Manchetes

Nosso Parceiro

domingo, 14 de fevereiro de 2010

Música Litúrgica - o Introito

A música litúrgica é assunto com o qual me preocupo obsessivamente. Que eu seja católico talvez explique grande parte disto; que eu seja músico explica outro tanto. Mas existe ainda outra medida em que a coisa se explica pelo deplorável estado da música litúrgica nos nossos dias.

Claro: o mau estado da música litúrgica faz parte do mau estado da própria Liturgia que, sublime nos livros, nem sempre é realizada sublimemente na prática. Ademais, problemas litúrgicos (em geral, mas também os problemas litúrgicos musicais) não são novidade dos nossos dias.

Quando falamos de música litúrgica inadequada, pensamos sem dúvida nas paróquias, pensamos numa maioria. Nunca deixou de haver lugares em que as celebrações foram sempre digníssimas e, a música, incrível. Estes lugares mantiveram a tradição católica e a obediência às leis litúrgicas da Igreja. Não podemos, entretanto, nos contentar, nunca, com que a ortodoxia litúrgica se restrinja a umas poucas casas religiosas e a umas pouquíssimas paróquias ou a algumas catedrais europeias que se podem contar nos dedos de uma mão. Não podemos, porque as leis da Igreja valem para toda ela (não existem “realidades” locais que permitam ignorar as normas, e mesmo adaptações lícitas precisam ser estudadas e autorizadas), e todos os fiéis do mundo têm direito à Liturgia decente, da qual é parte integrante e crucial a música litúrgica decente. Os fiéis têm este direito; por outro lado, os mesmos fiéis não têm direito a desobedecer nem forçar a desobediência às normas. Os fiéis não podem tomar os sacerdotes como reféns obrigados a fazer concessões litúrgicas sob a pena de se esvaziarem os bancos do templo (embora, claro, nem todo abuso litúrgico nasça do desejo de agradar fiéis).

*

O chamado Novus Ordo, ou “Missa de Paulo VI”, traz em suas instruções algumas flexibilidades que não podem, a meu ver, ser interpretadas como deixa para a solução mais cômoda. Em outras palavras, a licitude não é suficiente para a beleza e a riqueza da Liturgia (ainda que indispensável).

Neste texto eu gostaria de falar a respeito do Próprio da Santa Missa, em cuja regulamentação existe a flexibilidade a que me refiro. Infelizmente, mesmo esta flexibilidade sendo grande, tem sido com enorme freqüência forçada até a quebra pela interpretação errônea das instruções do Missal e do Concílio Vaticano II.

Para esclarecer o que é o Próprio, valho-me agora do Ordinário. Na Missa, o Ordinário se compõe do Kyrie (Senhor, tende piedade - parte essencial do Ato Penitencial, embora não seja, sozinho, o Ato Penitencial inteiro), do Gloria, do Credo, do Sanctus (Santo, Santo, Santo) e do Agnus Dei (Cordeiro de Deus). Dependendo da Missa, pode ocorrer de se omitir uma dessas partes. Mas o que importa para nós, agora, é que elas são sempre iguais. Em qualquer Missa o Gloria é sempre igual, como são sempre iguais as outras quatro partes.

O Próprio, por sua vez, muda sempre; é diferente para cada Missa. Por esta razão é que ele se chama assim: cada Missa tem seu “próprio Próprio”. As partes do Próprio também são cinco: Introito (Entrada), Salmo Responsorial (ou Gradual), Alleluia (com o seu versículo), Ofertório e Comunhão. Mas o Alleluia é mesmo do Próprio? Ele não é sempre igual, sempre “Alleluia”? Bem, a parte “Alleluia” é sempre igual; mas o seu versículo é próprio, é diferente a cada Missa. Porém, em muitos lugares ele não é usado, fazendo com que muitos sequer saibam que ele existe. Mas ele existe e deve ser usado.

Neste texto falarei apenas da primeira das partes do Próprio, o Introito ou Entrada. Que o leitor não se assuste com isto; o fato de eu falar apenas dele não significa que o assunto seja muito complexo, e sim que não quero alongar demais este texto cuja introdução já ocupa bom espaço.

