Manchetes

Nosso Parceiro

quinta-feira, 2 de julho de 2009

Na Missa, a rotina é NECESSÁRIA!

Por Edem de Almeirda

Certa vez li um texto redigido por um protestante onde criticava o quanto enfadonho deveria ser, para Maria, ouvir, de cada católico, cinqüenta Ave-Marias por dia. Errou duas vezes: Maria aconselha a recitação do terço e, infelizmente, não são todos os católicos que o fazem diariamente.

Ele também não entendeu que o tédio não está na oração do terço, mas na pessoa que não compreende que o amor humano se constrói justamente na rotina, no ordinário, como pregou São José Maria Escrivá. Quem não ama o dia-a-dia, não ama.

Tentar eliminar a santa rotina da Missa é desencarná-la. Rechear o rito sagrado, intencionando com isso torná-lo menos aborrecido, desfigura o melhor sinal da unidade da Igreja de Cristo; e, paradoxalmente, a introdução de adornos de gosto questionável vão tornando cansativo o encontro eucarístico.

Seguindo aquele protestante que não via qualquer possibilidade de viver o amor na rotina, esses “sacerdotes-gugus” e “sacerdotes-silvio-santos” transbordam seu aborrecimento interior tentando criar uma missa surpresa a cada domingo. Aparentando uma felicidade incontida, diante de uma platéia que não tem quem lhe ensine como rezar, na realidade, desnudam sua profunda tristeza e frustração com a própria vocação.

O sacerdote que transfere para a assembléia as orações que lhe cabe apresenta um sintoma de distúrbio de identidade. Esses padres estão convencidos, por uma ideologia insidiosa, que nada valem, pois o que vale é o povo. Estão persuadidos de que nada têm a transmitir ao povo - nem a Graça, é o povo que sabe tudo. É do povo que viria o verdadeiro sacerdócio, e que seu sacerdócio nada mais é que uma forma de opressão dos leigos. A conseqüência mais perniciosa dessa forma de viver (?) o ministério é o entorpecimento da consciência, levando o padre a abandonar o Povo de Deus à sua sorte. Com a desculpa de democratizar sua liderança religiosa, se acovarda, se acomoda, deixando as ovelhas presas fáceis.

3 comentários:

  1. Edem, só uma dúvida: onde Maria diz que é aconselhável o recitar terços independentemente das vezes?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, boa tarde William. Creio que ele tenha se referido às aparições de Maria sob os diversos títulos que possue (a Igreja não possui uma posição definida quanto a isso, não é até então, dogma de fé). De qualquer forma rezar o santo terço é reviver com Maria, a vida de Jesus.

      Abraço fraterno. Jesus esteja em sua alma.

      Excluir
  2. Maria disse isso nas aparições de Fátima.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...