Manchetes

Nosso Parceiro

sábado, 8 de agosto de 2009

Seleção de perguntas e respostas (verdadeiras) sobre normas litúrgicas

1º É realmente necessário, na hora de rezar o Pai-Nosso, erguer as mãos como o sacerdote? Se sim, pq?

Pelo contrário! Não se deve erguer as mãos.

2º Na hora da comunhão o sacerdote deve sempre comungar primeiro?

Sim, e só a comunhão do celebrante é necessária para a licitude da Missa. Se os fiéis não comungarem, não há problema, mas o celebrante é obrigado.

3º O sacerdote pode, antes de comungar (logo após o Cordeiro de Deus), alertar os fiéis que estiverem em pecado que eles não poderão comungar?

Claro! Pq não poderia?

4º Nas missas durante a semana, é permitido trocar a primeira leitura por um trecho da vida de um santo? Pq eu fui até uma Igreja de São Francisco e lá eles leram a vida desse santo no lugar da primeira leitura...Eu achei mto estranho.

Estranho e ERRADO! É preciso fazer o que está no Missal, ler o que está no Missal... As leituras são as propostas, pelo Lecionário, para o dia (exceto em dias feriais do Tempo Comum, quando outras, em ocasião especial, podem ser escolhidas; ou nas Missas Votivas e Rituais, quando há Lecionário específico).

Aqui no Rio não se costuma levantar as mãos durante o Pai Nosso, mas é costume dar as mãos. Isto é errado?

Sim. O que não está previsto, não se deve fazer. Não há sentido litúrgico no ato, além disso.

Quando se ora: Por Cristo, com Cristo...levanta-se a mão ou não?

A chave para entender as normas litúrgicas é se perguntar: pra que serve tal ato?

Aplica nesse caso: qual o sentido de levantar a mão, estendendo-a ao altar? É tornarmo-nos participantes do oferecimento que o padre faz, não? Ora, se não se pode dizer a oração com ele, justamente porque o oferecimento é algo específico de sua condição sacerdotal, pq iríamos fazer a mesma coisa que dizer a oração, só que de outro modo (levantando as mãos)?

--> Neste ponto, um interlocutor tenta contra-argumentar:

"Levantar as mãos é uma atitude orante. Pode significar súplica, louvor e entrega a Deus." - Assim definem alguns autores.

É sabido que o Batismo e a Crisma conferem o Sacerdócio Comum dos fiéis (1Pd2,4-6); todos os fiéis são cooferentes do sacrifício do Cristo Sacerdote e são cooferecidos com Cristo Hóstia em cada Eucaristia.

É sabido também que a Doxologia Final é o verdadeiro e próprio ofertório da missa.

Logo, o gesto de levantar as mãos nesse momento tem sentido. Pode não estar previsto no Missal, mas sentido tem.

Por essa tua definição, o sacerdócio comum dos fiéis em nada se diferencia do sacerdócio hierárquico.

Reitero que não há sentido em elevar as mãos no "Por Cristo", nem em nome do sacerdócio comum dos fiéis, dado que tal ato é próprio do sacerdócio hierárquico. O "Por Cristo" nada mais é do que o oferecimento do sacrifício recém efetuado. Ora, é próprio do sacerdócio oferecer o sacrifício da Missa, que com a Cruz possui uma identidade substancial.

Entender que o gesto tem sentido à luz do sacerdócio comum dos fiéis é desvalorizar o sacramento da Ordem, e dessacralizar a Missa, já tão pouco crida e entendida como sacrifício. Os ritos da Missa devem apontar para a sua substância sacrifical e, para tal, colabora a previsão de palavras, gestos e cerimônias que ressaltem o sacerdócio hierárquico, o poder de tornar presente a Cruz durante a Missa, a ação in Persona Christi.

O modo pelo qual oferecemos, com o sacerdote, o sacrifício da Missa, é distinto. Tanto é assim que, em latim, o celebrante convida os fiéis, antes da Oração sobre as Oferendas: "Ora, irmãos, para que o meu e o vosso sacrifício sejam aceitos por Deus Pai onipotente." Não bastaria dizer "nosso" em vez de "meu"+"vosso"? Não. Pois essa distinção de termos implica na distinção de sacrifícios, na distinção de modos de participação no sacrifício. O padre sacrifica, oferecendo a substância do sacrifício da Cruz, tornando-a realmente presente. Nós sacrificamos pelo sacrifício de louvor, i.e., pela união com os sentimentos, a inteligência e a vontade de Cristo que no altar renova, de modo incruento, seu sacrifício.

É lícito ao sacerdote omitir as 2 leituras e o salmo da Missa de Domingo quando esta é a chamada Missa das Crianças?

A Liturgia da Palavra não pode ser mutilada. A supressão de leituras só ocorre, dentro das regras, e com suficiente motivo, na Solene Vigília Pascal.

Missa com Crianças NÃO tem rito próprio: apenas muda-se a Oração Eucarística, utilizando-se uma das duas que estão no Missal especialmente para tal.

A prática de suprimir leituras, embora comum, é proibida.

Na minha paróquia era comum o seminarista presidir a celebração da missa das 17h.

Se não é sacerdote, não é Missa. Missa é o sacrifício de Cristo na Cruz tornado novamente presente. Sacrifício pressupõe sacerdote. Sem sacerdote, não há sacrifício. Sem sacrifício não há Missa.

