Manchetes

Nosso Parceiro

segunda-feira, 12 de abril de 2010

Gestos e posições do povo na Missa

Fonte: www.adoremus.org
Tradução: Lucas Cardoso da Silveira Santos

Ritos Iniciais

Fazer o sinal da Cruz com água benta (sinal do batismo) ao entrar na igreja.

Fazer genuflexão ao sacrário contendo o Santíssimo Sacramento, e ao altar do Sacrifício, antes de se dirigir ao banco. (Se não houver sacrário no presbitério, ou se este não for visível, fazer inclinação profunda ao altar antes de se dirigir ao banco.)

Ajoelhar-se ao chegar no banco para oração privada antes do início da Missa.

Ficar de pé para a procissão de entrada.

Fazer inclinação de cabeça quando o crucifixo, sinal visível do sacrifício de Cristo, passar em procissão. (Se houver um bispo, fazer inclinação quando ele passar, como sinal de reconhecimento da sua autoridade da Igreja e de Cristo como pastor do seu rebanho.)

Permanecer de pé para os ritos iniciais. Fazer o sinal da Cruz junto com o sacerdote no começo da Missa.

Bater no peito ao “mea culpa(s)” (“por minha culpa, minha tão grande culpa”) no Confiteor.

Fazer inclinação de cabeça e o sinal da Cruz quando o sacerdote disser “Deus todo-poderoso tenha compaixão de nós...”

Fazer inclinação de cabeça ao dizer o “Senhor, tende piedade de nós” no Kyrie.

Se houver o Rito da Aspersão (Asperges), fazer o sinal da Cruz quando o padre aspergir água em sua direção.

Durante a Missa, fazer inclinação de cabeça a cada menção do nome de Jesus e a cada vez que a Doxologia [“Glória ao Pai...”] for rezada ou cantada. Também quando pedir que o Senhor receba a nossa oração. (“Senhor, escutai a nossa prece” etc, e ao fim das orações presidenciais: “Por Cristo nosso Senhor” etc.)

Gloria: fazer inclinação de cabeça ao nome de Jesus. (“Senhor Jesus Cristo, Filho Unigênito...”, “Só vós o Altíssimo, Jesus Cristo...”)

Liturgia da Palavra

Sentar-se para as leituras da Sagrada Escritura.

Ficar de pé para o Evangelho ao verso do Alleluia.

Quando o ministro anunciar o Evangelho, traçar o sinal da Cruz com o polegar na cabeça, nos lábios e no coração. Esse gesto é uma forma de oração para pedir a presença da Palavra de Deus na mente, nos lábios e no coração.

Sentar-se para a homilia.

Credo: De pé; fazer inclinação ao nome de Jesus; na maioria dos Domingos durante o Incarnatus (“e se encarnou pelo Espírito Santo... e se fez homem”); nas solenidades do Natal e da Anunciação todos se ajoelham a essas palavras.

Fazer o sinal da Cruz na conclusão do Credo, às palavras: “..e espero a ressurreição dos mortos e a vida do mundo que há de vir. Amém.”

Liturgia Eucarística

Sentar-se durante o ofertório.

Ficar de pé quando o sacerdote disser “Orai, irmãos e irmãs...” e permanecer de pé para responder “Receba o Senhor este sacrifício...”

Se for usado incenso, o povo se levanta e faz inclinação de cabeça ao turiferário quando ele fizer o mesmo, tanto antes como depois da incensação do povo.

Permanecer de pé até o final do Sanctus (Santo, Santo, Santo...”), quando se ajoelha durante toda a Oração Eucarística.

No momento da Consagração de cada espécie, inclinar a cabeça e pronunciar silenciosamente “Meu Senhor e meu Deus”, reconhecendo a presença de Cristo no altar. Estas são as palavras de São Tomé quando ele reconheceu verdadeiramente a Cristo quando Este apareceu diante dele (Jo 20,28). Jesus disse: “Acreditaste porque me viste. Felizes os que acreditaram sem ter visto” (Jo 20,29).

Ficar de pé ao convite do sacerdote para a Oração do Senhor.

Com reverência, unir as mãos e inclinar a cabeça durante a Oração do Senhor.

Manter-se de pé para o sinal da paz, após o convite. (O sinal da paz pode ser um aperto de mãos ou uma inclinação de cabeça à pessoa mais próxima, acompanhada das palavras “A paz esteja contigo”.)