Como muitos sabem ou, se não sabem, imaginarão, o Introito ou Entrada é o momento em que o sacerdote entra para iniciar a celebração da Santa Missa; não só ele mas também possíveis acólitos, diácono etc. Na grande maioria das igrejas a música utilizada neste momento é designada como “canto de entrada”, o que não está errado. Entretanto, a música costuma ser escolhida com base simplesmente no gosto dos fiéis dessa igreja específica, ou no gosto do músico ou dos músicos da Liturgia. Para esclarecer isto, vamos a fonte: o que a Igreja prescreve para este momento? Vejamos os números 47 e 48 da IGMR. Os grifos são meus.

47. Reunido o povo, enquanto o sacerdote entra com o diácono e os ministros, começa o canto da entrada. A finalidade desse canto é abrir a celebração, promover a união da assembléia, introduzir no mistério do tempo litúrgico ou da festa, e acompanhar a procissão do sacerdote e dos ministros.

48. O canto é executado alternadamente pelo grupo de cantores e pelo povo, ou pelo cantor e pelo povo, ou só pelo grupo de cantores. Pode-se usar a antífona com seu salmo, do Gradual romano ou do Gradual simples, ou então outro canto condizente com a ação sagrada e com a índole do dia ou do tempo, cujo texto tenha sido aprovado pela Conferência dos Bispos.
Não havendo canto à entrada, a antífona proposta no Missal é recitada pelos fiéis, ou por alguns deles, ou pelo leitor; ou então, pelo próprio sacerdote, que também pode adaptá-la a modo de exortação inicial (cf. n. 31).
Numerosas questões devem ser comentadas aqui. Julgo importante reorganizar algumas informações do texto para melhor compreensão do leitor.

Primeiramente, no número 48, a IGMR diz quem executa o canto de entrada. São três opções:

1 – grupo de cantores e povo

2 – cantor e povo

3 – só o grupo de cantores.

Fica bastante claro que não existe nenhuma obrigação ao canto da assembleia, ainda que ela figure nas duas primeiras opções. Por que esta preocupação? Porque uma objeção comum à utilização de certos tipos de música é que o povo fique impedido de “participar”, por não saber “cantar junto”. Já se explicou muito, porém, que a participação também inclui a audição atenta e o silêncio sagrado. Além disto, a lógica nos faz concluir ser impossível usar na Liturgia somente música que a assembleia conheça (o que a Igreja não pede, a propósito).

Outro aspecto que vemos é a distinção entre “grupo de cantores” e “cantor”. Certamente o uso do plural e do singular deixa claro a que o texto se refere; a meu ver, porém, em igrejas nas quais o “grupo de cantores” seja composto por uma única pessoa, esta voz solitária pode assumir os papéis atribuídos ao grupo de cantores. A IGMR não deixa de pensar nas igrejas mais modestas ao dizer “grupo de cantores” e não “coro”. Especialmente no Brasil, por motivos culturais, é freqüentemente difícil instituir um coro de igreja.

Adiante a IGMR diz o que se deve cantar como “canto de Entrada”. Listemos:

1 – Antífona com seu salmo, do Gradual Romano ou do Gradual Simples

2 – outro canto condizente com a ação sagrada e com a índole do dia ou do tempo, cujo texto tenha sido aprovado pela Conferência dos Bispos (a CNBB, no caso do Brasil).

Quantas pessoas conhecem a opção número 1? Muitas não a conhecem, e obviamente não são culpadas disso já que nunca aprenderam nem ouviram falar dessa possibilidade, para muitos, até mesmo incompreensível: o que é uma “antífona”? O que é “Gradual Romano”, o que é “Gradual Simples”?

A primeira pergunta vemos depois. Responder à segunda é fácil: são livros de canto gregoriano. Isto é: a Igreja prescreve para o Introito (o canto de Entrada) nada menos do que canto gregoriano.

Mas e a segunda opção? Muitos poderão dizer sobre ela: “aí, sim!”, porque ela é a mais praticada, por muitos a única conhecida. Alguns poderão interpretar que a primeira opção se aplica só a casas religiosas, só a monges e, mesmo assim só alguns deles. Um hábito que chega a ser uma mera curiosidade, de certa forma, e por tantas pessoas apenas conhecido por meio de filmes.

