Manchetes

Nosso Parceiro

quinta-feira, 31 de maio de 2012

Visitação de Nossa Senhora - Pe. Francisco F. Carvajal

View Comments

A festa de hoje, instituída por Urbano VI em 1389, situa-se entre a Anunciação do Senhor e o nascimento de João Batista, de acordo com o relato evangélico. Comemora-se a visita de Nossa Senhora à sua prima Santa Isabel, já avançada em idade, para ajudá-la na esperança da sua maternidade, e ao mesmo tempo para partilhar com ela o júbilo das maravilhas realizadas por Deus em ambas. Esta festa da Virgem, com a qual terminamos o mês que lhe é dedicado, manifesta-nos a sua ação medianeira, o seu espírito de serviço e a sua profunda humildade. Ensina-nos a levar a alegria cristã aos lugares aonde vamos. Como Maria, temos de ser causa de alegria para os outros.
I. VINDE E ESCUTAI, todos os que temeis a Deus, e eu vos contarei as maravilhas que o Senhor fez em mim1, lemos na Antífona de entrada da Missa.
Pouco depois da Anunciação, Nossa Senhora foi visitar sua prima Isabel, que vivia na região montanhosa da Judéia, a quatro ou cinco dias de caminho. Naqueles dias – diz São Lucas –, Maria levantou-se e foi com presteza à montanha, a uma cidade de Judá2. A Virgem, ao conhecer por meio do Anjo o estado de Isabel, apressa-se a ir ajudá-la nas lides da casa. Ninguém a obriga; Deus, através do Anjo, não lhe exigira nada nesse sentido, e Isabel não lhe solicitara ajuda. Maria poderia ter permanecido na sua própria casa, para preparar a chegada do seu Filho, o Messias. Mas põe-se a caminho cum festinatione, com alegre prontidão, para prestar os seus singelos serviços à sua prima3.