Insisto que não se trata de decorar regras litúrgicas, mas de entender a teologia por trás disso.

celebração pode ser feita por um seminarista??

Bem, ordinariamente, o Rito da Sagrada Comunhão com Celebração da Palavra de Deus, que é composto da Liturgia da Palavra e da distribuição da Santíssima Eucaristia, só pode ser feito quando não se pode celebrar Missa (seja porque o padre já celebrou no dia e não pode binar, seja porque não há tempo, seja porque o padre está suspenso da autorização de celebrar Missa, seja por qualquer outro motivo). Mesmo esse rito, que se chama, popularmente, de "celebração", deve ser feito por sacerdote e diácono. O leigo só pode presidi-lo em casos excepcionais, de falta de sacerdote mesmo.

Já uma celebração sem distribuição da Comunhão é um rito não-litúrgico e, como tal, pode ser presidido por leigos.

Sempre entendi que a Santa Ceia remete ao sacrifício da cruz. Entretanto já ouvi alguns defenderem a idéia de que já naquela última refeição Jesus ofertava realmente seu corpo e sangue, como se naquela ceia tivesse acontecido a primeira transubstanciação. Não entendo essa hipótese, porque o sacrifício ainda não havia acontecido.

Então pergunto, na última ceia, o que os apóstolos comeram e beberam já era o corpo e sangue de Cristo, ou era vinho e pão? Se já era corpo e sangue, como isso foi posível antes do sacrifício da cruz?

Assim como a Missa atualiza o Sacrifício da Cruz, a Santa Ceia o antecipa.

Missa, Cruz e Ceia são uma só realidade, com a mesma identidade substancial. Assim como o Corpo e o Sangue de Cristo tornam-se presentes na Missa pela perpetuação da Cruz, igualmente tornaram-se presentes na Última Ceia pela antecipação da Cruz.

Por isso, os elementos foram, sim, transubstanciados.

Tenho dúvidas quanto ao momento em que dizemos: "Cordeiro de Deus que tirais..." 1. Ele pode ser cantado? Porque dependendo de onde assisto a missa, a equipe de música embala logo após o cumprimento da "Paz de Cristo".

Existem cantos na Missa e cantar a Missa. Toda a Missa pode ser cantada. Infelizmente, isso é raro no Brasil, ainda mais em latim.

O Cordeiro não é um canto de Missa, mas uma parte do Ordinário da Missa. Como tal, pode ser recitado ou cantado.

2. No momento em que proclamamos "Cordeiro de Deus..." não devemos estar virados para o altar? Complementando a primeira questão: porque ou quando o Padre diz "Cordeiro de Deus..." as pessoas ficam se abraçando ou quando a equipe de música canta as pessoas continuam dispersas...

Pois é... Aí um dos problemas da tal "música de paz", que não existe!

Outra coisa que me incomoda muuuuuuito é quando inventam de cantar: "Em nome do Pai, em nome do Filho, em nome do Espírito Santo..."

(erguendo os braços)
"Para louvar e agradecer, bendizer e adorar, te aclamar, (salva de palmas) Deus Trino de Amor!"

De fato, é antilitúrgico, e ainda um erro teológico, pois a invocação tradicional diz apenas uma vez "em nome de", para significar que, embora três Pessoas, é um só Deus.

Ou então quando alguém toma o microfone depois da oração pós-comunhão e começa com as invenções: "Agora eu queria..."

Se for depois da pós-comunhão não pode. Mas na Ação de Graças, é possível, sim, rezar orações em voz alta, e mesmo espontâneas, desde que ordenadas, calmas, sem euforia.

Não gosto nem quando

Não é nem questão de gostar, caríssimo. É desobediência mesmo.

em vez da invocação à Ssma. Trindade, o padre diz: "Bom dia".

Sim. A Missa não é para o povo, mas para Deus. Não é o padre falando com o povo, e sim o padre, com o povo, falando para Deus. Logo, o "bom dia" deve ser para Deus, hehehe, e esse "bom dia" é dado nas diferentes orações litúrgicas previstas. A saudação ao povo é dada no início, após o sinal-da-cruz, e é com ela que o padre deve saudar o povo.

Há um tempo li num site não-tradicionalista um professor dizendo que mulheres não devem fazer as leituras. Isto é correto?

Não. A IGMR não proíbe, a Cúria Romana já disse que pode, os maiores especialistas em liturgia (entre eles, o Mons. Peter Elliott, que é minha fonte de consulta permanente) dizem que pode. Aliás, nas Missas do Papa seguidamente mulheres fazem leituras.

O que não pode é uma mulher receber o ministério ("ordem menor") de leitor. Mas servir como leitora em Missas, sem o ministério instituído, pode.

O momento imediatamente depois que comungamos, o que fazer? Uma oração de agradecimento? Pedidos? Um Pai-Nosso? Alguma outra oração específica para o momento? Ou essa parte é livre e de escolha individual?

Fazer uma ação de graças, conforme a piedade de cada um. Agradece-se a Deus pelo dom recebido da presença de Cristo na alma. Pode-se pedir algo, contemplar, simplesmente, agradecer por outros favores, dialogar com Jesus.

Comunidades (paróquias, movimentos, associações) podem, após o período de silêncio necessário à ação de graças pessoal, ter um momento de ação de graças comum: um canto, uma oração etc.

