Nossos Parceiros

quarta-feira, 13 de maio de 2009

MÉTODO DE ASSISTIR AO SANTO SACRIFICIO DA MISSA Parte II

View Comments
AO ORATE FRATRES QUE INDICA COMO OS FIÉIS POSSUEM PARTE NO SANTO SACRIFÍCIO DA MISSA.

Ofereço-vos, Deus meu, este sacrifício por todos os fins e motivos que vós quereis que eu ofereça, rogando por mim pecador, por meus pais, irmãos, parentes e defuntos, e por todos os que estão em agonia de morte, para que acabem em vossa graça. Amém.

AO PREFÁCIO QUE SIGNIFICA A ENTRADA DE CRISTO EM JERUSALÉM, QUANDO OS JUDEUS CANTARAM HOSANA.

Ó piedosissimo Rei de Israel, em cuja entrada triunfante em Jerusalém lançavam suas capas e vestes vistosas pelas ruas cantando: “Hosana nas alturas! Bendito seja o que vem em nome do Senhor!”. Eu vos suplico, Senhor, que triunfeis em minha alma, para que possa um dia cantar com os vossos escolhidos: Hosana nas alturas! Bendito seja o Senhor Deus Onipotente! Amém.

AO CANON QUE REPRESENTA O INÍCIO DA PAIXÃO DE NOSSO SENHOR JESUS CRISTO, NOSSO BEM.

Ó fidelíssimo Pastor de nossas almas, que amastes vossas ovelhas até o ponto de morrer para remi-las, padecendo primeiro inumeráveis injúrias e afrontas; eu vos rogo, Senhor, que me deis graça para sofrer por vosso amor todas as adversidades e calúnias que contra mim se levantarem, para que depois da morte descanse no seio de vossa glória, e vos bendiga por toda a eternidade. Amém.

ENQUANTO O SACERDOTE DIZ O MEMENTO PELOS VIVOS.

Aceitai, Senhor, este santo Sacrifício pela intenção que suplico, enquanto a parte satisfatória. E pelo que respeita a parte meritória e impetratória, rogo-vos, Senhor, que atendendo ao mesmo Sacrifício, vos lembreis de mim, de meus pais, irmãos, irmãs, parentes, amigos e benfeitores...de todos a quem fui molesto, ou servi de escândalo, e ocasião de pecado, tanto em comum como em particular...de todos os sacerdotes e ministros da Santa Igreja...de todos os meus inimigos, aos quais perdôo de todo meu coração...de todos os hereges e infiéis, para que se convertam...e de todos os mais por quem vós quereis e sabeis que eu devo orar.

ANTES DA CONSAGRAÇÃO, FIGURA-SE O CORDEIRO PASCAL AINDA NÃO IMOLADO.

Bendito sejais, suavíssimo Jesus, pois em sua última ceia cumpristes a figura do cordeiro pascal, e destes aos apóstolos vossa carne e sangue; eu vos rogo que me façais participante deste santo Sacramento e assim possais viver em mim, e eu em vós, louvando-vos eternamente. Amém.

NA ELEVAÇÃO DA HÓSTIA, LEMBRA-SE O CRISTO LEVANTADO NA CRUZ.

Eu vos adoro, sagrado Corpo de nosso Senhor Jesus Cristo, que na ara da Cruz fostes digna Hóstia para redenção do mundo.

NO INTERVALO DA ELEVAÇÃO DA HÓSTIA E DO CÁLICE.

Alma de Cristo...por todos os séculos dos séculos. Amém.

A ELEVAÇÃO DO CÁLICE LEMBRA-SE O SANGUE JORRADO POR CRISTO NA CRUZ ATRAVÉS DE SUAS CHAGAS.

Eu vos adoro, preciosíssimo Sangue de Nosso Senhor Jesus Cristo que, derramado na ara da Cruz, lavastes nossos pecados. Amém.

ENQUANTO DIZ O SACERDOTE O MEMENTO PELOS MORTOS.