Nós acompanhamo-la por aqueles caminhos nestes momentos de oração e dizemos-lhe com as palavras que lemos na primeira Leitura da Missa: Entoa cânticos de louvor, filha de Sião, alegra-te e exulta de todo o coração, filha de Jerusalém [...]. O Senhor, que é o rei de Israel, está no meio de ti [...]. Ele se regozijará em ti com júbilo eterno4.
É fácil imaginar a imensa alegria que dominava a nossa Mãe desde o dia da Anunciação, e o grande desejo que teria de comunicá-la. Por outro lado, o anjo dissera-lhe: Eis que Isabel, tua prima, também concebeu um filho..., e, segundo esse testemunho expresso, tratava-se de uma concepção prodigiosa, relacionada de algum modo com o Messias que estava para vir5.
Nossa Senhora entrou em casa de Zacarias e saudou sua prima. E aconteceu que, quando Isabel ouviu a saudação de Maria, a criança saltou no seu seio, e Isabel ficou repleta do Espírito Santo. Toda a casa se transformou pela presença de Jesus e de Maria. A saudação da Virgem “foi eficaz porquanto cumulou Isabel do Espírito Santo. Com as suas palavras, mediante a profecia, Maria fez brotar na sua prima, como de uma fonte, um rio de dons divinos [...]. Com efeito, onde quer que esteja a cheia de graça, tudo fica repleto de alegria”6. É um prodígio que Jesus realiza por meio de Maria, dAquela que esteve associada desde os começos à Redenção e à alegria que Cristo traz ao mundo.
A festa de hoje apresenta-nos uma faceta da vida interior de Maria: a sua atitude de serviço humilde e de amor desinteressado pelos que se encontram em necessidade7, uma atitude que se traduz numa maravilhosa sementeira de alegria. Maria convida-nos sempre à entrega pronta, alegre e simples aos outros. Mas isto só será possível se nos mantivermos muito unidos ao Senhor, trazendo-o dentro de nós pelo estado de graça e pelo espírito de oração: “A união com Deus, a vida sobrenatural, comporta sempre a prática atraente das virtudes humanas: Maria leva a alegria ao lar de sua prima, porque «leva» Cristo”8. Nós «levamos» Cristo conosco, e com Ele a alegria, aos lugares onde vamos..., ao trabalho, aos vizinhos, a um doente...? Somos habitualmente causa de alegria para os outros?
II. À CHEGADA DE NOSSA SENHORA, Isabel, repleta do Espírito Santo, proclama em voz alta: Bendita és tu entre as mulheres, e bendito é o fruto do teu ventre! De onde a mim esta dita, que venha a Mãe do meu Senhor visitar-me? Porque assim que a voz da tua saudação chegou aos meus ouvidos, a criança saltou de alegria no meu ventre.
Isabel não se limita a chamá-la bendita, mas relaciona o seu louvor com o fruto do ventre de Maria, que é bendito pelos séculos. Maria e Jesus estarão sempre juntos. Os momentos mais prodigiosos da vida de Jesus transcorrerão – como neste caso – em íntima união com a sua Mãe, Medianeira de todas as graças: “Esta união entre Mãe e Filho na obra da Salvação – diz o Concílio Vaticano II – manifesta-se desde o tempo da conceição virginal de Cristo até a sua morte”9.
Devemos aprender hoje, uma vez mais, que cada encontro com Maria representa um novo encontro com Jesus. “Se procurarmos Maria, encontraremos Jesus. E aprenderemos a entender um pouco do que há no coração de um Deus que se aniquila [...]”10, que se torna acessível no meio da simplicidade dos dias correntes de uma cena doméstica como a visita de Maria à sua prima Santa Isabel.
Lembremo-nos, porém, de que esse dom imenso – podermos conhecer e amar a Cristo – teve o seu começo na fé de Santa Maria:Bem-aventurada a que acreditou, diz Isabel a Maria. “A plenitude de graça, anunciada pelo anjo, significa o dom do próprio Deus; a fé de Maria, proclamada por Isabel na Visitação, significa que a Virgem de Nazaré correspondeu a esse dom”11.
Manter a fé, robustecê-la no meio da vida diária, não é fácil. Tudo parece tão banal ou tão necessário, tão dependente dos nossos esforços ou de leis meramente naturais, que tendemos a perder de vista que é Deus quem produz em nós o querer e o agir12Sem mim, nada podeis fazer13, disse-nos o Senhor: nada. O nosso Deus é umDeus escondido14, que prefere atuar por meio de causas segundas. Seremos tão insensatos – e tão infelizes – que não descubramos a sua mão amorosa, os seus desígnios eternos, tanto nos eventos mais clamorosos como no suceder “mecânico” das horas de trabalho, da vida familiar? Para um homem de fé, para uma mulher de fé, tudo é Providência.
III. O CLIMA QUE RODEIA e empapa o episódio da Visitação é de alegria; o mistério da Visitação é um mistério jubiloso. João Batista exulta de alegria no seio de Santa Isabel; Isabel, cheia de alegria pelo dom da maternidade, prorrompe em aclamações ao Senhor; e, enfim, Maria eleva aos céus o Magnificat, um hino transbordante de alegria messiânica15. O Magnificat é “o cântico dos tempos messiânicos, onde confluem a alegria do antigo e do novo Israel”16. E é a manifestação mais pura do segredo íntimo da Virgem, que lhe fora revelado pelo anjo. Não há nele rebuscamento nem artificialismo: é o espelho da alma de Nossa Senhora, uma alma cheia de grandeza e tão próxima do seu Criador: A minha alma glorifica o Senhor, e o meu espírito rejubila em Deus, meu Salvador.
E com este canto de alegria humilde, a Virgem deixou-nos uma profecia: Eis que desde agora me chamarão bem-aventurada todas as gerações. “Desde remotíssimos tempos a Bem-aventurada Virgem é venerada sob o título de Mãe de Deus, sob cuja proteção os fiéis se refugiam súplices em todos os seus perigos e necessidades. Por isso, sobretudo a partir do Concílio de Éfeso, o culto do povo de Deus a Maria cresceu maravilhosamente em veneração e amor, em invocações e desejos de imitação, de acordo com as suas próprias palavras proféticas: Eis que me chamarão bem-aventurada todas as gerações, porque fez em mim grandes coisas aquele que é Todo-Poderoso17.
A nossa Mãe Santa Maria não se distinguiu por nenhum feito prodigioso; o Evangelho não nos dá a conhecer nenhum milagre que tenha realizado enquanto esteve na terra; poucas, muito poucas são as palavras que dEla nos conservou o texto inspirado. A sua vida aos olhos dos outros foi a de uma mulher corrente, que devia levar adiante a sua família. No entanto, a profecia cumpriu-se fielmente. Quem pode contar os louvores, as invocações, as oferendas e os santuários em sua honra, as devoções marianas...? Ao longo de vinte séculos, chamaram-na bem-aventurada pessoas de todo o gênero e condição: intelectuais e gente que não sabia ler, reis, guerreiros, artesãos, pessoas de idade avançada e crianças que começavam a balbuciar... Nós estamos cumprindo agora aquela profecia. Ave Maria, cheia de graça [...], bendita sois vós entre as mulheres..., dizemos-lhe na intimidade do nosso coração.
De modo particular, tivemos ocasião de invocá-la ao longo dos dias deste mês de maio, “mas o mês de maio não pode terminar; deve continuar na nossa vida, porque a veneração, o amor, a devoção à Virgem não podem desaparecer do nosso coração, e, além disso, devem crescer e manifestar-se num testemunho de vida cristã, modelada conforme o exemplo de Maria, o nome da formosa flor que sempre invoco, manhã e tarde, como canta Dante Alighieri (Paraíso 23, 88)”18.
Pelo trato íntimo com Maria, descobrimos Jesus. “Como seria o olhar alegre de Jesus! O mesmo que brilharia nos olhos de sua Mãe, que não pode conter a alegria – «Magnificat anima mea Dominum!» –, e a sua alma glorifica o Senhor desde que o traz dentro de si e a seu lado. – Ó Mãe! Que a nossa alegria, como a tua, seja a alegria de estar com Ele e de o possuir”19.
(1) Sl 65, 16; Antífona de entrada da Missa de 31 de maio; (2) Lc 1, 39-59; (3) cfr. M. D. Philippe, Misterio de Maria, pág. 142; (4) Sof 3, 14.17-18; (5) cfr. F. M. Willam,Vida de Maria, pág. 85; (6) Pseudo-Gregório Taumaturgo, Homilia II sobre a Anunciação; (7) João Paulo II, Homilia, 31-V-1979; (8) Josemaría Escrivá, Sulco, n. 566; (9) Conc. Vat. II, Const. Lumen gentium, 57-58; (10) Josemaría Escrivá, É Cristo que passa, n. 144; (11) João Paulo II, Enc. Redemptoris Mater, 25-III-1987, 12; (12) Fil 2, 13; (13) Jo 15, 5; (14) Is 45, 15; (15) cfr. id.,Homilia, 31-V-1979; (16) Paulo VI, Exort. Apost. Marialis cultus, 2-II-1974, 18; (17) Conc. Vat. II, Const. Lumen gentium, 66; (18) João Paulo II, Homilia, 25-V-1979; (19) Josemaría Escrivá, Sulco, n. 95.

Pe. Jacson, amigo do Salvem, é nomeado cônego em Frederico Westphalen, RS

View Comments
Dom Antonio Keller nos manda mensagem e fotos:

No último dia 13 de maio, na Catedral Santo Antonio, de Frederico Westphalen (RS), o Revmo. Pe. Jacson Rodrigo Pinheiro, do presbitério da Diocese, recebeu, de minhas mãos o título de Cônego Honorário do Capítulo da Catedral.

