Manchetes

Nosso Parceiro

sábado, 28 de abril de 2012

Reforma da reforma e paramentos

View Comments
Continuando nossa série sobre o que aproveitar da reforma litúrgica de Paulo VI e da tradição do rito romano presente, de forma mais ampla e preservada, no rito de São Pio V, em uma eventual unificação do rito, apresentamos alguns apontamos livres sobre os paramentos.

Ocupa lugar de destaque nessa preocupação a ausência de obrigatoriedade do uso do manípulo na forma ordinária. Não há motivo razoável para que ele deixasse de ser utilizado no novo Missal. É bem verdade que nunca foi abolido, mas um documento de 1967 o tornou facultativo, o que foi uma pena. E não se trata de um pedaço de pano apenas. O manípulo simboliza as cordas com que Jesus foi manietado para seu suplício, o que é um sinal poderoso a ser envergado no Santo Sacrifício da Missa. É signo também do amor ao trabalho e à penitência, dado que originalmente tal veste servia para enxugar o suor do rosto. Do suor do rosto, passa a significar o suor da alma, e, pois, a penitência simbolizada pelo manípulo, é claramente indicada por ele como remédio às dores e cansaços do espírito, o que um sacerdote sempre deve procurar. A restauração da obrigatoriedade do uso do manípulo é uma necessidade, até mesmo para a reinserção do rito no seu sadio desenvolvimento histórico.

Outro aspecto a considerar é o uso do pluvial na Missa. Estava previsto, na tradição do rito romano, para o Aspergess, antes das Missas dominicais. A reforma de Paulo VI o tirou dessa cerimônia, e o padre passa a usar a casula da Missa também no Asperges, o que tira o simbolismo de ser este uma preparação. Asperges não é Missa. E se não é Missa, não se deveria usar casula, mas o paramento para atos litúrgicos solenes extra-Missa: o pluvial. Também é preciso que, em uma eventual e futura unificação do rito, o pluvial esteja presente. O pluvial, ademais, deve ser resgatado como obrigatório para uso dos padres-assistentes na Primeira Missa de um neo-sacerdote e para os padres-capelães que assistem à Missa Pontifical. Enfim, seu uso deve ser reintroduzido na primeira parte da Solene Vigília Pascal e tornado obrigatório (e não optativo, podendo-se escolher entre ele e a casula) na Procissão de Ramos.

Nas concelebrações, que foi uma ótima idéia resgatada pelo Concílio Vaticano II, para melhor simbolizar a unidade do presbitério em torno do Bispo - ainda que tenha sido mal implementada com a banalização e quase obrigatoriedade prática de concelebrações -, hoje a casula dos celebrantes secundários é dispensável. Não se pode assim pensar. Se a casula é a veste própria dos sacrificadores, e os padres estão concelebrando e não meramente assistindo, não basta usar a estola. Que a casula seja, pois, tornada obrigatória para todas as concelebrações.

Falando em estola, o presbítero sempre se distinguiu do Bispo em seu uso no rito romano, por tê-la cruzada. A reforma de Paulo VI, para ressaltar que não há diferença no sacerdócio entre o Bispo e o mero padre, houve por bem dar-lhe uma forma única: ainda que não seja proibido ao padre usá-la cruzada, na prática o que houve foi uma abolição desse estilo, e todos passaram a envergá-la como os Bispos. Ora, isso é não só uma desconsideração com toda a tradição e o desenvolvimento litúrgico romano, como um contrassenso ao próprio ensino do Vaticano II. O Concílio foi exatamente o definidor do episcopado como um sacramento e um ordem distinta do presbiterado. Essa foi uma das únicas definições propriamente doutrinárias do Vaticano II. E a reforma pós-conciliar, em vez de seguir nas trilhas do próprio Concílio, reforçando a distinção entre o Bispo e o presbítero, os tornou iguais no uso da estola. Urge rever esse "detalhe".

Atualmente, também, o amito e o cíngulo continuam a ser paramentos obrigatórios, exceto, segundo a IGMR, se a alva é feita de tal forma que eles sejam dispensáveis. Perde-se, todavia, quando não se os usa, o profundo significado espiritual e teológico dessas vestes e se ignora novamente o sadio e harmônico desenvolvimento litúrgico, além de tornar sem sentido a recitação das orações próprias ao vesti-las.

Para os diáconos, por sua vez, a dalmática é a veste própria e, nas atuais regulamentações, é vivamente recomendada, e obrigatória nas Missas pontificais ou estacionais. Isso não basta, porém. A dalmática é como a casula do padre e, sendo assim, deveria ser obrigatória e não recomendada.