Aceitai, Senhor, este Sacrifício pela intenção a que o aplico, em quanto à parte satisfatória. E pelo que respeita a sua parte imprecatória, rogo-vos, Senhor, que vos lembreis das almas de meus pais, irmãos, irmãs, parentes, amigos e benfeitores...das almas que por ocasião de alguma culpa minha, padecem no Purgatório...das almas que me estivessem recomendadas, tanto em comum como em particular...das almas dos sacerdotes e ministros da Santa Igreja...das almas que saíram de seus corpos com mortes repentinas. Das almas esquecidas, ou de que não há particular memória...em suma, de todas as almas que padecem no Purgatório, e particularmente daquelas pelas quais quereis e sabeis que eu devo rezar. Amém.

QUANNDO O SACERDOTE ESTENDE AS MÃOS SOBRE A HÓSTIA E SOBRE O CÁLICE, O QUE REPRESENTA A CONTINUAÇÃO DA PAIXÃO DE CRISTO E SUA MORTE.

Ó amantíssimo Jesus, graças vos dou pela extensão de todos os vossos membros na Cruz, pela abertura das mãos e dos pés, e costado, pela efusão de sangue e água; pela Cruz e morte dolorosa. Isto vos ofereço por meus pecados, e pelos de todo o mundo, e vos rogo que me deis paciência nas adversidades até a morte por vosso amor. Amém.

NA SEGUNDA ELEVAÇÃO DA HÓSTIA E DO CÁLICE LEMBRAMOS COMO JOSÉ E NICODEMOS DESCERAM NOSSO SENHOR DA CRUZ.

Obedientíssimo Jesus, eu vos rogo que me deis a graça de ajudar-vos a descer da Cruz para emenda de minhas culpas, e para que mereça depositar-vos no sepulcro de meu coração, para que nunca me separe de vós. Amém.

AO PATER NOSTER, QUE SIGNIFICA AS SETE PALAVRAS DE CRISTO NA CRUZ.

Ó bom Jesus, pelas sete palavras que na Cruz dissestes, dai a graça de que eu perdoe aos que me ofendem; dai, como ao bom ladrão, o paraíso e a vida eterna; guardai-me como Filho adotivo de vossa Mãe Maria Santíssima; livrai-me de todo o mal, e levai-me á vida eterna. Amém.
APÓS O PATER NOSTER LEMBRAMOS COMO CRISTO DESCEU A MORADA DOS MORTOS E TIROU DE LÁ OS SANTOS PATRIARCAS.

Ó doce Jesus, cuja alma santíssima unida coma a divindade, desceu aos infernos para tirar as almas dos santos pais, eu vos rogo, Senhor, que tireis também a minha do abismo de suas culpas; livrai-me do inferno e das penas do purgatório, para que quantos antes com os santos Patriarcas, e com todos os escolhidos vos louve na glória eterna. Amém.

QUANDO O SACERDOTE PARTE A SAGRADA HÓSTIA; QUE SIGNIFICA COMO JESUS CRISTO DIVIDIU O PÃO PARA OS DISCÍPULOS EM EMAÚS.

Deus meu, pois sois guia para encaminhar aos que se apartarão do verdadeiro caminho; eu vos rogo que, assim como guiastes a vossos Discípulos, assim sejais meu guia em tudo, e por meio de santas inspirações vos conheça e louve. Amém.

QUANDO O SACERDOTE DIZ PAX DOMINI QUE SIGNIFICA A APARIÇÃO DE JESUS CRISTO RESSUSCITADO AOS SEUS AMIGOS, DANDO-LHES A PAZ.

Ó glorioso Jesus, que abristes a porta da vida eterna com a vossa gloriosa ressurreição, a qual anunciastes aos vossos Apóstolos, dando-lhes a paz; eu vos suplico, Senhor, façais que minha alma ressuscite convosco para uma vida plena da graça, e nunca vos ofenda. Amém.

AO AGNUS DEI, QUE SIGNIFICA COMO JESUS CRISTO DEU PODER A SEUS APÓSTOLOS PARA PERDOAR OS PECADOS.

Ó paciente Jesus, que apareceu no meio de vossos Discípulos, dando-lhes a paz, e o poder de absolver os pecados; dai poder de vencer e aniquilar todos os vícios e como bom pastor, conduzi-me ao vosso celestial rebanho. Amém.

QUANDO O SACERDOTE COMUNGA, MEDITAMOS CRISTO COMENDO COM SEUS APÓSTOLOS, ANTES DA ASCENÇÃO GLORIOSA.