Esta interpretação é completamente equivocada. A IGMR não se preocupa em estabelecer normas para casas religiosas e normas para paróquias, mas tão somente normas litúrgicas. O canto gregoriano é posto pela Igreja em primeiro lugar no que concerne à Liturgia Romana: Em igualdade de condições, o canto gregoriano ocupa o primeiro lugar, como próprio da Liturgia romana. (IGMR, 41)

É também o caso de pensarmos por que a Igreja se expressa desta maneira na IGMR; resumidamente, o que Ela nos diz é: “no canto de entrada você pode usar a melodia gregoriana ou outro canto condizente”. Talvez fosse mais simples dizer apenas “use um canto condizente”; ou não?

O fato é que a Igreja está nos orientando, aqui, a respeito do texto. Tanto que, na segunda opção, ela coloca como condição o aval dos bispos locais. Além disto, pense o leitor comigo: se a Igreja permite que a Missa seja no idioma do lugar, e o gregoriano é sempre em latim, isto significa que qualquer canto no idioma do lugar (que chamamos de “vernáculo”) se encaixará na segunda opção.

Não se trata exatamente disto. A Igreja, de fato, indica os livros: o Gradual Romano e o Gradual Simples. Porém, pode-se utilizar o texto lá indicado, traduzido à língua do lugar, para compor uma outra música a se utilizar neste momento da Liturgia (e em outros que seguem as mesmas regras).

Tomemos um exemplo. Suponha o leitor que teremos uma Missa do Sexto Domingo do Tempo Comum, e vamos providenciar a música para o Introito. Vamos ao Gradual Romano. Lá encontramos, para o Sexto Domingo do Tempo Comum, uma melodia gregoriana que utiliza o texto, em latim, dos versículos 3 e 4 do Salmo 30:

Esto mihi Deum protectorem, et in locum refugii, ut salvum me facias: quoniam firmamentum meum, et refugium meum est tu: et proper nomen tuum dux mihi eris, et enutries me.
Em português:

Sede para mim um Deus protetor e um lugar de refúgio, para me salvar; pois sois meu apoio e meu refúgio; e pelo vosso nome haveis de me conduzir e me alimentar.
Este texto é parte integrante da Liturgia da Missa do Sexto Domingo do Tempo Comum. É seu Introito. Foi assinalado pela Igreja para fazer parte da celebração do sacrifício nesta data litúrgica específica. Ainda que a mesma Igreja permita o uso de música com um outro texto (e mesmo que aprovado pela conferência episcopal), quanto não perdemos ao simplesmente ignorar este tesouro litúrgico, colocando em seu lugar textos sem tradição nenhuma e, na maioria das vezes, de gosto duvidoso, ou até mesmo com problemas doutrinários e sentimentalismo?

Pessoalmente, interpreto como uma espécie de gesto de enorme tolerância da Santa Igreja o fato de permitir aquilo se ficou conhecido como alius cantus aptus – o famoso “outro canto apto”, “outro canto adequado” – que substitua o texto mais propriamente litúrgico. E utilizo aqui a palavra tolerância no seu sentido de aceitação sem muito gosto, sem a chancela, por assim dizer, de autenticidade e propriedade.

O fato de que o Introito (e o Próprio inteiro) muda a cada Missa faz com que a cada Domingo seja usada uma música diferente. Isto impede que o “povo cante junto”? Talvez impeça. Entretanto, já não devemos mais estar presos à ideia errônea de que a “participação” ou mesmo a “participação ativa” implique necessariamente em fazer coisas (seja canto, recitação etc.), ou, para ser mais exato, fazer coisas perceptíveis a todos. Ouvir atentamente o Introito cantado é participação ativa. Meditar seu texto é participação ativa. Não me parece errado, tampouco, que o fiel recite o mesmo texto em voz baixa. Lembre-se ainda o piedoso costume de acompanhar visualmente a procissão de entrada: a cruz, o incenso, os ministros sagrados e seus paramentos.

