar. Abraçar o Senhor, para abraçar a esperança. Aqui está a força da fé, que liberta do medo e dá esperança.
«Porque sois tão medrosos? Ainda não tendes fé?» Queridos irmãos e irmãs, deste lugar que atesta a fé rochosa de Pedro, gostaria nesta tarde de vos confiar a todos ao Senhor, pela intercessão de Nossa Senhora, saúde do seu povo, estrela do mar em tempestade. Desta colunata que abraça Roma e o mundo desça sobre vós, como um abraço consolador, a bênção de Deus. Senhor, abençoa o mundo, dá saúde aos corpos e conforto aos corações! Pedes-nos para não ter medo; a nossa fé, porém, é fraca e sentimo-nos temerosos. Mas Tu, Senhor, não nos deixes à mercê da tempestade. Continua a repetir-nos: «Não tenhais medo!» (Mt 14, 27). E nós, juntamente com Pedro, «confiamos-Te todas as nossas preocupações, porque Tu tens cuidado de nós» (cf. 1 Ped 5, 7).

Súplica litânica - utilizada na Adoração ao Santíssimo com o Santo Padre, o Papa Francisco, no dia 27/03/2020

View Comments



Súplica litânica - utilizada na Adoração ao Santíssimo com o Santo Padre, o Papa Francisco, no dia 27/03/2020 suplicando o fim da pandemia de COVID-19
Verdadeiro Deus e verdadeiro homem, realmente presente neste Santo Sacramento
Nós vos adoramos, Senhor
Nosso Salvador, Deus-conosco, fiel e rico em misericórdia
Nós vos adoramos, Senhor
Rei e Senhor da criação e da história
Nós vos adoramos, Senhor
Vencedor do pecado e da morte
Nós vos adoramos, Senhor
Amigo do homem, ressuscitado e vivo à direita do Pai
Nós vos adoramos, Senhor
Filho unigênito do Pai, descido do Céu para a nossa salvação
Nós cremos em Vós, ó Senhor
Médico celeste, que vos dobrai sobre a nossa miséria
Nós cremos em Vós, ó Senhor
Cordeiro imolado, que vos ofereceis para resgatar-nos do mal
Nós cremos em Vós, ó Senhor
Bom Pastor, que dais a vida pelo rebanho que amais
Nós cremos em Vós, ó Senhor
Pão vivo e remédio de imortalidade, que nos dais a Vida eterna
Nós cremos em Vós, ó Senhor
Do poder de Satanás e das seduções do mundo
Livrai-nos, ó Senhor
Do orgulho e da presunção de poder viver sem Vós
Livrai-nos, ó Senhor
Dos enganos do medo e da angústia
Livrai-nos, ó Senhor
Da incredulidade e do desespero
Livrai-nos, ó Senhor
Da dureza de coração e d incapacidade de amar
Livrai-nos, ó Senhor
De todos os males que afligem a humanidade
Salvai-nos, ó Senhor
Da fome, da pobreza e do egoísmo
Salvai-nos, ó Senhor
Das doenças, das epidemias e do medo do irmão
Salvai-nos, ó Senhor
Da loucura devastadora, dos interesses implacáveis e da violência
Salvai-nos, ó Senhor
Das insídias, da má informação e da manipulação das consciências
Salvai-nos, ó Senhor
Olhai para a vossa Igreja, que atravessa o deserto
Consolai-nos, ó Senhor
Olhai para a humanidade, aterrorizada pelo medo e pela angústia
Consolai-nos, ó Senhor
Olhai para os doentes e os moribundos, oprimidos pela solidão
Consolai-nos, ó Senhor
Olhai para os médicos e os trabalhadores da saúde, exaustos de cansaço
Consolai-nos, ó Senhor
Olhai para os políticos e os governantes, que carregam o peso das decisões
Consolai-nos, ó Senhor
Na hora da prova e da perturbação
Enviai-nos o vosso Espírito, Senhor
Na tentação e na fragilidade
Enviai-nos o vosso Espírito, Senhor
No combate contra o mal e o pecado
Enviai-nos o vosso Espírito, Senhor
Na busca do verdadeiro bem e da verdadeira alegria
Enviai-nos o vosso Espírito, Senhor
Na decisão de permanecer em Vós e na vossa amizade
Enviai-nos o vosso Espírito, Senhor
Se o pecado nos oprime
Abri o nosso coração à esperança, ó Senhor
Se o ódio nos fecha o coração
Abri o nosso coração à esperança, ó Senhor
Se a dor nos visita
Abri o nosso coração à esperança, ó Senhor
Se a indiferença nos angustia
Abri o nosso coração à esperança, ó Senhor
Se a morte nos aniquila
Abri o nosso coração à esperança, ó Senhor

