Nossos Parceiros

quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

Ordenação sacerdotal de Pe. Adriano e Pe. Sidnei, na forma extraordinária, em Campos, Brasil

View Comments
Domingo, dia 6 de dezembro, II do Advento, como é tradicional na Igreja, foi conferida, por Dom Fernando Arêas Rifan, a quem conheço pessoalmente quando esteve em Pelotas, a ordenação sacerdotal aos agora Pe. Adriano Alves Butura e Pe. Sidnei Barcelos da Silva Júnior.

As belas fotos abaixo registram o momento e foram tiradas pela Juliana Lima, fiel da Administração Apostólica e acadêmica de jornalismo.
E o povo veio por Jú R. Lima.

Leitura da Epístola por Jú R. Lima.

Evangelho por Jú R. Lima.

Começa o rito da ordenação por Jú R. Lima.

Eles se apresentam por Jú R. Lima.
Ladainha deTodos os Santos por Jú R. Lima.
A imposição das mãos por Jú R. Lima.
Todo os sacerdotes vão impor as mãos por Jú R. Lima.

Quantos... por Jú R. Lima.
Estola por Jú R. Lima.
Casula por Jú R. Lima.
Unção das mãos por Jú R. Lima.
Atando as mãos por Jú R. Lima.
Cálice e a patena por Jú R. Lima.
Os primeiros por Jú R. Lima.
Voltando... por Jú R. Lima.
Começa o ofertório por Jú R. Lima.

Elevação por Jú R. Lima.
Meu Senhor e Meu Deus por Jú R. Lima.

Ecce Agnus Dei por Jú R. Lima.

Comunhão por Jú R. Lima.

"Todos vão comungar. Repare que na mesa da comunhão há um padre dando a comunhão numa metade e D. Fernando na outra. Além disso, na parte de tras da igreja tinha uma outra mesa de comunhão com sacerdotes distribuindo. É a prova de que não precisam de profanações e desobediência numa missa grande." (Juliana R. Lima)
Discurso por Jú R. Lima.
Bênção especial por Jú R. Lima.

Todos juntos por Jú R. Lima.

Close por Jú R. Lima.

terça-feira, 8 de dezembro de 2009

Próprio da Missa da Imaculada Conceição

View Comments

Hoje é um dia muito especial para a Igreja. Celebramos o excelso privilégio da Mãe de Deus: ter sido concebida sem pecado.

Nada melhor, para marcar tão importante data no calendário litúrgico, do que oferecer uma Missa Cantada, toda em latim, com cantos gregorianos. Ou, então, caso não seja possível, uma Missa rezada, quer em latim, quer em vernáculo, mas com parte do Próprio cantado em gregoriano.

Por isso, listamos abaixo os mp3 de cada peça do Próprio da Solenidade da Imaculada Conceição de Nossa Senhora, bem como as partituras, bastando clicar no sinal correspondente ou no link. As peças servem tanto para o rito romano moderno (forma ordinária, rito novo, atual, de Paulo VI e João Paulo II) quanto para o rito romano tradicional (forma extraordinária, rito antigo, tridentino, de São Pio V e Beato João XXIII).

Introitus: Is. 61, 10; Ps. 29 Gaudens gaudebo (4m39.5s - 1707 kb)

Graduale: Iudith. 13, 23. V. 15, 10 Benedicta es tu (2m30.8s - 1173 kb)

Alleluia: Cant. 4, 7 Tota pulchra es (2m56.2s - 1371 kb)

Offertorium: Luc. 1, 28 Ave, Maria (1m54.2s - 907 kb)

Communio: Ps. 86, 3; Luc. 1, 49 Gloriosa (42.3s - 329 kb)


Para o Ordinário, pode-se usar o Kyriale IX (Cum Iubilo):

Kyrie XII. s. (2m07.2s - 746 kb)

Gloria XI. s. (3m16.0s - 1149 kb)

Sanctus XIV. s. (1m28.4s - 518 kb)

Agnus (X) XIII. s. (1m18.8s - 462 kb)

segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

A urgente reforma da tradução do Missal

View Comments

Infelizmente, a tradução do Missale Romanun de 1970, do latim para o português, foi muito mal feita. Os erros cometidos na versão portuguesa se repetiram em outras línguas, entretanto, mui provavelmente, a nossa realidade supera qualquer outra. Os problemas vão desde a omissão de trechos importantes e a deformação de sentidos até a troca de palavras, tudo para favorecer um inapropriado espírito litúrgico. Para entender como foi feita a tradução nada melhor do que ler o relato do seu mentor; D. Clemente Isnard, OSB.

