Manchetes

Nosso Parceiro

domingo, 7 de fevereiro de 2016

Proibida a comunhão na mão em diocese boliviana

View Comments

O indulto que autoriza a comunhão na mão foi suprimido na Diocese de Oruru, Bolívia. O decreto promulgado por Dom Bialasik estabelece que, devido às profanações que têm ocorrido naquela diocese, os fiéis deverão comungar somente na boca, a práxis tradicional da Igreja.

A justificativa dada por Dom Bialasik poderia facilmente ser aplicada em praticamente todas as dioceses brasileiras. Sabemos que a crença na Presença Real de Nosso Senhor na Eucaristia tem-se enfraquecido, e que mesmo em muitos daqueles que crêem falta a noção de que as pequenas partículas que por ventura restem em suas mãos ao comungar ainda são o Seu Sacratíssimo Corpo e não devem ser perdidas. Que mais bispos tenham a coragem de Dom Bialasik!

O decreto, que traduzimos ao português, pode ser lido abaixo.

***
Decreto Comunhão na Boca - Dom Bialasik, Oruro, Bolívia

DECRETO SOBRE A RECEPÇÃO DA SANTA COMUNHÃO NA BOCA

Nº 001/16

DOM KRZYSZTOF J. BIALASIK

PELA GRAÇA DE DEUS E DA SANTA SÉ APOSTÓLICA

BISPO DA DIOCESE DE ORURO - BOLÍVIA

CONSIDERANDO, que a Lei da Igreja estabelece:
  1. Que receber a comunhão na boca é a lei universal da Igreja, tal e como nos recorda a Instrução Memoriale Domini e Immensae Caritatis (29 de maio de 1968: AAS 61, 1969, 541-546; 29 de janeiro de 1973: AAS 65, 1973, 264-271; cf. também a instrução Redemptionis Sacramentum, sobre algumas coisas que se devem observar e evitar acerca da Santíssima Eucaristia, emitida em 25 de março de 2004, n. 92; cf. Missale Romanum, Institutio Generalis, n. 161.), onde se consagra como regra geral a forma tradicional de distribuição na boca, e o faz "não somente porque se funda numa tradição de muitos séculos, mas sobretudo porque exprime e significa a reverência dos fiéis para com a Eucaristia" (par. 8), mas também porque "é mais eficazmente assegurado que a Sagrada Comunhão seja distribuída com a reverência, o decoro e a dignidade devidos; que seja evitado todo perigo de profanação das espécies eucarísticas" (par. 10).
  2. Que a comunhão na mão é permitida somente como um indulto a tal lei universal, que a Santa Sé pode outorgar caso-a-caso a uma Conferência Episcopal quando ela o pede (Congregação para o Culto Divino, prot. N. 720/85: Notificação acerca da comunhão na mão, de 3-IV-1985).
  3. Que a ordenação da sagrada liturgia depende exclusivamente da autoridade da Igreja, que em cada diocese é exercida pelo Bispo diocesano (cânon 838, par. 1, Código de Dinheiro Canônico), a quem corresponde dar normas obrigatórias em matéria litúrgica para todos os fiéis da porção da Igreja a ele confiada (cânon 838, par. 3, Código de Direito Canônico; cfr. Instrução Redemptoris Sacramentum, n. 19), atendendo às necessidades concretas da mesma e ao bem das almas.
  4. Que tanto a Instrução Redemptoris Sacramentum (n. 92) como a Sagrada Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos (dubium: notitiae 35 (1999) pp. 160-161.) insistem em que "se existe perigo de profanação, não se distribua aos fiéis a Comunhão na mão".
  5. VISTO que insistir na prática geral da comunhão na boca é mais conveniente nesta Diocese, não apenas por ajudar na recepção mais devota da Eucaristia e sustentar a fé na presença real e substancial de Jesus Cristo na mesma, senão também por evitar as profanações do Corpo de Cristo, posto que se tem notado ultimamente que há pessoas que não consomem a Sagrada Forma no momento de recebê-la e desejam levá-La para fora do templo com fins desconhecidos (cf. minha homilia da missa de 16 de agosto de 2015).

DECRETO

REAFIRMAMOS PARA A DIOCESE DE ORURO A OBRIGAÇÃO DE SEGUIR A LEI GERAL DA IGREJA DE RECEBER A COMUNHÃO NA BOCA, NÃO SENDO APLICÁVEL O INDULTO DE PODER COMUNGAR NA MÃO.

Comunique-se e publique-se a quem se faz necessário, e seja arquivado. Dado na Sede Episcopal, na Solenidade da Epifania do Senhor, em 06 de janeiro do Ano do Senhor de 2016.

Revmo. Pe. Ludgardo Carlos Ortíz
Chanceler da Diocese de Oruro

Dom Krzysztof Janusz Bialasik, SVD
Bispo da Diocese de Oruro

quinta-feira, 24 de dezembro de 2015

Perguntas e respostas sobre o Natal

View Comments
Dom Henrique Soares da CostaBispo Diocesano de Palmares - PE, nos deu, em sua página no Facebook, uma catequese sobre o real significado do Natal que merece e muito ser compartilhado!






Que significa celebrar o Natal?

Significa celebrar NA LITURGIA, memorial do culto cristão, instituído por Jesus nosso Senhor, o mistério e a graça da Sua piedosa Vinda, da Sua graciosa Manifestação na nossa natureza humana e no nosso mundo, cumprindo as promessas feitas por Deus a Israel.


Que é esse MEMORIAL instituído pelo Senhor?

No Israel da Antiga Aliança, toda a obra salvífica do Senhor era celebrada anualmente nas festas instituídas pelo Senhor Deus: a Páscoa, Pentecostes, as Tendas, o Kippur, a Dedicação do Templo...
Tudo isto preparava para o Cristo nosso Senhor.

Ele veio, realizou a salvação e na noite em que foi entregue instituiu o Sacramento do Seu Corpo e do Seu Sangue, Memorial sagrado de tudo quanto Ele fez por nós, cumprindo tudo quanto Deus havia prometido.
Assim, no Sacramento da Ceia, no santo Sacrifício Eucarístico, toda a salvação torna-se presente: a criação do mundo, a história santa do antigo Israel, os atos e gestos salvíficos do Senhor, as graças dadas aos cristãos, a vida da Igreja e até mesmo a Sua Vinda no final dos tempos.

NA LTURGIA, pela força potente do Santo Espírito do Cristo imolado e ressuscitado, tudo, tudo absolutamente, em Cristo Senhor, torna-se contemporaneamente, simultaneamente presente, de modo que, para um cristão, celebrar os santos mistérios litúrgicos é entrar realmente e verdadeiramente em contato com o Mistério da nossa salvação e com cada um dos mistérios especificamente.

NA LITURGIA, toda a obra da salvação é-nos dada realmente: "Fazei isto em memória ( = memorial, zikaron, isto é, celebração ritual, eficaz e presentiiacante ) de Mim!"
O Natal é, então, celebração do quê?

É real e verdadeira celebração da Manifestação, da Vinda do Senhor na nossa carne mortal.
Celebrar a Eucaristia no Natal é tornar realmente presente sobre o Altar como oferta ao Pai no Espírito Santo o Cordeiro imolado e ressuscitado no Qual tudo, absolutamente tudo da nossa salvação se encontra presente!
Cristo é tudo, resume tudo, sintetiza tudo, atrai tudo, realiza tudo! Nele, eucarístico, está a criação do mundo,
Nele, toda a história de Israel,
Nele o Natal,
Nele a Páscoa,
Nele a vida da Igreja,
Nele a Glória dos santos,
Nele o Dia Final, na consumação de tudo!


Cada mistério da nossa fé que celebramos na Liturgia coloca-nos realmente, verdadeiramente em contato com a graça que nos veio daquele mistério.
Quem celebra as Eucaristias do tempo sagrado do Natal entra em contato real com a graça da Vinda do Salvador!

Este é um luxo, uma graça, uma elegância de Deus que somente recebe quem participa da Liturgia e só na Liturgia é dado!

Perguntas e respostas sobre o Natal - IV

O Natal é aniversário de Jesus?

De modo algum!

Jamais a Igreja pensou numa coisa dessas!


Na Liturgia não se diz: Jesus nasceu há 2000 anos! Diz-se: "Hoje nasceu para vós um Salvador: Cristo, o Senhor!"

A Liturgia, na potência do Espírito, coloca-nos no HOJE de Deus, coloca-nos em contato direto com a graça salvífica do acontecimento que, ocorrido uma vez por todas no passado, torna-se eternamente presente na Glória do Céu, em Cristo, único e eterno sacerdote, que na Tenda eterna do Céu ministra a Liturgia eterna que torna-se presente sobre o Altar da Igreja!

No Natal nunca, de modo algum, por motivo algum, deve-se cantar "Parabéns" para Jesus! Seria algo totalmente contrário ao significado do Natal cristão!

Cristo nasceu no dia 25 de dezembro?

Não, com certeza. E os cristãos sempre souberam disso!
Desde o início, esta festa é celebrada em datas diferentes pela Igreja no Oriente e no Ocidente: no Oriente, a 6 de janeiro; no Ocidente, a 25 de dezembro.