Os membros do Regnum Christi, por exemplo, sempre rezam, individualmente, algumas das muitas orações sugeridas em nosso Manual: "Oração a Jesus Crucificado", "Oração de Clemente XI", "Oferecimento de Santo Inácio de Loyola", "Alma de Cristo", "Oração a Cristo Rei" etc. E, nas nossas Missas, além dessa ação de graças pessoal, rezamos, em comum e em voz alta, a "Oração pelo Papa" e a "Oração pelo Diretor Geral". Em determinadas solenidades, a "Oração pela fidelidade dos membros do RC e dos Legionários de Cristo".


O breviário (o livro que contém a Liturgia das Horas, Ofício Divino) do rito novo (não sei se no antigo há) traz, como apêndice, algumas orações sugeridas para o sacerdote após a Comunhão (algumas delas são as que usamos no Manual de Orações do RC).

Eu fiz um encontro de formação com o Frei Joaquim Fonseca, Coordenador de música-litúrgica da CNBB, ele nos ensinou bater palmas no Glória, além de ensaiarmos uns minutos antes com a Assembléia, para q todos cantem. E eu 'sabia' que só na Quarema não podia bater palmas. Mas com o que escrevestes, pposso concluir que na Missa palmas não debem existir de maneira alguma?

Na Missa não se bate palma. Missa é Cruz. Diante da Cruz, quem bateria palmas?

O tal frei pode ser assessor de liturgia da CNBB, mas continua errado. Aliás, isso só explica o motivo do estado lamentável de nossas celebrações. Aqueles que deveriam ensinar o certo são os primeiros a fazer o errado.



82 comentários:

  1. O "brabo" foi chamar de Nuestro Padre o fundador dos Legionários...Mesmo depois de tudo ainda se lhe dá este título? Eu não quereria um pai assim...

    ResponderExcluir
  2. Meu Deus como isto vai...será que vocês ainda usam todos a folha de figueira como Adão e Eva??? Já agora uma pergunta: será que um seminarista que ainda não é diácono pode usar cabeção? esta coisa de olhar pros outros e não ver o que tem nos olhos....

    ResponderExcluir
  3. Caro Rafael e demais integrantes do Salvem a Liturgia!, gostaria de parabenizá-los pelo site que tem sido um ponto de discussão saudável de liturgia e se encaixa no contexto da Reforma da Reforma, como o conhecido site New liturgical Moviment.
    Possuo algum conhecimento sobre liturgia e sou um amante das celebrações corretas seguindo as rubricas, já que o sacrifíco eucarístico assim conduzido leva os fiéis a uma verdadeira interiorização e fecunda uma vida cristã de encontro com Jesus.
    Sobre este artigo sobre o qual comento (Seleção de perguntas e respostas...), gostaria de deixar uma contribuição para a discussão.
    Quanto ao Pai-Nosso durante a missa, verifica-se não existir uma proibição ou mesmo uma regulação do gesto dos fiéis nesse momento específico. No entanto, como neste momento o sacerdote diz junto com a assembléia o Pai-Nosso, parece-me que também a assembléia pode repetir com o sacerdote o gesto. Caso contrário, seria o único momento em que o celebrante e a assembléia dizem a mesma oração, mas diferem nos gestos. Mesmo alguns liturgistas tradicionais reconhecem a licitude do gesto. Não obstante, é importante dizer ainda, que este gesto reflete a índole de um povo; enquanto em alguns países as pessoas não se semtem confortáveis, no Brasil muitos sentem a necessidade. Por último, faço a ressalva que enquanto o erguer as mãos, mimetizando o sacerdote, não constitui ofensa à liturgia, não vejo sentido ou necessidade de dar-se as mãos durante a oração do Pai-Nosso.
    Quanto a omissão de leituras, seria interessante atentarmos para o que diz a Instrução do Lecionário no número 79. Este número diz-nos que nas missas nas quais haja três leituras, essas devem ser efetivamente feitas, no entanto caso haja autorização da Conferência Episcopal, pode-se suprimir uma das duas primeiras leituras. Como já podes imaginar, a CNBB permitiu por motivo pastoral realizar apenas duas leituras. Essa autorização também foi extendida às festas que se elevam a solenidade, que possam ter duas leituras aos invés de três.
    Não me sinto confortável com momentos de oração pública entre o final da distribuição da comunhão e a oração pós-comunhão, crendo que seja melhor um momento de silêncio, ou uma música que leve à oração individual, como diz o nº 45 e 88 da IGMR (3ª ed.).
    Gostaria de acrescentar, fora do comentário deste artigo, é sobre a purificação por Ministros Extraordinários da Sagrada Comunhão (MESC). Vejo muita confusão, principalmente por nós, defensores da ortodoxia na celebração litrúgica, a este respeito. Apesar de não estar descrita nos livros e instruções dos livros litúrgicos, observa-se a permissão para que o acólito fala a purificação. Uma vez que o acólito legalmente instituído não passa de MESC, não há problema que outros leigos MESC também façam a purificação, apesar de não ser o ideal. Esta interpretação não é minha, mas da Sagrada Congregação do Culto Divino e Disciplina dos Sacramentos na Notitiae 238.
    No mais, espero, junto com a equipe do Salvem a Liturgia!, que findem os "bons-dias" em momentos inoportunos, músicas do Rito da Paz, Cordeiro desrespeitado, confusão entre sacerdócio comum e ministerial, entre outras coisas...
    Saudação afetuosa e que Deus possa nos abençoar com os seus dons.
    Saúde e paz!
    Cristiano

    ResponderExcluir
  4. A Missa não acaba na pós-comunhão. Tem certeza de que se pode colocar aqueles avisos antes da benção final? Tal coisa só deveria ser feita depois da benção.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, é permitido. Só para tirar a sua duvida olhe a missa da Jornada com o Papa ele mesmo da o aviso e envia os jovens antes da benção final.