Como o leitor talvez tenha percebido, não defendo que se cante o Introito sem informar aos fiéis que texto está sendo cantado. Evidentemente é a Deus que se dirige a Liturgia; e se o fiel sabe o que está sendo cantando ele se pode unir mais perfeitamente a ela. Considero importante que os fiéis tenham em mãos o texto que está sendo cantado pelo cantor ou grupo de cantores, mesmo que a música utilize o texto na língua do país. Imprescindível? Não; mas, sendo possível, acredito que auxilie bastante. Pode-se imprimir o Próprio do dia para distribuir aos presentes, caso não exista algum outro tipo de guia publicado. Por misericórdia, abstenhamo-nos de retroprojetores ou datashow...

Neste momento, um parêntese. Vimos que a IGMR nos indica o Gradual Romano como fonte do texto para o Introito. Ocorre que o Missal também provê uma antífona de Entrada. Em muitos casos, o texto do Gradual e o texto do Missal são o mesmo, mas isto não é a regra. Se um compositor desejar servir-se do texto do Missal para escrever a música, pode fazê-lo. Em textos futuros abordarei mais detalhadamente este “problema”. Fechemos o parêntese.

Alguém poderá argumentar que é rara, ou mesmo raríssima, uma assembleia capaz de cantar o Introito junto com o cantor ou cantores. Não discordo; volto a insistir em que é desnecessário, em certas partes da Liturgia, o canto da assembleia inteira, e que justamente por a música cantada por todos precisar ser mais acessível, é enriquecedor para a Liturgia que o Próprio possa dispensar os fiéis, possibilitando o uso de composições mais elaboradas. Não se pode admitir o empobrecimento da Liturgia como preço a pagar por uma ilusória “participação ativa” de todos os presentes à Missa.

Este é o início do Introito gregoriano Esto mihi, do Sexto Domingo do Tempo Comum. Note-se que a escrita do canto gregoriano usa uma pauta de quatro linhas, enquanto a notação musical moderna utiliza cinco. A notação gregoriana continua sendo usada para o canto gregoriano, e os livros são publicados neste sistema.


Esta melodia, como as outras utilizadas no Próprio, são chamadas de antífonas. Eu havia adiado, alguns parágrafos atrás, a explicação do que significa esta palavra. Mesmo assim não a explicarei inteiramente, deixando isto para um outro texto. Por enquanto, apenas digo que é um nome utilizado para designar as melodias do Próprio (e algumas outras).

Encorajo todos aqueles que desejem aprender a ler este tipo de notação a procurar informações ou quem lhes possa ensinar. Garanto-lhes que a dificuldade é muito menor do que parece à primeira vista. Se o caro leitor não sabe ler a partitura acima, olhe para ela como, quando criança, antes de ser alfabetizado, olhava jornais, livros e placas: coisas desconhecidas que em pouco tempo se transformam em coisas totalmente claras.

Como afirmei anteriormente, podemos tomar este texto, originalmente em latim, e musicá-lo na língua do país. O próximo exemplo é esse mesmo Introito, mas em inglês, retirado de um livro para o uso anglicano (católicos oriundos do anglicanismo). A melodia utilizada nesta adaptação, feita por C. David Burt, é mais simples do que a do gregoriano acima.


Por sua vez, o americano Richard Rice escreveu música para o Próprio da Missa, também em inglês, destinada a coros. Suas composições são simples (seu trabalho se chama Simple Choral Gradual, isto é, “gradual coral simples”) e muito boas para a Liturgia, além de muito acessíveis para coros. Copio aqui o início do seu Introito Esto mihi. Não estranhe o leitor a diferença de texto: Rice usa uma tradução diferente daquela usada no exemplo anterior.

Precisamos de música em português para o Próprio. Não de composições com textos novos, nem de paráfrases de salmos, nem salmos metrificados. Estas opções são lícitas? São lícitas, mas, uma vez mais, convido o leitor a ir além da mera licitude.

A Igreja chama os compositores a escrever nova música litúrgica para enriquecer o repertório, de maneira que cultivemos o tesouro já existente e que floresçam novas composições, escritas tanto para grandes coros de nível profissional como para pequenos grupos de cantores amadores (mas de bom nível e que cultivem o estudo da música) ou mesmo para o cantor único ao qual alguma igrejas se veem forçadas a restringir-se.