Cônego Jacson é Pároco de Seberi, Chanceler do Bispado, Diretor Espiritual do Seminário Maior, Juiz Auditor da Câmara Eclesiástica e também Diretor Espiritual do Cursilho de Cristandade e do Movimento Emaús.

Todos temos uma grande estima pelo mais novo Cônego da Diocese, por sua dedicação, profundo senso eclesial e por ser sempre um bom amigo de todos.

Desejo ao Cônego Jacson toda a alegria e paz no Senhor, agradecendo muito sua presença tão dedicada em nossa Diocese.

Dom Antonio Carlos Rossi Keller
Bispo de Frederico Westphalen








quarta-feira, 30 de maio de 2012

Cadê o espírito da liturgia?

View Comments

É notório que existe atualmente na Igreja um forte clamor pela retomada da estética. Entretanto, como já nos ensina o Santo Padre, esta busca não deve se transformar no esteticismo vazio, mas, isto sim, tem que ser consequência de algo anterior, da intimidade com Deus e da busca sincera pela vivência coerente da fé cristã.

Entretanto, também é notório que muitos se satisfazem nas rendas e nos brocados ou já consideram batalha ganha se os seminaristas usam batina. Contudo, a preocupação de Bento XVI se encontra muito mais na evangelização da cultura e na reflexão a respeito da crise da modernidade. Porém, em perfeita sintonia com o seu projeto, o Sumo Pontífice, em suas cerimônias, procura colocar em prática aquilo que já destacara em obras como “Introdução ao Espírito da Liturgia.”

Como o próprio título do livro do então Cardeal Ratzinger nos mostra, a liturgia tem um espírito, e certamente este não se encontra na vazia percepção horizontal. Reduzir a “reforma da reforma”, como alguns gostam de chamar o novo movimento litúrgico, ao uso de casula romana ou alva com renda de frivolité é, simplesmente, incidir no mesmíssimo erro tão comum nas décadas de 70 e 80. O esvaziamento do mistério pode ser feito tanto de túnica, estola e atabaque como com brocados, batinas e latim.

Deste modo, é mais do que urgente fortalecer as mais diversas frentes. Assim, se é necessário que a Igreja esteja refletindo sobre a cultura, também é importante que haja outros empenhados na defesa da liturgia. Entretanto, que todos saibam pelo que estão lutando e porque estão batalhando. Não há espaço para simplismos e idealizações românticas. Não se pode confundir tradição com uso de batina ou casula romana. Pode ser, porém, que o uso de batinas, rendas, brocados ou qualquer coisa do gênero seja uma faceta da tradição, mas seria extremamente inocente de nossa parte cantar odes de alegria ao se deparar com um sacerdote trajado com o seu hábito talar ou portando um barrete na Santa Missa. Preocupemos-nos primeiro com a coerência de vida e a com a busca sincera da santidade, o resto, sim, o resto, é consequência e fruto.

II Encontro Consagra-te! Em Cuiabá

View Comments




Dispomos de alojamento, para quem vem de fora, tratando com antecedência pelo email: alojamento@consagrate.com

Mais informações: Consagra-te!



Forme sua caravana!



terça-feira, 29 de maio de 2012

Arcebispo de Goiânia chama à fidelidade litúrgica e proíbe "orações de cura" durante a Missa

View Comments

Do site da CNBB:

Arcebispo de Goiânia não permite inserção de"orações de cura" na Missa  
O arcebispo de Goiânia (GO), Dom Washington Cruz, assinou decreto, no início de abril último, não permitindo a inserção de "orações de cura" durante a celebração da missa. O arcebispo lembra, no Decreto, que as orações de cura litúrgicas se celebrem segundo o rito prescrito e com as vestes sagradas indicadas no Ordo benedictionis infirmorum do Rituale Romanum.
Dom Washington Cruz
Veja a íntegra do Decreto:
Considerando 
• a Instr. Ardens felicitatis, da Congregação para a Doutrina da Fé (14 de setembro de 2000), na qual se afirma que «a própria Igreja na sua liturgia pede ao Senhor pela saúde dos enfermos» (n. 2); 
• o documento n. 53 da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (27 de novembro de 1994), no qual se estabeleceu que «Nas celebrações, observe-se a legislação litúrgica [ ..] Não se introduzam elementos estranhos à tradição litúrgica da Igreja ou que estejam em desacordo com o que estabelece o Magistério ou aquilo que é exigido pela própria índole da celebração» (n. 40); 
• a competência do Bispo diocesano de «dar normas relativas à liturgia, às quais todos são obrigados» (cân. 838, § 4),

DECRETA 
- que as orações de cura litúrgicas se celebrem segundo o rito prescrito e com as vestes sagradas indicadas no Ordo benedictionis infirmorum do Rituale Romanum;
- que o uso de instrumentos de comunicação social, durante as orações de cura, tanto litúrgicas como não litúrgicas, seja submetido à vigilância do Bispo, conforme o cân. 823; 
- que não se insiram orações de cura, litúrgicas ou não litúrgicas, na celebração da Santíssima Eucaristia, dos Sacramentos e da Liturgia das Horas. 
Consciente que "A intervenção da autoridade do Bispo diocesano é obrigatória e necessária, quando se verificarem abusos nas celebrações de cura, litúrgicas ou não litúrgicas, em caso de evidente escândalo para a comunidade dos fiéis ou quando houver grave inobservância das normas litúrgicas e disciplinares» (art. 10, Instr. Ardens felicitatis), estabelece que o presente decreto seja publicado e notificado no território da Arquidiocese. 
Dado em Goiânia, na sede da Cúria Metropolitana, aos 05 dias do mês de abril de 2012. 
Dom Washington Cruz
Arcebispo Metropolitano de Goiânia
**

Que mais e mais bispos possam, como nossos pastores que são, repetir esta bela atitude de Dom Washington. Vivemos num tempo em que se tornou comum ouvir falar de "missa de cura", "missa disso" e "missa daquilo". Mas a Santa Missa não é entretenimento, e o centro da Liturgia deve ser Cristo. Essa corrida pela "(pseudo-)criatividade" litúrgica já levou a que padres disputem fiéis um com o outro. Isso é um fato!

