Manchetes

sexta-feira, 16 de abril de 2010

Elementos da liturgia

Trimeloni[i], seguindo os mais conceituados liturgistas e a disposição das rubricas da tradição romana, lista os seguintes elementos constitutivos do culto público: função litúrgica, rito, cerimônia, fórmula, aparato e ministro.

A função é um ato de culto completo e independente, formando uma unidade, como a Missa, cada hora canônica, cada sacramento etc. É a própria celebração executada.

O rito é o conjunto das prescrições com as quais uma determinada função ou parte dela se deve executar. Trimeloni indica que há um uso impróprio para o termo, mas que se popularizou, qual seja o de identificar “rito” com a própria função celebrada. É bom lembrar que “rito” indica também, notadamente em Direito Canônico, um sistema completo de culto, como o rito bizantino, rito romano, rito ambrosiano, rito maronita, rito mozárabe etc, e mesmo quando, por extensão, nos referimos às duas variações básicas do único rito romano (forma ordinária chamada “rito moderno”, e forma extraordinária chamada “rito antigo” ou “tradicional” ou “tridentino”).

As cerimônias, por sua vez, são as ações, movimentos e atitudes executadas em uma função. Por isso é que o chefe dos acólitos que está sempre junto do Bispo ou do presbítero é chamado de “cerimoniário” ou “mestre-de-cerimônias”: deve saber cada ato, cada gesto, cada silêncio, cada postura que os acólitos, celebrantes e auxiliares devem fazer durante a Missa, o Ofício etc. Pelo mesmo motivo, há um livro litúrgico denominado Cerimonial dos Bispos, dado que disciplina basicamente ações e gestos que se devem desenvolver em cada função.

Por sua vez, as fórmulas são as leituras (bíblicas, patrísticas, hagiográficas), as bênçãos, as orações, as monições, as exortações, e quaisquer outras palavras que, previstas no rito, se inserem em uma cerimônia. Podemos dizer que uma função (uma Missa, por exemplo) é um conjunto de cerimônias que acompanham certas fórmulas.

Já o aparato é o conjunto de coisas que são necessárias para o desenrolar da função litúrgica: os elementos materiais dos sacramentos, os livros litúrgicos, os paramentos, a música, os lugares sagrados, os candelabros, os vasos, as flores etc.

Enfim, ministros são as pessoas que presidem a função, celebrando o culto em nome da Igreja. Em outro sentido, se usa o termo para designar os ajudantes do celebrante, como, por exemplo, quando se fala em “o sacerdote e os ministros”.


[i] TRIMELONI, Ludovico. Compendio di Liturgia Pratica, Milano: Marietti, 2007, p. 22

2 comentários:

  1. ANTONIO DA SILVA MONTEIRO3 de maio de 2010 14:59

    NO PARAGRAFO DE MINISTROS, A PRIMEIRA FRASE ESTA CORRETISSIMA, NO MEU PONTO DE VISTA NAO CABE COMPLEMENTO - (EM OUTRO SENTIDO) É MINISTRO ORDENADO, MINISTRO INSTITUIDO E ETC. PORÉM TODOS SÃO MINISTROS. NÃO P0DEMOS TIRAR O MINISTRO DO SACERDOTE JAMAIS E NEM NOMEAR NINGUEM DE AJUDANTE DO CELEBRANTES, PORQUE CELEBRANTES SOMOS TODOS NÓS, EXERCENDO FUNÇÕES MINISTERIAIS DIFERENTES.
    TONINHO4.5@HOTMAIL.COM

    GOSTARIA DE RESPOSTA AO MEU PONTO DE VISTA, O TEXTO É MUITO RICO. ENFIM QUASE TODAS AS PUBLICAÇÕES SÃO DE OTIMAS REFERENCIAS E DOCUMENTADAS. PARABENS.

    OBRIGADO.

    ResponderExcluir
  2. Essa história de “somos todos celebrantes exercendo funções ministeriais diferentes” é um erro teológico grave. A distinção entre o sacerdote e os demais fiéis – sejam ajudantes da celebração ou não – é ONTOLÓGICA, e não meramente de grau. Isso já ensinou o Papa.

    Não existe isso de “assembléia celebrante”. Leia a Redemptionis Sacramentum. Quem prega essa tese de “todos celebramos” são os modernistas.

    Celebrante é o sacerdote. Nós participamos da Missa ativamente, claro, mas assistindo, não celebrando.

    Enfim, o elemento da liturgia “ministro” NÃO se refere aos ministros auxiliares (acólitos, cerimoniários, diáconos), e sim ao que preside, ao que executa o ato litúrgico. No caso do breviário, é quem o reza, e, portanto, se um leigo recita sua Liturgia das Horas em sua casa, é o ministro deste ato sagrado de culto, ato litúrgico. Mas, na Missa, quem celebra é o padre: ele é o ministro, não nós, nem os acólitos.

    Os acólitos, diáconos, MECEs só são ministros em um sentido lato (o que se evidencia na segunda frase do último parágrafo).

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...