Em latim:

- Dominus Vobiscum
- Et cum spiritu tuo

Em português:

- O Senhor esteja convosco
- Ele está no meio de nós

Quando o correto seria:

- O Senhor esteja convosco
- E com o teu espírito

Na tradução do Missal para a língua inglesa o mesmo erro se repetiu. Entretanto, a Conferência dos Bispos dos EUA, acatando o pedido da Santa Sé por edições reformadas e revistas, lançou uma nova versão com uma acentuada melhora.

- The Lord be with you.
- And also with you.

Foi corrigido para:

- The Lord be with you.
- And with your spirit.

Vejam este link, contém a reforma feita na tradução do Missal em inglês. As diferenças são enormes e gritantes. Com a correção, o sentido Sacrificial da Liturgia foi exaltado e passou a ser melhor expressado.

A nossa Oração Eucarística V – feita por um misterioso Sacerdote maranhense – nasceu durante o processo da tradução. Esta consegue ir desde erros de linguagem culta – “A todos que chamastes pra outra vida” “sempre bem felizes no reino que pra todos preparastes” – até imprecisões teológicas profundas:

Toda vez que comemos deste pão, toda vez que bebemos deste vinho, anunciamos a morte de Jesus, proclamamos a sua ressurreição e aguardamos a volta do Senhor que vem satisfazer nosso ardente desejo de amor que tem sede e fome da presença do Senhor.”

E a Transubstanciação? Desde quando há pão e vinho no Altar depois da Consagração?

Nem mesmo o tradicional Cânon Romano passou ileso. Na versão original, em latim, depois da resposta ao “Mistério da Fé”, o Sacerdote reza:

“V. Unde et mémores, Dómine, nos servi tui, sed et plebs tua sancta, eiúsdem Christi, Fílii tui, Dómini nostri, tam beátæ passiónis, necnon et ab ínferis resurrectiónis, sed et in cælos gloriósæ ascensiónis: offérimus præcláræ maiestáti tuæ de tuis donis ac datis hóstiam puram, hóstiam sanctam, hóstiam immaculátam, Panem sanctum vitæ ætérnæ et Cálicem salútis perpétuæ.”

Não precisa ser um grande conhecedor de latim para perceber que, comparando com a tradução oficial, há perda de relevantes trechos:

“V. Celebrando, pois, a memória da paixão do vosso Filho, da sua ressurreição dentre os mortos, e gloriosa ascensão aos céus, nós, vossos servos, e também vosso povo santo, vos oferecemos ó Pai, dentre os bens que nos destes, o sacrifício perfeito e santo, pão da vida eterna e cálice da salvação.”

A parte da “Hóstia Santa! Hóstia Pura! Hóstia Imaculada etc” foi simplesmente cortada!

Depois do ofetório o Presbítero clama:

“Orai, Irmãos e Irmãs, para que nosso sacrífio seja aceito por Deus Pai todo poderoso.”

Entretanto, a versão original, em latim, frisa com mais perfeição o sentido do Sacrifício celebrado pelo Sacerdote:

“Oráte, fratres: ut meum ac vestrum [meu e vosso] sacrifícium acceptábile fiat apud Deum Patrem omnipoténtem.”

Antes da Consagração do Vinho, o Sacerdote reza:

“V. Símili modo, postquam cenátum est, accípiens et hunc præclárum cálicem in sanctas ac venerábiles manus suas, item tibi grátias agens benedíxit, dedítque discípulis suis, dicens:”

Que foi traduzido como:

“V. Do mesmo modo, ao fim da ceia, tomou o cálice em suas mãos, deu graças novamente, e o deu a seus discípulos dizendo:”

Foi retirada a “Sanctas et venerabiles manibus suas”

Ademais, como é de conhecimento de muitos – ou seria de todos? -, houve uma modificação nas palavras da Consagração do vinho. Obviamente, não chega a invalidar a Missa, longe disso, mas exprime de forma imperfeita uma verdade.