Cristo deve voltar a ser o centro e, para que isso aconteça de forma mais eficaz, precisamos mortificar nossa vontade de atrair os fiéis de outras formas que não pelo próprio Cristo presente no Santo Sacrifício da Missa. Basta que sirvamos a Igreja como ela quer ser servida!

segunda-feira, 28 de maio de 2012

Padres e Seminaristas da FSSPX – “Um reconhecimento é desejável”

View Comments

Do blog da Una Voce Brasil:

 

O canal de comunicação da Conferência Episcopal dos Estados Unidos lançou recentemente um pequeno vídeo no portal “Youtube” com as palavras do Superior Geral da Fraternidade Sacerdotal São Pio X, Dom Bernard Fellay, onde ele expõe suas considerações sobre Roma, sobre um reconhecimento e uma regularização canônica por parte da Santa Sé e sobre a fraternidade em si. Nesse mesmo vídeo o bispo deixa claro que o movimento vem do Papa Bento XVI e apenas deles, o que nos faz subentender que há dentro do próprio círculo próximo do Papa pessoas que não querem a FSSPX endossadas por Roma.

Ontem, entretanto, o mesmo canal da Conferência Episcopal lançou dois pequenos vídeos. No primeiro temos novamente Dom Fellay, sendo uma pequena continuação do vídeo anterior. Este vídeo mostra que o Superior Geral está consciente do perigo de divisão interna na fraternidade. O segundo vídeo mostra seminaristas de Écône (Suíça) – o primeiro seminário fundado pelo arcebispo Marcel Lefebvre – e padres professores do mesmo seminário dando suas considerações. Neste segundo vídeo vemos que o coração da Fraternidade (Écône) não foi abalado pela divisão e deseja sim um reconhecimento da parte da Santa Sé, que seria uma espécie de satisfação da justiça, uma vez que estes padres foram tratados com extrema hostilidade nessas duas décadas.

A Una Voce Brasil, procurando apresentar informações aos seus membros e leitores, colocou o mais rápido possível estes dois novos vídeos em seu Canal do Youtube (http://www.youtube.com/user/unavocebrasil), traduzidos e legendados para que todos os brasileiros tenham a oportunidade de acompanhar as importantes declarações dos mesmos, já que nenhum conteúdo com mesma qualidade é produzido originalmente em língua portuguesa.

Parte II — Dom Fellay, Roma e divisões internas

 