Na recitação (ou canto) do Agnus Dei (“Cordeiro de Deus...”), bater no peito às palavras “Tende pedade de nós”.

Ajoelhar-se ao fim do Agnus Dei (“Cordeiro de Deus...”).

Fazer inclinação de cabeça e bater no peito ao dizer: “Domine, non sum dignus... (“Senhor, eu não sou digno...”).

Recepção da Comunhão

Deixar o banco (sem genuflexão) e caminhar com reverência até o altar, com as mãos unidas em oração.

Fazer um gesto de reverência ao se aproximar do ministro em procissão para receber a Comunhão. Se ela for recebida de joelhos, não se faz nenhum gesto adicional antes de recebê-la.

Pode-se receber a Hóstia tanto na língua como na mão.

Para o primeiro caso, abrir a boca e estender a língua, de modo que o ministro possa depositar a Hóstia de forma apropriada. Para o outro caso, posicionar uma mão sobre a outra, de palmas abertas, para receber a Hóstia. Com a mão de baixo, tomar a Hóstia e com reverência depositá-la na sua boca. (Ver as diretrizes da Santa Sé de 1985).

Quando carregando uma criança, é muito mais apropriado receber a Comunhão na língua.

Se comungar também do cálice, fazer o mesmo gesto de reverência ao se aproximar do ministro.

Fazer o sinal da Cruz após ter recebido a Comunhão.

Ajoelhar-se em oração ao retornar para o banco depois da Comunhão, até o sacerdote se sentar, ou até que ele diga “Oremos”.

Ritos Finais

Ficar de pé para os ritos finais.

Fazer o sinal da Cruz durante a bênção final, quando o sacerdote invocar a Trindade.

Permanecer de pé até que todos os ministros tenham saído em procissão. (Se houver procissão recessional, fazer inclinação ao crucifixo quando ele passar.)

Se houver um hino durante o recessional, permanecer de pé até o final da execução. Se não houver hino, permanecer de pé até que todos os ministros tenham se retirado da parte principal da igreja.

Depois da conclusão da Missa, pode-se ajoelhar para uma oração privada de ação de graças.

Fazer genuflexão ao Santíssimo Sacramento e ao Altar do Sacrifício ao sair do banco, e deixar a (parte principal da) igreja em silêncio.

Fazer o sinal da Cruz com água benta ao sair da igreja, como recordação batismal de anunciar o Evangelho de Cristo a toda criatura.

56 comentários:

  1. Eu posso me ajoelhar no momento do ato penitencial?
    "Com reverência, unir as mãos e inclinar a cabeça durante a Oração do Senhor."
    Mas esse gesto não é errado na hora do Pai Nosso?

    Abraço fraterno!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Unir as mãos uma à outra, não dar aos mãos aos vizinhos, no melhor estilo "corrente humana". Foi isso que se quis dizer

      Excluir
  2. Muito bom! Minha única dúvida é se de fato estão prescritos na IGMR Os seguintes gestos:
    -Sinal da Cruz durante a absolvição;
    -Sinal da Cruz ao fim do Credo;
    -Inclinação de cabeça no Pai-nosso;
    -Bater no peito no Agnus Dei;
    (sei que são a forma extraordinária, mas na ordinária há algo?)

    Além disso, não é mais utilizado o costume de se fazer o sinal da cruz, e não inclinação, ao se passar a Cruz processional?

    E a inclinação ao bispo não se estenderia também ao sacerdote celebrante principal? Não é também ele persona Christi?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. também tenho as mesmas dúvidas

      Excluir
  3. Por que ficar de joelhos durante a comunhão? O nosso sacrifício já não teria sido oferecido durante a consagração?
    Receber Cristo de joelhos e na boca, representa sim adoração à Cristo consagrado, mas a comunhão no banco, de joelhos, por quê?

    Parabéns pelo post.
    Deus, só.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A comunhão de joelhos não é no banco. O que comunga vai até a fila, e, ao chegar sua vez, ajoelha-se diante do ministro. É um gesto de adoração ao Santíssimo Deus e Senhor Nosso presente na hóstia (é bom lembrar que o ministro nos apresenta a hóstia dizendo "O Corpo de Cristo" antes de nos entrega-la a nós).

      Excluir
  4. Caríssimos,

    O post contempla três grupos de gestos,e talvez tenha faltado clareza no autor original:

    a) os obrigatórios;
    b) os recomendáveis pela tradição;
    c) os sugeridos pelo simbolismo.