“ACCIPITE ET BIBITE EX EO OMNES: HIC EST ENIM CALIX SANGUINIS MEI NOVI ET ÆTERNI TESTAMENTI, QUI PRO VOBIS ET PRO MULTIS [POR MUITOS] EFFUNDETUR IN RE M I S S I O N E M PECCATORUM. HOC FACITE IN MEAMCOMMEMORATIONEM.”

“TOMAI TODOS E BEBEI: ESTE É O CÁLICE DO MEU SANGUE, O SANGUE DA NOVA E ETERNA ALIANÇA, QUE SERÁ DERRAMADO POR VÓS, E POR TODOS, PARA A REMISSÃO DOS PECADOS. FAZEI ISTO EM MEMÓRIA DE MIM.”

Os problemas vão além desses aqui listados, mas espero ter ajudado a entender a crucial importância da revisão da tradução do Missal. Graças a Deus a Santa Se está atenta, cobrará as novas edições, quer as Conferências as façam ou não. Rezemos, e muito, na intenção dos trabalhos dos liturgistas!

Nesse vídeo, de uma Missa na forma ordinária, em latim e versus Deum, celebrada em São Paulo, por Pe. Renato Leite, podemos ouvir o Cânon Romano:

Nossa comunidade oficial no Orkut

View Comments
Comunidade do Orkut do Salvem a Liturgia.

Visitem e peçam a inscrição!

Reforma da reforma começa "em casa"

View Comments
Para o nosso apostolado aqui no Itaqui, RS - ou onde a Providência nos colocar -, estamos colocando à disposição dos padres que nos visitam, "soluções" para uma liturgia digna e correta. Legionários de Cristo, padres do Ordinariato Militar em visita ao 1º Regimento de Cavalaria Mecanizada (Exército) e à 2ª Companhia do 2º Batalhão de Policiamento de Área de Fronteira (PM), sacerdotes argentinos que atravessam a fronteira, recitam o ofício em nossa casa e celebram a Missa, em latim ou vernáculo, no rito novo ou no antigo, em nossa casa também e na igreja.

Nessas ocasiões, convidamos várias pessoas para que assistam Missa bem celebrada, na mais fiel tradição de nosso rito romano. É assim que um dos aspectos da reforma da reforma (a correta observância das rubricas e a solenização da liturgia) vai tomando corpo. Aos poucos, de casa em casa, como os primeiros cristãos, em pequenos grupos, dando-lhes a formação adequada mas também a prática.

Esse nosso apostolado aqui na fronteira oeste do Rio Grande está crescendo. Já tive a visita do Pe. Silvano Mello, reitor do Seminário Menor de Uruguaiana, onde fica a sede de nossa diocese, na minha casa, presenteando-me, em nome do Senhor Bispo, com um Missale Romanum, de altar, dos anos 50, de antes mesmo das rubricas de João XXIII.

Para expandirmos nossas atividades - que não se resumem a isso, de vez que estamos com duas frentes formativas: o grupo jovem paroquial e uma reunião semanal com casais líderes da sociedade onde dandos catequese e formação humana -, precisamos multiplicar a beleza das liturgias.

Nesse sentido, recebi um orçamento de umas religiosas de Campos, RJ, que nos farão casulas, pluviais e estolas, de todas as cores litúrgicas. Aliás, entre as casulas, pedimos um jogo completo de romanas e outro de góticas.

O preço total ficou em R$ 18.000,00. Quem quiser, pode nos ajudar. Basta usar o PagSeguro. Qualquer quantia ajuda, mas se alguma alma caridosa quiser dar um grande valor, vamos chegar mais rápido ao resultado pretendido. Se os dezoito mil não forem alcançados, compraremos outras coisas para o apostolado.

Veja: se nove pessoas nos derem R$ 2.000,00, alcançamos o previsto.