      Excluir
  5. Realmente a missa não acaba na Oração depois da Comunhão, mas segundo a IGMR n. 90, 166 e 184 nesse momento podem ser feitas breves comunicações aos fiéis antes da benção.

    ResponderExcluir
  6. Como amante da liturgia não poderia deixar de contribuir com uma breve colocação a respeito da primeira pergunta que trata de erguer as mãos na oração do Pai Nosso ou segundo a Introdução ao Missal Romano, § 237; "Oração do Senhor", que prossegue: "A seguir o celebrante principal, de mãos unidas, diz a exortação que precede a Oração do Senhor e, com as mãos estendidas, reza a Oração do Senhor com os demais concelebrantes, também de mãos estendidas e com todo o povo".

    Pax Domini
    Cordialmente
    Fernando José

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "237. O celebrante principal, de mãos juntas, diz seguidamente a admonição que antecede a oração dominical e depois, de braços abertos, juntamente com os outros concelebrantes, que também abrem os braços, e com o povo, diz a oração dominical."

      Excluir
  7. coloquei uma questão: será que alguém me responde; Segundo as leis da Igreja quem é que pode usar cabeção? Os ordenados ou qualquer seminarista?
    Obrigado

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Qualquer pessoa desde que autorizada pelo BISPO DIOCESANO. O seminarista pode fazer celebração desde que tbem tenha recebido o envio juntamento com os demais ministros da Eucaristia, Palavra, exéquias de uma determinada diocese.

      Excluir
  8. Francisco,

    Mas a norma diz que é para rezar com todo o povo (e para que os CONCELEBRANTES estendam as mãos), não para que todo o povo as estenda.

    Leia de novo:

    "A seguir o celebrante principal, de mãos unidas, diz a exortação que precede a Oração do Senhor e, com as mãos estendidas, reza a Oração do Senhor com os demais concelebrantes, também de mãos estendidas e com todo o povo".

    Se fosse para o povo levantar as mãos, estaria: "(...) reza a Oração do Senhor com os demais concelebrantes, e com todo o povo, também de mãos estendidas."

    Mas não é isso que está escrito.

    ResponderExcluir
  9. Sou católico há muito tempo, mas vivi sobre a sombra da teologia da libertação e os exageros da RCC - com todo respeito.
    Momentos litúrgicos q eu deveria obedecer acabei esquecendo ou não tinha entendimento, participo agora do Comunhão e Libertação e procuro cada vez mais ser obdiente a Cristo e sua Igreja.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E assim vai.generalizando um.movimento sério como a rcc que inclusive faço parte é como Dizer que Vc é um.idolatra por ser católico, falou bobagem...

      Excluir
    2. Tire as guitarras.violões,.etc.vamos.colocar um.órgão e vc vai.tocar...

      Excluir
  10. vi logo que não responderiam...o cabeçao é pra esconder alguma coisa...sois uma cambada de rapazes que empurram o coco pra dentro....

    ResponderExcluir
  11. Salve Maria! Participo da equipe de liturgia em minha paróquia, e ainda não vi postado em nenhum site (ou não procurei direito) assuntos sobre as velas do altar se vocês pudessem fazer um esclarecimento eu agradeço muito tipo assim: 1- Usar 2 velas na celebração das missas.
    2-Usar 7 velas nas celebrações com o Bispo ou no dia de Pentecostes (onde se colocar).
    3-Quando o Círio Pascal está exposto quantas velas usar no altar?
    Parabéns pelo blog e desde já eu agradeço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Usa-se PELO MENOS 2 velas. Todavia, de acordo com a tradição pode-se usar 2 velas, para férias; ter no altar 4 velas, nas festas; 6 velas, nas solenidades e domingos. Na celebração do bispo diocesano pode-se usar 7 velas. Não se permite o uso de 7 velas na missa de pentecostes, salvo se for o bispo diocesano a celebrar; isto é uma invenção recente e estranha ao rito. O uso do círio pascal seja ao lado do ambão, no centro do presbitério ou mesmo do lado do altar, não muda em nada o numero de velas que se usa sobre ou ao redor do altar (2, 4, 6 ou 7), isto é, o círio pascal não "entra" na conta.

      Em Cristo,
      Kairo Neves.

      Excluir
    2. Porem segundo norma da liturgia não pode estar sobre o altar e sim num pedestal ao lado... Vela sobre o altar é antiluturgico.

      Excluir
    3. Não é proibido colocar sobre o altar veja a missa do papa

      Excluir
    4. Não é proibido colocar sobre o altar veja a missa do papa

      Excluir
  12. Carlos Augusto Prevot29 de outubro de 2009 15:35

    Ainda sobre a música Deus Trino. A letra diz que estamos aqui para louvar, agradecer, bendizer, adorar, etc... Li que há erro na afirmação quando cantada na liturgia eucarística, pois ,a missa vamos principalmente renovar o sacrifício pascal de Cristo o que não é citado na letra. Comente por favor.