Eis os motivos do 25 de dezembro:

Segundo antigas tradições, o mundo teria sido criado no dia 25 de março. Neste dia também se celebrava a Festa da Anunciação de Gabriel à Virgem Maria, início da recriação de todas as coisas em Cristo: Ele, vindo ao nosso mundo no seio da Virgem, recriou o mundo envelhecido e caduco pelo pecado. Assim, o 25 de dezembro ocorre nove meses após a celebração da concepção.

Mas, há outro motivo. Depois de o cristianismo já ter se espalhado no Império Romano e os imperadores terem aceitado a fé cristã, surgiu um que apostatou da fé e quis restaurar o paganismo em Roma: Juliano, o Apóstata! Ele fez o possível para restaurar a festa do deus Sol Vencedor em Roma, que ocorria no dia 25 de dezembro, solstício do inverno. Exatamente a época em que o sol começa a ficar mais forte e fazer os dias começarem a ficar mais longo, vencendo o frio e as trevas do inverno. Esta seria a vitória do deus sol sobre as trevas!

Os cristão reagiram fortemente, celebrando aí não o deus sol, mas o verdadeiro Sol da justiça, Luz do Alto que nos veio visitar, vencendo as trevas da idolatria, do pecado e da morte! O verdadeiro Sol Invicto é o Cristo nosso Deus, que vindo à nossa terra, tudo iluminou com a Sua piedosa Manifestação.

Assim, a data do Natal estabeleceu-se de vez no século IV para toda a Igreja do Oriente e do Ocidente. No dia 6 de janeiro, a Igreja passou a celebrar a Epifania do Senhor. Mas, isto é outra história..

Seria realmente errado ver o Natal como aniversário de Jesus?

Totalmente.

  1.  Comemora-se o aniversário contando os dias de acontecimentos ou pessoas neste tempo. Jesus é o Senhor, entrou na Eternidade, é Senhor do tempo; não mais está preso ao nosso tempo, mas preenche todos os tempos: "A Ele o tempo e a eternidade˜!" - diz a Igreja na Vigília Pascal.
  2. Comemora-se o aniversário de alguém para festejar sua entrada nesta vida. Jesus entrou nesta vida, neste mundo, por humilhação, por esvaziamento de Si mesmo: sendo rico fez-se pobre, sendo Deus fez-Se homem, sendo Senhor fez-Se servo para nos salvar. Na verdade o nascimento de Jesus segundo a carne é um gesto de humildade e humilhação por amor!
  3. O nascimento definitivo para um cristão é o nascimento para a Glória: dos santos, celebra-se não o dia do nascimento para este mundo, mas o Die Natalis para o Céu, o dia da morte para este mundo.
  4. E o mais importante: NENHUMA celebração da Liturgia é de aniversário; nunca é uma recordação do passado que ficou lá trás, mas é um torna-se realmente presente de um fato ou evento salvífico que se torna atual e atuante na vida dos que celebram os santos mistérios na Liturgia. É uma pena que a deficiência de catequese tenha feito os cristãos perderem isto, que no início da Igreja era claro para todos os filhos da Igreja!
  5. Recordemos que o aniversário vai distanciando cada vez mais da origem, do fato inicial recordado. Com o Senhor Jesus não é assim: Ele nos é contemporâneo em todos os Seus mistérios. Ele está presente nos nossos pobres "hojes" e enche os dias da nossa vida com o Seu Hoje eterno entrado no tempo em cada Liturgia. Alguns Padres da Igreja falam em aniversário do Natal, ou seja, no sentido antigo, da "volta do ano" na qual o mistério de sempre é novamente celebrado sem nunca envelhecer ou se afastar da origem! A origem dos acontecimentos salvíficos não está no passado, mas no Altar da Eucaristia!


O que é essencial para um cristão celebrar o Natal?

O que é essencial para qualquer festa cristã: participar da santa Liturgia eucarística.
É na Eucaristia que todo o mistério da nossa fé, o mistério da nossa salvação, da criação à Parusia do Senhor, faz-se presente: "Eis o Mistério da fé!" Isto é: ali, no Cordeiro imolado e ressuscitado, tudo faz-se contemporâneo na potência do Espírito!

Na Eucaristia tudo é celebrado na vida cristã e na vida do cristão! Sem a participação na Eucaristia é impossível ser cristão plenamente!

A Liturgia para o Natal fala das "festas que se aproximam". Do que se trata?

O Natal litúrgico (e este é o que importa) não é um dia, mas um tempo: o tempo no qual a Igreja celebra a Manifestação, a Vinda, o Aparecimento do Salvador na nossa carne mortal.

Este tempo é celebrado com cinco festas:

1. A Natividade
2. A Sagrada Família
3. Santa Maria Mãe de Deus
4. A Epifania
5. O Batismo do Senhor

Todas estas festas, cada uma com um aspecto próprio, celebram um só Mistério: o Verbo Eterno, Filho Eterno do Eterno Pai, fez-Se verdadeiramente homem de Maria a Virgem para que, assumindo o humano salvasse a humanidade e assumindo toda a criação, salvação todo o universo!

Há ainda mais uma festa que não pertence ao Tempo do Natal, mas está ligada ao ciclo do Natal: A Apresentação do Senhor, no dia 2 de fevereiro. É uma festa importantíssima do ponto de vista teológico! Infelizmente, a nossa catequese litúrgica é muito fraca e essa festa fica na penumbra...

Qual é a Missa principal do Natal?

A Igreja celebra o Dia do Natal com quatro missas, isto é, quatro formulários diferentes de missas: orações próprias e leituras próprias para cada uma, todas preciosas, todas belíssimas:

  1. A Missa da Vigília, celebrada na tarde do dia 24.
  2. A Missa do Galo, celebrada na Noite Santa. Chama-se do galo porque a antiga rubrica prescrevia que deveria iniciar-se ao cantar do galo. Hoje, por vários motivos, é celebrada quando o sol já se pôs. No entanto, quanto mais perto da meia-noite, melhor.
  3. A Missa da Aurora, celebrada sempre de madrugada, logo ao sol nascer.
  4. A Missa do Dia, celebrada já com o sol alto. É celebrada a qualquer hora do dia 25.


Dessas, a menos importante do ponto de vista litúrgico, é a da vigília. As mais importantes são a Missa da Noite e a Missa do Dia. Quem participa de qualquer uma delas, celebra o Natal. Contudo a Missa da Vigília não dispensa de participar de uma das outras três.