Eu, pessoalmente, me encaixo nesta última categoria; embora minha formação seja precisamente a de músico, não sou cantor, mas na Liturgia tenho exercido esta função, além da de instrumentista. E, tendo em vista esta necessidade, procuro compor o Próprio de cada Missa dentro das minhas possibilidades.

Enquanto escrevo este texto, ocupo-me precisamente da composição do Próprio para o Sexto Domingo do Tempo Comum. “Meu” Introito começa assim:


A assembleia não cantará isto – e, como já mostrei, nem precisa que seja assim. Este Introito poderia cobrir toda a ação litúrgica até a chegada do sacerdote ao altar. No caso específico, o sacerdote da igreja em que toco pede que eu não exclua a entrada cantada pelos fiéis. Da minha parte, eu nunca quis omitir o Próprio. Concordando com a minha preocupação, o sacerdote propôs que a sua entrada seja realmente acompanhada por música cantada pelos fiéis, até que ele chegue ao altar. Assim que esta termine, canto o Introito. Não é inconveniente que o padre “espere” o Introito ser cantado: ele é litúrgico. Além disto, a IGMR especifica no número 48 que se o Introito não for cantado, ele é lido. Repito o trecho que fala disso:

(...)Não havendo canto à entrada, a antífona proposta no Missal é recitada pelos fiéis, ou por alguns deles, ou pelo leitor; ou então, pelo próprio sacerdote, que também pode adaptá-la a modo de exortação inicial (cf. n. 31).
Este trecho nos mostra também que é perfeitamente possível uma Missa sem música. Certamente que a sua ausência faz falta no que se trata de beleza. Mas a falta de música não é motivo para não se realizar a Missa. No meu entendimento isto é um forte indicativo de que não se pode usar qualquer música na celebração do sacrifício: se a única música disponível é qualquer uma, fora da Liturgia e inadequada a ela, que seja deixada de lado. Convido todos aqueles envolvidos com a Liturgia a não terem medo de ter a Santa Missa sem música, se for o caso.

Há ainda diversas coisas que eu gostaria de dizer, mas prefiro deixá-las para os próximos textos. Como se recordam, o Introito é apenas o primeiro item do Próprio. Possivelmente, no entanto, eu venha a tratar deles com o uso de menos espaço e, por conseguinte, tomando menos tempo ao leitor.

Deixo, como ilustração final deste post, um vídeo. Claro, trata-se de música litúrgica executada com excelência espantosa e fineza incrível. Pessoalmente também aprecio um pouco de rusticidade moderada. Mas sei que o leitor apreciará o que deixo agora. Trata-se da Missa de Natal na Catedral de Westminster, na Inglaterra, em 2009. O vídeo mostra precisamente o Introito. Trata-se do versículo 7 do Salmo 2: o Senhor me disse: tu és meu Filho, eu hoje te gerei – em latim: Dominus dixit ad me: Filius meus es tu, ego hodie genui te.

Ninguém argumente que é assim por ser na Europa. Nós também podemos fazer assim no Brasil. É o que a Igreja quer que façamos. Comparemos com as coisas que temos visto, e compreendamos o que é melhor. Está nas nossas mãos.

19 comentários:

  1. Em primeiro lugar, parabenizo o Alfredo pelo ótimo texto que escreveu para nós. Realmente, acredito que a maioria da assembléia não quer cantar, e não tem nada a ver com o estilo musical que é aplicado na Liturgia! Ou seja, não tem Baião que faça a assembléia cantar, percebem? Outra coisa: é preciso respeitar o que está previsto na legislação sobre a Liturgia, senão a coisa vira "Casa da Mãe Joana". E por fim, creio que os bispos brasileiros - com exceção do Dom Bruno Gamberini - precisam rever seus gostos musicais, urgentemente, pois se eles aprovam o que tem acontecido na música litúrgica atual, estão com sérios problemas auditivos, ou de referências artísticas!

    Um abraço para todos!

    ResponderExcluir
  2. Texto muito bem elaborado, desenvolvido de forma extensa, porém incansável.

    Aqui em minha Paróquia canto a antífona de entrada presente no Missal, em vernáculo, quando convidado para tal ofício.

    Aguardemos os próximos artigos sobre as outras partes do Próprio.

    Deus seja louvado!