Enfim, o Bispo, na Missa Pontifical, hoje não tem mais obrigação de usar as cáligas nem as luvas pontificais. Uma perda lamentável de ricos simbolismos e preciosos sinais identificadores do sumo sacerdócio e do poder de jurisdição, em estranha contradição com o Vaticano II, o Concílio que justamente, como falamos, definiu ser o episcopado uma ordem distinta do presbiterado.

sexta-feira, 27 de abril de 2012

"Missa ou Balada?"

View Comments
Uma leitora do Salvem a Liturgia! criou recentemente, uma Página no Facebook, "Tirinhas da Maria", onde expõe seus trabalhos de modo simples e belo, sobre a modéstia, pois trazem, além de muita descontração, sempre uma mensagem que nos ajudará a refletir sobre nossa vida espiritual.

"Acontece de a gente se arrumar no domingo para ir à santa Missa, mas quando se chega lá a impressão é que estamos em um baile, uma festa ou outra coisa. Muita palma, pulos, movimentos com o corpo, até danças mesmo. E som é de bateria, guitarra, etc.. Muito barulho!!

Infelizmente muitos esqueceram que a Santa Missa é a renovação do Sacrifício de Cristo." (Maria Bastos)



Parabéns, Maria Bastos, pelo singelo trabalho de evangelização!

quinta-feira, 26 de abril de 2012

512 anos: Uma errata sobre a 1ª Missa no Brasil!