terça-feira, 17 de novembro de 2015

Tudo para as celebrações do Jubileu da Misericórdia

View Comments
O Papa Francisco anunciou no dia 13 de março na Basílica de S. Pedro que decidiu proclamar um “jubileu extraordinário” centrado na “misericórdia de Deus” e que terá início a 8 de dezembro deste ano de 2015 e percorrerá todo o ano de 2016:
“Decidi convocar um Jubileu Extraordinário que tenha o seu centro na Misericórdia de Deus. Será um Ano Santo da Misericórdia. (…) Este Ano Santo iniciar-se-á na próxima Solenidade da Imaculada Conceição e concluir-se-á a 20 de novembro de 2016.”
O Ano Santo Jubilar da Misericórdia terá início com a abertura da Porta Santa na Basílica de S. Pedro a 8 de dezembro de 2015, na Solenidade da Imaculada Conceição e será encerrado no dia 20 de novembro de 2016, na Solenidade de Nosso Senhor Jesus Cristo, Rei do Universo. 
A abertura do próximo Jubileu coincidirá com o cinquentenário do encerramento do Concílio Ecuménico Vaticano II, que aconteceu em 1965 e reveste este ano santo de um significado especial, encorajando a Igreja a prosseguir a obra iniciada no Concílio. 
No Jubileu, as leituras para os domingos do tempo comum serão extraídas do Evangelho de Lucas, chamado “o evangelista da misericórdia”. Algumas das parábolas mais conhecidas escritas por ele são as da ovelha perdida, a da moeda perdida e a do pai misericordioso.
O Papa Francisco enviou uma carta ao Presidente do Pontifício Conselho para a Promoção da Nova Evangelização, Arcebispo Rino Fisichella, responsável pela organização do Jubileu da Misericórdia, na qual descreve as diversas formas em que será possível obter indulgências durante o Ano Santo. Veja abaixo: 
Peregrinação
Para viver e obter a indulgência, os fiéis são chamados a realizar uma breve peregrinação rumo à Porta Santa, aberta em cada Catedral ou nas igrejas estabelecidas pelo Bispo diocesano, e nas quatro Basílicas Papais em Roma, como sinal do profundo desejo de verdadeira conversão.
“Estabeleço, igualmente, que se possa obter a indulgência nos Santuários onde se abrir a Porta da Misericórdia e nas igrejas que tradicionalmente são identificadas como Jubilares. É importante que este momento esteja unido, em primeiro lugar, ao Sacramento da Reconciliação e à celebração da santa Eucaristia com uma reflexão sobre a misericórdia”, recordou o Papa.
“Será necessário acompanhar estas celebrações com a profissão de fé e com a oração por mim e pelas intenções que trago no coração para o bem da Igreja e do mundo inteiro”, acrescentou Francisco.
Enfermos
Sobre aqueles que, por diversos motivos, estiverem impossibilitados de ir até à Porta Santa, sobretudo os doentes e as pessoas idosas e sós, que muitas vezes se encontram em condições de não poder sair de casa, o Papa garantiu:
É preciso “viver com fé e esperança jubilosa este momento de provação, recebendo a comunhão ou participando na santa Missa e na oração comunitária, inclusive por meio dos vários meios de comunicação – que será para eles o modo de obter a indulgência jubilar”, afirmou o Papa.
Presos
O pensamento de Francisco dirige-se também aos encarcerados:
“O Jubileu constituiu sempre a oportunidade de uma grande amnistia, destinada a envolver muitas pessoas que, mesmo merecedoras de punição, todavia tomaram consciência da injustiça perpetrada e desejam sinceramente inserir-se de novo na sociedade, oferecendo o seu contributo honesto”, destacou o Pontífice.
E fez um pedido: “A todos eles chegue concretamente a misericórdia do Pai que quer estar próximo de quem mais necessita do seu perdão”.
O Papa destacou ainda que os presos “poderão obter a indulgência, e todas as vezes que passarem pela porta da sua cela, dirigindo o pensamento e a oração ao Pai, que este gesto signifique para eles a passagem pela Porta Santa, porque a misericórdia de Deus, capaz de mudar os corações, consegue também transformar as grades em experiência de liberdade”.
Misericórdia
Ao recordar o seu pedido para que “a Igreja redescubra neste tempo jubilar a riqueza contida nas obras de misericórdia corporais e espirituais”, o Papa recordou que a experiência da misericórdia torna-se visível no testemunho de sinais concretos como o próprio Jesus nos ensinou”.
“Todas as vezes que um fiel viver uma ou mais destas obras pessoalmente obterá, sem dúvida, a indulgência jubilar. Daqui o compromisso a viver de misericórdia para alcançar a graça do perdão completo e exaustivo pela força do amor do Pai que não exclui ninguém. Portanto, tratar-se-á de uma indulgência jubilar plena, fruto do próprio evento que é celebrado e vivido com fé, esperança e caridade”.
Falecidos
O Papa explicou ainda que a indulgência jubilar poderá ser obtida também para quantos faleceram.
“A eles estamos unidos pelo testemunho de fé e caridade que nos deixaram. Assim como os recordamos na celebração eucarística, também podemos, no grande mistério da comunhão dos Santos, rezar por eles, para que o rosto misericordioso do Pai os liberte de qualquer resíduo de culpa e possa abraçá-los na beatitude sem fim”.
Remetendo ao seu magistério apresentado na Encíclica Laudato si, Francisco recordou que um dos graves problemas do nosso tempo é certamente a alterada relação com a vida: “uma mentalidade muito difundida já fez perder a necessária sensibilidade pessoal e social pelo acolhimento de uma nova vida”.
Aborto
Neste contexto caótico, Francisco afirmou que “o drama do aborto é vivido por alguns com uma consciência superficial, quase sem se dar conta do gravíssimo mal que um gesto semelhante comporta. Muitos outros, ao contrário, mesmo vivendo este momento como uma derrota, julgam que não têm outro caminho a percorrer”.
O Papa dedicou atenção especial às mulheres que recorreram ao aborto. “Conheço bem os condicionamentos que as levaram a tomar esta decisão. Sei que é um drama existencial e moral. Encontrei muitas mulheres que traziam no seu coração a cicatriz causada por esta escolha sofrida e dolorosa”.
O que aconteceu é profundamente injusto – sublinhou o Papa – “contudo somente a sua verdadeira compreensão pode impedir que se perca a esperança. O perdão de Deus não pode ser negado a quem quer que esteja arrependido, sobretudo quando com coração sincero se aproxima do Sacramento da Confissão para obter a reconciliação com o Pai”.
Absolvição do pecado do aborto
Também por este motivo – destacou o Pontífice – “decidi conceder a todos os sacerdotes para o Ano Jubilar a faculdade de absolver do pecado de aborto quantos o cometeram e, arrependidos de coração, pedirem que lhes seja perdoado”.
Ao estender a absolvição do aborto a todos os sacerdotes, o Papa recomendou: “os sacerdotes devem se preparar para esta grande tarefa sabendo conjugar palavras de acolhimento genuíno com uma reflexão que ajude a compreender o pecado cometido, e indicar um percurso de conversão autêntica para conseguir entender o verdadeiro e generoso perdão do Pai, que tudo renova com a sua presença”.
Fraternidade São Pio X
Nas suas últimas considerações, o Papa dirigiu um pensamento aos fiéis que “por diversos motivos sentem o desejo de frequentar as igrejas oficiadas pelos sacerdotes da Fraternidade São Pio X”.
“Este Ano Jubilar da Misericórdia não exclui ninguém”, – assegurou o Pontífice. “De diversas partes, alguns irmãos Bispos referiram-me acerca da sua boa fé e prática sacramental, porém unida à dificuldade de viver uma condição pastoralmente árdua”, explicou.
“Confio que no futuro próximo se possam encontrar soluções para recuperar a plena comunhão com os sacerdotes e os superiores da Fraternidade”, auspiciou Francisco.
“Entretanto, movido pela exigência de corresponder ao bem destes fiéis, estabeleço por minha própria vontade que quantos, durante o Ano Santo da Misericórdia, se aproximarem para celebrar o Sacramento da Reconciliação junto dos sacerdotes da Fraternidade São Pio X, recebam validamente e licitamente a absolvição dos seus pecados”.




Clique aqui para saber mais! 
Fonte: Rádio Vaticano 

terça-feira, 3 de novembro de 2015

Reforma da reforma e Semana Santa

View Comments
Introdução

Continuando nossa série sobre uma futura unificação do rito romano, teço breves linhas sobre a unificação do rito romano quanto à Semana Santa, falando das cerimônias da Semana Santa pré-1955, aa reforma de Pio XII e do Novus Ordo.

Quero propor aqui um brainstorming, mencionando os três usos de Semana Santa no rito romano: pré-1955, reforma de Pio XII em 1955 continuada pelo Beato João XXIII em 1962 (hoje, rito tridentino/forma extraordinária) e reforma de Paulo VI em 1969 (hoje rito moderno/forma ordinária), salientando aspectos positivos e negativos de cada etapa, e o que poderia compor, de modo natural e orgânico, uma eventual e futura unificação litúrgica em nosso rito.

O que era positivo pré-1955 e deveria ter sido mantido e não foi? O que era negativo e, graças a Deus, foi reformado em 1955, permanecendo no rito de 1962? E o que era negativo em 1955-1962 que foi reformado em 1969 e o que era positivo e não poderia ter sido recusado?

Muito das cerimônias anteriores à reforma de Pio XII, em 1955, era duplicação desnecessária, barroquismo demasiado, e o próprio deslocamento dos horários naturais era um absurdo (Vigília Pascal na manhã do Santo Santo, Missa In Coena Domini na manhã de Quinta-feira Santa… “CEIA” de manhã? “VIGÍLIA” de manhã?). Todavia, muito do que foi reformado em Pio XII, até mais do que em Paulo VI, talvez, também foi fruto de exageros.

Vou usar as siglas OHS 1955/MR 1962 para a Semana Santa reformada por Pio XII em 1955 e mantida no Missal de João XXIII de 1962; MR 1952 para a Semana Santa pré-1955, constante no Missal de 1952; e MR 1969 para o Missal reformado por Paulo VI.

Irei nos basear em diversas fontes, sobretudo nas memórias do Cardeal Ferdinando Antonelli, OFM, da comissão responsável pela reforma da Semana Santa e, após o Vaticano II, do Consilium ad exsequendam Constitucionem de Sacra Liturgia.

Bibliografia indicada:

ANTONELLI, Ferdinando. Il ripristino della solenne Veglia Pasquale. Lezioni di Liturgia, in ALV, pp. 1-20
___. Progetto per la revisione dei riti del Sabato Santo nella eventualità di un ripristino della vigilia di Pasqua, 1951, SRC Sect. Hist., in SCCS, pp. 1-30
___. Questioni intorno alla Veglia Pasquale, 1953, in SCCS, pp. 1-4
___. Annotazioni intorno alla riforma della Domenica delle Palme, 1954, in SCCS, pp. 1-20
___. Intorno alla Settimana Santa, 1954, in SCCS, pp. 1-2
___. Storia dei Riti del Triduo Sacro, RAI, 1965, in SCCS, pp. 1-9
___. Promemoria sulla revisione dei libri liturgici in esecuzione della Costituzione Conc. della S. Liturgia, 1963, in SCCS, pp. 1-9
SAGRADA CONGREGAÇÃO DOS RITOS. De Sollemni Vigilia Paschali Instauranda. Decretum et Rubricae si Vigilia Paschalis Instaurata Peragitur, 1951
___. Memoria sulla riforma liturgica, 1951
___. Ordo Sabbati Sancti, 1951
___. De Instaurationi Liturgica Maioris Hebdomadae, 1955
___. Maxima Redemptionis Nostrae Mysteria, 1955
GIAMPIETRO, Nicola. The development of the liturgical reforma. As seen by Cardinal Ferdinando Antonelli  from 1948 to 1970, Fort Collins, 2009: Roman Catholic Books
GODDARD, Philip. Festa Paschalia: A history of the Holy Week liturgy in the Roman Rite, Leominster, 2011: Gracewing

Domingo de Ramos da Paixão do Senhor

Comecemos com o Domingo de Ramos. O que havia no rito pré-1955? Deste rito, o que foi mudado em 1955? Das mudanças, o que foi positivo e o que foi negativo? Noutras palavras, o que Pio XII fez de bom ao reformar o Domingo de Ramos e o que, em minha opinião, não deveria ter sido reformado?

