Manchetes

Nosso Parceiro

segunda-feira, 28 de junho de 2010

Mais fotos da Missa Pontifical no Santuário Nacional dos EUA

Publicamos aqui a notícia sobre esta Missa, bem como algumas fotos. Agora, damos mais algumas, a partir do excelente site Catholic Eye Candy:

34 comentários:

  1. Puxa!!! Qual finalidade de tão grande capa (vermelha)??

    ResponderExcluir
  2. Essa capa se chama "capa magna", e é prevista não só no Cerimoniale Episcoporum antigo, como no atual, pós-conciliar. O tamanho dela em Missas Pontificais, quer no rito moderno, quer na forma extraordinária, serve para ressaltar a dignidade do Bispo, e conferir uma beleza singular à celebração. Somos evangelizados também pelos olhos. Os símbolos são algo muito caro aos católicos.

    Um Bispo usa capa púrpura, e um Cardeal capa vermelha. E só em ocasiões soleníssimas, como a Missa Pontifical. Lembrando que não é qualquer Missa de Bispo que é pontifical, necessitando alguns requisitos: dois diáconos-assistentes, diácono do altar e diácono do Evangelho (ou, no rito antigo, diácono e subdiácono), vários acólitos, inclusive com vimpas, rito da recepção do Bispo em capa magna, Missa toda cantada, uso do trono ou do faldistório, Bispo com dalmática embaixo da casula.


    Claro que não podemos ceder à tentação do "pano pelo pano", como se a capa fosse importante em si mesma. Todavia, excluir os sinais que apontam para a magnífica realidade celeste é ignorar a psicologia humana e a finalidade religiosa da beleza.

    A Missa Pontifical é a forma mais alta de Missa, e é como um modelo das demais celebrações, o seu cume, o seu ápice. Daí que existam nela muitos símbolos para a diferenciarem das outras.

    Tudo o que pudermos fazer, dentro do permitido e da tradição da Igreja, para fazer essa mais solene forma de Missa se parecer com a "liturgia celestial", deve ser feito. Com carinho, com amor, com gratidão. A capa longa e bonita não é uma vaidade do Bispo, e sim um louvor a Deus na pessoa dos Sucessores dos Apóstolos que Ele, em Seu Filho, Jesus Cristo, escolheu como colunas de Sua Santa Igreja.

    ResponderExcluir
  3. Vcs não aceitam opiniões diversas...
    Foi bom saber disso; colocam só os comentários totalmente concordes com os dos administradores do site...
    Parabéns!!!!
    É muito cômodo isso...
    Continuo afirmando, apesar de não colocarem meu comentário dessa capa extravagante e fora de época, pomposa e pricipesca, que esta é absurda e imperiallll, só servindo para trazer cada vez mais ogeriza, aos que não são siimpáticos ao rito extraordinário e resistem à reforma da reforma pedida pelo Papa...
    Obrigado...
    Pano, pano, metros e kms de panos, enquanto Nosso Salavdor morreu nu numa cruz...Maravilha....

    ResponderExcluir
  4. Hmmm, sr. anônimo, então usar capa magna é ir na contramão do que pede o Papa?

    Então, como o Cardeal Cañizares, que foi colocado à frente da Congregação do CULTO DIVINO, i.e., aquela responsável pela LITURGIA, e justamente PELO PAPA, a use??? O responsável pela liturgia, de confiança do Papa, sabe menos das intenções do Papa do que o senhor? Muito "lógico"...

    Além disso, dá uma olhada aqui: Bispos e Cardeais usando a capa magna e não tem nada a ver com o rito extraordinário. O Cerimonial ATUAL pede que se use. Sim, o PÓS-CONCILIAR.

    Qual o mal de ser imperial? Cardeais são príncipes e Bispos são nobres. E não usam para ressaltar a si, mas a Nosso Senhor. Esse seu argumento de que NSJC morreu nu justificaria que abandonássemos TODOS OS PARAMENTOS.

    A capa é absurda? Como a Igreja permite algo absurdo?

    Absurdo é o senhor!