Ó dulcíssimo convite de nosso Senhor Jesus Cristo, eu vos adoro, e vos rogo, bom Jesus, retireis de minha alma tudo o que vos for contrário, para que com vossos Discípulos goze das infinitas graças deste sacrossanto Sacramento, e de vós goste, Viático de minha peregrinação. Amém.

NA PURIFICAÇÃO LEMBRA-SE COMO JESUS CRISTO SUBIU AO CÉU POR SUA PRÓPRIA VIRTUDE.

Ó dulcíssimo Jesus, que depois de vossa Ressurreição, com a vossa própria virtude, levantadas às mãos ao Céu, quisestes subir para o vosso Eterno Pai, eu vos rogo, Senhor, levai convosco minha alma, para que, apartada das coisas terrenas só contemple as celestes, para que sempre vos louve. Amém.

AS ÚLTIMAS ORAÇÕES, REPRESENTAM CRISTO INTERCENDENDO POR NÓS, JUNTO AO ETERNO PAI, COMO NOSSO INTERCESSOR.
Ó divino Salvador e Redentor nosso, vós que, segundo nos anunciou vosso Apóstolo, sois o nosso Medianeiro e Advogado perante o trono de vosso eterno Pai, suspendei, Senhor, a sua justiça, que tantas vezes provocamos com as nossas iniqüidades, e alcançai-nos, do tesouro de sua misericórdia, perdão para os nossos pecados, graça para perseveramos na observância de vossa divina lei, e a recompensa que, como justo Juiz destinais aos que a observarem. Amém.

QUANDO O SACERDOTE DÁ A BENÇÃO, ELE REPRESENTA CRISTO QUE ENVIA O ESPIRÍTO SANTO.

Ó mediador nosso, Senhor meu Jesus Cristo, que de vosso eterno Pai alcançastes que enviasse a vossos Apóstolos o divino Consolador em línguas de fogo; eu vos rogo, Senhor, me façais participante deste santo amor, para que dignamente vos sirva e louve. Amém.

AO EVANGELHO DE SÃO JOÃO, NO QUAL É ANUNCIADO OS MISTÉRIOS DA DIVINDADE E HUMANIDADE DE NOSSO SENHOR JESUS CRISTO.

Ó Jesus, zelador ardente das almas, que mediante a pregação dos vossos Apóstolos anunciastes as nações os mistérios de vossa divindade e humanidade cuja comemoração se acaba de fazer neste santo sacrifício da Missa; por eles vos rogamos, Senhor, que nunca anos desampareis, antes nos leveis a vossa glória, onde sem o véu da fé vos vejamos face a face e com os anjos e santos cantemos os vossos louvores por toda eternidade. Amém.

OFERECIMENTO DO SANTO SACRIFÍCIO DA MISSA.

Ó Clementísismo e Soberano Criador do Céu e da Terra, eu, o mais vil de todos os pecadores, vos ofereço, juntamente com a Igreja, este precioso Sacrifício, que é vosso Unigênito Filho, por todos os pecados que tenho cometido e por todos os do mundo; e seja por modo de sufrágio pelas almas do purgatório.Amém.






Método de assistir ao Santo Sacrifício da Missa

View Comments

MÉTODO DE ASSISTIR AO

SANTO SACRIFÍCIO DA MISSA

EXPLICAÇÃO DOS MISTÉRIOS DA MISSA


Segundo as "Novas Horas Marianas" pelo Pe. J.J. Roquete

Winterberg, Tchecoslovaquia

Casa Editora Catholica

J.STEINBRENER

Imprimatur de S.S. Pio X


Quando o sacerdote sai revestido da sacristia, representa o Cristo, quando saiu do ventre virginal de Nossa Senhora ao mundo, ou quando subiu ao monte Calvário para cumprir os mistérios de nossa redenção.

O barrete representa a coroa de espinhos que por zombaria colocaram no Senhor.

O amito significa o véu com o qual os soldados lhe vendaram os olhos.

A alva representa a veste branca que por escárnio Herodes mandou que o vestissem.

O cíngulo significa a corda com que ataram o Senhor, quando o prenderam e levaram preso para Jerusalém, ou também, a corda com o qual o amarram a coluna para açoitá-lo.

A estola significa a corda que lançaram ao seu santo pescoço, quando

lhe impuseram a cruz às costas.