    ResponderExcluir
  13. Em minha paróquia, um dos sacerdotes explica a função de determinada oração e solicita que a assembleia a leia em conjunto. Então o que já acontecia na oração da paz, agora acontece na missa inteira a cada vez que ele diz "Oremos" e até mesmo na última parte da oração eucarística. Me recuso a fazê-lo...

    ResponderExcluir
  14. Discordo de se chamar 'acção de graças' ao momento entre a distribuição da comunhão e a oração post-communio. Isso pode distrair as pessoas da grande acção de graças da missa que é a Oração Eucarística.

    ResponderExcluir
  15. uma pessoa acima usou o termo reforma da reforma o que e errado , alias o papa e o cardeal camerlengo bertone ja falaram que e errado o termo reforma da reforma ao invez disso deve se usar o ermo celebrar conforme as rubricas do missal romano, demais parabeniso os menbros deste site pelo trabalho para que no brasil seja celebrada a missa dignamente seguindo as rubricas, tenho 15 anos sou acolito nao intituido de minha paroquia e graças a Deus nao tem muitos abususos apesar de termos 2 padres para as quatro comunidades da paroquia, somente o paroco usa a casula mas so em solenidades especialicimas mesmo aqui tbm na minha comunidade com excessao o primero domigo temos duas missas e uma celebraçao com as crianças normalmente essas celebraçoes sao com leigos catequistas e tbm alguns teologos professores tbm, mas cobrimos as imagens na semana santa e algumas coisas recomendadas por esse site agora um senhora mae de um padre que e provincial da CM voltou a usar o veu e os jovens ao menos vem a missa aos domingos. enfim parabens pelo site e obrigado por seus artigos que muitas vezes tiraram minhas duvidas sobre liturgia pela qual so apaixonado

    ResponderExcluir
  16. Gostaria de saber se está correto o Padre descer do altar, sair do ambão na hora da homilia. Já vi vários que caminham até o meio da Igreja, dizem que Jesus pregava no meio do povo e, por isso, assim procedem. Pensei; já que a homilia faz parte integrante da Liturgia da Palavra, e para ela é destinada uma mesa especial, devidamente visível e diferentemente decorada, não seria correto que de lá saíssem. Gostaria de um esclarecimento a esse respeito. Muito obrigado! PAZ E BEM! Leo1moreira

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A introdução geral do missal romano diz: "136. O sacerdote, em pé, da cadeira ou do próprio ambão, ou, se for oportuno, noutro lugar conveniente, faz a homilia. Terminada a homilia, pode observar-se, se for oportuno, um espaço de silêncio."
      Esse "outro lugar conveniente" deve ser um lugar fixo, podendo ser uma estante à frente do presbitério ou, no caso do bispo, um faldistório colocado ao centro do presbítério. Dizer a homilia andando certamente não condiz com o espírito de sacralidade do rito, além de ser dificil para aquele que diz manter o passo e falar também é inconveniente para quem ouve conseguir prestar atenção na homilia sem se distrair com o andar de quem fala, também aqueles que se sentam na primeira fila terem que se viraram para a parte do fundo da igreja quando o padre se desloca para lá para manterem o contato visual que auxilia na compreensão do que é dito. Por esses e muitos outros motivos, o padre fazer a homilia andando mostra-se inconveniente com o rito e também para a boa compreensão dos fiéis.

      Em Cristo,
      Kairo Neves.

      Excluir
    2. Aí temos um problema referente ao achismo o lugar conveniente pro celebrante e não pra mim é pra vc... Vamos debater sempre em cima do que está escrito a interpretação sua pode ser diferente do padre que deve conhecer melhor que eu e vc...

      Excluir
  17. gostaria de saber se a 2 leitura da missa e sempre carta?

    ResponderExcluir
  18. Que curioso! O autor demonstra total desconhecimento sobre o Diretório de Missa com Crianças. Que tal lê-lo antes de se pronunciar sobre o número de leituras nessa Missa em específico? Vá direto ao n.º 42 do documento.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prefira os documentos oficiais da Igreja, normas da CNBB nem sempre trazem coerência com o prescrito pelo vaticano.

      Excluir
  19. O canto de ação de graças está previsto no missal?

    ResponderExcluir
  20. Gostaria de ter um esclarecimento sobre a Liturgia da Palavra. Tenho tentado estudar, participar de cursos de liturgia, buscar esclarecimentos sempre que tenho dúvidas (que são muitas) quanto ao rito das celebrações, sobretudo as eucarísticas. Aprendi nos livros e nos cursos que a Liturgia da Palavra se encerra com a Oração da Assembléia (Oração Universal) e, portanto, deve ser feita no Ambão. Aqui na minha paróquia, um padre cerimonialista, na Missa do Crisma, modificou o rito colocando o leitor que iria fazer as preces para fazê-lo na estante do comentarista. Julguei que fosse falha do leitor. Após a celebração fui conversar com o cerimonialista e ele me disse que esta parte da missa havia sido mudada. Já procurei de várias formas encontrar o fundamento desta mudança e não encontrei nada. O senhor poderia me esclarecer. Sou coordenadora de liturgia em algumas celebrações e ficaria muito grata com um pronunciamento do senhor sobre este fato.