Seminaristas e Padres falam sobre um reconhecimento da Fraternidade

domingo, 27 de maio de 2012

A Vinda do Espírito Santo - Pe. Francisco F. Carvajal

View Comments
 O AMOR DE DEUS foi derramado em nossos corações pelo Espírito Santo que habita em nós. Aleluia1.
Pentecostes era uma das três grandes festas judaicas; muitos israelitas iam nesses dias em peregrinação a Jerusalém, para adorar a Deus no Templo. A origem da festa remontava a uma antiquíssima celebração em que se davam graças a Deus pela safra do ano, em vésperas de ser colhida. Depois acrescentou-se a essa comemoração, que se celebrava cinqüenta dias depois da Páscoa, a da promulgação da Lei dada por Deus no monte Sinai. Por desígnio divino, a colheita material que os judeus festejavam com tanto júbilo converteu-se, na Nova Aliança, numa festa de imensa alegria: a vinda do Espírito Santo com todos os seus dons e frutos.
Quando chegou o dia de Pentecostes, estavam todos juntos num mesmo lugar. E sobreveio de repente um ruído do céu, como de um vento impetuoso, que encheu toda a casa em que se encontravam2. O Espírito Santo manifestou-se por meio dos elementos que costumavam acompanhar a presença de Deus no Antigo Testamento: o vento e o fogo3.
fogo aparece na Sagrada Escritura como imagem do amor que penetra todas as coisas e como elemento purificador4. É uma imagem que nos ajuda a compreender melhor a ação que o Espírito Santo realiza nas almas: Ure igne Sancti Spiritus renes nostros et cor nostrum, Domine... Purificai, Senhor, com o fogo do Espírito Santo as nossas entranhas e o nosso coração...
O fogo também produz luz, e significa o novo resplendorcom que o Espírito Santo faz compreender a doutrina de Jesus Cristo. Quando vier o Espírito de verdade, guiar-vos-á para a verdade completa... Ele me glorificará, porque tomará do que é meu e vo-lo dará a conhecer5. Numa ocasião anterior, Jesus havia comunicado aos seus: O Advogado, o Espírito Santo... vos ensinará tudo e vos trará à memória tudo quanto eu vos disse6. É Ele quem nos conduz à plenacompreensão da verdade ensinada por Cristo: “Tendo enviado finalmente o Espírito de verdade, completou, culminou e confirmou a revelação com o testemunho divino”7.
No Antigo Testamento, a obra do Espírito Santo é freqüentemente sugerida pela palavra “sopro”, a fim de exprimir ao mesmo tempo a delicadeza e a força do amor divino. Não há nada mais sutil que o vento, que penetra por toda a parte, que parece até percorrer os corpos inanimados e dar-lhes vida própria. O vento impetuosodo dia de Pentecostes exprime a nova força com que o Amor divino irrompe na Igreja e nas almas.
São Pedro, diante da multidão de pessoas que se encontravam nas imediações do Cenáculo, fez-lhes ver que se estava cumprindo o que fora anunciado pelos Profetas8E sucederá nos últimos dias, diz Deus, que derramarei o meu Espírito sobre toda a carne...9 Os que receberem a efusão do Espírito não serão já uns poucos privilegiados, como os companheiros de Moisés10, ou como os Profetas, mas todos os homens, na medida em que se abrirem a Cristo11. A ação do Espírito Santo deve ter produzido tal assombro nos discípulos e nos que os escutavam que todos estavam fora de si, cheios de amor e de alegria.
II. A VINDA DO ESPÍRITO SANTO no dia de Pentecostes não foium acontecimento isolado na vida da Igreja. O Paráclito san-tifica-a continuamente, como também santifica cada alma, através das inúmeras inspirações que se escondem em “todos os atrativos, movimentos, censuras e remorsos interiores, luzes e conhecimentos que Deus produz em nós, prevenindo o nosso coração com as suas bênçãos, pelo seu cuidado e amor paternal, a fim de nos despertar, mover, estimular e atrair para as santas virtudes, para o amor celestial, para as boas resoluções, para tudo aquilo que, numa palavra, nosconduz à nossa vida eterna”12. A sua ação na alma é “suave e aprazível [...]; Ele vem salvar, curar, iluminar”13.
No dia de Pentecostes, os Apóstolos foram robustecidos na sua missão de testemunhas de Jesus, a fim de anunciarem a Boa Nova a todos os povos. Mas não somente eles: todos os que crerem nEle terão o doce dever de anunciar que Cristo morreu e ressuscitou para nossa salvação. E sucederá nos últimos dias, diz Deus, que derramarei o meu Espírito sobre toda a carne, e profetizarão os vossos filhos e as vossas filhas, e os vossos jovens verão visões, e os vossos anciãos sonharão sonhos. E sobre os meus servos e sobre as minhas servas derramarei o meu Espírito naqueles dias, e eles profetizarão14. Assim pregou São Pedro na manhã de Pentecostes, que inaugurava a época dos últimos dias, os dias em que o Espírito Santo foi derramado de uma maneira nova sobre aqueles que crêem que Jesus é o Filho de Deus e põem em prática a sua doutrina.
Todos os cristãos têm desde então a missão de anunciar, de cantar as magnalia Dei15, as maravilhas que Deus fez no seu Filho e em todos aqueles que crêem nEle. Somos agora um povo santo para publicar as grandezas dAquele que nos transferiu das trevas para a sua luz admirável16.
Ao compreendermos a grandeza da nossa missão, compreendemos também que ela depende da nossa correspondência às moções do Espírito Santo, e sentimo-nos necessitados de pedir-lhe freqüentemente que lave o que está manchado, regue o que está seco, cure o que está doente, acenda o que está morno, retifique o que está torcido17. Porque sabemos bem que no nosso interior há manchas, e partes que não dão todo o fruto que deveriam porque estão secas, e partes doentes, e tibieza, e também pequenos desvios, que é necessário retificar.
III. PARA SERMOS MAIS FIÉIS às constantes moções e inspirações do Espírito Santo na nossa alma, “podemos atentar para três realidades fundamentais: docilidade [...], vida de oração e união com a Cruz.
Em primeiro lugar, docilidade, “porque é o Espírito Santo quem, com suas inspirações, vai dando tom sobrenatural aos nossos pensamentos, desejos e obras. É Ele quem nos impele a aderir à doutrina de Cristo e a assimilá-la com profundidade; quem nos dá luz para tomarmos consciência da nossa vocação pessoal e força para realizarmos tudo o que Deus espera de nós”18.
O Paráclito atua sem cessar na nossa alma: não dizemosuma só jaculatória se o Espírito Santo não nos move a dizê—la19, como nos mostra São Paulo na segunda leitura da Missa. Ele está presente e inspira-nos quando lemos o Evangelho, quando oramos, quando descobrimos uma luz nova num conselho recebido, quando meditamos uma verdade de fé que talvez já tivéssemos considerado antes muitas vezes. Percebemos que essa luz não depende da nossa vontade. Não é coisa nossa, mas de Deus. É o Espírito Santo quem nos move suavemente a abeirar-nos do sacramento da Penitência, a levantar o coração a Deus num momento inesperado, a realizar uma boa obra. É Ele quem nos sugere um pequeno sacrifício ou nos faz encontrar a palavra adequada que anima uma pessoa a ser melhor.
Vida de oração, “porque a entrega, a obediência, a man-sidão do cristão nascem do amor e para o amor se orientam.E o amor leva à vida de relação, à conversa assídua [...]. A vida cristã requer um diálogo constante com Deus Uno e Trino, e é a essa intimidade que o Espírito Santo nos con-duz [...]. Acostumemo-nos a procurar o convívio com o Espírito Santo, que é quem nos há de santificar; a confiar nEle, a pedir a sua ajuda, a senti-lo perto de nós. Assim se irá dilatando o nosso pobre coração, teremos mais ânsias de amar a Deus e, por Ele, a todas as criaturas”20.
União com a Cruz, “porque na vida de Cristo, o Calvário precedeu a Ressurreição e o Pentecostes, e esse mesmo processo se deve reproduzir na vida de cada cristão [...]. O Espírito Santo é fruto da Cruz, da entrega total a Deus, da procura exclusiva da sua glória e da completa renúncia a nós mesmos”21.
Podemos terminar a nossa oração fazendo nossas as súplicas contidas no hino que se canta na Seqüência da Missa deste dia de Pentecostes: Vinde, Espírito Santo, e enviai do céu um raio da vossa luz. Vinde, Pai dos pobres; vinde, dador de graças; vinde, luz dos corações. Consolo ótimo, doce hóspede da alma, doce refrigério, vinde! Vós sois descanso no trabalho, na aflição remanso, no pranto consolo. Ó luz santíssima, enchei o mais íntimo do coração dos vossos fiéis [...]. Dai aos vossos fiéis, que em Vós confiam, os vossos sete dons. Dai-lhes o mérito da virtude, dai-lhes o porto da salvação, dai-lhes a eterna alegria22.
Para chegarmos a um convívio mais íntimo com o Espírito Santo, nada tão eficaz como aproximar-nos de Santa Maria, que soube secundar como ninguém as inspirações do Espírito Santo. Os Apóstolos, antes do dia de Pentecostes, perseveravam unânimes na oração, com algumas mulheres e com Maria, a Mãe de Jesus23.
(1) Rom 5, 5; 8, 11; Antífona de entrada da Missa da vigília; (2) At 2, 1-2; (3) cfr. Ex 3, 2; (4) cfr. M. D. Philippe, Mistério de Maria, Rialp, Madrid, 1986, págs. 352-355; (5) cfr. Jo 16, 13-14; (6) Jo 14, 26; (7) Conc. Vat. II, Const. Dei Verbum, 4; (8) Jl 2, 28; (9) At 2, 17; (10) cfr. Num 11, 25; (11) cfr. Jo 7, 39; (12) São Francisco de Sales, Introdução à vida devota, II, 18; (13) São Francisco Sales,Catequese 16 sobre o Espírito Santo, 1; (14) At 2, 17-18; (15) At 2, 11; (16) 1 Pe 2, 9; (17) cfr. Missal Romano, Seqüência da Missa de Pentecostes; (18) Josemaría Escrivá, É Cristo que passa, n. 135; (19) cfr. 1 Cor 12, 3; (20) Josemaría Escrivá, op. cit., n. 136; (21) ib., n. 137; (22) Missal Romano, Seqüência da Missa de Pentecostes; (23) cfr. At 1, 14.