View Comments
Quase todos nós ao ouvirmos falar da primeira Missa celebrada em território brasileiro imediatamente trazemos à nossa mente a imagem imortalizada pela tela de Victor Meirelles de 1860 e atualmente exposta no Museu de Belas Artes do Rio de Janeiro. A pintura, de estilo romântico, representa os indígenas e portugueses assistindo a uma Missa celebrada pelo Frei Henrique de Coimbra, acolitado por um outro frade, diante de uma grande cruz de madeira armada junto do altar da celebração. Por ocasião dos 512 anos da celebração da primeira missa no Brasil, comemorado hoje, dia 26 de abril de 2012, essa imagem está sendo compartilhada nas redes sociais para relembrar o evento. Contudo, a tela de Meirelles retrata na verdade, a segunda Missa no Brasil, celebrada dia 1º de maio. Como assim?!
No dia 26 de abril de 1500, os portugueses celebraram a primeira missa no Brasil, mas na ilha da Coroa Vermelha, uma ilhota que já não existe mais. Era Domingo da Oitava de Páscoa, e a Missa foi celebrada de forma cantada, sobre um altar montada debaixo de um dossel, assistida por cerca de 1000 homens da esquadra de Pedro Álvarez Cabral. Na praia do continente, cerca de 200 indígenas acompanhavam de longe a cerimônia. 
"Ao domingo de Pascoela pela manhã, determinou o Capitão ir ouvir missa e sermão naquele ilhéu. E mandou a todos os capitães que se arranjassem nos batéis e fossem com ele. E assim foi feito. Mandou armar um pavilhão naquele ilhéu, e dentro levantar um altar mui bem arranjado. E ali com todos nós outros fez dizer missa, a qual disse o padre frei Henrique, em voz entoada, e oficiada com aquela mesma voz pelos outros padres e sacerdotes que todos assistiram, a qual missa, segundo meu parecer, foi ouvida por todos com muito prazer e devoção. 
Ali estava com o Capitão a bandeira de Cristo, com que saíra de Belém, a qual esteve sempre bem alta, da parte do Evangelho.
Acabada a missa, desvestiu-se o padre e subiu a uma cadeira alta; e nós todos lançados por essa areia. E pregou uma solene e proveitosa pregação, da história evangélica; e no fim tratou da nossa vida, e do achamento desta terra, referindo-se à Cruz, sob cuja obediência viemos, que veio muito a propósito, e fez muita devoção.
Enquanto assistimos à missa e ao sermão, estaria na praia outra tanta gente, pouco mais ou menos, como a de ontem, com seus arcos e setas, e andava folgando. E olhando-nos, sentaram. E depois de acabada a missa, quando nós sentados atendíamos a pregação, levantaram-se muitos deles e tangeram corno ou buzina e começaram a saltar e dançar um pedaço. E alguns deles se metiam em almadias -- duas ou três que lá tinham -- as quais não são feitas como as que eu vi; apenas são três traves, atadas juntas. E ali se metiam quatro ou cinco, ou esses que queriam, não se afastando quase nada da terra, só até onde podiam tomar
pé.
Acabada a pregação encaminhou-se o Capitão, com todos nós, para os batéis, com nossa bandeira alta."(Carta de Pero Vaz de Caminha a El-Rey Dom Manuel I de Portugal, Porto Seguro, 1º de maio de 1500. Os grifos são meus)
O motivo desta celebração ter sido mais afastada foi provavelmente de que o capitão não se sentia seguro de mandar celebrar a liturgia no continente por ainda não ter contatos suficientes com os nativos da terra.
Foi só na sexta-feira, 1º de maio, que o Frei Henrique de Coimbra celebrou Missa solene diante da cruz de madeira plantada na terra da praia de Porto Seguro, a qual assistiu toda a esquadra e uma grande quantidade de indígenas que se juntaram para observarem a cerimônia.
"E hoje que é sexta-feira, primeiro dia de maio, pela manhã, saímos em terra com nossa bandeira; e fomos desembarcar acima do rio, contra o sul onde nos pareceu que seria melhor arvorar a cruz, para melhor ser vista. E ali marcou o Capitão o sítio onde haviam de fazer a cova para a fincar. E enquanto a iam abrindo, ele com todos nós outros fomos pela cruz, rio abaixo onde ela estava. E com os religiosos e sacerdotes que cantavam, à frente, fomos trazendo-a dali, a modo de procissão. Eram já aí quantidade deles, uns setenta ou oitenta; e quando nos assim viram chegar, alguns se foram meter debaixo dela, ajudar-nos. Passamos o rio, ao longo da praia; e fomos colocá-la onde havia de ficar, que será obra de dois tiros de besta do rio. Andando-se ali nisto, viriam bem cento cinqüenta, ou mais. Plantada