A casula significa a túnica que retiraram de Cristo para crucificá-lo, e o manto que os soldados colocaram para zombar D’Ele.

O galão da casula representa a própria Cruz.

O Altar e a Pedra D’Ara significam a Cruz onde Nosso Senhor foi pregado.

A Cruz colocada sobre o altar lembra ao sacerdote que ele deve assemelhar-se ao Cristo Crucificado.

As santas alfaias significam o sudário em que o Senhor foi envolto.

O cálice representa o sepulcro.

A patena significa a pedra com que se fechou o sepulcro.

A hóstia e o vinho significam o Corpo e o Sangue de Cristo, no qual se hão de converter; e a água que se deita no cálice significa a que saiu de seu Divino lado.

As velas acessas significam a fé viva que deve animar os fiéis que assistem ao incruento sacrifício da Missa.



ORAÇÃO PARA ANTES DA MISSA

Meu Senhor Jesus Cristo, Criador e Redentor nosso, vosso amor é tão abrasado pelos homens, que não satisfeito de terdes descido do céu a terra, e vestido a nossa mortalidade, para que unida com ela vossa divindade satisfizesse a justiça de vosso eterno Pai ofendida, cujo mistério inefável se consumou no Calvário, em que sofrestes morte de Cruz para nos dar a vida da glória; quisestes ainda deixar uma perpétua memória deste sanguinolento Sacrifício, consagrando vosso Santíssimo Corpo e Sangue antes da hora de vossa dolorosa paixão e trânsito da morte, que agora significa o santo sacrifício da Missa, e consagração do Santíssimo Sacramento, que o Sacerdote cada dia oferece pelos fiéis vivos e defuntos. Fazei-me, pois digno, ó Senhor meu Jesus Cristo, por vosso divino amor, de que eu possa ouvir e ver celebrar o santo sacrifício da Missa com atenta devoção e coração agradecido, e ter presente em minha memória vossa santíssima vida, paixão e morte, que nesta hora se apresenta pelo Sacerdote; e para que eu possa reverenciar e louvar os divinos Mistérios do incruento Sacrifício, com o Sacerdote e todos os circunstantes, gozando do seu fruto em minha alma, e oferecer minhas orações e obras devotamente em honra e glória de vossa divina e soberana Majestade. Recebei em satisfação de minhas culpas, e em ação de graças por tantos benefícios que de vossas mãos continuamente recebo.

Oferecei ó meu amantíssimo Salvador, a vosso santíssimo Pai celestial vossa inocente vida, dolorosa paixão, e cruel morte, com a qual haveis satisfeito por todos nossos pecados. Recebei, pois, ó Deus Pai misericordioso este santíssimo Sacrifício de vosso Unigênito Filho em satisfação de meus pecados e dos de todo o mundo, e salvai-nos pelos merecimentos de tão preciosa Vítima, recebei-nos com todos os santos escolhidos e bem-aventurados na glória do Paraíso Celestial, onde viveis e reinais com vosso Filho, em unidade com o mesmo Espírito Santo, por todos os séculos dos séculos. Amém.


AO SAIR O SACERDOTE DA SACRISTIA E CAMINHAR PARA O ALTAR, EM QUE REPRESENTA CRISTO QUANDO SAIU DO CLAUSTRO VIRGINAL DE NOSSA SENHORA, E APARECEU AO MUNDO FEITO HOMEM.


Eu vos adoro, divino Salvador, descendo ao seio do eterno Pai, nascendo de uma Virgem e aparecendo no mundo feito homem, para nos instruirdes com o vosso exemplo, ensinardes vossa doutrina, e resgatardes com o vossa Sangue; fazei Senhor, que vosso exemplo me confunda, vossa doutrina me guie sempre, e vosso Sangue não seja para mim inútil, aproveitando-me para a vida eterna. Amém.


AO COMEÇAR O SACERDOTE DIRÁ A CONFISSÃO, AO DIZER REPRESENTA COMO NOSSO SENHOR JESUS CRISTO TOMOU SOBRE SI NOSSOS PECADOS E PAGOU POR ELES.


Deus e Senhor meu, eu me apresento diante de vossa divina Majestade, como o Publicano, confessando-me como o maior de todos os pecadores e pedindo-vos perdão de minhas grandes culpas as quais tomates sobre vossos ombros para pagar por mim. Lavai-as, Senhor, com a água de vossa divina graça, para que devotamente vos contemple nesta Santa Missa, e por todos sempre vos louve. Amém.


