Manchetes

Nosso Parceiro

sexta-feira, 13 de maio de 2011

O ano litúrgico copta

Tirado do site do Instituto dos Filhos e Filhas Misericordiosos da Cruz, congregação religiosa melquita:

O ano é calculado de acordo com o “Era dos Mártires”, datado em 29 de agosto 284 d.C., o início do reinado de Diocleciano, o grande perseguidor dos cristãos. As datas abaixo são apresentadas de acordo com o calendário gregoriano. Em anos bissextos um dia deve ser acrescentado entre 12 setembro e 29 fevereiro.

Os 365 dias do ano são divididos em 13 meses: 12 meses de 30 dias e ao fim um mês de 5 dias (6 no ano bissexto).

Os 13 meses são:

Thôout (Tût árabe) 11 setembro-10 outubro

Paopi (Bâbah) 11 outubro-9 novembro

Athôr (Hâtûr) 10 novembro-9 dezembro

Khoiak (Kîhah) 10 dezembro-8 janeiro

Tôbi (Tûbah) 9 janeiro-8 fevereiro

Mekhir (Amshîr) 9 fevereiro-9 março

Pharnenôth (Baramhât) 10 março-8 abril

Parmouthi (Baramûdah) 9 abril-8 maio

Pakhôn (Bashuns) 9 maio-7 junho

Paôni (Baû'ûnah) 8 junho-7 julho

Epêp (Abîb) 8 julho-6 agosto

Mesori (Misrâ) 7 agosto-5 setembro

Enabot de Pikoudi (Khamsat Ayâm um-Nasî) 6 setembro-10 setembro

image

Padre católico de rito copta

1. As três estações

Há três estações que dependem, como o ritmo inteiro da vida agrícola no Egito, na inundação do Vale do Nilo. Na liturgia copta há orações próprias para estas estações, por uma abundância de água no Nilo, pela fertilidade da terra, e pelas colheitas.

Inundação (nîlî- Nilo), um período de 123 ou 124 dias, de 12 Paôni até 9 Paopi (19 junho a 19 outubro).

Semeando (shetwî-inverno), 91 dias de 10 Paopi até 10 Tôbi (20 outubro a 18 janeiro).

Atmosfera e frutos da terra (sêfi-verão), tempo de colheita, 151 dias de 11 Tôbi até 11 Paôni (19 janeiro a 18 junho).

2. A semana

A semana copta tem sete dias: começa em segunda-feira e termina no domingo.

O dia litúrgico começa ao pôr-do-sol, assim “o domingo pela noite” é o que precede domingo, quer dizer, nossa noite de sábado.

Os dias da semana são divididos em dois grupos:

Adão: de domingo a terça-feira

Watos: de quarta-feira a sábado

Esta divisão é o resultado dos cantos litúrgicos usados nestes dias. Os nomes Adão e Watos são as primeiras palavras do “Theotokía”[2] de segunda-feira e de quinta-feira.

Sábado e domingo têm rubricas especiais e, com exceção de sábado Santo, nunca é dia jejum.

3. Jejuns

Quarta-feira e sexta-feira jejuando é observado ao longo do ano exclua durante o período de Pentecostes e sempre que o Natal e a Epifania caem acesa desses dias.

Na Igreja cóptica, a liturgia Eucarística é normalmente diariamente até mesmo célebre durante períodos de jejuar.

Os seis períodos de jejum são:

Natal, durante 43 dias, de 25 novembro a 6 janeiro

Jonas ou Nínive, durante 3 dias, de segunda-feira a quarta-feira da 10ª semana antes de Páscoa.

Heráclios, de segunda-feira a sábado da 8ª semana antes de Páscoa

Quaresma, durante 7 semanas, como para os bizantinos

Os Apóstolos, um período variável de entre 15 e 49 dias, da segunda-feira depois de Pentecostes até 12 julho (= 29 junho no calendário gregoriano), a festa dos Santos Pedro e Paulo.

A Dormição, 15 dias, de 7 a 22 agosto (25 julho a 9 agosto no calendário gregoriano).

image

Patriarca de Alexandria e Toda a África dos Coptas Católicos, S. Beatitude, Antonio Naguib

4. Ciclo Móvel

Jejum de Jonas, de segunda-feira à quarta-feira da 10ª semana antes de Páscoa, quando o livro inteiro de Jonas é lido durante o Ofício matutino de Incenso. Na quinta-feira, “a Páscoa de Jonas” é celebrada.

Jejum de Heráclios, o jejum Pre-quaresmal, a semana antes da própria Quaresma.

Quaresma, 40 dias, de segunda-feira após o 7º domingo antes de Páscoa (como para os bizantinos) até e incluindo a sexta-feira de Qandil', chamado de “Sigilo do Jejum” (sexta-feira antes do sábado de Lázaro).

Durante a Quaresma, são permitidas somente duas festas:

A Festa da Cruz, dia 10 de Phamenoth (19 março = 6 março no calendário gregoriano)

A Festa da Proclamação, dia 29 de Phamenoth (7 abril = 25 março no calendário gregoriano)

O 5º ou 6º domingo de Quaresma é chamado “dos Batismos” e onde os mesmos são celebrados.