a cruz, com as armas e a divisa de Vossa Alteza, que primeiro lhe haviam pregado, armaram altar ao pé dela. Ali disse missa o padre frei Henrique, a qual foi cantada e oficiada por esses já ditos. Ali estiveram conosco, a ela, perto de cinqüenta ou sessenta deles, assentados todos de joelho assim como nós. E quando se veio ao Evangelho, que nos erguemos todos em pé, com as mãos levantadas, eles se levantaram conosco, e alçaram as mãos, estando assim até se chegar ao fim; e então tornaram-se a assentar, como nós. E quando levantaram a Deus, que nos pusemos de joelhos, eles se puseram assim como nós estávamos, com as mãos levantadas, e em tal maneira sossegados que certifico a Vossa Alteza que nos fez muita devoção.
Estiveram assim conosco até acabada a comunhão; e depois da comunhão, comungaram esses religiosos e sacerdotes; e o Capitão com alguns de nós outros. E alguns deles, por o Sol ser grande, levantaram-se enquanto estávamos comungando, e outros estiveram e ficaram. Um deles, homem de cinqüenta ou cinqüenta e cinco anos, se conservou ali com aqueles que ficaram. Esse, enquanto assim estávamos, juntava aqueles que ali tinham ficado, e ainda chamava outros. E andando assim entre eles, falando-lhes, acenou com o dedo para o altar, e depois mostrou com o dedo para o céu, como se lhes dissesse alguma coisa de bem; e nós assim o tomamos!
Acabada a missa, tirou o padre a vestimenta de cima, e ficou na alva; e assim se subiu, junto ao altar, em uma cadeira; e ali nos pregou o Evangelho e dos Apóstolos cujo é o dia, tratando no fim da pregação desse vosso prosseguimento tão santo e virtuoso, que nos causou mais devoção.
Esses que estiveram sempre à pregação estavam assim como nós olhando para ele. E aquele que digo, chamava alguns, que viessem ali. Alguns vinham e outros iam-se; e acabada a pregação, trazia Nicolau Coelho muitas cruzes de estanho com crucifixos, que lhe ficaram ainda da outra vinda. E houveram por bem que lançassem a cada um sua ao pescoço. Por essa causa se assentou o padre frei Henrique ao pé da cruz; e ali lançava a sua a todos -- um a um -- ao pescoço, atada em um fio, fazendo-lha primeiro beijar e levantar as mãos. Vinham a isso muitos; e lançavam-nas todas, que seriam obra de quarenta ou cinqüenta. E isto acabado -- era já bem uma hora depois do meio dia -- viemos às naus a comer, onde o Capitão trouxe consigo aquele mesmo que fez aos outros aquele gesto para o altar e para o céu, (e um seu irmão com ele). A aquele fez muita honra e deu-lhe uma camisa mourisca; e ao outro uma camisa destoutras.
E segundo o que a mim e a todos pareceu, esta gente, não lhes falece outra coisa para ser toda cristã, do que entenderem-nos, porque assim tomavam aquilo que nos viam fazer como nós mesmos; por onde pareceu a todos que nenhuma idolatria nem adoração têm. E bem creio que, se Vossa Alteza aqui mandar quem entre eles mais devagar ande, que todos serão tornados e convertidos ao desejo de Vossa Alteza. E por isso, se alguém vier, não deixe logo de vir clérigo para os batizar; porque já então terão mais conhecimentos de nossa fé, pelos dois degredados que aqui entre eles ficam, os quais hoje também comungaram.
Entre todos estes que hoje vieram não veio mais que uma mulher, moça, a qual esteve sempre à missa, à qual deram um pano com que se cobrisse; e puseram-lho em volta dela. Todavia, ao sentar-se, não se lembrava de o estender muito para se cobrir. Assim, Senhor, a inocência desta gente é tal que a de Adão não seria maior -- com respeito ao pudor. Ora veja Vossa Alteza quem em tal inocência vive se se convertera, ou não, se lhe ensinarem o que pertence à sua salvação.
Acabado isto, fomos perante eles beijar a cruz. E despedimo-nos e fomos comer." (Carta de Pero Vaz de Caminha)
Fica assim, desfeito o engano. A primeira missa no Brasil foi celebrada em um Domingo, dia 26 de abril, na ilhota da Coroa Vermelha. O que Victor Meirelles representou em seu quadro de 1860 é a primeira Missa celebrada em terras continentais do Brasil, na sexta-feira, 1º de maio de 1500. Nada disso, contudo, anula a memória deste dia, em que comemoramos a primeira Missa celebrada em terras brasileiras, onde por singular graça e sagrado privilégio, nossa Pátria nasceu sendo oferecida a Deus junto com o Santo Sacrifício de Seu Filho e Senhor Nosso, Jesus Cristo.
Brasil: Terra de Santa Cruz!