Para nos ajudar, clique no botão:


domingo, 6 de dezembro de 2009

O erro racionalista e a reforma litúrgica

View Comments
Quando se fala em algumas impropriedades da forma moderna do rito romano, é comum levantar-se o argumento de que não se observou o princípio do desenvolvimento harmônico da liturgia, ou o de que, em nome de uma suposta pureza do rito, a partir de um erro denominado “arqueologismo”, eliminou-se uma série de acréscimos (legítimos!) de origem galicana ou mesmo oriundos da piedade individual. Tudo isso está absolutamente certo, é verdade, mas creio que um outro viés deveria ser mais trabalhado: o de que alguns aspectos da reforma litúrgica levada a cabo por Mons. Anibale Bugnini, e sua implantação prática nas paróquias, foram influenciados pelo racionalismo.

O sacerdote australiano Pe. John Parsons, vivamente empenhado na chamada “reforma da reforma”, explica, em um apêndice da grande obra do Pe. Thomas M. Kocik sobre o tema, o quanto o racionalismo está na gênese da ânsia por uma Missa “ideal”. De fato, o idealismo das formas “puras” corresponde à mesma matriz ideológica do racionalismo, do Iluminismo, que rechaça a tradição por vê-la envolvida no que entende ser um repositório de superstições.

Ademais, certas simplificações feitas por Bugnini não estavam na linha da eliminação de duplicidades superficiais pedida pelo Concílio, mas obedeciam a uma agenda que não conseguia entender o valor dos símbolos, dos sinais. Se o homo modernus não entende os símbolos profundos da liturgia romana tradicional, eles devem ser retirados: eis o mote que acompanhou boa parte dos executores da reforma. Ora, isso é uma sandice. Então, em um país de esmagadora maioria de analfabetos, iríamos eliminar as letras, os sinais de pontuação, a gramática? Se a resposta ao analfabetismo é a alfabetização, a resposta a um século que não lê os símbolos é ensinar-lhes o seu significado, não propor seu banimento!

O homem advindo do racionalismo não entende os símbolos, não é capaz de aprofundar no belo, vê o fausto e o esplendor como farisaísmo estéril ou triunfalismo e, diante desse quadro, certos membros do Concilium de Bugnini, propuseram o aniquilamento de tudo aquilo que a modernidade não entenderia. Daí, a exclusão dos altares laterais, a falta de ênfase no dogma da transubstanciação, a eliminação de certos sinais que davam o claro caráter sacrifical da Missa, a mentalidade de que a liturgia bem feita excluiria a devoção popular, a obrigatoriedade prática de celebrar versus populum, o impedimento de recitar o Cânon em vox submissa, a verdadeira cruzada contra o latim etc.

Com efeito, embora muitos desses pontos não estejam presentes no código de rubricas do Missale Romanum de 1970, estavam no ethos dos que implementaram a reforma. O racionalismo é a origem de muitas daquelas posturas já identificadas com o arqueologismo litúrgico.

Para o racionalismo, disseminado mesmo entre católicos a partir do jansenismo do século XVIII – e o herético Sínodo de Pistóia, com suas proposições litúrgicas condenadas, está aí para provar –, a multiplicação de altares laterais era produto do sentimentalismo, as Missas votivas eram uma forma de superstição, o Cânon em silêncio um obscurantismo, o padre a celebrar versus Deum estaria “de costas para o povo” – eis aqui também uma distorção dos valores democráticos. Tudo isso deveria ser reprimido.

