Manchetes

Nosso Parceiro

quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

Herodes e o massacre dos inocentes


Herodes sabia que era impopular entre os judeus. Perto de sua morte, havia mandado matar um grupo de homens ilustres e notáveis de Jericó para garantir que houve luto na Judéia quando falecesse (Cf. Flávio Josefo. Antiguidades Judaicas 17, cap. 6, v. 174-175). Por ter se tornado rei da Judéia por meio de guerras, intrigas e usurpação, Herodes vivia sob o temor de perder o trono que havia roubado dos monarcas da dinastia hasmonéia. Assim, as profecias sobre a vinda do Messias, o rei que Deus enviaria a Seu Povo, o perturbavam tremendamente. Ao ficar sabendo de rumores sobre o nascimento de Cristo por meio dos magos do Oriente, Herodes busca tramar o assassinato do recém-nascido. O plano frustrado, haja vista os magos não terem lhe informado sobre o achamento do rei nascido, irritou Herodes que, para garantir que seu potencial rival seria eliminado, mandou matar todos os meninos que tivessem de 2 anos de idade para baixo na cidade de Belém (Mt 2, 16-18). A Igreja honrou esses pequeninos como mártires, porque morreram no lugar de Cristo e o motivo de sua morte foi unicamente o ódio a Jesus. Mesmo com todo o abuso de seu poder, Herodes não conseguiu frustrar os desínignios da Divina Providência.
É triste, contudo, percebermos que a lógica de Herodes ainda vive em nossos tempos: para manter seu egoísmo, o homem é capaz de passar por cima de qualquer um. Vemos isso claramente nas ideologias políticas que com suas novas idolatrias (Estado, Raça, Nação, Povo, Bem-estar social) estão deturpando o conceito de Dignidade Humana e promovendo massacres de proporções maiores que o massacre levado a cabo pelos soldados de Herodes em Belém da Judéia. Herodes promoveu a matança para conservar seu poder ilegítimo: hoje os governos autorizam a matança para satisfazer a sede de prazer e comodismo de seus governados. A vida humana, que custou o sangue de Deus humanado, foi rebaixada ao valor de uma medíocre vivência de comodismo material. Defende-se hoje o aborto sob a bandeira da liberdade. Pode haver liberdade se o direito fundamental à vida, que é base de todos os demais, não for assegurado? Pode o inocente ser punido de morte? O espectro de Herodes nos rodeia, mas a Igreja continua seu martíro, seu testemunho, contra os homens que querem se colocar no lugar de Deus.
Hoje, em que lembramos o martírio dos inocentes de Belém, lembremo-nos também da vida humana e de seu valor. Rezemos para que Deus receba em seu seio as crianças abortadas e rezemos também pela conversão dos que perpetuam esses males. E continuemos combatendo as novas idolatrias e defender a dignidada da pessoa humana, criada à Imagem e Semelhança do único e verdadeiro Deus!

"Aqueles, enfim, que têm o supremo governo das nações e o poder legislativo não podem licitamente esquecer-se de que é dever da autoridade pública defender a vida dos inocentes com leis oportunas e sanções penais, tanto mais quanto menos se podem defender aqueles cuja vida está em perigo e é atacada, entre os quais ocupam, sem dúvida, o primeiro lugar as crianças ainda escondidas no seio materno. Se os magistrados públicos não só não defenderem essas crianças mas, por leis e decretos, as deixarem ou até entregarem a mãos de médicos ou de outros para serem mortas, lembrem-se de que Deus é juiz e vingador do sangue inocente, que da terra clama ao céu (Cf. Gn 4, 10)." (Papa Pio XI. Encíclica Casti Conubii, n. 67)


Santos Inocentes, rogai por nós!
blog comments powered by Disqus
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...