sexta-feira, 27 de março de 2020

A História do Crucifixo que salvou Roma da Peste negra

View Comments
Na noite do dia 22 para o dia 23 de maio de 1519, a igreja sofreu um violento incêndio e ficou destruída. Ao amanhecer, as pessoas foram até lá para conferir os estragos e se depararam com o crucifixo do altar principal providencialmente intacto e iluminado por uma lamparina que, embora atingida pelas chamas, ainda ardia aos seus pés.

Imediatamente, os fiéis disseram que era um milagre e os mais devotos começaram a se reunir todas as sextas-feiras para rezar e acender velas aos pés da imagem de madeira. Assim nasceu a “Archicofradía del Santísimo Crucifijo en Urbe”, que existe até hoje.
Mas esse não foi o único milagre atribuído ao crucifixo. No ano de 1522, uma terrível peste atingiu violentamente a cidade de Roma. Todos achavam que iam morrer.
Desesperados, os frades Servos de Maria decidiram levar o crucifixo em procissão penitencial da igreja de São Marcelo até a Basílica de São Pedro. As autoridades, temendo o risco co contágio, quiseram impedir a procissão. Mas o desespero coletivo falou mais alto e a imagem de Nosso Senhor foi levada pelas ruas da cidade, sob forte aclamação popular.
A procissão durou 16 dias e percorreu toda a região de Roma. Quando o crucifixo regressou à sua origem, a peste já tinha cessado por completo.
Desde o ano de 1650, o crucifixo milagroso é levado à Basílica de São Pedro. Porém, em 15 de março de 2020, o Papa Francisco visitou a igreja de San Marcelo e rezou pelo fim da pandemia de coronavírus, que tem tirado vidas em todo o mundo.







sábado, 21 de março de 2020

Onde assistir à Santa Missa tradicional online ao vivo

View Comments


Capelania do Pe. José Edilson, meu pároco, em Volta Redonda:

https://www.facebook.com/capelaniansps/

Capelania Militar Nossa Senhora de Fátima

https://www.facebook.com/caplmilitarnsrafatima/

Padre Bráulio, redentorista, amigo meu, da TV Pai Eterno:

https://www.facebook.com/padrebraulio

 Apostolado IBP de Brasília:

https://www.youtube.com/user/missaembrasilia

Padre Leonardo Wagner, da Adm. Apostólica em Pádua. Diariamente às 19h:

https://www.youtube.com/user/padreleonardowagner

Igreja Principal da nossa Administração Apostólica, em Campos:

https://www.youtube.com/channel/UCA_GkVMHy7_IAmZEZIum_tw

Paróquia Pessoal Bom Jesus Crucificado e Imaculado Coração de Maria, da Administração Apostólica em Bom Jesus do Itabapoana:

Tem no youtube;

https://www.youtube.com/channel/UC6xiEWc1vYNzbDqNSUNtsbg

E tem no facebook:

https://www.facebook.com/ParoquiadoSenhorBomJesusCrucificado/

Tem a minha paróquia, da Administração Apostólica, em Nova Iguaçú que está transmitindo também:

https://www.facebook.com/igrejaperpetuosocorro/

Paróquia Nossa Senhora das Graças, em Natividade-RJ:

https://www.facebook.com/profile.php?id=100015648755210

Oratório Particular Nossa Senhora do Rosário

https://www.youtube.com/channel/UCCxb7VR1UG8V8ycP_qFlPzA

Seleção de filmes Católicos para assistir durante a quarentena

View Comments


Santa Faustina:
https://youtu.be/AxfJjgfOc-M

Santa Teresa de Ávila
https://youtu.be/EA-SrDzr_Q0

Karol, o homem que se tornou Papa
https://youtu.be/E4vAkCOC9Ek

Santa Teresinha:
Filme 1: https://youtu.be/tiinM-8EYfw
Filme 2: https://youtu.be/N76Mb6U_mXY

Santa Catarina de Labouré:
https://youtu.be/jgs9JgZdPCs

São Josemaria Escrivá:
https://youtu.be/nbJu3-bv1gg

Santa Bernadete
https://youtu.be/YoNePpyMu6E

Dr. Giuseppe Moscati
Parte 1 https://youtu.be/nG1hThclcyc
Parte 2 https://youtu.be/hZoHDyoaO9k

São Padre Pio:
https://youtu.be/5ckRz-ZbJUQ

São João da Cruz:
https://youtu.be/ljR7V5tJ0zs

Damião
https://youtu.be/NHwHKBTmQE0

Santa Benedita da Cruz - Edith Stein
https://youtu.be/BEqFPqeVilA

São Maximiliano Maria Kolbe
https://youtu.be/AiWR32AyZZU

Santa Maria Mazzarello
https://youtu.be/qGhzA3cXqf8

Bem aventurado Píer Giorgio
https://youtu.be/NY_KrgVYuiE

São Vicente de Paulo
https://youtu.be/T0lsrisXqvA

O Papa do sorriso Joao Paulo I
https://youtu.be/hfuoA1elgzU

Nossa Senhora de Caravaggio
https://youtu.be/R5TzLHJI8Ak

O grande silêncio
https://youtu.be/nD7HgVebMBE

Santo Agostinho
https://youtu.be/Hqxy_OQMAEQ

São João Maria Vianney
https://youtu.be/2zZqa-MMJdc


Santa Teresa dos Andes:
São 5 partes
1: https://youtu.be/9LexbARFO_4
2: https://youtu.be/313lL4lL8EA
3: https://youtu.be/tltM0WwFR4Y
4: https://youtu.be/oH83LaH7X1I
5: https://youtu.be/hd8jG6VHXsw

Madre Paulina
https://youtu.be/0tkZBidnb6s

Nhá Chica
https://youtu.be/Bx3m2qkDTVs

Dom Lefebvre Um Bispo na Tormenta

quinta-feira, 27 de fevereiro de 2020

Quaresma: Via Crúcis com meditações de São Josemaria Escrivá e orações do Papa Bento XVI

View Comments

A Designer Nina Viana disponibilizou uma coletânea de meditações de São Josemaria Escrivá e orações do Papa Bento XVI da Via Sacra com belas pinturas sacras para meditação individual ou em família. 

Trabalho belíssimo que vale muito a pena conferir:

Via Sacra: Faça o seu download, clicando aqui!
Imagens das estações da Via Sacra:  Fazer o download, clicado aqui!

Sugestão: imprimir em A4 e dobrar, formar um livreto tamanho A5. O arquivo já está pronto para impressão.

sábado, 7 de dezembro de 2019

Concurso de presépios do Salvem a Liturgia 2019

View Comments


Presépio é uma obra de arte sacra, composta de figuras de materiais diversos, que representa o estábulo de Belém e as cenas relacionadas com o nascimento de Jesus. Contém a representação da manjedoura (cocho) em que Jesus foi posto ao nascer.


A palavra presépio vem do latim praesepium, que por sua vez vem de prae – “antes”, “na frente de” – e de saepes – “sebe”, “cerca”, “grade” –. O significado original dessa palavra era, pois, o de um recinto fechado onde se encerravam os animais: um curral, uma estrebaria. E como os animais confinados no curral precisavam comer, o significado dessa palavra estendeu-se também ao lugar em que os animais comem, à manjedoura.