    ResponderExcluir
  21. A Introdução Geral do Missal Romano (3ª edição) diz, sobre o assunto no seu numero 71 "Habitualmente são enunciadas do ambão ou de outro lugar conveniente, por um diácono, por um cantor, por um leitor, ou por um fiel leigo". Vemos claramente que o lugar primeiro para as preces é o ambão, todavia, como a proclamação da páscoa pode ser feita de um outro lugar conveneniente. A questão é a conveniência da estante do comentarista e neste ponto podemos ver a questão do seguinte modo, as preces são um rito propriamente liturgico e que deve ser feito de um local devidamente destacado dentro do ambiente liturgico, enquanto que a estante do comentarista e seu ministério como um todo não é propriamente ritual e deve ser colocado de tal forma que não se mostre como componente essencial do espaço liturgico. Assim, me parece que a estante do comentarista não seja um desses locais convenientes para se fazer as preces, sendo o melhor lugar o proprio ambão por seu rico significado e particular disposição no espaço liturgico.

    Em Cristo,
    Kairo Neves.

    ResponderExcluir
  22. Está errado permanecer ajoelhado durante a Oração Eucarística ?

    ResponderExcluir
  23. Segundo a Instrução Geral sobre o Missal Romano, o lugar do Ministro da Palavra (leitor instituído) é no presbitério e em assim sendo o leitor instituído ( ministro da Palavra), pode comungar no presbitério? ou deve comungar juntamente com os fiéis?

    ResponderExcluir
  24. Olá, boa tarde, a paz!

    Gostaria de saber se o documento 43 da CNBB "Animação da Vida Litúrgica no Brasil" possui aprovação da Sagrada Congregação para o Culto Divino. Eu acho que não, porque geralmente quando algum documento tem essa aprovação, ela vem logo antes do prefácio, não é mesmo?

    Pra mim é essencial isso, pois nesse documento os bispos acham muito válido as danças na procissão de entrada, as palmas os vivas, as guitarras e baterias... enfim, dependo dessa resposta para poder lamentar ter gasto 12 reais nele...

    Obrigada desde já!

    ResponderExcluir
  25. Paz e bem. Gostaria que me esclarecesse por favor, quando na Liturgia, vem o Salmo do dia que tenha esse mesmo Salmo, musicado, como por exemplo; o Sl 22. "O Senhor é meu Pastor" pode-se repetir o mesmo, cantando no momento da comunhão? pois já ouvir dizer que não é correto. no caso, usar o mesmo, dua vezes, na mesma Celebração.

    ResponderExcluir
  26. quando você conhecer o frei Joaquim Fonseca e falar isso pra ele, acho que você vai voltar a estudar as séries iniciais. Ele é doutor em liturgia. e vc o que é?

    ResponderExcluir
  27. O que não pode é uma mulher receber o ministério ("ordem menor") de leitor. Mas servir como leitora em Missas, sem o ministério instituído, pode.

    Contradições do pós-concílio...
    O que vemos na prática? O ministério abandonado!

    ResponderExcluir
  28. Eu queria saber o que eu devo falar na hora da homilia... Alguém pode me dizer?

    ResponderExcluir
  29. Ola
    Gostava de saber se sendo acólito não instituído há a possibilidade de me tornar acólito instituído e se de facto há a possibilidade de de me tornar acólito instituído, qual e a idade necessária para o ser.

    ResponderExcluir
  30. PEDIDO DIFICIL FAÇA UM PEDIDO ANTES DE LER QUE HOJE HAJA PAZ DENTRO DE MIM QUE WEU POSSA CONFIAR NO PODER MAIS ALTO QUE E DEUS POIS ESTOU EXATAMENTE ONDE DEVO ESTAR QUE SEIJA FEITA A VONTADE DE DEUS NOSSO PAI QUE EU NAO ESQUEÇA AS POSSIBILIDADES INFINITAS QUE NASCEM DA FE QUE EU POSSA USAR ESTAS BENÇAOS QUE SAO DADAS QUE EU POSSA NE SENTIR SATISFEITA SABENDO QUE SOU FILHA DE DEUS E PERMITA ME SENHOR QUE SUA PRESENÇA SE ESTABELEÇA EM MEUS GESTOS DE FE A MINHA ALMA A LIBERDADE PARA CANTAR E DANÇAR E SE AQUEÇAM NA LUZ QUE ESTA AQUI PARA TODOS AMEM ENVIE ESTE TEXTO PARA SETE ALTARES CATOLICOS E VEIJA O QUE ACONTECERA EM UMA HORA

    ResponderExcluir
  31. PEDIDO DIFICIL FAÇA UM PEDIDO ANTES DE LER QUE HOJE HAJA PAZ DENTRO DE MIM QUE WEU POSSA CONFIAR NO PODER MAIS ALTO QUE E DEUS POIS ESTOU EXATAMENTE ONDE DEVO ESTAR QUE SEIJA FEITA A VONTADE DE DEUS NOSSO PAI QUE EU NAO ESQUEÇA AS POSSIBILIDADES INFINITAS QUE NASCEM DA FE QUE EU POSSA USAR ESTAS BENÇAOS QUE SAO DADAS QUE EU POSSA NE SENTIR SATISFEITA SABENDO QUE SOU FILHA DE DEUS E PERMITA ME SENHOR QUE SUA PRESENÇA SE ESTABELEÇA EM MEUS GESTOS DE FE A MINHA ALMA A LIBERDADE PARA CANTAR E DANÇAR E SE AQUEÇAM NA LUZ QUE ESTA AQUI PARA TODOS AMEM ENVIE ESTE TEXTO PARA SETE ALTARES CATOLICOS E VEIJA O QUE ACONTECERA EM UMA HORA

    ResponderExcluir
  32. Logo depois da primeira Leitura é o salmo, para coloca-los na página do salmo é preciso pular muitas páginas depois da leitura???