O OHS 1955 (mantido pelo MR 1962) introduziu o pluvial vermelho para a procissão, mantendo o roxo para a casula da Missa. O MR 1969 fez tudo ficar vermelho. Penso que o vermelho para a casula, como em 1969, rompe com todos os séculos de tradição litúrgica romana que viram no Domingo de Ramos também uma comemoração da Paixão. De fato, é a preparação próxima para a Paixão, inauguração da Semana Santa. O roxo é mais adequado para a Missa e não o vermelho. Surge, entretanto, a pergunta: é certo que o MR 1969 foi longe demais em prescrever vermelho para a Missa de Ramos, e o roxo deveria continuar como sempre, mas a procissão também deveria ser com pluvial roxo, como no MR 1952 (ou seja, pré-1955), ou foi uma inovação positiva e um desenvolvimento sadio a adoção do vermelho para o pluvial da procissão no OHS 1955/MR 1962?

Conforme comentário do leitor Marcio Braga, em conversa nas redes sociais:

"Eu considero interessante a mudança das cores dos paramentos no Domingo de Ramos em nome da catequese visual. No início da Missa o sacerdote usa vermelho, cor que normalmente é vista pelo povo nas celebrações de memórias dos Mártires e Apóstolos, além de Pentecostes. Ou seja, em ocasiões festivas. Aqui o povo canta hosanas na procissão vendo o sacerdote trazer uma cor das comemorações. Ao entrar na Igreja (vale lembrar o antigo costume do acólito que traz a cruz bater três vezes com ela na porta da Igreja, simbolizando o acesso que temos por meio da Cruz, que aliás será lembrado na Proclamação da Paixão), o sacerdote passa a usar roxo e o povo é surpreendido com essa cor penitencial. Vale lembrar que não é comum a troca de cores durante a Missa, exceto nas celebrações deste Tempo Santo da Paixão. Logo da troca das cores é colocado na boca do povo o doloroso "Crucifica-o", que dizemos com aperto no peito. Isso tudo motiva a reflexão das vezes em que o aclamamos Rei e Senhor de nossas vidas e o entregamos ao sofrimento na sequência, por meio de nossos pecados."

Um pastor anglicano High Church usando pluvial roxo na procissão de ramos,
conforme o uso mais tradicional, pré-1955.

O vermelho foi utilizado, a partir da OHS 1955/MR 1962, como símbolo de realeza, como a "púrpura real", e por isso só para a procissão de Ramos (em que se honrava Cristo Rei). Ocorre que essa não é a simbologia do vermelho no rito romano. A cor das festas cristológicas é o branco ou, mais propriamente, o dourado. O vermelho não indica realeza em toda a história do rito romano, e se constituiu em uma novidade. De qualquer modo, penso que até se poderia conceder que a procissão fosse vermelha e que a cor tivesse esse caráter, mas a troca do roxo até da Missa, em 1969, me parece abusiva demais. Quanto às cores de Ramos no rito novo, tenho opinião formada: sou contra. Quanto às cores de Ramos entre 1955 e 1969, ainda estou na dúvida. Até 1955, a cor exclusiva do Domingo de Ramos era o roxo penitencial, e da Sexta-feira Santa o preto em luto. Entre 1955 e 1969, o Domingo de Ramos passou a ter duas cores: vermelho na procissão e roxo na Missa, e a Sexta Santa continuou com o preto. Só em 1969, adotou-se o vermelho para ambas. O vermelho para a Missa de Ramos e para a Sexta-feira Santa é completamente destoante da tradição romana. Para mim, é fora de questão que o arranjo de 1955/1962 é melhor do que o de 1969. Mas estou em dúvidas se o arranjo de 1955/1962 é melhor ou pior, no quesito cor litúrgica, do que o de 1952 (e anterior).

Seguindo o rito de 1955/1962, o sacerdote usa o pluvial vermelho na procissão de ramos, exatamente como no rito reformado por Paulo VI em 1969.

Outro ponto, ainda sobre Ramos: a abolição, para os diáconos e subdiáconos, na Missa Solene, da casula plicada ou dobrada e dos estolões, no OHS 1955/MR 1962, a meu ver foi um desnecessário simplismo e um jogar fora toda uma rica tradição. E uma tradição nada estéril. Tinha significado. O uso da casula dobrada pelo diácono e pelo subdiácono (ao invés da dalmática e da túnica) e do estolão pelo diácono lembravam a profunda tristeza da Igreja na Semana Santa, que se refletia até mesmo nas vestes "rasgadas", além de ser um dos costumes mais antigos, pré-medievais. Nisso, tenho posição convicta: nem 1969 nem 1955/1962, mas a forma pré-1955 era melhor. Em uma eventual reforma da reforma que contemple a unificação do rito romano, não basta retornar a 1955/1962: é preciso retroceder mais e resgatar o uso tradicional e milenar, tal qual no MR 1952.

Aqui se vê, ao centro, o celebrante (anglicano, aliás) 
com uma casula romana comum, e nos lados, o diácono e o subdiácono 
com as casulas romanas dobradas.

Aqui um subdiácono com casula gótica dobrada.


O estolão, que o diácono colocava, ao tirar a casula dobrada, 
para ler o Evangelho e para suas funções mais ativas, 
na Missa Solene em tempos penitenciais.

Outra foto de um diácono (anglicano) com estolão.


Já um terceiro ponto acho que foi positivo na reforma de Pio XII (OHS 1955/MR 1962): a simplificação do rito da bênção dos ramos. No MR 1952, pré-1955, portanto, havia uma Missa Seca, com Epístola, Gradual, Evangelho, Prefácio e até Sanctus, tudo no altar e versus Deum. Isso tornava o conjunto Procissão-Missa excessivamente longo. Que a Vigília Pascal seja longa se entende, pois é a noite das noites e a mãe de todas as vigílias, a festa cristã por excelência. Mas Ramos?

Com uma "Missa" dentro da Missa, há uma multiplicação de símbolos que deixam o fiel até perdido, além de demorar demais. Lembremos que a ausência de sinais é um erro, mas o excesso deles também: tanto a ausência quanto o excesso nos deixam perdidos e sem referência. A eliminação pelo OHS 1955/MR 1962 dessa cerimônia demasiado complexa e sua troca por um rito mais simples, com a leitura do Evangelho da Entrada Triunfal, e uma mera bênção das palmas, versus populum, é positiva, a meu ver. Um único detalhe poderia ser mantido dos ritos pré-1955: ao menos uma parte do prefácio que falava da realeza de Cristo, dado que ela é a tônica da procissão. Poder-se-ia, então, para uma unificação do rito, no futuro, adotar o modo simples e reformado em 1955/1962 - não muito diferente da forma ordinária em 1969 -, acrescentando-se o prefácio da bênção do MR 1952 ou parte dele. Com a simplificação do rito da bênção dos ramos, ademais, deu-se ênfase à procissão em honra a Cristo Rei, com uma maior realidade do evento que se celebra, a entrada triunfal de Cristo em Jerusalém. Essa ênfase na procissão pelo Reinado de Cristo foi positiva, e é ainda mais forte pela inserção da rubrica que manda cantar na procissão, além do Gloria Laus, o Christus Vincit - um hino tipicamente relacionado à realeza do Senhor.

Outro ponto positivo é a supressão das orações "de exorcismo" das palmas. Não que tenhamos que negar seu poder sacramental, seu símbolo contra o mal. Nada disso. Mas a tônica de Ramos NÃO é a guerra espiritual. As palmas abençoadas como sacramentais são consequência, são acidentais, não a essência das cerimônias desse dia. É bem verdade, contudo, que nem só de essência vive a liturgia e muitos acidentes são importantes. Não julgo, entretanto, que esse acidente das orações imprecatórias seja um deles. Andou bem Pio XII, o OHS 1955, João XXIII e o MR 1962, pois.

Interessante notar que o costume do acólito bater com a cruz por três vezes na porta, embora feito pelos que usam a forma extraordinária (OHS 1955/MR 1962) NÃO consta da reforma de Pio XII/João XXIII. Ela constava antes, nos ritos pré-1955, i.e., no MR 1952. Mas mesmo a reforma piana não conseguiu apagar o antigo costume: ainda que não constasse nas rubricas, se continuou a proceder assim. Acho interessantíssimo esse bater na porta com a cruz, que simboliza a resistência do povo judeu a Cristo, e a abertura não só de Jerusalém para a entrada triunfal, mas da Jerusalém Celeste, o Céu: e o céu foi aberto justamente pela cruz! Aliás, o próprio João XXIII não estava de todo contente com o OHS 1955, ainda que o tenha preservado no MR 1962, pois celebrou suas Semanas Santas com alguns costumes e mesmo hinos e observância de rubricas advindas dos ritos pré-1955. Enfim, o costume de bater com a cruz na porta, embora ausente no OHS 1955/MR 1962 e no subsequente MR 1969, continua a ser feito amplamente em todas as Semanas Santas celebradas de acordo com o Proprium de 1962 e até mesmo em alguns lugares que usam o Proprium de 1969.