AO GLÓRIA QUE REPRESENTA O CÂNTICO DOS ANJOS E SERAFINS NO NASCIMENTO DO FILHO DE DEUS.


Glória a vós, Senhor, no céu e paz na terra aos homens: glória a vós, dulcíssimo Jesus, pois quisestes fazer-vos homem, e nascer das puríssimas entranhas da Virgem Maria, para me remir da culpa. Os anjos vos louvem; os Querubins e os Serafins e todos os espíritos celestes vos bendigam. Fazei, Senhor, que eu com eles sempre cante a vossa glória. Amém


AO DOMINUS VOBISCUM QUE SE FIGURA A BONDADE DE DEUS EM SE COMUNICAR AOS HOMENS E A ADORAÇÃO DOS REIS MAGOS.


Senhor meu Jesus Cristo, que para salvar o gênero humano viestes ao mundo, e com uma nova estrela guiastes os três reis magos até o lugar do vosso nascimento, onde eles vos encontraram reclinado em pobre presépio; guiai-me com a luz de vossa graça, para que, adorando-vos, e confessando-vos na terra por meu Criador e Salvador, Deus e Homem verdadeiro, vá depois gozar da luz celeste que iluminas os escolhidos por toda a eternidade. Amém.


AS PRIMEIRAS ORAÇÕES (COLETA) REPRESENTAM A APRESENTAÇÃO DO SENHOR AO TEMPLO.


Pai Eterno, que em vossa santo templo recebestes ao vosso Unigênito Filho com sua santíssima Mãe, para que cumprissem com a cerimônia da lei de purificação; fazei, Senhor, que minha alma, como filha vossa seja digna oferta em vosso templo, imitando a Jesus, Maria e José, na sua santíssima vida. Amém.


A EPÍSTOLA LEMBRA A PREGAÇÃO DOS APÓSTOLOS.


Ó dulcíssimo Jesus, que enviastes os vossos Apóstolos para pregarem o perdão dos pecados, compadecei-vos de mim grande pecador; todas as minhas culpas lanço no mar imenso de vossa misericórdia, e humildemente vos suplico que me deis um verdadeiro arrependimento e emenda, e me olheis com olhos de piedade, para que de ora em diante nunca mais vos ofenda, e sempre vos louve. Amém.


AO EVANGELHO QUE SIGNIFICA A DOUTRINA DE NOSSO SENHOR JESUS CRISTO ANUNCIADA AO MUNDO.


Ó divino Mestre e Redentor nosso, que tanto aos judeus como aos gentios anunciastes vossa lei santíssima, abri outra vez vossa sacrossanta boca e falai, Senhor, para que vosso servo ouça; iluminai-me para que eu guarde vossa sagrada doutrina e faça com que por ela nos ensinais, e como discípulo vosso vos bendiga e louve. Amém.


AO CREDO QUE REPRESENTA OS FRUTOS DO ANÚNCIO EVANGÉLICO.


Ó Redentor nosso, que para salvação das almas, andastes pelo mundo com imensos trabalhos, pregando a lei da graça; concedei-me , Senhor, por vossa misericórdia, valor para guardar vossa santa lei e confessa-la diante de vossos inimigos; e que vos louve por todo sempre vosso santo nome.Amém.


AO OFERTÓRIO QUE SIGNIFICA QUE A DOUTRINA DE CRISTO É ORIGEM DA FÉ E TESTEMUNHO DAS OBRAS.


Ó eterna sabedoria do Pai, cuja doutrina vossos santos creram de todo o coração, confessaram com a boca, e testemunharam com as obras; eu vos rogo, Senhor, me deis uma fé viva, para que firmemente creia em tudo que vós ensinastes, e confessando-o com a boca, o confirme com as obras para honra e glória vossa. Amém.


AO LAVABO QUE SIGNIFICA A CONDENAÇÃO DE NOSSO SENHOR JESUS CRISTO POR PÔNCIO PILATOS.