    E como eu coloco na página do missal na primeira vez que o padre falar "oremos"??

    Por favor me responda, eu preciso muitos da ajuda de vcs

    ResponderExcluir
  33. Minha pergunta e sobre as preces....como deve ser feito as preces... sei q pode ser feito pelo padre q esta celebrando um diacono ou um leigo da comunidade ....mais eu queria saber onde faze La ....de frente para o altar ? No ambao? Ou o leigo fica de frente para a comunidade...????

    ResponderExcluir
  34. Santo Sacrifício da Missa? Com baterias, pandeiros, guitarras, bandas e palmas a todo momento. Como é possível entrar em oração dessa maneira? O que se sente é que infelizmente o homem tomou o lugar de DEUS. Cadê o carácter sacrificial ? É muito triste aplaudir um sacrifício de tamanha dimensão sem se questionar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A Santa Missa não deve ser algo monótono. Isso de que não se podem ter instrumentos na Celebração pois "impede os fiéis de entrarem em oração" é bastante relativo. Se você participa da Celebração da Eucaristia totalmente comprometido com o real sentido dela, pode haver batucadas infinitas e a pessoa permanece em clima de oração. Reveja seus conceitos. A Missa não é algo morto. Celebra-se o Jesus Ressuscitado.

      Excluir
  35. Santo Sacrifício da Missa? Com baterias, pandeiros, guitarras, bandas e palmas a todo momento. Como é possível entrar em oração dessa maneira? O que se sente é que infelizmente o homem tomou o lugar de DEUS. Cadê o carácter sacrificial ? É muito triste aplaudir um sacrifício de tamanha dimensão sem se questionar.

    ResponderExcluir
  36. Minha dúvida é : quais os elementos que devem ser observados na hora de preparar as preces dos fiéis? Uns dizem que devo rezar primeiro pela igreja depois pelo papa ou clero e depois pelos governantes e depois pela comunidade, isso procede? e em qualquer tempo liturgico ?

    ResponderExcluir
  37. Nas orações dos fiéis, se uma prece for inventada por algum leigo e ela estiver pedindo por algo que vai contra o que a Igreja ensina, devemos dizer "Senhor, escutai nossa prece" assim mesmo?

    E mesmo que a resposta seja "não" - e eu acho que é -, o "Amém" à oração que o padre faz no final ("...nós Vos pedimos por Jesus Cristo Vosso Filho, Nosso Senhor") deve ser dita sempre ou neste caso também não?

    ResponderExcluir
  38. A própria CNBB diz: "O “Glória” não seja substituído por qualquer hino de louvor ou por paráfrases que o reduzem a simples aclamações às três pessoas da Santíssima Trindade." E as pessoas ainda dizem: A liturgia no Brasil é diferente kkkk pode-se trocar kkkk

    ResponderExcluir
  39. Na Minha paroquia mulheres fazem a celebraçao da palavra e ainda distribuem a Eucaristia,por falta de homens na messe, isso e permitido?? Aguardo resposta

    ResponderExcluir
  40. Qual o nome litúrgico que se dá as mulheres que servem no altar?

    ResponderExcluir
  41. Não existe nome tradicional para isto, pois mulheres servindo ao altar é algo que foge completamente à tradição litúrgica no ocidente ou no oriente.

    ResponderExcluir
  42. Após a comunhão, algum membro da equipe de liturgia e ministros, podem se ajoelhar para suas preces pessoais, ou só quando estão na assembléia.

    ResponderExcluir
  43. Ola irmãos, Paz e Bem!
    Gostaria de fazer uma pergunta, talvez um pouco tola, mas lá vai. O que significa a palavra liturgia e onde ela aparece na cultura judaica?
    Desde já agradeço,
    Fraterno abraço.
    Flávio Ysmael

    ResponderExcluir
  44. Luiz Augusto Oliveira de Almeida8 de janeiro de 2016 08:14

    Paz e Bem!!! Sou Acólito e gostaria de saber se posso servir na celebração da palavra... Gostaria também de saber se o uso do incenso é apenas na missa, ou na celebração da palavra se pode usar também?

    ResponderExcluir
  45. Eu nao sou batizada e gostaria de saber se posso fazer todos os movimentos que as pessoas batizadas fazem?
    E se posso fazer a proclamacao do evangelho?

    ResponderExcluir
  46. quando e por que foi intituido que a primeira leitura seria feita por uma mulher e a segunda por um homem

    ResponderExcluir
  47. Armando Machado
    pergunto
    por que e quando foi instituidio que a primeira leitura sempre e feita por um mulher e a segunda por um homem?