    Em Nosso Senhor e na Madre Igreja,

    Fernando
    -Pro Catholica Societate-

    ResponderExcluir
  3. Ótimo artigo Alfredo, parabéns!
    Ontem eu participei de uma missa no rito bizantino, uma capela dos católicos russos muito simples, os paroquianos trabalham muito para manter a comunidade.
    O que me impressiona, mesmo tão poucos russos, muitos, senhores e senhoras da terceira idade, no coro, cantando em polifonia resoando com a liturgia celebrada. Isso deveria ser um exemplo para nós, a solenização não depende de dinheiro mas da boa vontade das pessoas.
    Aguardamos mais postagens suas Alfredo!

    ResponderExcluir
  4. Muito obrigado pelos comentários! Não deixem de voltar :-)

    ResponderExcluir
  5. Caríssimo Alfredo de qual paróquia você participa em Jundiaí? Sou vocacionado da Diocese e estou procurando aprender este santo tipo de música litúrgica.
    Jean

    ResponderExcluir
  6. Alfredo:

    "50. (...)é importante dar a devida atenção ao canto da assembleia, já que este é particularmente apto para exprimir a alegria do coração, faz ressaltar a solenidade e favorece a partilha da única fé e do mesmo amor. Por isso, há que ter a preocupação da sua qualidade, tanto no referente aos textos como às melodias, para que tudo aquilo que de criativo e original hoje se propõe, esteja de acordo com as disposições litúrgicas e seja digno daquela tradição eclesial que, em matéria de música sacra, se gloria dum património de valor inestimável". (Papa João Paulo II. Carta Apostólica Dies Domine. 1998)

    "11. O século passado, com a renovação realizada pelo Concílio Vaticano II, conheceu um desenvolvimento especial do canto popular religioso, do qual a Sacrosanctum concilium diz: "Promova-se com grande empenhamento o canto popular religioso, para que os fiéis possam cantar, tanto nos exercícios de piedade como nos próprios actos litúrgicos"(30). Este canto apresenta-se particularmente apto para a participação dos fiéis, não apenas nas práticas devocionais, "segundo as normas e o que se determina nas rubricas"(31), mas igualmente na própria Liturgia. O canto popular, de facto, constitui um "vínculo de unidade, uma expressão alegre da comunidade orante, promove a proclamação de uma única fé e dá às grandes assembleias litúrgicas uma incomparável e recolhida solenidade"(32)". (Papa João Paulo II. Quirógrafo no centenário do Motu Proprio Tra le Sollicitudini. 2003)

    "1157. O canto e a música desempenham a sua função de sinais, dum modo tanto mais significativo, quanto «mais intimamente estiverem unidos à acção litúrgica» (27),, segundo três critérios principais: a beleza expressiva da oração, a participação unânime da assembleia nos momentos previstos e o carácter solene da celebração. Participam, assim, na finalidade das palavras e das acções litúrgicas: a glória de Deus e a santificação dos fiéis (28)" (Catecismo da Igreja Católica)

    Abusos existem? Sim. Precisam ser corrigidos? Sim. Mas que é recomendado a todo o tempo que a assembléia também cante nas ações litúrgicas - incluindo missa - isso parece-me bem claro pelas citações acima.

    Luana:

    "Realmente, acredito que a maioria da assembléia não quer cantar, e não tem nada a ver com o estilo musical que é aplicado na Liturgia! Ou seja, não tem Baião que faça a assembléia cantar, percebem?"

    A assembléia só não canta quando os músicos não dão chance que cantem. Nisso entra música muito alta e/ou barulhenta, músicas desconhecidas (cabe aos músicos ensinar as músicas novas), a excessiva troca de músicas de um fim de semana para o outro (que não dá chance das pessoas aprenderem as músicas).

    Eu toco numa capela em missa de 7hs da manhã, frequentada 99% por idosos piedosos (tipo, estão lá 6hs da manhã para o terço, coisa rara ultimamente, infelizmente). Toco violão nessa missa, junto com geralmente mais três vocalistas. Eles fazem questão de acompanhar as músicas, pedindo sempre a possibilidade de ter a letra das mesmas à mão.

    Claro que existe perfil de assmbléia, mudando de lugar para lugar e de horário para horário. Mas não tem como generalizar dizendo que as pessoas não querem cantar.