Mesmo não constando nas rubricas do OHS 1955/MR 1962, o padre, ao utilizar a forma extraordinária, mantém o costume de bater na porta da igreja com a cruz.

Após a procissão e a entrada na igreja, o OHS 1955/MR 1962 introduziu uma oração conclusiva, para encerrar as cerimônias e dar início à Missa. Embora bela e piedosa, alguns admitem que foi uma introdução desnecessária e que cria uma ruptura, uma solução de continuidade entre a procissão e a Missa. Além disso, não consta em toda a tradição anterior. O próprio Pe. Carlos Braga, um dos responsáveis pela reforma de Pio XII e colaborador estreito do Mons. Bugnini, admitiu, anos mais tardes, que a criação e introdução dessa oração foi uma escolha infeliz: "O elemento que está fora de lugar no novo Ordo é o discurso de encerramento da procissão, que interrompe o unidade da celebração." (BRAGA, Carlos. Maxima Redemptionis Nostrae Mysteria: 50 anni dopo (1955-2005), in Ecclesia Orans, n. 23, 2006, p. 25) Todavia, ser algo novo não parece ser um argumento absolutamente convincente. Do contrário, ainda estaríamos celebrando como na Jerusalém do séc. I, sem nenhum desenvolvimento. A pergunta não deve ser feita quanto à novidade de uma cerimônia, mas sim se essa novidade se constitui um desenvolvimento HARMÔNICO ou artificial. Não sou perito e não saberia responder. Agradeço aos leitores se puderem comentar a respeito.

Enfim, pelas rubricas pré-1955, ao terminar a procissão e entrar na igreja, começando propriamente a Missa, o sacerdote deveria recitar as orações ao pé do altar. Com o OHS 1955, houve a supressão dessas orações para a Missa de Ramos que segue a procissão, inovação mantida no MR 1962 (nem se fale no MR 1969, onde as orações ao pé do altar foram suprimidas de todas as Missas). Ora, parece que o desejo de simplificação, justo em alguns pontos, não encontra freio. Aqui não há nenhuma razão plausível de ordem pastoral ou teológica para omitir as orações ao pé do altar, bem como fere toda a tradição do rito romano. A Missa, antecedida ou não por uma procissão, não deve ter justamente a preparação ao sacrifício que são as orações ao pé do altar, suprimidas. Nem o Asperges dominical faz as orações ao pé do altar desaparecem, por que a procissão de Ramos o faria?

Também no Missal pré-1955, portanto MR 1952, o canto da Paixão não substitui o Evangelho. São duas coisas distintas, ainda que as cerimônias sejam uma subsequente à outra. Primeiro, com três diáconos, como até hoje, no OHS 1955/MR 1962 e no MR 1969, se canta a Paixão. Imediatamente ao término da Paixão, o diácono da Missa apenas segue cantando o Evangelho, em outro tom, auxiliado pelo subdiácono e pelo acólito, como em qualquer Proclamação do Evangelho nas Missas normais. Havia uma pequena pausa entre a Paixão e o Evangelho, e o silêncio para a troca de cerimônias representava o luto de toda a Criação e da Igreja pela morte do Senhor. O incenso se usava no Evangelho, mas não na Paixão. Com o OHS 1955/MR 1962, Paixão e Evangelho se tornam uma coisa só, com as três vozes seguindo no trecho que antes era do Evangelho, e no mesmo tom. Alguns criticam tal decisão da Comissão, afirmando que a Missa se viu privada do Evangelho, além do rito anterior à reforma de 1955 ser mais representativo - e, obviamente, mais tradicional e de acordo com o legítimo costume ancestral romano.

Aliás, antes da Paixão, que é antes do Evangelho, no MR 1952, havia a leitura de um segundo trecho do Evangelho (terceiro, se contarmos a Procissão), que narra a Instituição da Eucaristia na Última Ceia. O sentido era claro: ligar a Ceia à Cruz, a Eucaristia à Paixão, pois Ceia, Cruz e Missa são uma coisa só. A Missa é a renovação da Cruz e a Ceia sua antecipação. Ao eliminar esse trecho evangélico no OHS 1955/MR 1962, não só uma importante cerimônia tradicional foi retirada, como se perdeu algo de catequético e profundamente espiritual. O MR 1969 manteve a retirada do OHS 1955/MR 1962.

Segunda-feira Santa, Terça-feira Santa e Quarta-feira Santa

No MR 1952, a Missa de Segunda-feira Santa continha uma oração Contra Persecutores Ecclesiae e uma Oração pelo Papa. O OHS 1955/MR 1962 a removeu, e o MR 1969 não a fez retornar. Além de ser uma supressão de uma cerimônia tradicional no rito romano, o que não se pode fazer sem graves razões, penso que essa omissão a partir de 1955 representa a adoção de uma mentalidade irenista, que não quer explicitar que a Igreja tem perseguidores e inimigos. Isso é lamentável. Na Grande Semana, onde os poderes das trevas tentam destruir a obra do Senhor, mais clara deve se manifestar a doutrina da guerra espiritual que movemos contra os inimigos espirituais e materiais da Igreja de Cristo.

Na Terça-feira Santa e na Quarta-feira Santa, as Missas tinham as leituras da Paixão, conforme São Marcos e São Lucas. O OHS 1955/MR 1962 manteve essas leituras da Paixão, mas as encurtou, o que não faz sentido algum. Já a reforma de Paulo VI, com o MR 1969, foi além e desfigurou completamente a Liturgia da Palavra dessas Missas, trazendo prejuízos até mesmo para comentários espirituais de santos e de padres sobre a Semana Santa que, refletindo nas perícopes das Missas do dia, alimentaram centenas de gerações ao longo dos anos.

Um ponto positivo da reforma de Paulo VI, em 1969, foi a recomendação de que, na Semana Santa, especialmente na Segunda-feira Santa, Terça-feira Santa e Quarta-feira Santa se fizessem comemorar nas igrejas e oratórios  as chamadas Celebrações da Penitência, que constam do Ritual Romano ou da separata Ritual da Penitência, preparando o povo para a confissão auricular.

Missa Chrismatis e Quinta-feira Santa In Coena Domini

O arranjo de 1955 para a Quinta-feira Santa, continuado em 1962, com o Missal do Beato João XXIII, consistiu em mudanças de menor envergadura. Uma delas foi a observância do princípio da veritas horarium, com a restauração do horário da Missa In Coena Domini ao para a tardinha, seu horário natural. Esse era o horário original desta Missa, para melhor simbolizar que se tratava da comemoração da Última Ceia, feita por Cristo e os Apóstolos justamente ao cair da noite. Primitivamente, havia essa Missa em todas as paróquias, à tardinha ou começo da noite, e uma outra Missa, a Missa Chrismatis, presidida pelo Bispo na Catedral com a presença do seu clero, na manhã da mesma Quinta-feira Santa. Com o tempo, multiplicou-se o costume de se celebrar a Missa In Coena Domini na própria manhã, e isso resultou na perda de uma melhor observância do sentido da Última Ceia, bem como a eliminação da Missa Chrismatis - e a consagração dos óleos passou a ser feita na Missa In Coena Domini catedralícia.

 Missa Chrismatis pelo rito de 1962, em Campos, RJ

A restauração do horário natural melhor acomodou a Missa In Coena Domini e permitiu o reaparecimento da Missa Chrismatis. Ambas foram consequências positivas, e mantidas não só no Missal de 1962 como no oriundo da reforma de Paulo VI, em 1969.

Todavia, a Missa Crismal não era celebrada há séculos. Teve a comissão litúrgica da Santa Sé, encarregada da reforma da Semana Santa, que buscar os ritos da Idade Média, conforme os sacramentários e missais mais antigos, para compor o Próprio dessa Missa. A Missa Chrismatis já era celebrada no séc. IV, presidida pelo Bispo, com todo o seu presbitério em concelebração sacramental, e com a consagração dos óleos, o que sempre foi observado por outros ritos, como o armênio. Havia uma outra Missa, de caráter penitencial, preparando os fiéis à Páscoa. Essa Missa penitencial desapareceu, e só se unificou a Crismal com a Missa In Coena Domini quando o costume tornou todas as Missas obrigatórias no período da manhã. Também a concelebração sacramental se tornou uma mera concelebração ritual ou cerimonial, com os padres de casula, mas não consagrando, quando a concelebração não foi mais permitida no rito romano.

Outra mudança de 1955 foi o deslocamento do Mandatum (o rito do lava-pés) do fim da Missa para depois da homilia, antes do Ofertório. O que nos causa estranheza foi que o princípio da veritas horarium, invocado para que a In Coena Domini passasse a ser celebradas à tardinha, não foi observado aqui. Ora, o horário natural para o lava-pés é depois da Missa, pois Nosso Senhor lavou os pés dos Apóstolos depois de haver ceado, ou seja, depois de celebrar a Eucaristia. A ordem cronológica Missa-Mandatum que era observada e estava correta pelo veritas horarium, é violada. Mas não foi a veritas horarium que deslocou a Missa da manhã para a tardinha? Por que no caso do Mandatum o princípio não vale? Além disso, o lava-pés depois da homilia interrompe a Missa, o que poderia ser justificado na sábia decisão de 1967 de assim fazer quando o Batismo, o Matrimônio ou a Confirmação fossem celebrados com Missa, dado que são sacramentos e não ficaria mau que se os celebrassem dentro do próprio Santo Sacrifício. Porém, um rito bonito, simbólico, mas que não é sacramento, interromper a Missa poderia parecer demais.

