Manchetes

Nosso Parceiro

quarta-feira, 15 de agosto de 2012

Rezar nas missas é difícil, diz responsável pela pastoral litúrgica em Portugal

A notícia que segue é do ano passado. Contudo, como não a vi ganhar espaço na blogosfera litúrgica católica e dada a relevância do assunto tratado e quem o disse, me pareceu importante compartilhá-la com nossos leitores. 

Deixo-vos com os comentários do Pe. Pedro Ferreira, diretor do Secretariado Nacional de Liturgia da Conferência Episcopal Portuguesa, sobre os efeitos do minimalismo litúrgico e da falta de zelo para com o sagrado nas celebrações litúrgicas portuguesas (o que, como bem sabemos, também acontece muito nesta Terra de Santa Cruz):
Fátima, Santarém, 25 jul 2011 (Ecclesia) – O responsável pelo setor da Igreja Católica que coordena a liturgia, padre Pedro Ferreira, afirmou hoje que os fiéis “têm dificuldade em rezar nas celebrações”, lacuna que atribui à “ignorância” e ausência de formação, entre outros fatores. 
“Falta muito a dimensão orante”, sublinhou o sacerdote em entrevista à Agência ECCLESIA, acrescentando que “é muito difícil rezar com os cânticos que se cantam e é muito difícil rezar com as maneiras como se celebra a liturgia”. 
O diretor do Secretariado Nacional da Liturgia (SNL) assinala que “há muita gente, sobretudo de boa sensibilidade, como os artistas, que se queixam da dificuldade em encontrar celebrações onde possam rezar”. 
Depois de referir que a oração dentro das celebrações, nas quais se destaca a missa, compreende “a forma como se lê”, os “gestos do presidente” e a “maneira de vestir” dos crentes, o padre Pedro Ferreira critica a “tendência para secularizar tudo e retirar o sagrado da liturgia”, uma “moda dos tempos que também passará”. 
Muitos fiéis “querem missas bonitas, folclóricas, muito agradáveis, um espetáculo; ora, para isso temos outras coisas”, frisa o responsável, acrescentando que não se pode “inventar a liturgia” nem “o padre não pode celebrar a eucaristia como quer”. 
O responsável considera que a ausência de educação litúrgica é o maior desafio da liturgia católica portuguesa, que tem de debater-se com a “muita ignorância e falta de respeito” existentes no interior da própria Igreja. 
“Sempre que se impede que Cristo fale à assembleia e sempre que se impede a assembleia de rezar com Cristo ao Pai, estamos a prestar um mau serviço à humanidade”, assinala. 
O sacerdote pronunciou-se também sobre os comentários negativos que surgem quando se discute o regresso aos antigos rituais litúrgicos: “Cria-se um ambiente de crítica, pensando-se que a hierarquia [da Igreja] está a ser fundamentalista, que estamos a voltar ao latim e às cerimónias. Tudo isto é por causa da falta de formação”. 
As declarações do religioso pertencente à congregação dos Carmelitas Descalços foram proferidas horas antes do início do 37.º Encontro Nacional de Pastoral Litúrgica, que decorre em Fátima entre hoje e sexta-feira. 
[..]
RM
 Fonte: Agência Ecclesia (os grifos são nossos)
blog comments powered by Disqus
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...