Na sexta-feira de Qandil, marcando o fim da Quaresma, todo fiel recebe a Unção dos Enfermos. O rito deve ser celebrado por sete sacerdotes.

Sábado de Lázaro.

Domingo de ramos e procissão, (que acontece na igreja durante o Ofício Matutino de Incenso). Durante a liturgia eucarística há uma segunda procissão aos quatro pontos cardeais da igreja onde as quatro versões do Evangelho da Entrada em Jerusalém são proclamadas (Mt 21:1-17; Mc 11:1-11; Lc18:29-48; Jo 17:12-19). Após a liturgia, as ‘exéquias’ são celebradas por todos os que morrerão durante a Semana Santa, quando são proibidos os funerais.

Semana santa, chamada “Semana da Paixão” pelos coptas. O ritual Pascal desta semana inclui 5 “Horas”, isso é 5 ofícios noturnos e como muitos ofícios diários, com:

Leituras do Antigo Testamento

Leituras Patrísticas

O hino: “A Vós o Poder”

Um salmo

O Evangelho

Tarh (hino comentando o Evangelho)

Ladainha

Elevação da Cruz com o Kyrie eleison cantado trinta e seis vezes

Durante a semana todos os quatro Evangelhos são lidos.

Nos primeiros 3 dias não há nenhuma celebração Eucarística, mas uma vez na terça-feira faz-se o lava-pés e a Liturgia dos Pré-Santificados.

Temas das leituras da Semana Santa:

Segunda-feira: o anúncio da Paixão; a árvore de figo estéril; a expulsão dos vendedores do Templo.

Terça-feira: o discurso escatólgico de Mt 24-25.

Quarta-feira: chamado “o Dia de Trabalho”: os Evangelhos “dos perfumes”. Os perfumes para a Sexta-feira santa são preparados.

Quinta-feira da Aliança: O Ofício da Nona Hora - bênção da água, o lava-pés e a Eucaristia.

Grande sexta-feira: durante as horas noturnas o discurso final de Cristo após a Última Ceia (Jo) e a Paixão de acordo com os quatro Evangelhos é lida. Durante o dia existem “as Grandes Horas” com os Evangelhos da Paixão, a procissão até o túmulo à décima segunda hora, e a distribuição de uma mistura de vinagre e mirra.

Sábado de Alegria: Vigília da sexta-feira pela noite antes do túmulo: recitação dos salmos, os cânticos bíblicos completos; Ofício matutino de Incenso, com a leitura do todo o Apocalipse; a Eucaristia.

Domingo de Páscoa/Vigília com leituras

Rito da Ressurreição: abertura da porta do santuário, com a recitação do salmo 23 (24), 7-8, e o “Christós Anésti” (Cristo Ressuscitou!); iluminação da igreja; Eucaristia.

Pela noite, comemoração da primeira aparição de Cristo Ressuscitado.

Segunda-feira de Páscoa: Shamn en-Nessin (“Respirando a Brisa”), festa da Fonte.

- Período de Pentecostes:

Nenhum jejum previsto

Procissão com o ícone da Ressurreição em cada liturgia

Os ritos de exéquias neste período não têm nenhuma expressão de aflição ou tristeza.

Quinta-feira dos Quarenta Dias: a Ascensão.

Pentecostes, com o rito de Genuflexão pela noite.

- Jejum dos Apóstolos, da noite de Pentecostes até a festa dos Santos Apóstolos.

- Festas dos Santos Apóstolos (12 julho = 29 junho no calendário gregoriano) que coincide com a inundação do Nilo; benção da água e lava-pés.

image

Divina Liturgia em rito copta

5. banquetes fixos, de acordo com várias categorias.

- Festas do Senhor:

a) As 7 festas principais: a Anunciação, Natal, a Epifania, domingo de Ramos, Páscoa, Ascensão, Pentecostes,.

b) As 7 secundárias: Circuncisão, o Primeiro Milagre em Caná (21 janeiro), a Apresentação, Quinta-feira Santa, S. Tomé, fuga para o Egito (1 junho), a Transfiguração.

c) Festas da Mãe de Deus: Natividade, Apresentação, Dormição (29 janeiro), Assunção, Consagração da Igreja da Mãe de Deus em Filipos (28 junho).

- Festas dos Santos: Nairuz (“Novo Dia”), Ano novo (1 Thôout = 11 setembro) e a festa dos Mártires; as duas festas da Cruz: a ‘Invenção’ no dia 14/27 setembro e a de 6/19 março que desde os tempos antigos derivam da festa da Inundação do Nilo; S. Marcos, S. Miguel Arcanjo, Santos Pedro e Paulo, a Decapitação de João Batista e a festa patronal da igreja.

Todos os outros dias de festa são comemorações simples.

Reflexões - A alternação de períodos freqüentes de jejum e penitência, o aspecto penitencial dos ritos de Incenso e a alegre ênfase no mistério do Natal-Teofania durante o mês de Khoiak, junto com os temas pascais comum a todas as tradições, oferece amplo material para desenvolver os temas do Jubileu no contexto do calendário copta.

blog comments powered by Disqus
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...