    ResponderExcluir
  5. http://www.salvemaliturgia.com/2010/05/vestes-corais-e-capa-magna.html

    ResponderExcluir
  6. http://www.zelusdomustuae.com/2010/04/cardeal-wojtyla-em-capa-magna.html

    ResponderExcluir
  7. Sr. Anônimo, valeria a pena um contato maior com as Sagradas Escrituras. Pegue por exemplo, o capítulo XII do Evangelho de São João, os primeiros versículos.

    Maria usa um perfume caríssimo para perfumar os pés de Nosso Senhor. Advinha quem reclama? Judas, o traidor ladrão! Com palavras semelhantes às suas, sr. Anônimo! E Nosso Senhor o repreende, dizendo que é justo que Lhe seja dado o melhor.

    Quem o sr. Anônimo quer seguir? Cristo ou Judas?

    ResponderExcluir
  8. Sandra do Rosário Almeida29 de junho de 2010 13:55

    Eu nao concordo com este anonimo.

    Mas se me permitem, gostaria de fazer um adendo.

    A situação do Brasil em relação à liturgia é bem complicada, creio até que por isso, esse site tem este nome bem sugestivo.

    Mas não entendo por que nao se usa o alcance deste belíssimo site também para ajudar católicos, que como eu, vivem em dioceses que a bagunça impera.

    Não vejo aqui, por exemplo, citação nenhuma sobre o erro e as barbaridades das Missas Afro, que na minha diocese acontecem sempre.

    Por que~?

    poderiam me responder?

    Obrigada.

    ResponderExcluir
  9. Sandra do Rosário29 de junho de 2010 13:58

    Desculpe falar deste forma. Mas é que quem não sabe a realidade ou é leigo no assunto,quando visita este site pensa que o Brasil é o país em que a liturgia é feita da forma mais bela e mais digna do mundo.

    Precisa denunciar o erro. Jesus o fez, nós tambem devemos fazer. Na caridade, é claro.

    Gostaria muito de que meu comentário fosse colocado.

    ResponderExcluir
  10. Prezada Sandra,

    Ninguém de nossa equipe desconhece o amontoado de abusos litúrgicos que ocorrem no Brasil. Mas do que adianta cair no criticismo? Não é melhor mostrar que há exemplos de coisas boa, incentivando os padres "mornos" a adotar o que é correto?

    Creia-nos, depois do Salvem a Liturgia, muitos padres nos escreveram pedindo para aprender a celebrar bem. É um movimento silencioso. Não adianta só bater boca: é preciso promover as boas iniciativas, mais do que denunciar as más.

    Aliás, nós TAMBÉM denunciamos as más. Leia a série "Mitos litúrgicos", do Francisco, os posts sobre Missa Afro, da Maite, os sobre Ione Buyst, e os meus "Erros litúrgicos", e verás que atacamos os erros.

    A senhora é injusta, insinuando que não denunciamos o erro.

    Se achássemos que o Brasil fosse lindo e maravilhoso no que concerne à liturgia, não criaríamos o site "SALVEM a liturgia". Quem está bem, não precisa ser salvo.

    ResponderExcluir
  11. Sr. Rafael, não quis nem quero ofender a ninguém deste site que muito admiro.

    Mas, pérolas como essa frase "Cardeais são príncipes e Bispos são nobres",usadas para justificar a pompa em demasia, não soam bem de uma inteligência aguçada e bem formada na Doutrina e na Liturgia da Igreja, como a sua...

    Que cardeal x ou y a use, não a tornam menos exagerada e fora de época e, acrescento, ridícula... para nossos dias...

    Que o sr. me ache absurdo, é um direito que lhe assite, da mesma forma que acho que o sr. foi um fiel seguidor, aluno, do Orlando Fedeli, contra o Vat II e a Santa Missa na forma ordinária e depois,ainda bem, mudou de idéia e, segundo ele mesmo afirma no site "Montfort", se tornou seu inimigo nas idéias, porque, mesmo o sr. acahando-me um absurdo, há de convir que, a "Montfort", apesar de negar, beira ao cisma da FSSPX...

    Mas, deixemos isso pra lá...

    Continue com esse site e com o "Veritatis" que são de uma riqueza maravilhosa, na defesa do nosso Santo Padre e no zelo pela Liturgia e pela Igreja de Deus no Brasil...

    Quanto a colocação do Luís Guilherme, por ser tão fraquinha e sem base, não é digna do menor comentário

    Que Deus nos abençõe!