SAIBA MAIS:
KUHNEN, Alceu. As Origens da Igreja no Brasil: 1500 a 1552.Bauru, EDUSC, 2005.

Por que a música católica está uma bagunça?

View Comments
Publicado originalmente em 9 de Dezembro de 2011 no Chant Café, este é mais um ótimo texto do Jeffrey Tucker.

Em alguns trechos (poucos), Tucker fala de situações que fazem mais sentido nos Estados Unidos (como o cartel de editoras que acabam controlando o repertório litúrgico); entretanto, o texto quase inteiro é uma descrição excelente da atual situação da música litúrgica na Igreja Católica, tanto no Brasil, como nos Estados Unidos e na maioria dos outros países onde vivem católicos.

Para o leitor ter uma ideia, o artigo obteve, em pouco tempo, lá no Chant Café, 72 comentários...

O leitor pode ler o texto original neste endereço: Why is Catholic music such a mess?

As notas do tradutor aparecem em vermelho, entre colchetes.

*

Esta pergunta me é feita com tanta frequência que justifica um artigo. Um homem católico, tentando firmar-se mais na sua Fé, mas que não assiste à Missa regularmente, decide que é hora de tentar de novo. Ele vai a uma paróquia perto da sua casa. A procissão de entrada lhe diz: não mudou nada desde a última vez. Ele range os dentes o tempo todo. Na hora da Comunhão, já está enlouquecendo. No canto final, já enlouqueceu. Ele vai para o estacionamento xingando mentalmente, irritado, lembrando-se de por que não vai à igreja com freqüência. 
O problema é a música. É música pop mal tocada por pessoas que, no entanto, parecem se orgulhar da sua performance. Durante toda a Missa, o homem se pergunta: como é que pode acontecer que a mais bela liturgia, produto de dois mil anos de tradição, seja reduzida a isso? E, mais importante que isso, não há nada que se possa fazer a esse respeito? 
Recebo telefonemas e e-mails com histórias parecidas com esta, e já faz anos. O forte contraste entre a realidade e o que eles lembram de como é a Missa, ou imaginam como possa ser, é demais para se tolerar. 
Vejo meu trabalho aqui uma tentativa de acalmar as pessoas e lhes mostrar que a origem do problema não é, como pensam, a princípio, metafisicamente maliciosa. Não precisamos de um expurgo, mesmo que seja uma ideia tentadora. A solução também não é um salto para um futuro autoritário no qual um bispo ou o Papa imponham um certo repertório e lancem fora todo mundo que não o siga, por mais satisfatória que seja tal fantasia. 
Há várias razões principais pelas quais este problema persiste, e essas razões se relacionam entre si de maneira complexa. Esclareçamos primeiro que os próprios músicos experimentam certo desconforto em relação ao que fazem. Eles não têm certeza absoluta de que estão realmente contribuindo com a liturgia. Sentem uma espécie de desconexão com o que está acontecendo no altar. Não têm clareza quanto à propriedade da música que estão fazendo. Porém, são voluntários (isto é, não são pagos), conscientes de que ninguém parece ter objeções, e recebem elogios de tempos em tempos. Então, assim eles raciocinam, eles podem muito bem continuar a fazer o que fazem, isto é: aparecer meia hora antes da Missa e escolher hinos e fazer o que já sabem como se faz. [O que Tucker chama de "hinos" não são os hinos litúrgicos que fazem parte do Ofício, mas a música não-litúrgica que acaba entrando na Missa, sejam relativamente sóbrios como os de antes, sejam as canções pop de hoje] Eles não veem o cenário mais amplo. Eles não imaginam aquilo que não sabem fazer e compreender musicamente. 
A questão número um, no meu ponto de vista formado ao longo de uma década de estudo, é que os próprios músicos não conhecem o assunto. A maioria das pessoas que estão fazendo música na Igreja Católica não possuía nem mesmo uma compreensão rudimentar das exigências musicais do Rito Romano. Elas não sabem quais as partes da Missa que constituem o Ordinário. Elas não sabem que o Próprio da Missa existe. Elas não têm ideia de como a música se relaciona à palavra ou ao calendário (além de Natal e Páscoa). Elas não sabem o que é obrigatório, o que é opcional, o que é escolha da Igreja, o que é escolha da editora de música, o que é da tradição, nem como diferenciar a música litúrgica genuína da música não-litúrgica. 
E é porque isto nunca lhes foi explicado. Uma razão para nunca terem aprendido isto é que muito poucas pessoas realmente têm essa compreensão. Você pode participar de dez convenções nacionais [ou certos cursos], ler dez livros, assinar todas as publicações sobre liturgia, ler sites o dia inteiro, falar com o seu pároco e predecessores, e mesmo assim nunca descobrir estes pontos básicos da liturgia católica e suas exigências musicais. Sim, você vai se deparar com slogans e com o conhecimento de que “o povo” tem que participar, mas não participa (é sempre mais fácil focar no pecado dos outros), mas só.
A informação essencial quanto ao papel da música é desconhecida, e este problema não é sério apenas na raiz; chega também no topo. De novo, não é a malícia que evita a difusão desse conhecimento; é que existe tanta informação que se perdeu nestas décadas confusas que existe muito pouca gente que realmente entende. 
O segundo problema é que os recursos para uma verdadeira contribuição musical com a liturgia estão faltando há algumas décadas. O livro de música do Rito Romano, o Gradual Romano, é desconhecido de 98% dos músicos da Igreja Católica. Eles nunca viram um exemplar, nem sequer ouviram falar dele, embora seja mencionado tanto no Missal quanto na Instrução do Missal (IGMR). Mesmo na improvável possibilidade de que tenham visto o livro, eles não sabem ler nem a língua (latim) nem a notação (pauta de quatro linhas). Eles não sabem que há versões em inglês disponíveis. [Lembrando que o autor do texto é americano. Da nossa parte, precisamos de música litúrgica em português. O Salvem a Liturgia tem trabalhado nisto, e certamente existem trabalhos feitos nos países de língua portuguesa que merecem e precisam ser difundidos] Se eles soubessem que há, não saberiam como obter. 
Historiadores que examinaram este problema de perto notam que tudo isso começou na década de 1960 como uma extensão do problema que já existia antes do Concílio Vaticano II. Numa cultura de Missas Baixas, era comum substituir o Próprio cantado por hinos e o Próprio recitado. [Missa Baixa é o nome dado à Missa apenas rezada, não cantada, na Forma Extraordinária do Rito Romano. Às vezes imaginamos o passado como um paraíso de Missas Altas com canto gregoriano e polifonia o tempo todo, todo Domingo. Nem sempre era o caso; onde não houvesse tais recursos artísticos, humanos e materiais, a Missa Baixa era a regra, por força das circunstâncias. Isto é o que o autor chama de "cultura de Missas Baixas"] Quando o estilo dos hinos, nos anos 60, mudou de pesadão para modernete, o Próprio da Missa ficou de lado. Por isto é que foi nos anos 60 que começaram a aparecer os sinais daquilo que muitos veem como uma corrupção. A música pop começou a dominar, primeiro como canções que substituíam o Próprio. Só mais tarde tornou-se comum a substituição dos cantos do Ordinário da Missa por outros que combinavam com o estilo das novas canções. No começo da década de 1970, a limp­­­eza tinha sido geral. Toda a música da Missa tinha uma cara completamente nova. Quando o Gradual Romano da Forma Ordinária foi publicado em 1974, a questão já tinha sido resolvida e o livro foi largamente ignorado. 
Há outros problemas, claro. Fala-se sobre o problema do cartel de editoras. Mas, como sempre lembro às pessoas, o jeito de lidar com este problema é simplesmente uma questão de mudar o mercado. Você tem que mudar as preferências de compra dos consumidores. É muito simples. Você pode fazer isto sem legislação, batidas policiais, intimidação ou beligerância. É apenas uma questão de oferta e demanda. Nos mercados, produtos vêm e vão. Se você não gosta daquilo que vende, apoie outra coisa. 
E quanto a legislação e decretos? Declarações vindas do alto? Imposições da autoridade? Não considero nada disto como parte de soluções reais. Continuará a haver declarações, assim como tem havido já faz décadas. Elas não são tão importantes quanto a verdadeira mudança de corações por meio de experiências reais. Por isto é que colóquios educacionais e conferências são tão importantes. E é por isso que o Parish Book of Chant [Livro Paroquial de Canto] e os Simple English Propers [Próprios Simples em Inglês] são também tão importantes. [Esses dois livros são publicações recentes que contêm música litúrgica autêntica para uso nos Estados Unidos, de fácil obtenção, preço baixo e, muito importante: permanentes] Nós precisamos dos recursos. E precisamos de dinheiro para financiar a produção desses livros e conferências – e doadores generosos (benditos sejam!) são poucos. 
Isto é meu esboço do mundo que herdamos e de como devemos trabalhar para mudá-lo. Existe uma solução para o problema e ela pode acontecer rápido. Não precisamos de décadas. Mas precisamos de paixão, trabalho, ajuda financeira e oração.