    ResponderExcluir
  48. Por que mulheres não podem servir como cerimonialista?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. na verdade não significa dizer que mulher não possa, o que acontece é que a batina ela foi criada para homem e acabou que as mulheres sentiram enteresse neste serviço, mas as mulheres podem ajudar em outra forma na igreja, mesmo não sendo no altar...

      Excluir
  49. Boa Noite: pergunta: o ministro extraordinário da comunhão, pode distribuir a sagrada comunhão com a Mão esquerda ou é anti liturgico

    ResponderExcluir
  50. Olá Boa Tarde , é correto um sacerdote chamar a assembleia a falar o POR CRISTO COM CRISTO E EM CRISTO ?

    ResponderExcluir
  51. É correto informar aos interessados a participar da liturgia da palavra, que os leitores devem ser casados?

    ResponderExcluir
  52. Eu li que não se pode levantar as mãos para rezar o Pai Nosso...quero saber porque não pode.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não sei se é uma questão do tipo "pode ou não pode", mas gostaria de fazer duas colocações:

      1. A Instrução Geral para o Missal Romano, como já citado acima, fala expressamente que o CELEBRANTE e os CONCELEBRANTES é que devem levantar as mãos ao rezar o pai-nosso. Se devemos entender isto como uma proibição para o restante da assembleia, ou apenas uma omissão, não vou me atrever a responder.

      2. **NO MEU ENTENDIMENTO** (corrijam-me se eu estiver errado), ao longo da história da Igreja, o gesto de levantar as mãos para rezar sempre foi entendido como um gesto eminentemente SACERDOTAL e, portanto, vedado ao restante da assembleia. Isso só começou a mudar, pelo menos aqui no Brasil, com as influências, nas paróquias, dos movimentos que surgiram como frutos do Concílio Vaticano II.

      Excluir
  53. Sinceramente achei bem estranho a colocação acima sobre o Frei JOaquim ter dito para bater palmas durante o Hino de Louvor, pois possuo três livros dele e todos advertem para que não se bata palmas.

    ResponderExcluir
  54. Queridos, sou cristão, sou católico, amo a missa. Mas me incomoda muito tantos detalhes que criamos sobre gestos, palavras, ritos litúrgicos, que nos fazem ficar olhando para os outros e interiormente criticando pessoas que não fazem certo determinadas ações litúrgicas. O que Deus pensa, o que Ele sonda senão o coração, o que mais lhe pesa senão a sinceridade e a contrição. Um cuidado devemos tomar nestas questões, o grupo dos fariseus zelosos religiosos deram muita atenção a isso e perderam o entendimento da essência da lei, que é a misericórdia. A Liturgia tem o seu grande valor, mas ela não é o fim é um meio para adorarmos a Deus, mas isso só lhe é agradável não quando os ritos são cumpridos a rigor, mas quando há o coração presente. Não esqueçamos da parábola do fariseu religioso fiel e do pecador que bate no peito sem olhar para cima. Não me entendam mal, mas as vezes nós católicos nos prendemos aos ritos e esquecemos de vivermos em comunhão constante com Jesus, conhecemos muitas regras e pouco o evangelho e a Catecismo do Mestre anunciado pela Santa Igreja.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo totalmente com vc, meu amigo. A Missa, para muitos, significa apenas RITO e nada mais.
      Os fariseus eram mestres em observar as leis, mas seus corações eram falsos e vazios.
      Alguns defendem tanto essa liturgia ritualista e esquecem qual o verdadeiro significado da palavra liturgia.
      Se a Missa tem todos esses preceitos rituais, capaz de anular a participação dos fiéis por um simples "ato impróprio" do pode ou não pode, realmente não somos dignos de participar dela.
      Então é melhor que o sacerdote volte a presidir de costa para o povo.
      São tantos os preceitos humanos, que chegam a afastar as pessoas da Igreja.
      Será que é isso que Deus quer? Deus é ritualista? E as críticas narradas nos Evangelhos sobre os fariseus que eram apegados aos costumes?
      Portanto, reflitamos sobre a verdadeira liturgia que agrada a Deus.

      Excluir
  55. Alex vc é no mínimo protestante que pensa que é católico. Vc quer o quê, inventar mais modismos? Vc sabe o que é um missal?catecismo? O Cânon e suas vias? Não, não deve saber, atente ao contexto meu caro, Deus não é brinquedo q deve ficar a mercê dos modismos.D'Antonio (teólogo Católico Apostólico Romano) Assim, com letras maiúsculas

    ResponderExcluir
  56. Parabéns, Alex, concordo totalmente com você.

    ResponderExcluir
  57. Ha algum critério orde seqiencia em apagar as velas apos a celebracao.obrigada bom dia

    ResponderExcluir
  58. Na celebração da palavra, os fiéis ajoelham na hora do louvor

    ResponderExcluir
  59. qual a palavra que se usa apos a proclamaçao do salmo?

    ResponderExcluir
  60. Boa tarde! Um Mesc pode pedir transferência de Paróquia sendo a outra da mesma Forania?

    ResponderExcluir
  61. Gostaria de saber se, depois do comentário inicial da missa, o animador litúrgico permanece junto à estante ou se afasta dela até o final da missa?


    ResponderExcluir
  62. Boa tarde gostaria de sabe se aclama a trindade santa cantam dado é antilitúrgico

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...