    ResponderExcluir
  12. Anônimo e covarde (que não assina o nome),

    NUNCA fui aluno do Fedeli. NUNCA fui contra o Vaticano II. NUNCA fui contra a Missa na forma ordinária.

    Quem me conhece sabe que, desde que passei a fazer apostolado, SEMPRE ESTIVE COM O PAPA, COM A FORMA ORDINÁRIA, COM O CONCÍLIO E CONTRA A MONTFORT.

    Com base em sua falta de honestidade intelectual, seus posts não serão mais aceitos.

    ResponderExcluir
  13. Obrigado...todo poderoso..o site é seu...logo vc define, inquisitorialmente, quais posts serão ou não aceitos no seu site...ótimo....

    Diga que não foi aluno do Fedeli para os seguidores deste, pois ele já morreu, peça que esclareça isso no site da montfort que tem até uma foto sua com ele, pois o senhor, ou ele, mentiu então.

    Lembre-se que o pai da mentira é o demônio...com quantos metros de capa o sr. quiser colocar nele, inclusive de seda puraaaa...e escarlate...quanto maior e mais ricaaa melhor....mais carnavalesca....

    Passar bem....todo poderoso...

    Sua "honestidade" intelectual, infelizmente,
    caiu por terra...

    Não há diferença entre vc e um Hans Kung ou Boff na prepotência em tratar os outros, logo, onde não há humildade, não há o Espírito do Senhor e sim o espírito do príncipe, de capa maggggnaaaaa de 200000000 metros das trevas...

    Boa sorte...

    ResponderExcluir
  14. Não há foto minha com o Fedeli, e sim do ALESSANDRO LIMA com ele. O Alessandro, sim, foi seu aluno.

    Agora se não diferes Alessandro de Rafael, não me espanto que não coloques sentido na capa magna...

    ResponderExcluir
  15. Sra. Sandra, não, não nos calamos frente a erros. Ao contrário, falamos até demais! Tanto que algumas das nossas postagens geram grandes repercussões entre bispos, padres, etc... e que geram até mesmo perseguições, difamações, etc para conosco. Mas TODOS NÓS, MEMBROS do Salvem a Liturgia, fizemos a opção de mostrar o que há de bom na liturgia em nosso país, porém, não deixando de apontar erros e, ao mesmo tempo, oferecendo modos de correção dos mesmos. Para tais críticas, com viés aparentemente só negativo, há outros sites. Portanto, alimentemo-nos com o que há de bom, pois, se estivermos bem fortalecidos, poderemos passar pelos maus exemplos e até mesmo coibi-los!
    Que o Senhor te abençoe e te guarde!

    ResponderExcluir
  16. Uma boa aula de "História da Igreja" ATUALIZARIA o conhecimento de alguns! A Capa Magna, como já dito, é prevista sim nas duas formas do rito romano, pelo ordinário ou, com a autorização deste, por outro bispo. As cores, claro, como boa parte do que há estruturalmente na Igreja, são heranças positivas do Império Romano. Ora, a Igreja é uma "monarquia teocrática", pois tem um monarca (o Papa), que age não sozinho mas, sob a ação do Espírito Santo e com o conselho dos outros cardeais e alguns outros peritos para determinados assuntos. Em havendo um monarca, obviamente há outros com nomes e funções específicas: os príncipes, nobres, etc... Também como já dito, EM NADA NENHUM DELES fazem referência a si mesmos, mas é uma antecipação escatológica, já aqui e agora, da "Divina e eterna Liturgia no Céu", para onde tendemos e fomos criados. Se desde já, não saboreamos o gostinho do Céu, como queremos ter a honra de sermos chamados de "filhos e herdeiros"? Se celebramos Cristo-Rei, não é à toa! Somos sim, seu povo, "sua grei". Temos que atentar que, mesmo não se utilizando mais com tanta freqüência certos termos, somos filhos no Filho, ou seja, fazemos parte (não como massa), mas cada qual, pelo Batismo, por amor, criados para o louvor e glória da Santíssima Trindade!!
    Não convém aqui falar da origem do significado das cores e quem as usava; mas é interessante saber das transferências, com adaptações de usos, para os membros da Igreja Católica Apostólica Romana.
    Portanto, discussões são válidas; mas nunca percamos o espírito do Senhor e seu santo modo de operar! É a partir dele que "somos, vivemos e agimos". Do contrário, ficam apenas egos elevados e pouco ou nada de produtivo.

