Manchetes

Nosso Parceiro

sábado, 28 de maio de 2011

Campanha pelo fim do "Glória pirata"

Senhor padre,

O Glória não é um momento em que se canta uma música de louvor ou que tenha a palavra "glória" na letra.

Não existe "música de glória". É diferente da Comunhão, da Entrada, do Ofertório, que são cerimônias que comportam uma música para acompanhar. (de preferência do Missal ou do Gradual, mas podendo ser outra). Já o Glória não é uma cerimônia que comporta uma música para acompanhar: é uma cerimônia em si mesma, que pode ser rezada ou cantada.

O Glória é uma cerimônia da Missa, uma parte do Ordinário da Missa. Na Comunhão, por exemplo, faz-se a cerimônia da Comunhão, e uma música pode acompanhar. O Glória não. A cerimônia do Glória é tão somente o recitar ou cantar do texto.

Por isso, senhor padre, não mutile a Missa, acrescentando "músicas de glória", com letras estranhas ao que diz o Missal.

A letra do Glória, em português, é a seguinte:

Glória a Deus nas alturas
e paz na terra aos homens por Ele amados.

Senhor Deus, Rei dos céus, Deus Pai todo-poderoso:
nós Vos louvamos,
nós Vos bendizemos,
nós Vos adoramos,
nós Vos glorificamos,
nós Vos damos graças,
por vossa imensa glória.

Senhor Jesus Cristo, Filho Unigénito,
Senhor Deus, Cordeiro de Deus, Filho de Deus Pai:
Vós que tirais o pecado do mundo, tende piedade de nós;
Vós que tirais o pecado do mundo, acolhei a nossa súplica;
Vós que estais à direita do Pai, tende piedade de nós.

Só Vós sois o Santo;
só Vós, o Senhor;
só Vós, o Altíssimo, Jesus Cristo;
com o Espírito Santo na glória de Deus Pai.

Amém.

Esse é o Glória original, o único permitido. Qualquer outro texto, por mais bonito, mais piedoso, mais ortodoxo que seja, é um Glória "pirata".
blog comments powered by Disqus
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...