quarta-feira, 25 de abril de 2012

Nova tradução do Missal Romano: "para que haja sempre uma melhor compreensão e fidelidade ao texto original"

View Comments
Já comentamos aqui a respeito da tradução vigente no Brasil do Missal Romano e de suas imprecisões e mesmo omissões. Também já comentamos um pouco a respeito da tradução em andamento da terceira edição do Missal Romano. Infelizmente a falta de informação por parte da Comissão Episcopal para a Tradução dos Textos Litúrgicos (Cetel) nos impede de acompanhar mais de perto o trabalho sendo realizado. Contudo, as últimas notícias que nos chegam diretamente da Assembléia Geral dos Bispos do Brasil são muito animadoras, via Gaudium Press.

De acordo com Dom Gil Antônio Moreira, Arcebispo de Juiz de Fora (MG), membro da Congregação para a Educação Católica (desde 2007, nomeado pelo Papa Bento XVI), "o que estamos vendo é uma tradução mais adequada das orações que estão em latim, sejam as orações da Missa, sejam as orações também eucarísticas que são fixas e esta tradução é importante para que haja sempre uma melhor compreensão e fidelidade ao texto original".

Quanto à demora na tradução brasileira, Dom Gil afirma que trata-se de um trabalho minucioso, tendo "todo o cuidado, não palavra por palavra, mas vírgula por vírgula", e que "esperamos que seja finalizado em breve, mas eu não tenho a ilusão de saia de hoje para amanhã".

Vale recordar que na época de nossa tradução vigente (segunda edição do Missal Romano) a questão da tradução ainda estava um pouco solta. O passar do tempo e a observação prática dos efeitos positivos e negativos das diversas traduções vernaculares, cada qual guiado por um determinado princípio, levou a um maior discernimento. E assim, foi publicada em 2001 a Instrução LITURGIAM AUTHENTICAM [1] pedindo fidelidade aos textos originais latinos (mas também gregos, hebraicos e aramaicos).

É reconfortante ver que nossos bispos estão procurando ser fiéis ao que pede a Santa Igreja. Não apenas porque devemos servir a Igreja como ela quer ser servida, mas porque as traduções fiéis aos originais manifestam uma maior unidade de todos os fiéis do Rito Romano, independentemente da língua que falam, bem como revelam os tesouros de nossa tradição litúrgica. E mais, não nos transmite uma certa segurança saber que já na Oração Eucarística de Santo Hipólito de Roma (meados do séc. III) [2] encontramos o diálogo que antecede o prefácio (- Dominus Vobiscum. - Et cum spiritu tuo. ...), e que este provavelmente data dos tempos apostólicos[3]?