    ResponderExcluir
  17. "Não há foto minha com o Fedeli, e sim do ALESSANDRO LIMA com ele. O Alessandro, sim, foi seu aluno."

    Obrigado pelo esclarecimento e desculpa pelo enorme engano meu, desculpe-me de verdade...

    Não foi falta de honestidade intelectual minha, foi um engano, lamentável, mas que não o fiz de propósito...

    Mais uma vez, muito obrigado por esclarecer-me da minha confusão sua com o Alessandro...

    Quanto a capa magna, continuo com minha idéia, apesar de ser prevista nas duas formas...

    Aliás, desde que via D. Antônio ou D. Licínio, ou mesmo vejo D. Fernando usando-a, como no Congresso em Brasilia, acho-a pomposa demais...

    Porém prefiro ver certos Bispos usando-a, do que outros usarem vestes horrorosas do candomblé na Santa Missa, ou não usarem nada...

    Um abraço.

    Um dia, quem sabe, coloco meu nome nos posts, aí vc verá que não sou covarde...

    Que Deus nos abençõe e a todos responsáveis por este grande site!

    ResponderExcluir
  18. Sandra do Rosário29 de junho de 2010 20:06

    Prezados

    Eu sou a Sandra que postou acima.

    Eu não queria causar desconforto. Meu post é mais um desabafo.

    Vocês sabem que eu náo vou mais à Missa na minha cidade. Infelizmente não dá.

    Uma paróquia as missas são ROCK com tudo o que não é permitido. Se Padre sem casula é errado, o que dizem de padre sem tunica ou alva? Aqui tem...

    Em outra paróquia tem umas freiras que incentivam Missas afro, e danças estranhas em toda missa dominical.

    E na outra é a Teologia da Libertação.

    O que eu faço?

    Em comentário acima de dizem para proveitar o que é bom... Neste caso, infelizmente, não vejo nada de bom.

    E para pessoas como eu? O que fazer?

    Atualmente rezo terços em casa, com minha familia. E quanto consigo um dinheiro extra pego um onibus, vou ate outra cidade e assisto uma Missa celebrada de forma mais digna.

    Vejam... A que ponto chegamos.

    Obrigada. E me perdoe se ofendi alguem.

    ResponderExcluir
  19. Cara Sandra, não foi ofensa não. Entendemos o seu desabafo. Infelizmente a situação descrita é digna de "choro e ranger de dentes"; mas não é algo à parte. Em diversos lugares no Brasil, por onde tenho passado, me deparo com situações bem piores. Acredite! Ainda assim, é possível "buscar primeiramente o Reino de Deus a sua justiça"; cabe a nós, na medida das nossas possibilidades, exigir o que podemos. No seu caso específico, podes fazer o seguinte:
    1. Tentar conversar com o seu pároco, para saber se ele tem consciência dos atos que está realizando, pois no dia da usa ordenação, ele mesmo prometeu nas mãos do bispo (como todo sacerdote o faz) que "iria tomar consciência do iria fazer e pôr em prática em o quer realizaria pela fala";
    2. Se ele não atendê-la ou mesmo ouvi-la, pode ir direto ao bispo, pois é um direito seu, como fiel, que tenha MISSA DE VERDADE. Isto lhe é assegurado pelo Código de Direito Canônico! Não tema!
    3. Em todo caso, sempre tenha junto a si, uma ou mais testemunhas, que estejam de acordo com o que irá propor.
    4. Não deixe de rezar o terço com a sua família. Peço que acrescente (se já não o faz)orações por estes sacerdotes, pois "a oração do justo chega aos ouvidos de Deus".
    5.Nunca desista de querer sempre o melhor!

    Penso que são caminhos possíveis e viáveis.
    Que o Senhor te abençoe e te guarde! Obrigado pelo desabafo e siceridade.

    ResponderExcluir
  20. Obrigada pelos conselhos.

    Vou tentar reunir alguns amigos e fazer algo.

    Que Nossa Senhora nos ajude.

    Obrigada de novo e me perdoe mais uma vez.