sábado, 26 de maio de 2012

Ex-anglicanos: ordenações diaconais de 17 clérigos do Ordinariato de Nossa Senhora de Walsingham, na Inglaterra

View Comments
Hoje, sábado, 26 de maio, 17 ex-anglicanos foram elevados às ordens sacras, recebendo o diaconato das mãos de D. Alan Hopes na Catedral de Westminster, em Londres.

Os créditos das fotos pertencem ao Ordinariato, que as tornou disponíveis em seu Flickr.

Um dos fatos mais importantes dessa leva de novos diáconos é a ordenação de John Hunwicke,  ex-padre anglicano e um dos maiores conhecedores de liturgia (inclusive rito romano) em língua inglesa, grande incentivador do latim e do versus Deum mesmo na forma ordinária e entusiasta da forma extraordinária e do uso de Sarum.


http://farm8.staticflickr.com/7079/7275789218_bbe8e7274a.jpg

http://farm8.staticflickr.com/7215/7275798866_7fb3e8ebd9.jpg




http://farm8.staticflickr.com/7232/7275822830_360526b0df.jpg









http://farm8.staticflickr.com/7074/7275911536_1a588241d4.jpg














                        

























Igreja dos Arautos do Evangelho é elevada à condição de Basílica

View Comments

A Igreja Nossa Senhora do Rosário, dos Arautos do Evangelho, na Grande São Paulo, foi elevada, pelo Papa Bento XVI, à condição de Basílica Menor. Isso demonstra a confiança do Santo Padre no trabalho dos Arautos e confere mais responsabilidade ao seu apostolado, sobretudo na santificação pelo pulchrum, típico de seu carisma e notório na belíssima igreja.

A novel Basílica de Nossa Senhora do Rosário faz parte do complexo onde ficam a Casa de Formação dos Arautos do Evangelho e o Seminário da Sociedade Virgo Flos Carmeli, o ramo sacerdotal da grande família espiritual.

https://fbcdn-sphotos-a.akamaihd.net/hphotos-ak-ash4/484382_321069844636373_257704297_n.jpg
 
http://africa.blog.arautos.org/files/2012/05/Captura-de-tela-2012-05-25-%C3%A0s-05.46.48.png

http://latine.blog.arautos.org/files/2012/05/15_Arautos_Vida_cotidiana_15_Igreja_VT2_0152-133x200.jpg

15_Arautos_Vida_cotidiana_15_IMG_6137

A Sequência de Pentecostes, Veni Sancte Spiritus

View Comments
Em 2012 a grande Solenidade de Pentecostes cai no dia 27 de Maio, amanhã. São cinqüenta dias depois da Páscoa, durante os quais (sugestivamente mais numerosos que os quarenta da Quaresma) se celebra, especialmente, a Ressurreição de Nosso Senhor Jesus Cristo.

Da Missa de Pentecostes consta uma sequência, gênero de texto litúrgico do qual existem apenas cinco em uso no Rito Romano (um deles apenas na Forma Extraordinária, o Dies irae). A de Pentecostes é o Veni Sancte Spiritus, assunto do nosso texto de hoje.



Mais exatamente falando, o texto de hoje não é nosso, embora sejamos obrigados a lhe apor comentários que gostaríamos menos numerosos, mas que, esperamos, não serão totalmente inúteis para nosso leitor. O autor é D. Dominic Johner, de cujo original alemão se produziu uma tradução inglesa, da qual extraímos nossa versão em português. Apesar do longo caminho lingüístico, não deixamos de aprender com D. Johner, cujas observações enriquecem nosso conhecimento técnico musical, poético e também nossa espiritualidade litúrgica.

A sequência Veni Sancte Spiritus - em português Vinde, Espírito Santo - não pode ser omitida da Missa de Pentecostes (da Missa do Dia, claro; ela não faz parte da Vigília), nem na Forma Ordinária, nem na Forma Extraordinária.