Recebei, Senhor, este sacrifício, que vos oferecemos por nossas culpas, lavai todas as minhas manchas; dai limpeza de coração, tirai-me a afeição desordenada das criaturas, para que ponha toda em vós, que sois meu Criador, vos ame, obedeça e imite, e no fim da vida vos goze por toda a eternidade. Amém.


terça-feira, 12 de maio de 2009

Impressões sobre o latim na Missa: Thiago Amorim Carvalho

View Comments
Engraçado como as pessoas tendem ao novo, atribuindo ao que é tradicional a alcunha de ultrapassado, antiquado. Erro capital ter como princípio o fato de que aquilo que inova deva sempre e invariavelmente substituir o que já existe ao invés de se tornar mais uma parte do conjunto. Em um exemplo prático, já faz algum tempo que a invenção do transistor revolucionou a indústria eletrônica. Eles “substituíram” as antigas válvulas, comumente encontradas em aparelhos de TV bem antigos. Muita gente boa, contudo, ainda prefere, para determinados fins, a utilização de amplificadores de som baseados em válvulas aos transistorizados. Adeptos de ambas as vertentes, não raramente, dão azo a discussões apaixonadas.

A maioria da população católica em nosso país, o qual faz parte da América Latina, integra a Igreja também Latina. Creio que somente o uso desses adjetivos já seria suficiente, ao menos, a uma reflexão. A origem latina está na essência de nossa cultura. Quantos “habeas corpus” foram concedidos pelos tribunais brasileiros nos últimos anos e noticiados pela mídia? Fico me perguntando se todos sabem o que é isso... Com justiça, os alunos de ontem estudavam o latim, uma língua morta na opinião de alguns. Hitler, Dom Pedro, Pedro Álvares Cabral, Machado de Assis também estão sepultados, o que não significa levar ao túmulo a sua importância. Já não se estuda o latim na maior parte das escolas regulares em nossos dias. Mas é difícil fazer sumir os radicais, prefixos e sufixos que insistem em aparecer nos vocábulos de nosso idioma. Resignado, constato que nosso povo já não é mais dotado de uma curiosidade sadia sobre a origem das coisas. De onde surgiram termos como “domingo”, “segunda, terça, quarta, quinta e sexta-feira”, “hortifrúti” etc? Ninguém pergunta. Todos se contentam em usar. Dias negros esses em que as pessoas aprendem a ler, mas leem da mesma maneira que meu computador. Pronunciam os fonemas, porém não os compreendem. Adicionam, multiplicam e até dividem expressões algébricas, mas o fazem de maneira mecânica; quase como uma máquina de calcular rebuscada. Vivemos uma crise de confiança na capacidade do intelecto humano. Uma espécie de paralisia.

Nas missas em vernáculo, aqui no Brasil, vejo essa falta de confiança presente em réplicas a parágrafos das orações eucarísticas. Para que servem? Não acrescentam nada e ainda ocasionam o trabalho adicional do fiel em decorar aquelas fórmulas para responder. Por que responder “fazei de nós um só corpo e um só Espírito” depois de o sacerdote suplicar que sejamos um só corpo e um só espírito? Papagaios podem fazer isso com eficiência. Se nossos fiéis precisam mesmo disso para compreender o que se passa, então estamos em maus lençóis.

No século passado, a Santa Sé resolveu permitir o uso do vernáculo e missais em língua local foram surgindo ao redor do globo. Todos eles têm o latim como modelo fundamental; edição típica. Contudo, parece que à concessão para usar o vernáculo, interpretamos como proibição do uso do latim. A rapidez com que a língua foi substituída quase que completamente após séculos de convívio pacífico entre cristãos foi impressionante. Mais interessante ainda foi constatar como se propagou essa espécie de “hoax” antilatim, de maneira que as gerações anteriores, devidamente acostumadas ao recitar das mais tradicionais orações católicas no idioma, notavelmente deixaram de repassar esse tesouro aos seus filhos. Fenômeno estranho: sinto como se alguns dos mais velhos tivessem medo de transmitir tal ciência; como se aquele fosse um conhecimento vergonhoso que merecesse ser escondido dos outros. Quem os fez pensar assim? Por que tanta aversão ao latim? O que ele lembra ou desperta nos homens de hoje? São perguntas que me faço e cuja resposta remete à discussão entre transistores e válvulas. Por que a existência de um deve necessariamente implicar a inexistência de outro?