    ResponderExcluir
  21. Sandra do Rosário29 de junho de 2010 20:59

    Aproveito para tirar uma dúvida antiga:

    Nós, Católicos Romanos, podemos usar livremente os ícones da Igreja Ortodoxa?

    Eu li uma vez que é pecado, heresia. Qual a posição da Santa Igreja?

    Obrigada de novo.

    Sandra

    ResponderExcluir
  22. Esta Sandra está totalmente errada.

    Como assim não ir na Missa?

    Ahhh .... Tem que ir sim.

    Cismática.

    ResponderExcluir
  23. Sandra,

    não há problema em usar ícones ortodoxos, exceto se for de algum indivíduo que seja venerado como santo apenas pela Igreja Ortodoxa. A iconografia de origem bizantina faz parte do rico patrimônio de arte sacra da Igreja. Inclusive os católicos de rito oriental em comunhão com Roma utilizam ícones.
    Os ícones possuem uma grande riqueza teológica na estrutura de sua composição artística.

    ResponderExcluir
  24. Sandra do Rosário de Almeida29 de junho de 2010 22:19

    Obrigada Rafael.

    Gostaria de falar agora ao anônimo que disse que sou sismática.

    Fico triste ao ver que um Católico entra em um site, lê um comentário e já se acha com capacidade para julgar uma mãe de família de cismática.

    O senhor não merecia nem esclarecimentos. Mas tenho obrigação de dizer-lhe algumas coisas.

    Primeiro: Eu sou Católica Apostólica Romana.
    Tenho em minha sala um quadro de nosso querido Papa, Bento XVI, pelo qual tenho grande amor e estima.

    Segundo: Eu aceito o Concílio Vaticano II e as orientações que o Papa dá sobre o mesmo.

    Terceiro: Se eu não vou na Missa dominical em minha cidade é para, antes de tudo, meu filho não ver as barbaridades que fazem nas paróquias aqui e depois achar isso normal. Faço isso mais pelo meu filho e minha família do que por mim mesma.

    Quarto: Eu não participo de nenhum movimento da Igreja, seja ele cismático ou não. Sou apenas Católica que ainda precisa aprender muito, mas com bom senso suficiente para dizer não aos abusos horríveis das Igrejas de minha cidade.

    Quinto: Antes de julgar alguem que não conhece é melhor procurar saber sobre o assunto e a pessoa. Ao contrário do que você está pensando, eu não saio de minha cidade para assistir Missa no Rito Extraordinário, até por que nem tem aqui por perto. Eu vou em outra cidade pois lá tem Missa de Paulo VI celebrada com mais dignidade. E meu filho detesta bateria e gritaria.

    Agradeço a todos.

    Att.
    Sandra

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sandra que tipo de "barbaridades" vc presencia nas paroquias de sua cidade?

      Excluir
  25. Acho que o blog não deveria aceitar comentários do tipo que acusam pessoas de cismáticas.

    Vamos rever isso.

    Parabéns pela sua resposta ao covarde anonimo Sandra. Deus te abençoe pela sua coragem.

    ResponderExcluir
  26. Sandra,

    Apesar do escândalo causado por estas liturgias, e que de verdade fere o coração de um bom católico, não se pode e nem se deve deixar de ir à Santa Missa dominical.
    Siga as sábias recomendações do Frei Cleiton, mas não abandone a Celebração Eucarísitica.
    Creio que estas celebrações, apesar dos abusos, são válidas (para que uma missa seja inválida deve faltar a matéria - pão e vinho; ou a forma - as palavras da consagração, ou a intenção de celebrar, simulando o sacramento). Se não faltar nada disso, a celebração é válida e o Cristo age e se faz presente ("Ex opere operato").
    Vá à missa para encontrar com Cristo, pois mesmo com as aberrações, o sacramento da Eucaristia se realiza e o Sacrifício de Cristo se consuma para a nossa salvação.
    É dolorido, eu sei, mas não é justificativa para deixar de ir à missa. Quanto ao seu filho, ensine a amar a liturgia da Igreja, esclareça-o no caminho da ortopráxis (forma correta) litúrgica, mesmo que ele tenha que presenciar tais fatos, ensine a discernir o que é correto e o que não é.

    Espero ter sido útil.