Por fim, no maior espírito de humildade, deixamos uma sugestão para a Cetel: embora entendamos que um certo sigilo seja conveniente para o bom andamento dos trabalhos da comissão, por que não disponibilizar um rascunho de parte das traduções já aprovadas pela CNBB ou pela Santa Sé (supondo que a aprovação seja por partes)? Foi o que fez a conferência episcopal norte-americana (atualmente, com a tradução aos falantes de língua inglesa já concluída, o rascunho do Ordinária da Missa foi removido do site da conferência). Certamente isso colaboraria para que os novos textos, mais fiéis ao texto latino, fossem sendo acolhidos de forma mais gradual e com o maior e devido cuidado que a introdução da nova tradução exigirá.

Coloquemos o trabalho da Cetel em nossas orações, para a maior glória de Deus e para o bem do povo de Deus.

[1] Quinta Instrução "Para a Reta Aplicação da Constituição sobre a Sagrada Liturgia do Concílio Vaticano II" LITURGIAM AUTHENTICAM: Sobre o uso dos idiomas vernaculares na publicação dos livros da Liturgia Romana. Disponível na íntegra em latim e inglês; press release disponível em português.

[2] ROUET, Albert. A missa na história. São Paulo: Paulinas, 1981.

[3] Dominus Vobiscum - Catholic Encyclopedia.

terça-feira, 24 de abril de 2012

Triduum: Sexta-feira Santa em Santana de Parnaíba, SP

View Comments
Recebemos a gentil mensagem de um leitor, com fotos:

Boa tarde caro Rafael,

Mando algumas imagens da Solene Ação Litúrgica da Paixão do Senhor celebrada pelo padre Antonio Marques Soares, OCRL, em Santana de Parnaiba, na Paróquia Nossa Senhora do Perpétuo Socorro.

Algumas são do Ofício das Trevas, que não foi o próprio da Liturgia das Horas, mas sim, uma para-liturgia, com o canto de sete salmos escolhidos dos ofícios da Sexta feira da Paixão.

Espero que estas imagens possam servir de exemplo e que vos sejam úteis em vosso blog.

Em Cristo Ressuscitado,

Jean Carlo.




















































































segunda-feira, 23 de abril de 2012

Flagrantes dos ordinariatos para ex-anglicanos na Inglaterra e na América

View Comments
Fotos da primeira Missa do Pe. James Bradley, ex-pastor anglicano convertido, e incardinado no Ordinariato Pessoal Nossa Senhora de Walsingham, para os fiéis oriundos do anglicanismo na Inglaterra e País de Galos, celebrada dia 22 de abril na Igreja do Espírito Santo, em Balham. Nota-se o estilo bastante inglês/anglicano da arquitetura e do ambiente em geral.
O repertório musical da Missa em rito romano, forma ordinária, constou de:
Missa Ego Flos Campi (de Padilla)
O Sacrum Convivium (Tallis)
Regina Caeli a8 (Guerrero)
O pregador foi o Pe. Stephen Langridge.
As fotos nos chegaram pelo Flickr.

image
image
image
image
image
image
image
image
image
image
image
image

O outro assunto relaciona-se ao Ordinariato Pessoal da Cátedra de São Pedro, para os Estados Unidos. Não se sabe ainda se os fiéis canadenses vindos das igrejas anglicanas irão juntar-se a essa circunscrição eclesiástica ou terão sua própria estrutura.
O Arcebispo de Ottawa, Canadá, D. Terrence Prendergast, celebrou no dia 15 de abril, na Basílica de São Patrício, uma Missa no uso anglicano, o rito próprio das comunidades recebidas na Igreja Católica, influenciado pelo Book of Common Prayer e com traços marcadamente específicos da liturgia inglesa medieval (da época católica, o uso de Sarum). A Missa foi celebrada para a recepção de novos ex-anglicanos, com o Bispo na posição versus Deum.
O estilo das vestes e a própria igreja são bem ingleses, mostrando a influência do colonizador em terras canadenses, bem como acentuando o ethos do patrimônio anglicano (neste caso, em uma igreja católica). As fotos são tiradas do New Liturgical Movement.

image
image
image
image
image
image

Triduum: Sermão das Sete Palavras, em Corumbá, MS

View Comments
Procissão do Senhor Morto e Sermão das Sete Palavras, na Sexta-feira Santa, na Catedral da Candelária, Corumbá, Mato Grosso do Sul, celebradas pelo Pe. Fábio Vieira. 







domingo, 22 de abril de 2012

Reforma da reforma e o sacramento do Batismo

View Comments
Mais um artigo de nossa despretensiosa série sobre uma futura unificação das formas do rito romano, conduzindo o mundo católico a uma normalidade litúrgica. Desta vez, teceremos comentários a respeito das cerimônias que cercam o Batismo.