Procurou-se justificar o lava-pés após a homilia pois como era feito antes, depois do desnudamento dos altares, o luto tomaria conta da igreja e se passaria à adoração eucarística no monumento ou altar da reposição. Ora, então que se o deslocasse para o período compreendido entre a transladação do Santíssimo Sacramento e o desnudamento dos altares, e não para dentro da celebração eucarística.

Outra justificativa do lava-pés após a homilia, segundo o Cardeal Antonelli, um dos responsáveis pela reforma da Semana Santa, seria tornar a cerimônia mais conhecida pelos fiéis, de vez que feita na própria Missa, em um lugar central. Ademais, o Evangelho da Missa fala justamente do lava-pés e é bem simbólico que, após sua leitura, se proceda a esse ato narrado nas santas páginas. Por outro lado, não se trataria de uma interrupção da Missa, pois a cerimônia faz parte do Próprio do dia, afastando-se, então, o argumento de uma ruptura. O argumento do nobre Purpurado, sem embargo, não enfrenta o problema de não ser mais observado o veritas horarium que orientou as decisões de reforma - exceto neste ponto.

Aliás, o Mandatum, em 1955, passou a ser feito no coro ou no presbitério, e isso prejudica a sacralidade, permitindo que, mais uma vez, leigos ingressem no santuário. É certo que há ocasiões em que eles já adentravam a tão sagrado recinto, mas não vejo com bons olhos criar mais uma situação para isso. Fazer, como no MR 1952, o rito na nave é o mais adequado, como sempre se fez.

Já a supressão de um terceiro Confiteor, antes da Comunhão do diácono, foi positiva, a meu ver. Simplificação correta, pois se tratava de um acréscimo sem fundamento claro. Se for por conta de manifestar a própria indignidade antes de Comungar, o Confiteor já recitado é suficiente, e se um ou dois não o são, não será o terceiro que o será, e nunca bastarão recitações de Confiteor.

O Agnus Dei, com o OHS 1955/MR 1962, passa a não ter na terceira resposta o Dona nobis pacem, mudada pelo Miserere nobis, uma vez que a paz (simbolizada pelo beijo da paz logo após o Agnus) não é dada em função da traição de Judas (também com um beijo). Trata-se de uma novidade, mas plenamente justificada e com muito sentido. Infelizmente, o MR 1969 não manteve essa novidade - logo ele, que abraçou tudo o que era novo na OHS 1955/MR 1962, rechaçando muito do que era antigo. A opção do MR 1969, pelo retorno ao MR 1952 foi infeliz. A nosso ver, a escolha do OHS 1955/MR 1962 é a mais correta em um futuro rito unificado.

Enfim, uma outra mudança é a retirada também da cruz e dos castiçais do altar quando do seu desnudamento. Ainda que a cruz seja um elemento próprio da Sexta-feira Santa que em breve começa, sua retirada do altar, com os respectivos castiçais, dá mais visibilidade ao desnudamento dos altares. Não apenas as flores e alfaias são retirados, conforme era no MR 1952, mas, segundo o OHS 1955/MR 1962, tudo o que está sobre o altar. O altar fica realmente nu, e isso demonstra com mais dramaticidade e compreensão plástica, uma catequese bem visível, a realidade do luto da Igreja. Se o aleluia e o Glória cessam na Septuagésima, se o comer mais fartamente é impedido e as flores são retiradas na Quaresma, se as cruzes e as imagens são veladas no I Domingo da Paixão (chamado de V Domingo da Quaresma no MR 1969), nada mais terrível e, por isso, tremendamente simbólico, do que haver um desnudamento do altar de forma radical. Nem mesmo a cruz é deixada, em sinal de luto extremo. Isso dá margem, igualmente, à cerimônia do retorno da cruz em forma triunfal da sacristia, na Sexta-feira Santa, tema do qual nos ocuparemos abaixo, mostrando que a Cruz de Cristo é morte do Senhor, mas é triunfo da graça sobre o pecado. Penso, então, ser positivo esse avanço no desnudamento do altar, agora de modo total.

O altar completamente nu após a Missa In Coena Domini.

Sabemos, enfim, que liturgia não é apenas a Missa. A Liturgia das Horas, ou Ofício Divino, condensada no livro denominado tradicionalmente breviário, é parte das ações litúrgicas da Santa Igreja. Pois bem, no Triduum, a recitação das Matinas (hoje denominadas estranha e totalmente contra a tradição litúrgica como Ofício de Leituras, na forma ordinária) e das Laudes, adquirem um colorido todo especial. De tal sorte, ambas as horas canônicas são unidas no que se chama de Ofício de Trevas, ou Tenebrae. Há o Tenebrae de Quinta-feira Santa, o de Sexta-feira Santa e o do Sábado Santo. Como são Matinas e Laudes, são ofícios próprios para a manhã de quinta, sexta e sábado. Tradicionalmente, porém, o de Quinta-feira Santa era celebrado na noite de Quarta-feira Santa, uma vez que a manhã da quinta era dedicada à Missa In Coena Domini, visto que antes de 1955, não tinha esta retornado ao seu horário natural à tardinha.

Com a reforma de Pio XII, acomodando a Missa da Ceia do Senhor segundo o veritas horarium, a manhã de Quinta-feira Santa pôde, então, ter seu Tenebrae celebrado no próprio dia, sem antecipar para o dia anterior. Corrigiu-se, pois, uma outra imperfeição lógica dos ritos de Semana Santa pré-1955, voltando à natureza das coisas, tal qual era séculos antes.O Ofício de Trevas da Quinta-feira Santa é, pois, celebrado na manhã da própria Quinta-feira Santa e não na noite da quarta. Uma exceção foi permitida pelas rubricas: nas Catedrais, como há, na manhã da quinta a Missa Chrismatis, o Tenebrae é celebrado na noite da quarta, exatamente como antes. Isso porque o motivo que autorizava, antes de 1955, o Ofício de Trevas da quinta ser celebrado na noite de Quarta-feira Santa, permanece, qual seja a Missa na manhã da quinta-feira.

Alguns argumentam contra esse tema do Tenebrae que celebrar à noite dá mais profundidade espiritual ao drama narrado no ofício, por conta das trevas, das luzes que se apagam. Ora, mas se fossem para ser celebrados à noite ou tardinha anterior seriam Completas ou, no mínimo, Vésperas. E são Matinas - oração da madrugada - e Laudes - oração da manhã. Ademais, o período para celebrar o Tenebrae não é necessariamente o dia claro, como se Laudes ou até Tércia fosse: é possível fazê-lo de manhã bem cedo, madrugada, sem o sol ter nascido, e até mesmo após a meia-noite, pois o dia litúrgico começa e termina nesse horário. Meia-noite já não é mais Quarta-feira Santa, mas Quinta-feira Santa, e a escuridão própria para o Tenebrae é a mesma da noite de quarta. Pode-se, pois, mesmo com o OHS 1955/MR 1962, celebrar-se o Ofício de Trevas "no escuro": não na noite de Quarta-feira Santa, e sim após a meia-noite, sendo já Quinta-feira Santa.

Obviamente, estamos falando do Ofício de Trevas litúrgico, não de celebrações para-litúrgicas inspiradas no Tenebrae. Assim, se um grupo de pessoas, um convento, ou uma igreja que não seja catedral, desejam celebrar o Tenebrae de Quinta-feira Santa, devem fazê-lo no próprio dia de quinta (ou seja, após a meia-noite, seja na madrugada, seja na manhã), não podendo antecipar para a quarta. Só o Tenebrae de quinta da Catedral pode ser celebrado na Quarta-feira Santa à noite. Isso na forma ordinária, de 1969, ou na forma extraordinária, de 1962. Já as ações devocionais inspiradas no Tenebrae, e que só levam esse nome por conta da inspiração mesma, podem ser celebrados em qualquer dia da Semana Santa.

Sexta-feira Santa da Paixão do Senhor, ou Parasceve

A primeira mudança do MR 1952 para o OHS 1955/MR 1962 é a do nome oficial que consta do Missal. Anteriormente à reforma de 1955, o culto litúrgico principal de Sexta-feira Santa se chamava "Missa dos Pré-santificados", enquanto depois passou a se chamar "Solene Ação Litúrgica", termo mantido no MR 1969.

Realmente, não se trata de uma Missa, de modo que Ação Litúrgica é teologicamente mais adequado. Isso ajudaria, em tese, a desfazer no povo a impressão de que se trata de um sacrifício, o que não é. Sexta-feira Santa não tem sacrifício, não tem Missa.