    ResponderExcluir
  27. Sandra do Rosário de Almeida,
    Quando já esperava ter visto tudo em matéria de desapontamento com abusos litúrgicos, o seu desabafo de mãe católica foi uma das coisas mais tristes que já li. A senhora pode contar com nossas orações, além das recomendações dadas acima. Frei Cleiton tem razão: o Código de Direito Canônico está do lado dos que querem e precisam de uma missa de verdade. Mesmo que seja constrangedor ter que solicitar ao Bispo que um presbítero sob sua orientação espiritual siga a ortopráxis liturgica. Parabéns pelo seu discernimento e zelo maternal.

    ResponderExcluir
  28. Diác. Anderson de Lima Alencar,

    quem tem a certeza de que um sacerdote que celebra uma missa sem a devido paramentos, com sua veste secular, com todos os abusos litúrgicos tem a INTENÇÃO de realizar o santo sacrifício?
    Mas também podemos considerar vice-versa, pois o hábito não faz o monge. Porém, claro que o interior do sacerdote traduzirá nos seus atos cotidianos. Os fiés devem conhecer seus "pais" na espiritualidade. Para os leigos em caso de dúvida, siga o exemplo de santa Catarina que antes faz uma oração para não correr o risco de adorar apenas pão.

    ResponderExcluir
  29. Sandra do Rosário de Almeida30 de junho de 2010 18:55

    Boa noite a todos.

    Eu sou a Sandra do Rosário. Eu agradeço os comentários de esclarecimento e de apoio.

    Agora ao Sr. Augusto.
    Obrigado por suas palavras. Me enchem de ânimo saber que não estou sozinha, que existem pessoas rezando por mim e principalmente por toda a Santa Igreja e por milhares de Católicos que sofrem ao verem o Santo Sacrifício do Altar ser tão blasfemado e injuriado.

    Aos outros que também comentaram:
    Eu entendo perfeitamente que as vezes é preciso suportar os abusos para não deixar de cumprir o Santo Preceito de irmos à Missa.

    O problema é que indo a uma Missa com danças quase de Candomblé e Ubanda, com direito a modificar orações da Missa e toda a sorte de outros abusos, eu me sinto muito mal e me sinto como se estivesse sendo conivente com a situação. Uma amiga já tentou falar com o Padre e ele a "perseguiu" durante um bom tempo nas homilias.

    Em outras paróquias o barulho da bateria e das guitarras é insuportável. Meu filho começa a chorar e não para mais. Ele diz: Mamãe, não quero ir lá...

    Não estou justificando a falta da Missa, até por que, nos últimos meses eu consegui com a Graça de Deus ir até a cidade próxima e assistir a Missa com minha família.

    Ao diácono:
    É muito complicado senhor diácono explicar para uma criança que é errado fazer algo, se a mãe mesma faz. Exemplo: Como dizer a ele, tão criança, que é errado bater palma, se levo ele numa Missa assim? E o padre faz tambem? A criança não entende como o senhor que já é um adulto.

    A todos a certeza das minhas pobres orações.

    Que a Virgem Santa abençoe a todos.

    Sandra.

    ResponderExcluir
  30. Creio que já falei muito. Vou ficando por aqui.

    Obrigada ao site e todos os "amigos" virtuais aqui do Salvem.

    Me perdoem alguma coisa.

    ResponderExcluir
  31. Aos caríssimos leitores,

    De fato, Magna, é impossível saber quais as intenções de um sacerdote que celebra a liturgia, por isso, se diz que, em certos casos, a Igreja "supre" a insuficiência no que diz respeito ao ministro. Mas se assim fosse correríamos riscos em todas as missas, pois ninguém consegue ler os pensamentos. Só nos resta confiar...
    Sandra, obrigado pela observação. Mas quando falei da necessidade de educar o seu filho no amor e na fidelidade à Liturgia, falei de algo a ser feito paulatinamente, aos poucos, e além disso, como disse, ensine-o a amar a Jesus presente na Eucaristia, apesar das contradições que visivelmente se apresentam nas celebrações litúrgicas. Ensine-o a amar e valorizar a Missa, desde pequenininho. E os detalhes, com o tempo, conforme ele for crescendo, se pode ir explicando. Isso é catequese.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...