É com o início da novena que, em muitas igrejas e famílias, se dá o costume de montar o Presépio. Outros costumes são que a montagem aconteça com as Vésperas do I Domingo do Advento, ou então após a Solenidade da Imaculada Conceição.

É para manter essa linda tradição que o nosso Apostolado resolveu trazer novamente o nosso tradicional concurso de presépios! 


Vocês deverão enviar uma única foto do presépio de sua paróquia. A foto deve ser enviada via:  messenger da nossa página. O endereço é: https://m.me/salvemaliturgia. Este será a única maneira para o envio das fotos para que possamos evitar o acúmulo de mensagens em diferentes canais de comunicação e o risco de alguma mensagem não ser lida.

Algumas informações são indispensáveis:


  • Paróquia
  • Diocese
  • Cidade/estado
  • Nome do pároco
  • Nome de quem está enviando a foto


Fica entendido que ao enviar a foto com tais informações citadas acima, o pároco estará de acordo em participar do concurso. As fotos serão publicadas em nossa página no Facebook em um álbum que será criado com o nome de: Concurso de presépios 2019. Diariamente este álbum será compartilhado em nossa página para facilitar o acesso, e assim,  mais pessoas possam votar. As fotos deverão ser enviadas a partir do dia 25 de dezembro, sendo a data-limite para envio o dia 29 de dezembro (23h59). Não serão aceitas fotos  antes ou depois da hora e data marcada. O não envio de uma destas informações invalida a inscrição.​ A foto com o maior número de curtidas (Corações) até a data de 05 de janeiro de 2020 às 23h59, será a vencedora. 

Critério de desempate: Corações/Joinha/uau 

Premiação:  jogo de alfaias com manustérgios extras

A Premiação é uma cortesia da loja Arte Sacro






Após a divulgação, o vencedor deverá entrar em contato via e-mail com: alexcamillo@globo.com com o endereço para o qual o prêmio deve ser enviado em até 48 horas.


Cronograma:

Início do concurso: 25 de dezembro
Data limite para envio da foto e das informações: 29 de dezembro
Resultado final: 06 de janeiro até às 14h00 


Regras adicionais:

Só aceitaremos fotos com presépios completos, Menino Jesus na manjedoura em destaque;
Os presépios são paroquiais, não vale enviar fotos de seus presépios particulares;
Só valem fotos de .presépios do ano de 2019.

Perguntas e respostas sobre o concurso:

É permitido o envio de fotocolagem?
Sim, mas vale ressaltar que a qualidade da imagem pode ficar comprometida.

É permitido o envio de fotos com filtros através de uso de aplicativos mobile?
Sim. Hoje em dia é mais difícil saber quando uma foto está sem a aplicação de algum filtro.

É permitido o uso de ferramentas de edição, Photoshop, por exemplo? 
Não achamos justo com aqueles que não tem como editar uma foto em uma ferramenta profissional. 

Participei em anos anteriores. Posso participar esse ano também? 
Sim! Todos podem e devem participar. Uma maneira de participar também pode ser nos ajudando a divulgar o concurso.

Posso divulgar nas minhas redes sociais? 
Deve. Em todas as possíveis. Como dissemos acima, é uma excelente maneira de nos ajudar também.

Posso divulgar nas redes sociais da minha paróquia? 
Deve. Quantas vezes forem necessárias. Lembrem-se a foto com o maior número de curtidas levará o prêmio, ou seja, o segredo está na divulgação de vocês e de suas paróquias!

O pároco pode divulgar o concurso na paróquia, avisos paroquiais…?
 Sim! Excelente ideia. Unir toda a comunidade!

A partir de quando posso começar a divulgar? 
O concurso em si, desde hoje, agora a sua foto, desde o primeiro dia em que ela aparecer em nosso álbum. Quanto mais cedo o envio da foto, melhor! Novamente: o segredo está na divulgação de todas as suas comunidades! 




Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...