Finalmente, após a primeira e a segunda fases do movimento litúrgico de Dom Guéranger, OSB, que muito contribuíram para uma vivência mais apurada, entre os fiéis, do dom de nossa liturgia romana, os racionalistas, imbuídos desses conceitos amalgamados com um estilo peculiar de catolicismo, e alimentados pelo arqueologismo, propuseram sua revolução. Foi a terceira fase do movimento litúrgico que, ao lado de excelentes contribuições, que nos deram os valiosos pontos positivos da reforma de Paulo VI (como um maior ciclo de leituras bíblicas no lecionário, a possibilidade de se usar canto gregoriano e incenso mesmo em Missas rezadas, um tesouro de hinos, antífonas, coletas e prefácios pré-tridentinos e que não constavam do Missal compilado por São Pio V, a procissão do ofertório, um mais amplo uso do vernáculo, a ênfase no gregoriano como canto oficial do rito romano, a restauração das preces dos fiéis, a recolocação do Ite Missa est para depois da bênção, a homilia ou sermão como cerimônia integrante da liturgia e não uma interrupção da Missa, a simplificação na gradação de festividades, a mudança mesmo em Missas simples e rezadas, como ensina o Mons. Peter Elliott, de um tablado restrito no qual ficava o padre para um espaço aberto de celebração no presbitério, etc), trouxe enormes desvantagens ao culto católico. Esses racionalistas e arqueologistas se aproveitaram das diretivas do Concílio Vaticano II e da depressão de Paulo VI, ocasionada por sua quebra de autoridade diante de um episcopado rebelde que não aceitou sua reafirmação da ortodoxia em matéria de moral sexual, e da sua confiança nos oficiais do comitê para a reforma litúrgica, para colocar o cavalo de Tróia dentro dos muros da Igreja.

Não fosse o corajoso basta de Paulo VI, impedindo uma revolução ainda maior na liturgia, e desautorizando mudanças mais radicais que Bugnini – que foi mandado por Paulo VI para o Irã, em um ato que foi interpretado por cardeais mais ortodoxos como uma punição – e seus sequazes tentavam fazer passar, estaríamos hoje diante de um seco, frio e absolutamente racionalista culto católico.

A reforma teve elementos racionalistas, mas graças a Deus e ao Papa Paulo VI – e depois às correções de João Paulo II –, não tantos quanto os modernistas queriam. Todavia, se na própria reforma litúrgica, o radicalismo dos racionalistas foi barrado, na sua implementação em nossas paróquias, a crise atingiu proporções apocalípticas.

A frieza racionalista caiu como uma bomba no dia-a-dia dos fiéis católicos: de uma hora para outra, houve padres que até mesmo retiraram não só os altares laterais como removeram todas ou quase todas as imagens dos santos das igrejas; o órgão foi banido e trocado pelos violões da música romântica e folk; as piedosas letras dos cantos gregorianos, das polifonias sacras de forte inspiração bíblica, e dos cânticos populares mais tradicionais foram substituídas por outras de gosto duvidoso; o celebrante deu as caras para o povo como se fosse um animador de auditório – e, de fato, poucos são os padres que conseguem manter a concentração e a piedade versus populum. Com o tempo, a casula foi abandonada, à revelia das normas que obrigavam ao seu uso, os paramentos adquiriram uma simplicidade que beirava ao simplório e sem aquela nota de sacralidade e distinção próprias de nossa visão católica das coisas.

Claro que essas coisas todas na implementação da reforma não estavam por esta prevista. Em nenhum momento, mandou a Igreja que se aposentasse o canto gregoriano, a casula, as seis velas nas Missas solenes, o latim... Ocorre que o racionalismo não estava presente somente nas novas normas, mas em toda uma mentalidade que, ignorando as sadias normas que procuravam manter um mínimo de nossa tradição litúrgica romana, radicalizava a reforma. Não contentes com as rubricas, que já não estavam recheadas de arqueologismo e simplificações em demasia, os revolucionários fizeram, em cada paróquia, a sua própria reforma.

Se o novo rito tinha alguns defeitos, o modo como muitos o colocaram em prática foi ainda pior. Não se nega que há problemas na reforma litúrgica, porém o que temos em nossas igrejas não é culpa da reforma e nem mesmo pode ser chamado de Novus Ordo, de Missa nova: é uma sua distorção.

É bem possível celebrar a Missa do rito novo com toda a sobriedade e sacralidade, com canto gregoriano, incenso, versus Deum, toda ela em latim etc, atestando a continuidade do Missale de Paulo VI com o rito romano clássico. Sem embargo, não se pode negar a presença, como atestado, da mentalidade racionalista, ainda que ela esteja muito mais na criminosa implementação que alguns padres e Bispos puseram em marcha contra as orientações dos Papas e as normas de Roma.