    Té mais

    João Marcos

    ResponderExcluir
  7. Caro João Marcos: seus comentários e citações não vão contra o que tenho exposto. Sâo necessários, entretanto, alguns ajustes (não nos seus comentários, mas na prática litúrgica que temos atualmente). Um dos problemas que você aponta, a troca freqüente de músicas como fator que dificulta o canto da assembleia, precisa ser harmonizado com o fato de que a cada Domingo a Missa tem um Introito diferente, um Ofertório diferente e uma Comunhão diferente (o Salmo Responsorial também é, mas quanto a ele não há dificuldades). No momento os artigos que estou publicando falam sobre o Próprio, mas ainda temos o Ordinário, no qual o canto da assembleia pode ter um papel de maior destaque. Ao escolhermos a mesma música toda semana para a Entrada, facilitamos o canto da assembleia, mas deixamos de lado o Introito, um item litúrgico de suma importância. Assim é que qualquer fala de papas ou concílios deve ser compreendida: canto da assembleia dentro das suas atribuições. Ainda temos também muito para avançar no que diz respeito à qualidade, como pede o papa João Paulo II na primeira citação do seu comentário; este mesmo ponto é enfatizado por vários outros documentos. Precisamos trabalhar contra a tendência de empobrecer a música a pretexto de facilitar o canto da assembleia. Caro João Marcos, no momento é o que lhe posso dizer - mas estes assuntos continuarão sendo abordados nos textos seguintes; a propósito, não devo tardar a falar de outros tipos de música além do gregoriano. Se tenho falado muito dele, é porque o Salvem a Liturgia é um excelente meio para fazê-lo ser conhecido. Abraços, peço suas orações por mim e pelo Salvem a Liturgia e agradeço seu comentário.

    ResponderExcluir
  8. Em resumo, cante-se, na ordem:

    1. A antífona prevista no Graduale Romanum, em latim, ou uma sua tradução para o vernáculo em melodia baseada no gregoriano.

    2. A antífona prevista no Graduale Simplex, em latim, ou uma sua tradução para o vernáculo em melodia baseada no gregoriano.

    3. Uma versão de qualquer dessas antífonas, em polifonia latina ou vernácula.

    4. Uma versão em canto, em latim ou vernáculo, em melodia polifônica ou semelhante ao gregoriano, para a antifona prevista no Missal.

    5. Uma versão em canto, em latim ou vernáculo, em canto popular, para a antifona prevista no Missal.

    6. Só quando NENHUMA DESSAS POSSIBILIDADES se consegue, é que se poderia cantar um outro canto...

    Correto, Alfredo?

    ResponderExcluir
  9. Caro Alfredo, seria possível termos um Gradual Português, com traduções para a língua pátria dos cantos do Graduale Romanum, mantendo a melodia gregoriana? Semelhantemente aos anglo-católicos e aos católicos do uso anglicano...

    ResponderExcluir
  10. Rafael: é isso mesmo. Eu faria apenas uma pequena modificação: uma composição polifônica utilizando o texto do Graduale Romanum me parece ter precedência sobre qualquer uso do Graduale Simplex.

    Anônimo, sobre o Gradual Português: sem dúvida, isto é muito possível e creio poder dizer que é muito desejável! É uma tarefa nada pequena, mas tudo começa pelo primeiro passo. É possível que alguém já tenha feito isso ao menos com algumas antífonas, mas até agora não tenho conhecimento disso. Se qualquer informação aparecer, falarei aqui no Salvem a Liturgia. Obrigado pela visita!

    ResponderExcluir
  11. Estava tentando acompanhar a melodia do intróito do vídeo acima com a partitura correspondente do Graduale Romanum (este é um dos meus primeiros contatos com uma partitura gregoriana) e me surgiu uma dúvida: se não estou enganado, a melodia do GR está escrita em clave de fá, mas o coral parece cantar uma nota si bemol onde eu esperaria um fá (respeitando os demais intervalos, indiscutivelmente), como se a melodia tivesse sido transposta de fá para si bemol. Tentei eu mesmo cantarolar a melodia em fá e percebi que ela ficou muito baixa. É comum a transposição de melodias entre os corais gregorianos?