O português não precisa sair para a chegada do latim. Muito menos o latim deve ser suprimido. Tampouco ainda da forma como foi. Deveríamos continuar entoando “Gloria in excelsis Deo”, o “Sanctus”, o “Pater Noster”. Poderiam perfeitamente conviver com as orações eucarísticas em português. Serviriam para manter a sobriedade da celebração, qualidade atacada por adaptações cada vez mais criativas do que não poderia, em tese, ser adaptado, mas que, auxiliado pela “vivacidade” da língua portuguesa acaba por servir ao ensejo de todo tipo de imaginação. Nesse sentido, o latim tem uma vantagem: ele não é muito tolerante a barbarismos; nem a barbaridades litúrgicas.

Não acho que a população esteja preparada para uma nova “ruptura” agora. Mas poderíamos começar aos poucos, reinserindo as orações latinas no cotidiano cristão, desmantelando uma resistência inútil e sem razão; até que possamos, se as circunstâncias o pedirem, ter, uma vez mais, as missas celebradas segundo a edição típica do Missal que não deixou até hoje de ser latina. E que está uma edição à frente!

Há espaço para todos. Cultuemos nossas origens. E nos orgulhemos dela.

Pax,

domingo, 10 de maio de 2009

O que é a Liturgia

View Comments
Autor: Lucas C. Santos


Na tentativa de compreendermos melhor do que se trata a Sagrada Liturgia, importa fazer uma diferenciação que não raras vezes leva as pessoas a grande confusão.


O fiel católico deve sempre estar em comunhão íntima com Deus, em todos os momentos e circunstâncias, sem dúvida alguma. Deve se moldar à semelhança de Cristo e de professar, firmar e exercer sua fé, sua esperança e sua caridade, segundo os Padres do Deserto, com mais frequência com que se respira. Pois se o ar é necessário para o corpo, quão mais importante não será o Espírito, que necessário para alma?


No entanto esse pensamento por vezes leva as pessoas a criar um certo intimismo romântico para com Deus, estranho a toda a tradição católica. Julgam que basta seguir o exemplo de Cristo no dia a dia, fazer uma ou outra oração em casa, ou simplesmente contemplar a natureza das coisas criadas, que bastaria para se estar em perfeita união com Deus. Mas o relacionamento humano com Ele não pode se dar somente dessa forma. Prova disso é que as pessoas que seguem por esse caminho acabam não desenvolvendo uma moral sólida, mas fortemente relativista, acabando por criar um Deus impessoal, subjetivo, limitado às próprias concepções pessoais de bem e mal. E isso quando não acabam descambando para concepções esotéricas e gnósticas, como a heresia do panteísmo, de um que está em todo o cosmo, como se espírito e matéria fossem um só.

Temos que nos lembrar que Deus é, antes de tudo, Senhor e Pai. Só é possível amá-Lo dignamente se O reconhecemos como Senhor de nossas vidas. A Ele devemos respeito e obediência filial. Lembremo-nos que Deus veio em primeiro lugar ao encontro do homem, formou para si um povo, manifestou-se com autoridade e poder, deu-lhes ordens a ser seguidas, e castigou-os quando se desviaram do caminho. Esse senso de submissão Àquele por quem fomos criados e A quem tudo devemos é essencial para fomentar a prática das virtudes, sobretudo a humildade e a obediência, sem as quais jamais conseguiríamos compreender a grandeza do Criador.


Dessa forma, desde o Antigo Testamento, Deus ordenou a seu povo que lhe prestasse culto, no templo, e lhes deu descrições rigorosas de como deveria ser este culto, o que se poderia ou não comer, como se vestir, quais e quantos dias deveriam ser observados para jejum, quais dias dos meses seriam consagrados (vide a festa dos Ázimos e das Primícias, por exemplo), e as minuciosas instruções de como deveria ser construído o templo, o altar e todos os objetos de culto (conferir a magnificência de detalhes tos capítulos 37 a 39 do Êxodo). Tudo isso era para despertar no povo a necessidade de se estabelecer com Deus essa consciência, tão necessária, da nossa miséria em contraste com a Sua grandeza, e para que o povo pudesse, com seus esforços, com suas labutas, com o trabalho de suas mãos, com seu cansaço; com seu corpo, sua voz e com seus membros, ou seja, por inteiro. Trata-se verdadeiramente de se colocar a serviço de Deus, como forma de conscientizar-se de que a Ele devemos todo o louvor, no sentido mais universal da palavra: tudo aquilo que somos, que produzimos, que obtemos é graças à misericórdia divina, e que Deus é o centro e fim de nossa existência.