Como sabemos, a sequência vem depois do Alleluia, embora, na Forma Ordinária, em muitos lugares, ainda se adote o costume de colocá-la antes do Alleluia. O Graduale Romanum e a IGMR (Instrução General do Missal Romano) de 2002 são claros em prescrevê-la para depois do Alleluia, único lugar onde faz sentido: o nome "sequência" se refere justamente ao fato de se seguir ao Alleluia, de continuá-lo...

Se a paróquia, ou capela, ou casa religiosa não dispõe de recursos musicais para a execução da sequência de Pentecostes, faça-se com que ela seja lida, com a sobriedade que exige a recitação de todo texto litúrgico.

Na Páscoa da Ressurreição a Igreja nos oferece a grande sequência Victimae Paschali Laudes; em Pentecostes, a igualmente venerável Veni Sancte Spiritus, dotando destes poemas especiais a Liturgia destes dois dias santos e centrais para a fé. Na Forma Extraordinária, ainda durante uma semana se prolonga Pentecostes, nos dias de sua Oitava - dias que tanto gostaríamos de ver reintroduzidos na Forma Ordinária, e cuja extinção foi lamentada pelo próprio papa Paulo VI.

Nas Filipinas, em 2009, Missa de Pentecostes na Forma Extraordinária
Sequência, Evangelho e parte do sermão

Na Forma Extraordinária, durante toda a Oitava de Pentecostes Veni Sancte Spiritus é parte da Missa. Do mesmo modo, também durante a Oitava da Páscoa a sequência Victimae Paschali Laudes se recita ou canta em todas as Missas, obrigatoriamente; na Forma Ordinária, atualmente, ela é facultativa (mas sempre obrigatória no Domingo).

O texto litúrgico oficial em português não é uma tradução literal (ao pé da letra) do original latino, nem poderia ser; trata-se de um poema, e assim é necessário fazer algumas alterações para que em português haja rimas e a métrica seja regular. Mesmo assim, as imagens do original permanecem:
Espírito de Deus, enviai dos céus um raio de luz!
Vinde, Pai dos pobres, dai aos corações vossos sete dons.
Consolo que acalma, hóspede da alma, doce alívio, vinde!
No labor descanso, na aflição remanso, no calor aragem.
Sem a luz que acode, nada o homem pode, nenhum bem há nele.
Ao sujo lavai, ao seco regai, curai o doente.
Dobrai o que é duro, guiai no escuro, o frio aquecei.
Dai à vossa Igreja, que espera e deseja, vossos sete dons
Dai em prêmio ao forte uma santa morte, alegria eterna!
Enchei, luz bendita, chama que crepita, o íntimo de nós!

O texto latino é este:
Veni, Sancte Spiritus,
et emitte caelitus
lucis tuae radium.
Veni, pater pauperum,
veni, dator munerum
veni, lumen cordium.
Consolator optime,
dulcis hospes animae,
dulce refrigerium.
In labore requies,
in aestu temperies
in fletu solatium.
O lux beatissima,
reple cordis intima
tuorum fidelium.
Sine tuo numine,
nihil est in homine,
nihil est innoxium.
Lava quod est sordidum,
riga quod est aridum,
sana quod est saucium.
Flecte quod est rigidum,
fove quod est frigidum,
rege quod est devium.
Da tuis fidelibus,
in te confidentibus,
sacrum septenarium.
Da virtutis meritum,
da salutis exitum,
da perenne gaudium. Amen. Alleluia.

Quem é o autor desta sequência? Quem responde a esta pergunta é D. Johner, no texto que traduzimos aqui:

A sequência se compõe de cinco estrofes duplas, feita cada de uma de três versos espondaicos. De acordo com investigações recentes, sua autoria deve ser atribuída a Stephen Langton, chanceler da Universidade de Paris (+1228). [Nascido em 1150, Stephen Langton foi Arcebispo da Cantuária, em inglês "Canterbury", a sé episcopal que foi católica até o rompimento de Henrique VIII com a Igreja, no século XVI.]
Em seu primeiro verso a primeira estrofe usa o material melódico do segundo Alleluia, sendo, portanto, sua continuação melódica; em conteúdo, é um desenvolvimento da fervorosa súplica do Alleluia. Assim, temos aqui uma Sequentia (continuação) no sentido exato desta palavra. Do fundo de nossa indigência o motivo ascende, é ouvido uma quarta acima no segundo verso, e com uma mudança de intervalo no terceiro verso, apresentando assim uma forma a - a1 - a2. O intervalo de sexta entre o segundo e o terceiro versos é muito raro no cantochão. Surpreendente é, também, o movimento ascendente da última sílaba da palavra no fim do verso. O mesmo ocorre em alguns dos seguintes pares de estrofes.
O primeiro par de estrofes canta o Espírito Santo como fonte de luz e das riquezas da alma:
1a - Espí­rito de Deus, enviai dos céus um raio de luz!

1b - Vinde, Pai dos pobres, dai aos corações vossos sete dons.
O segundo par de estrofes se estabelece na dominante e, com jubilosa confiança, ascende uma oitava acima da tônica. Elas louvam o Espírito Santo como fonte da consolação nas provações e nos sofrimentos. A execução se deve aqui dotar de mais força:
2a - Consolo que acalma, hóspede da alma, doce alívio, vinde!

2b - No labor descanso, na aflição remanso, no calor aragem.


O terceiro par de estrofes se estabelece na oitava, aspecto sem precedente no período clássico de composição de cantochão e difícil de encontrar antes do século XI. Quão animador é este apelo pela luz salvadora! A passagem ddcbcdc, no começo foi tomada, parece, de (in La)-bore requies. No terceiro verso, b[b] a g f corresponde a d c b a do primeiro:
3a - Sem a luz que acode, nada o homem pode, nenhum bem há nele.