Várias outras mudanças do OHS 1955/MR 1962 na liturgia da Sexta-feira Santa da Paixão do Senhor tiveram por motivação exatamente desfazer qualquer equívoco no povo de que pudesse ser essa ação solene uma Missa. Aliás, as primeiras versões da liturgia de Sexta-feira Santa no rito romano, ao menos até o séc. XII, não traziam elementos sacrificais. O MR 1952 chega a mandar que se reze o Orate Fratres, o que não guarda nenhum sentido de vez que não há sacrifício sendo oferecido. Nesse sentido, o OHS 1955/MR 1962 é melhor: "purifica" o rito e ainda retorna ao cerimonial medieval, sem prejuízo e sem radicalismos. Foi, a meu ver, uma mudança oportuna a supressão de elementos claramente sacrificais em uma liturgia que não é sacrifical. Já o nome "Missa dos Pré-santificados" poderia ter sido mantido, de vez que, embora tradicionalmente associemos "Missa" com o sacrifício eucarístico, a palavra, por si só, não é sacrifical. No Oriente, é comum que, quando não há Missa, haja uma Divina Liturgia (i.e., Missa) chamada também de "dos Pré-santificados". Embora "Missa" possa se prestar a confusões de que é um sacrifício, a expressão completa, com o "dos Pré-santificados", indicando que as espécies foram consagradas em Missa anterior, já desfaz eventuais equívocos.

No rito pré-1955, o padre vestia a casula preta desde o início da celebração, como se fosse uma Missa. Após 1955, passou a usar alva, cíngulo, amito e estola preta durante a Liturgia dos Catecúmenos, envergando o manípulo e a casula apenas após o sermão, na Liturgia dos Fiéis. Em 1969, Paulo VI, retoma o antigo dispositivo de o padre iniciar toda a Ação Litúrgica já de casula - todavia, troca a cor preta pela vermelha, lamentavelmente.

Também até 1955, a celebração iniciava com uma única toalha - e não três - sobre o altar, que era colocada pelos acólitos enquanto o padre se prostrava. Já em no OHS 1955/MR 1962, o altar permanecia nu até que, na Liturgia dos Fiéis, fosse coberto com as três toalhas. Penso que, nesse sentido andou bem a reforma de Paulo VI, com o MR 1969, mandando que o altar permanecesse nu, como no OHS 1955/MR 1962, mas mandando que se colocasse um único pano, como a tradição litúrgica romana, guardada até o MR 1952, dispunha, e não três.

As preces da Oração Universal pouco mudaram do MR 1952 para o OHS 1955/MR 1962, embora o título da oração pela conversão dos hereges e cismáticos tenha se convertido em Pro Unitate Ecclesiae, o que não é mau e cuja alteração é meramente circunstancial.

Já vimos que a cruz permanece no altar, pelas rubricas do MR 1952, mesmo depois do seu desnudamento na Quinta-feira Santa, e isso foi sabiamente mudado no OHS 1955/MR 1962. Então, como no OHS 1955/MR 1962 o altar está realmente nu, sem nem mesmo a cruz, nesse ponto os reformadores, para a adoração ao Senhor Crucificado, reintroduziram uma Procissão com a Cruz que vem triunfalmente da sacristia. Isso foi inspirado no relato famoso da peregrina Egéria que narra os ritos da Semana Santa na Jerusalém dos primeiros séculos. O MR 1969 mantém essa procissão, e a mim parece uma "novidade" boa, que se insere no sadio desenvolvimento litúrgico de modo harmônico.

Outra procissão teve mudança. No MR 1952, assim como o Santíssimo Sacramento saiu solenemente do altar-mor para o monumento onde foi adorado após a Missa de Quinta-feira Santa, ou seja, na noite anterior, Ele deve voltar, com a mesma solenidade para o altar-mor antes de ser feita a Comunhão do celebrante, diáconos e subdiácono, e distribuída aos acólitos e ao povo. O OHS 1955/MR 1962 minimizou essa procissão, fazendo apenas uma procissão simples com o Santíssimo sendo trazido pelo subdiácono como nas Missas solenes comuns em que o Cristo, eventualmente, não esteja no tabernáculo do altar-mor. Em 1969, o disposto em 55/62 foi mantido. Uma futura reforma da reforma poderia recuperar o rito anterior a 1955. Se é perfeitamente possível criar a procissão da Cruz é perfeitamente possível também manter a procissão solene do Sacramento, para mostrar os dois movimentos: o de sumida do Senhor na Quinta-feira Santa, e Sua volta na Sexta-feira Santa, o que, aliás, vem de séculos anteriores. A supressão da incensação à hóstia consagrada, no OHS 1955/MR 1962, foi também, a meu ver, uma perda: pode-se e deve-se fazer luto na Sexta-feira Santa, mas não a ponto de deixar de prestar as devidas honras ao Senhor realmente presente no Sacramento da Eucaristia.

Também o OHS 1955/MR 1962 foi pioneiro em deixar que, na Sexta-feira Santa, o Pater Noster pudesse ser recitado pelo povo junto com o padre, o que não é nada errado, e andou bem a Comissão nesse sentido.

Sábado Santo

De vez que na manhã do Sábado Santo não mais se celebra a Solene Vigília Pascal, transferida para seu horário normal, à noite, para que entre Páscoa adentro, o dia todo do sábado pôde ser consagrado ao silêncio junto ao Cristo que desceu aos infernos. É uma espécie de santo velório o clima desse dia, não mais um "Sábado de Aleluia", mas um sábado de espera.

O breviário do Sábado Santo era recitado na Sexta-feira Santa (outro ponto obtuso) em razão de o sábado, em si, estar dedicado na manhã à Vigília, e o dia de sexta estar livre, uma vez que a Cerimônia da Paixão era feita pela manhã. Com a transferência da Vigília, então, se recuperou plenamente não só os horários naturais, como o sentido do Sábado Santo, com seu Ofício sendo recitado no dia próprio. A tarde de sexta, sem obrigação do Ofício de Sábado Santo antecipado, pôde ser consagrada às devoções populares tão caras às almas do fiéis, como a Via Sacra, a Procissão do Senhor dos Passos etc. A liturgia observante do veritas horarium, longe de instaurar o pernicioso liturgicismo, deu mais força à espiritualidade privada também.

Um ponto que aparentemente é negativo, mas que foi necessário e, portanto, se revela na verdade positivo, é a criação das Vésperas do Sábado Santo, com a consequente supressão das I Vésperas da Páscoa. Poderia soar negativamente que a solenidade mais importante da Cristandade seja a única a não ter I Vésperas. Todavia, pensemos: se o dia litúrgico começa com as I Vésperas, então, ao manter esse ofício, a Páscoa começaria antes da Solene Vigília Pascal. Isso porque, lembremos, a Vigília foi deslocada para seu horário natural, em atenção ao princípio do veritas horarium. Nos missais anteriores à reforma de Pio XII, a Solene Vigília Pascal é celebrada na manhã do Sábado Santo - daí ser conhecido como Sábado de Aleluia, até em um contrassenso com a Páscoa da Ressurreição que só ocorre no Domingo. Ora, se é celebrada pela manhã, então o Sábado Santo já é pascal e nada mais justo do que as Vésperas celebradas no sábado à tarde sejam as I Vésperas do Domingo da Páscoa. Ocorre que com a restauração piana da Vigília Pascal para a noite do Sábado Santo, manter as Vésperas do sábado como I Vésperas da Páscoa implicaria em começar a celebração pascal antes da própria Páscoa (que inicia na Vigília), diminuindo até mesmo o sentido da Vigília Pascal.

Assim, andou bem e de modo coerente o reformador de 1955, pois tal era consequência obrigatória da fixação da Solene Vigília Pascal à noite.

Domingo de Páscoa

A mudança do horário da Solene Vigília Pascal entrou antes do OHS 1955. Começou em 1951 com sua vigência em caráter experimental, culminando com a reforma de toda a Semana Santa em 1955. De toda a forma, a Vigília Pascal passa a ser o primeiro ato do Domingo de Páscoa e não mais um rito do Sábado Santo. A menção a "santa noite", "noite abençoada", "esplendor da  noite", expressão constantes no rito da Vigília Pascal, soava absurdamente descompassada em uma celebração diurna. Voltar à tradição medieval de se celebrar à noite era imperativo. Ademais, muitos trabalhavam no sábado pela manhã, visto que nem todos os países o adotam como feriado: a participação dos fiéis nessa Vigília tão importante seria facilitada com a transferência. Razões de ordem histórica, litúrgico-teológicas e mesmo pastorais moveram Pio XII a transferir a Vigília Pascal para seu horário original e mais adequado: a noite.

Bênção do fogo novo no rito tradicional

Até a reforma do Sábado Santo, em 1951, o canto Exsultet era usado para a bênção do Círio Pascal. Isso a partir da Idade Moderna. Nos missais, ele era realmente intitulado Benedictio Cerei. Entretanto, a oração específica para essa bênção, analisando-se o seu conteúdo e compulsando os sacramentários mais antigos, deveria ser o Veniat, o qual, por sua vez, ainda nos ritos pré-reforma de Pio XII, era usado, todavia, como bênção dos grãos de incenso a serem colocados no Círio, a Benedictio Granorum. Facilmente se constata que o tempo trouxe uma confusão das cerimônias: o texto da Proclamação da Páscoa, o Exsultet, se tornou, equivocadamente, de uso para a bênção do Círio Pascal, e a bênção do Círio - o Veniat - se tornou a bênção dos grãos de incenso. Além da nítida inobservância do significado dos textos e da irrealidade das cerimônias, notemos que os grãos de incenso são sempre os mesmos, todos os anos, o que nos leva a indagar da necessidade de anualmente os abençoar (ainda mais com um texto que, de fato, abençoa o Círio). Andou bem Pio XII, portanto.