A Revelação plena de Cristo não trouxe fim a essa necessidade, muito pelo contrário. O grande Mistério da Encarnação, de Deus feito homem, presente no tempo, na história e na materialidade humana, torna este encontro muito mais significante. Já em seu corpo mortal as mulheres piedosas Lhe ofereciam o melhor e mais caro de seus perfumes; no sepulcro, desejavam prestar homenagem a Seu corpo padecido, e ao contemplá-lo ressuscitado, ansiavam tocar seu corpo agora glorioso com toda a reverência. Dessa forma, o culto litúrgico, a ação do povo que se direciona fixamente para nosso Senhor, longe de ser abolido, se faz agora muito mais majestoso e sublime, sobretudo no Santo Sacrifício de nossa redenção no Calvário, perpetuado com a celebração da Santa Missa.


Nutridos desse espírito, podemos nos aproximar do altar de Deus na liturgia, e deixar que ela nos inebrie e nos mova por completo. Como já disse Scott Hahn: "Agora sei por que Deus me deu um corpo: para adorar o Senhor com seu povo na liturgia” (Tirado de O Banquete do Cordeiro).


Missa I - Lux et origo (para o Tempo Pascal)

View Comments







sexta-feira, 8 de maio de 2009

Erros litúrgicos e sugestões para coibi-los - IV

View Comments
Ato Penitencial

Convidando os fiéis a um ato de arrependimento, o sacerdote celebrante os introduz ao rito, com a fórmula prevista no Missal. Após uma breve pausa, utiliza uma das três fórmulas: a) o Confiteor; b) o “Tende compaixão”; c) o Kyrie. Conclui com uma absolvição, que, por ser desprovida de força sacramental, não possui a eficácia do Sacramento da Penitência celebrado na confissão dos pecados ao sacerdote.

Podem ser cantadas músicas de Ato Penitencial, desde que a letra utilizada seja de alguma das formas prescritas. Quaisquer outros cantos, ainda que implorem o perdão de Deus e demonstrem arrependimento dos pecados, estão excluídos por não se encaixarem no ordinário da Missa, do qual o Ato Penitencial é integrante.

O Ato Penitencial é omitido quando se celebra, no início da Missa, o rito do Asperges, e também quando a celebração for imediatamente precedida de um ofício da Liturgia das Horas com caráter penitencial. Nos demais casos, muito mais comuns, é imprescindível!

Quando as invocações do Kyrie, “Senhor, tende piedade de nós...”, não forem utilizadas no Ato Penitencial, devem ser proferidas após a absolvição que se segue àquele. Isso significa que sempre que o Ato Penitencial consistir no Confiteor (“Confesso a Deus todo-poderoso...”) ou no “Tende compaixão”, o Kyrie é feito em um ato próprio.

“Depois do Ato Penitencial inicia-se sempre o ‘Senhor, tende piedade’, a não ser que já tenha sido rezado no próprio ato penitencial. Tratando-se de um canto em que os fiéis aclamam o Senhor e imploram a sua misericórdia, é executado normalmente por todos, tomando parte nele o povo e o grupo de cantores ou o cantor.” (Instrução Geral do Missal Romano, 52)

É possível que o Kyrie rezado seja substituído por uma música que tenha as invocações na letra.

Na prática

1. Esqueça-se o folhetinho de Missa. Use-se o Missal. Uma das três fórmulas, e só.
2. Não se use músicas de perdão. Diz-se o texto do Missal, quer rezado quer cantado, mas só ele e nada mais. Querem música? Cante-se o texto previsto no Missal, mas não “músicas de perdão”.

quarta-feira, 6 de maio de 2009

Semana Santa em Portugal com sacerdote brasileiro

View Comments
Missas e ações litúrgicas celebradas pelo Rev. Pe. José Augusto Pedroza da Silva. No rito romano em sua forma ordinária (pós-conciliar, atual), com toda a solenidade. Mais uma prova de que o rito moderno não precisa ser "terra de ninguém", nem relegarmos só ao rito tridentino o esplendor da liturgia.





























Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...