Uma eventual e necessária “reforma da reforma”, que coloque como ponto de partida a co-existência dos dois ritos, o novo e o antigo, o moderno e o tradicional, e propugne, em harmônico desenvolvimento, por um acréscimo dos elementos positivos do Missal de Paulo VI ao Missal clássico de São Pio V, em uma unificação da liturgia romana, não poderá desconsiderar também a rejeição da ideologia por trás dos pontos negativos do novo Ordinário. E nessa ideologia, não poucos pontos da filosofia racionalista estão presentes.

quinta-feira, 3 de dezembro de 2009

Diversos grupos e soluções diante da crise litúrgica

View Comments
Diante da atual crise litúrgica, com aberrações gritantes, falsas concepções acerca da liturgia católica, bagunças nas Missas, debates quanto a mutilações e acréscimos feitos pela própria autoridade eclesiástica no texto do rito, levantam-se inúmeras propostas quanto ao que fazer. As sugestões, tendências teológicas, inclinações canônicas, e preferências pessoais (baseadas ou não na realidade dos fatos), são muitas. Podem, todavia, ser agrupadas, nesse quesito, em cinco grupos:

1. Os tradicionalistas

Segundo este grupo, a solução seria simplesmente retornar à última versão do Missale Romanum codificado por São Pio V, i.e., ao texto previsto em 1962, antes da reforma litúrgica de Paulo VI. Percebem os defensores de tal tese que os missais de 1962 e de 1970, embora conservem uma essência comum, são distintos por vários acréscimos feitos, bem como mutilações e adaptações, tanto no Ordinário quanto no Próprio. A linguagem, dizem, também teria mudado. Mais ainda: o modo como foi feita a reforma do Missale Romanum, em 1970, não teria respeitado o princípio do desenvolvimento harmônico, e, portanto, tratar-se-ia mais de um rito fabricado do que uma continuidade do rito romano clássico.

Parcela dos defensores dessa tese admitem que, enquanto não se chega à situação ideal de generalizar a prática da hoje chamada forma extraordinária a ponto de se tornar o rito normativo, possa-se tolerar o rito novo.

2. Os reformistas

São os que percebem que o rito novo possui várias lacunas, como, por exemplo, a exclusão das Orações ao Pé do Altar e do Último Evangelho, de certos paramentos como o manípulo ou o pluvial no Asperges antes da Missa Dominical, a simplificação por demais radical do Ofertório, a eliminação do lecionário de São Jerônimo, a mudança brusca no calendário e em certas orações do Próprio etc. Sabem também que o desenvolvimento harmônico não foi observado em sua confecção.

Todavia, vários pontos positivos existem no rito novo, segundo este grupo: a possibilidade de se usar canto gregoriano e incenso em todas as Missas e não só nas cantadas e solenes (embora, ironicamente, na prática, se tenha excluído de nossas paróquias tanto um quanto outro), a cessação da artificial duplicação de certas cerimônias, o Ite Missa Est depois da Bênção Final, as Orações dos Fiéis, a Procissão do Ofertório, o Salmo Responsorial como opção ao Gradual, o aumento de leituras bíblicas, o Próprio para os dias de semana do Advento e mesmo novas leituras nas férias do Tempo Comum, a simplificação na gradação das festas, a valorização do Domingo etc.

Alguns sentem falta também de rubricas mais precisas e duras, que eliminem qualquer possibilidade de dupla interpretação, para que não se as possa invocar para celebrar uma liturgia de qualquer modo. A exclusão prática do latim e a popularização do “versus populum” também são pontos negativos levantados pelos reformistas.