Dia desses, meu segundo filho, Bento, foi batizado. Usamos a forma extraordinária, em vernáculo e latim. Minha primeira filha, Maria Antônia fora batizada pela forma ordinária, igualmente em vernáculo e latim. A comparação entre as duas formas foi inevitável.

Em um primeiro momento, confesso que fiquei muito feliz ao ver um libanês pelotense, ministro extraordinário da Comunhão, que acompanhou o batizado do Bento, no batistério da Catedral Metropolitana de Pelotas, RS, para depois fechar a igreja, nos dizer: "Que lindo o ritual antigo... Parece muito o meu rito maronita." De fato: os ritos tradicionais, ainda que diferentes em muitos aspectos uns dos outros, parecem falar a mesma linguagem, por serem naturais, orgânicos e não criação de liturgistas de laboratório.

Há muitos elementos da forma extraordinária do Batismo que deveriam ser aproveitados em uma unificação litúrgica romana: o uso de duas estolas, roxa para a primeira parte, e branca ou doutorada para a segunda, indicando que o candidato ainda não é filho de Deus e está se penitenciando; o início do Batismo obrigatoriamente fora da igreja (e sua entrada será triunfal e simbólica da entrada na Igreja Católica); os diversos exorcismos; a profundidade dos textos das orações e monições; as duas profissões de fé (uma para a assembléia, que reafirma que crê, e outra para o batizando, que responde pela boca dos pais e padrinhos); a estola roxa sendo colocada sobre o ombro esquerdo do batizando ao entrar na igreja (mostrando que a Igreja o acompanha com a penitência, e que ele, o batizando, é penitente e se "veste" de roxo, quase como o sacerdote, nos ritos orientais, sobrepondo a estola sobre quem se confessa para indicar o poder sacerdotal de absolver pecados).

Entretanto, não há que se negar que na forma ordinária existem elementos positivos: as leituras bíblicas (não com tantas opções como é hoje, frise-se, para que não se dê aquele clima de liberdade excessiva e muita escolha, que tanto ajudam a dessacralizar o rito e a transmitir a idéia de que se pode fazer qualquer coisa), o canto de um hino ao Espírito Santo (mas que seja fixado um, o Veni Creator, e não dando espaço para qualquer hino), e o uso do pluvial pelo celebrante (no rito antigo, só o Bispo usa).

Penso que o pluvial para o sacerdote unifica as normas, dado que em todas as celebrações extra-Missa do rito antigo que requeiram mais cerimônias, o padre usa pluvial, menos no Batismo e Matrimônio. Cria-se uma mentalidade muito "de lista", e não de princípios, e o princípio deveria ser de que o pluvial é o paramento extra-Missa, para padre e para Bispo, e não em uns para padres e Bispos, e em outros momentos só para Bispos. Ademais, é um paramento muito bonito e imponente: o celebrante poderia usar só a estola roxa no início do Batismo e, depois, ao trocá-la pela branca, envergar o pluvial.

É um ponto positivo que o rito antigo do Batismo seja econômico nas lições (na verdade, é tão econômico que não há sequer uma leitura bíblica), e é positivo que o rito novo se preocupe em ter lições (mas não com tantas opções como, infelizmente, é hoje). O melhor, a nosso ver, seria o justo termo: uma leitura só, do Evangelho, e específica sobre o Batismo, sem outras opções ad libitum.

Homilia do 3º Domingo da Páscoa, por Pe. Paulo Ricardo

View Comments

sábado, 21 de abril de 2012

A Forma Extraordinária entre os Príncipes da Igreja

View Comments
Recentemente circulou no Facebook a seguinte imagem, contendo uma lista de cardeais que celebram a Santa Missa na Forma Extraordinária do Rito Romano, popularmente conhecida como "missa tridentina":


Infelizmente não temos conhecimento da alma caridosa que preparou esta compilação, mas a fim de atestar sua veracidade, trazemos fotos de alguns destes cardeais celebrando a Santa Missa na Forma Extraordinária. Além do mais - precisamos ressaltar - esta lista não é completa, como mostraremos a seguir.

Cardeal Burke, Prefeito do Supremo Tribunal da Signatura Apostólica, na Basílica de São Pedro
Cardeal Cañizares, Prefeito da Congregação para o Culto Divino
Cardeal Malcon Ranjith
Cardeal George Pell, arcebispo de Sydney na Austrália
Cardeal Francis George, Arcebispo de Chicago
Cardeal Walter Brandmüller
Cardeal Dario Hoyos
Cardeal Franc Rode
E, não mencionados na lista, lembramos também:

Cardeal Domenico Bartolucci
Cardeal Francis Arinze
Cardeal Giuseppe Betori, Arcebispo de Florença
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...