Urge, sem embargo, recuperar a opção do uso do trikirion, como nos ritos pré-1955, abolido por Pio XII. Uma notável influência bizantina que se acomodou tranquilamente à liturgia romana. A abolição do trikirion foi feita para que não este e sim o Círio fosse levado em procissão. No uso do MR 1952, era o trikirion que se carregava em procissão e com ele o Círio, que permanecia junto ao presbitério, era aceso. Pio XII quis dar destaque ao Círio. Contudo, isso tornou obsoleta uma tradição secular e aposentou os triplos candelabros, que tinham até relação com o triplo canto do Lumen Christi... Uma boa saída na reforma da reforma seria um uso ad libitum pelo celebrante de quais velas levar na procissão, o Círio ou o trikirion.

Trikirion romano segundo o uso anterior à reforma de Pio XII, usado em procissão para acender o Círio

Quanto às leituras, antes de 1951, havia doze profecias na Vigília, e a Epístola e o Evangelho na Missa, totalizando quatorze lições. Em 1951 ad experimentum, mantido em 1955 por Pio XII e em 1952 pelo Beato João XXIII, mudou-se para quatro profecias, mantendo-se também a Epístola e o Evangelho, com seis leituras no total. Um visível retrocesso. A boa intenção da simplificação dos ritos não pode anular o sentido profundo que cada uma das profecias indicava. A Vigília pretende contar a história da salvação, apontando-a para Cristo Ressuscitado. A diminuição das leituras no OHS 1955/MR 1962, foi uma mutilação. Já em 1969, Paulo VI, vendo que isso era negativo, trouxe algumas profecias de volta, e de seis leituras da forma extraordinária ficamos com nove na forma ordinária (sete profecias, a Epístola e o Evangelho). O rito de 1969 é, pois, mais completo e tradicional, nesse ponto, do que o rito de Pio XII e João XXIII. Porém, não suficiente. Em uma reforma da reforma, com tendência à unificação do rito romano, faz-se necessário retomar o esquema antigo, das doze profecias: ou seja, aumenta-se o que já temos hoje no rito moderno, e não se retrocede ao rito tridentino de 1962, mas ao pré-1955.

Depois das profecias, ainda na Vigília, e antes da Missa em sentido estrito, havia, pré-1951, uma bênção da água batismal, eventuais batismos e o canto da ladainha de todos os santos. O Batismo e a bênção da água são tradicionais na Páscoa, data em que, desde os tempos mais antigos, se celebrava esse sacramento para os catecúmenos admitidos na Quaresma (ritos, aliás, perdidos com o tempo e sabiamente revigorados pela reforma de Paulo VI, MR 1969, com seu Rito da Iniciação Cristã de Adultos). Mudou-se o esquema dessas cerimônias com Pio XII e novamente com Paulo VI. Para melhor entendimento de nossa proposta, vejamos como era a ordem em cada um dos ritos:

ANTES DA REFORMA DE PIO XII EM 1951
- Bênção da água batismal
- Batismo
- Ladainha, durante a qual o padre, o diácono e o subdiácono vão à sacristia mudar os paramentos de roxos para brancos

REFORMA DO SÁBADO SANTO EM 1951 (OHS 1955/MR 1962)
- 1ª parte da Ladainha
- Bênção da água batismal
- Batismo
- Renovação das promessas do Batismo
- 2ª parte da Ladainha, durante a qual o padre, o diácono e o subdiácono vão à sacristia mudar os paramentos de roxos para brancos

REFORMA LITÚRGICA DE PAULO VI (MR 1969)
- Ladainha
- Bênção da água batismal
- Batismo
- Renovação das promessas do Batismo

Não há motivo algum para que, no na reforma da Vigília em 1951, portanto na OHS 1955/MR 1962, a ladainha seja abruptamente cortada em duas partes. Muito menos para, no MR 1969, ela ser deslocada para antes da bênção da água batismal e do Batismo. O lugar tradicional era depois dessa bênção e desse Batismo, como súplica pelos recém-batizados e por toda a Igreja. Antonelli informa que, em tempos imemoriais, os Batismos na Vigília eram acompanhados pela ladainha que iniciava antes do sacramento, era interrompida, e continuava após o Batismo. Todavia, pensamos que a unificação da ladainha é algo mais natural e essa unificação processou-se pelo princípio do desenvolvimento harmônico da liturgia. Uma eventual e futura reforma da reforma deve restaurar o uso antigo, pré-1951, nesse aspecto: ladainha como última cerimônia, e durante a qual se mudam os paramentos.

A introdução da Renovação das Promessas do Batismo, embora novidade, parece ser um desenvolvimento harmônico, de vez que não conflita com o espírito da celebração e não se trata de algo artificial. A Páscoa é a festa do Batismo. Nela se benzem a água lustral, se fazem batismos, se lembra a Ressurreição de Cristo - e o Batismo de cada um é uma participação nessa Páscoa do Senhor. Nada mais justo do que renovar nossos votos batismais exatamente na Páscoa. Foi bem o OHS 1955/MR 1962 que criou a cerimônia, e o MR 1969 que a manteve.

Para que, visualmente, tenhamos bem clara a nossa proposta, compare o leitor os esquemas acima com o que pensamos:

REFORMA DA REFORMA
- Bênção da água batismal
- Batismo
- Renovação das promessas do Batismo
- Ladainha, durante a qual o padre, o diácono e o subdiácono vão à sacristia mudar os paramentos de roxos para brancos

Na prática, é o rito anterior a 1951 com a introdução da Renovação das Promessas do Batismo, entre o próprio Batismo e a ladainha.

A Bênção da Pia Batismal, antes de 1951/1955/1952, era feita no batistério, onde fica a própria pia. O OHS 1955/MR 1962 moveu o local para a presbitério. Já o MR 1969 restaurou a bênção no batistério, ao menos como opção. Não faz sentido benzer a pia sem pia - trocando-a por um balde, jarra ou outro recipiente. Faz-se necessário retornar aos ritos pré-1951.

Até 1951, como vimos, a Solene Vigília Pascal era celebrada na manhã do Sábado Santo. Assim, após a Vigília em sentido estrito, havia a Missa, e, por fim, antes do Ite Missa Est, as I Vésperas da Páscoa, reduzidas (salmo com sua antífona, e Magnificat com sua antífona). Isso porque Vésperas são rezadas à tarde, sendo pois a primeira hora maior após a Missa da Solene Vigília Pascal. Com a mudança desta para seu veritas horarium, tornou-se inconcebível que após a Missa se rezassem Vésperas. A hora maior correspondente ao fim da Missa no novo horário seria Laudes. Assim, à ordem anterior - Vigília, Missa, Vésperas -, substituiu-se um novo esquema: Vigília, Missa, Laudes. E Laudes reduzidas, como Vésperas anteriormente: salmo com sua antífona, e Benedictus com sua antífona: o salmo, aliás, foi mantido, e as antífonas também, só sendo mudado o Cântico Evangélico, que é específico de cada hora. O texto, então, é o mesmo, apenas com mudança do Cântico. As Matinas se tornaram dispensadas por quem celebra ou assiste a Solene Vigília Pascal, pois ocupa seu mesmo horário.

A crítica à falta de I Vésperas justamente na Páscoa, a festa das festas, já foi por nós enfrentada acima. Resta a crítica à falta do Te Deum, ocasionada pela não celebração das Matinas por quem assiste ou celebra a Vigília Pascal. O Te Deum ou Hino Ambrosiano é cantado ou recitado em todos os Domingos, exceto da Quaresma e em todas as festas e solenidades (antigamente, festas de segundo e primeiro grau). Ora, se a Páscoa é a solenidade das solenidades e além disso é dominical, acabar com o Te Deum nela é terrível! Até porque o Te Deum permanece para aqueles que, não tendo celebrado ou assistido a Solene Vigília Pascal, rezam as Matinas no breviário. Todavia, o alegado impasse é fácil de resolver: introduza-se o Te Deum ao fim da Missa, seja antes ou depois das Laudes.

Assim, nossa proposta para um rito romano unificado no tocante à Solene Vigília Pascal seria: horário como no atualmente em qualquer das duas formas, ordinária ou extraordinária (visto que o OHS 1955/MR 1962 e o MR 1969 coincidem nisso); paramentos e suas cores como no rito tradicional (ou seja, os mesmos tanto no MR 1952, quando na reforma ad experimentum de 1951 e mantida na OHS 1955/MR 1962); doze profecias como no MR 1952 (melhor do que as seis do MR 1969 e bem melhor do que as quatro do OHS 1955/MR 1962); esquema batismal do rito do MR 1952, com a introdução da Renovação das Promessas do Batismo do OHS 1955/MR 1962 e MR 1969 (resultando em Bênção da Água Batismal, Batismo, Renovação das Promessas do Batismo, Ladainha, durante a qual o padre, o diácono e o subdiácono vão à sacristia mudar os paramentos de roxos para brancos); introdução do Te Deum no fim da Missa; Laudes.

São meras sugestões, mas servem para iniciarmos um diálogo acerca dessa semana tão importante no calendário cristão e remodelá-la com a preservação das reformas de Pio XII e Paulo VI resgatando o uso anterior de séculos.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...