O que propõem com base em suas teses? A chamada “reforma da reforma”. Manter os pontos positivos da reforma de Paulo VI em seu Missale Romanum de 1970, mas incorporar aqueles elementos que não se deveriam ter perdido e que se encontravam no de 1962. E que isso seja feito de modo harmônico. Primeiramente, é preciso que o rito anterior tenha ampla liberdade e divulgação, e que os padres que celebram no novo se deixem influenciar pela mente do antigo, pelos costumes, pela piedade, pelo silêncio, e tais valores sejam transportados para o novo. Depois, que se obrigue a celebrar, mesmo no novo rito, “de costas”, “versus Deum”, e ao menos certos trechos em latim. Alguns clamam que uma Missa de Domingo seja em latim, no mínimo. Terceiro, que opções sejam dadas, pelo Papa, para incorporar, aos poucos algumas cerimônias que não se deveriam ter mudado por ocasião da reforma. O resultado será que o rito antigo será a base para um rito romano unificado e que tenha os pontos positivos do novo. Em um modo de falar, teríamos o desenvolvimento harmônico do rito antigo. Por outro ponto de vista, teríamos o novo indo beber no antigo.

Enquanto a “reforma da reforma” não é feita (ao menos não como implementação de um novo código de rubricas), dedicam-se a promover, num grau maior ou menor: a) a maior disseminação possível da forma extraordinária (rito romano antigo); b) a celebração da forma ordinária (rito romano moderno) em estrita obediência às rubricas atuais, com toda a solenidade possível (belos paramentos, cantos gregorianos, polifonia sacra, música popular mais sóbria e tradicional, diáconos, incenso, Missas pontificais com o Bispo de dalmática por baixo da casula e todo o cerimonial); c) a popularização do latim e do “versus Deum” mesmo nas Missas da forma ordinária, inclusive com eventuais Missas totalmente em latim.

3. Os idealistas

Para esses, o rito novo, de Paulo VI, não precisa de reforma alguma. Está perfeito. Tudo aquilo que tradicionalistas e reformistas enxergam como mutilações ou indevidas adaptações, foi bem feito. Nada de “Orações ao Pé do Altar” ou de “Último Evangelho” mesmo. Advogam um rito romano “puro”, medieval, desfeito de tudo o que consideram “estilo barroco” ou intromissão espúria do rito galicano. Alguns são fortemente influenciados pela heresia do arqueologismo, condenada por Pio XII, embora nem todos a ela prestem adesão.

Uns poucos, mais radicais, defendem o “versus populum” como a melhor das posições, e não admitem o latim em hipótese alguma nas Missas ordinárias. A maioria, entretanto, quer esse rito “puro”, mas com boas doses de latim, de gregoriano, de incenso, e “versus Deum”.

4. Os ultramontanos radicais

Para eles, o que o Papa decretar está correto, e não se preocupam com a profundidade da discussão. Não tanto por desinteresse ou por não serem experts na questão, mas por uma visão um tanto simplória e legalista das coisas. O Papa proibiu o rito antigo? Ótimo! O Papa liberou? Ótimo! O Papa reformou a liturgia? Ótimo! Não reformou? Ótimo!

É uma distorção da virtude da obediência e do princípio de andar no passo da Igreja.

5. Os revolucionários

Para eles, a crise litúrgica não é verdadeira crise. O problema é justamente a insistência dos conservadores (tradicionalistas, reformistas, idealistas e ultramontanos radicais).

Nesse grupo estão os liberais, os modernistas, os que acham que mesmo o Missale Romanum de 1970 fez pouco, e o tem apenas como um guia. Vão sempre além: aposentam a casula, ignoram o latim e o canto gregoriano, advogam o folk-pop e o rock romântico açucarado na Missa, sequer cogitam celebrar com incenso, consideram uma piada de mau gosto o “versus Deum”, colocam aqui e acolá elementos não previstos (cartazes na procissão de entrada, uma árvore no altar quando o Evangelho fala da videira e dos ramos, aplausos ritmados acompanhando as músicas), colocam leigos para fazer funções sacerdotais, rompem completamente com a tradição litúrgica, defendem a “Missa afro”, a “Missa crioula”, a “Missa funk”.

Claro que nem todos defendem todos esses bizarros elementos. Sua mentalidade é tão liberal que se dão ao luxo de escolher, entre os acima listados e outros mais (pois distorcem a sadia criatividade e mesmo o princípio da “actuosa participatio”), os elementos que vão adotar ou que acham corretos.

-----

Pessoalmente, estou no grupo 2, dos reformistas. E tu?
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...