3b - Ao sujo lavai, ao seco regai, curai o doente.
Até aqui a Seqüência estava quase continuamente ascendendo e se expandindo. No par subseqüente de estrofes a melodia descreve uma curva e se dota de mais ternura. Uma harmonia graciosa marca as linhas do primeiro e do segundo versos: bab cbagfefgfed.
O terceiro verso é quase o mesmo do motivo inicial da Seqüência de Corpus Christi (Lauda Sion). Este é o único par de estrofes de termina no tenor. Deve-se tomar cuidado para que a primeira nota de cada verso não seja prolonga; do contrário, resultará num mero compasso 3/8:
4a - Dobrai o que é duro, guiai no escuro, o frio aquecei.

4b - Dai à vossa Igreja, que espera e deseja, vossos sete dons.
Depois desta diminuição em registro e volume, o vigor anterior retorna no último par de estrofes, e está mesmo aumentado.  Abrasador e turbulento como o brilho das línguas de fogo é o anel do primeiro e do último membros; podem bem ser cantados forte. Há quintas descendentes no começo, e terminações que correspondem uma à outra (acba = dfed). O verso intermediário é mais quieto. A estrofe sinal novamente de estabelece na oitava.
Assim como a primeira estrofe ora insistentemente Veni quatro vezes, o último par tem quatro vezes da: dai, ó Espírito Santo!
5a - Dai em prêmio ao forte uma santa morte, alegria eterna!

5b - Enchei, luz bendita, chama que crepita, o íntimo de nós!
O compositor deste canto era uma verdadeira harpa de Deus tocada pelo próprio Espírito Santo. Seus sons permanecerão por tanto tempo quanto a humanidade recorrer, em oração sincera, ao “Pai dos pobres”. Quem quer que perceba a carência de seu próprio coração, quem quer que simpatize com tudo aquilo que move o seu coração e o coração de seus irmãos, quem quer que reflita, enquanto medita o texto e seu desenvolvimento melódico, sobre a obra do Espírito Santo nas almas e na Igreja, alcançará a mais adequada interpretação deste canto magnífico.

quinta-feira, 24 de maio de 2012

O apagar do Círio Pascal e mais acerca da Solenidade de Pentecostes

View Comments

Para a Forma Ordinária do Rito Romano

Algumas instruções para a Solenidade de Pentecostes na Forma Ordinária:

  • O bispo deve celebrar a Missa Estacional e presidir a Liturgia das Horas (Cerimonial dos Bispos, n. 376).
  • A cor litúrgica, tanto na missa da vigília, como na missa do dia, é o vermelho.
  • A principal missa do Domingo de Pentecostes deve ser marcada por maior solenidade.
  • A sequência própria de Pentecostes, Veni Sancte Spiritus, deve ser cantada (ou ao menos recitada) antes do Evangelho em todas as missas.
  • A Oração Eucarística I, se escolhida, possui comunicante próprio (“Communicantes, et diem sacratissimum Pentecostes celebrantes...” em latim, e “Em comunhão com toda a Igreja celebramos o dia santo de Pentecostes...” em português).
  • Como se trata da conclusão do "Grande Domingo", que compreende os cinquenta dias do Tempo Pascal, o Missal prescreve o duplo Aleluia na despedida (assim como na Oitava da Páscoa) da Missa do Domingo de Pentecostes (mas não para a da Vigília) e das Horas maiores.
  • Em alguns lugares, manteve-se o costume de que a segunda e terça-feira após Pentecostes sejam dias de devoção ao Espírito Santo. Este costume tem relação com a Oitava de Pentecostes, do calendário da Forma Extraordinária. Por conta disso, a missa votiva do Espírito Santo costuma ser oferecida nestes dias.

O apagar do Círio Pascal


Oficialmente não há um ritual para apagar o Círio Pascal [1]. Assim, traremos aqui as sugestões de Mons. Peter J. Elliott em seu excelente Ceremonies of the Liturgical Year According to the Modern Roman Rite.


Durante a conclusão da última Missa do Domingo de Pentecostes (ou das II Vésperas, onde esta é a última celebração litúrgica do dia), o Círio Pascal é levado ao batistério, perto da pia batismal.

Mons. Peter J. Elliott explica que a transferência do Círio (aceso) ao batistério acontece em procissão – durante o canto final ou antífona ou moteto apropriado –, da seguinte forma:
“Após a despedida, o incenso é preparado e abençoado. O diácono (ou, em sua falta, o celebrante) leva o Círio Pascal, e, precedido pelo turiferário, cruciferário e ceroferários (preferencialmente sem as velas), carrega-o até o batistério, onde é colocado em seu castiçal ou suporte. O celebrante pode incensá-lo com três ductos; então a procissão retorna à sacristia ou sala das vestimentas, como de costume. O Círio deverá ser apagado quando todo o povo tiver saído da igreja.”

[1] Contudo, em muitos lugares costuma-se utilizar alguns textos para tornar este momento mais solene, como já mostramos aqui. O texto completo ali mostrado pode ser encontrado no site Presbíteros.

Referências

Cerimonial dos Bispos, 4 ed., Paulus, 2008.

ELLIOTT, Mons. Peter J. Ceremonies of the Liturgical Year According to the Modern Roman Rite: A Manual for Clergy and All Involved in Liturgical Ministries, San Francisco: Ignatius Press, 2002.

quarta-feira, 23 de maio de 2012

Santa Missa em Latim e Consagração à Nossa Senhora

View Comments
Trazemos fotos da Santa Missa na Forma Ordinária rezada em latim, seguida pela Consagração de Escravidão à Virgem Maria, no dia 26/03/2012. As fotos são do Grupo de Acólitos PIO XII.


Celebrante: Pe. Stanley Lopes Dantas
Local: Capela de Santa Teresa D´Avila em Currais Novos/RN, Diocese de Caicó












Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...