    ResponderExcluir
  12. Laércio, é isso mesmo. Transpor é muito comum.

    Aliás, nem mesmo se fala em "transposição", porque no canto gregoriano as alturas são sempre relativas - não existe uma padronização do tipo lá=440Hz. Qualquer nota pode ser o "lá", e o que importa são os intervalos entre as notas.

    ResponderExcluir
  13. Discordo que o objetivo principal, ou um requisito absolutamente indispensável, primordial, seja que a assembleia cante. Em primeiro lugar: não importa o canto, se é fácil ou complexo, se é animado ou sóbrio, se é bonito ou feio, algumas pessoas simplesmente não se sentem à vontade cantando. Outras apenas sussurram, por não se sentirem à vontade com questões de afinação ou por timidez, outras soltam a voz. Acaso as primeiras não estariam participando tão plena e ativamente da missa como as últimas? Evidente que estão. E se é absurdo obrigar todas as pessoas a cantarem, também é absurdo que esse critério esteja acima de outros, como a beleza da música em si.

    É claro que o canto deve ser propício para que quem quiser cantá-lo o faça com relativa facilidade, mas isso não pode ser pretexto para usarmos um repertório pequeno ou
    simplista, que esgota a riqueza da música litúrgica. Onde assisto missa (no Mosteiro de São Bento em Vinhedo), as antífonas da entrada e da comunhão, tais como estão no Missal para cada domingo, são musicadas e usadas em todas as missas (cf. o item 4 apontado pelo Rafael). Ou seja, a melodia muda sempre. Não há repetições de músicas de entrada em um período menor que 1 ano. E no entanto a igreja lota. O povo não parece estar nem um pouco incomodado com isso. Isso porque, quando um canto é belo, a pessoa, mesmo se gosta de cantar, não se incomoda nem um pouco de simplesmente ouvi-lo. Eis aí um fato que considero indispensável: a beleza, sobriedade e dignidade da música.

    O canto também não é difícil. Quem gosta de cantar, consegue.

    ResponderExcluir
  14. Este é um vídeo de lá, de uma antífona da Entrada musicada aos moldes gregorianos, em vernáculo. É do XXIV Domingo do Tempo Comum:

    http://www.youtube.com/watch?v=yKrmMMpYnr0

    ResponderExcluir
  15. 47. Reunido o povo, enquanto o sacerdote entra com o diácono e os ministros, começa o canto da entrada. A finalidade desse canto é abrir a celebração, [b]promover a união da assembléia[/b], introduzir no mistério do tempo litúrgico ou da festa, e acompanhar a procissão do sacerdote e dos ministros.

    Promover a união da assembléia, não está se referindo ao fato da assembléia cantar junto, o mesmo canto?

    ResponderExcluir
  16. A minha pergunta acima não pretende dar mais importância ao canto da assembléia, do que à necessidade do canto ser condizente com a liturgia da palavra, daquele dia.

    Mas sim, defender uma motivação plausível para usarmos, dentro do repertório de canto popular religioso, cantos que sejam condizentes.

    ResponderExcluir
  17. Alfredo, poderia me responder umas perguntas?

    Em relação, se não houver o introito, a Antífona de entrada é rezada após a saudação? E se houver o introito, omite-se a antífona? Como "funciona" especificamente? Ou a antífona é rezada ou cantada no momento do introito? Verdadeiramente, a antífona de entrada é antes ou depois da saudação? Antífona e introito não seriam partes fixas deste modo? Desculpe, é que faço confusão.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aqui na minha paróquia, o padre costuma rezar a antífona de entrada imediatamente antes do sinal da cruz --- quase sempre, são as primeiras palavras que ele profere assim que termina o introito.

      Ocorre também que, se o canto escolhido para o introito estiver diretamente relacionado à antífona de entrada (até mesmo no hinário litúrgico da CNBB é possível encontrar diversas composições fiéis às respectivas antífonas de entrada), o padre não reza a antífona.

      Um hábito que estou tentando inserir no meu coral é o seguinte: se, por acaso, o canto de entrada escolhido para aquele dia não estiver relacionado à antífona de entrada, canta-se esta imediatamente antes OU após o canto de entrada --- no caso das missas solenes, troca-se o OU por E.

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...