    ResponderExcluir
  5. "Eu posso me ajoelhar no momento do ato penitencial?"

    Não é previsto, mas a IGMR fala que é um costume e, então, pode ser feito, até porque é um gesto da tradição do rito romano.

    ""Com reverência, unir as mãos e inclinar a cabeça durante a Oração do Senhor."
    Mas esse gesto não é errado na hora do Pai Nosso?"

    Meu caro, errado é DAR AS MÃOS UNS AOS OUTROS. Aqui se fala da posição "oracional", de unir as palmas das PRÓPRIAS mãos.

    Todavia, não é obrigatório. Pode-se adotar outra posição, desde que não imitando padre (que levanta as mãos). A imitação não tem sentido.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Segundo o Padre Paulo Ricardo tem sentido sim levantar as mãos...

      Excluir
    2. Cara Gleisse, sou amigo do Padre Paulo e convivo com ele, mas não sei se ele diz isso sobre levantar as mãos, um abraço!

      Excluir
    3. Eu ouvi o Padre Paulo falar isso em alguma formação também. Mas com certeza, ele não se referia como obrigatório no Pater.

      Excluir
    4. Em uma aula do padre Paulo Ricardo sobre liturgia eu entendi que se deve (ou poderia) ficar em posição sacerdotal na hora do Pai Nosso, ou seja, com as mãos levantadas e com as palmas para frente, semelhante ao padre.

      Excluir
  6. Outra dúvida:

    É prescrito se persignar (fazer o sinal da cruz) ao receber a comunhão?
    Outros pontos que eu estranhei como ficar ajoelhado durante a oração eucarística, no rito extraordinário eu sei que é assim, para o ordinário eu sei que é de costume conforme a tradição do local. Seria apropriado usar esses gestos em lugares onde não se tem essas práticas?

    abraço fraternal

    ResponderExcluir
  7. Rafael, obrigado pela respostas. Muito me ajudou.
    Deus te abençoe e te faça santo!

    Abraço fraterno!

    P.S. Só uma coisa: eu sou da RCC. Falo isso pra mostrar para alguns q existe dentro da RCC pessoas q lutam pela dignidade, sacralidade e respeito às rubricas.

    Tenho um amigo Diácono q será ordenado dia 1° de maio. E eu qria q vcs me enviassem por e-mail a forma de se celebrar a Sta Missa do Rito novo na forma 'Versus Deum'. Obrigado!

    ResponderExcluir
  8. Não considero como imitação a posição das mãos levantadas no Pai-Nosso. Já que a oração antecede : Rezemos com amor e confiança a oração que Jesus nos ensinou.
    Não existe outra explicação para isso?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A questão é simples. Não se faz porque não está previsto. Sendo a Missa um culto público não faço o que quero, mas "tudo e somente aquilo que me cabe" (Sacrossanctum Concilium, Vaticano II). Confio no Magistério e o obedeço mesmo quando acho que este ou aquele gesto traduza melhor a piedade. Outros gestos que a Tradição e o Simbolismo firmaram ao longo dos séculos são permitidos pois "o que era santo antes continua santo hoje" (Carta Apostólica Summorum Pontificum, sobre a celebração da Forma Extraordinária). Entretanto é necessário discernimento, principalmente ao Padre e aos acólitos (que permanecem no presbitério). A estes recomendo que façam tudo e somente o que vem na Instrução Geral e confie na Autoridade do Magistério ou que ao menos consulte seu Bispo a respeito de se aderir gestos únicos da forma antiga na forma nova (como o do glória), até ao menos que saia a terceira versão do missal que vemos em outros países, como EUA e Canadá, que já a possuem, trouxe a permissão para vários gestos. No caso do levantar as mãos na Missa, NUNCA, repito, NUNCA, foi um gesto do leigo. Muito menos dar as mãos (que provém de cultos protestantes que pegaram isso de seitas ocultistas). No Pai-Nosso é o Sacerdote quem profere a oração em favor dele e de toda a Igreja; o Per Ipsum mais evidente ainda (e neste caso proibido sumariamente) é ele, o Padre, quem está a oferecer o Santo Sacrifício em favor de toda a Igreja. É este o ato realizado "por Cristo, com Cristo e em Cristo" digno de "toda honra" e "toda a glória". Nós, no máximo, oferecemos o sacrifício de nós próprios, como diz o Salmo, nossa alma penitente. Da mesma forma no Pater Noster, não temos nós a autoridade de rezar EM NOME de toda Igreja. Rezamos sim por ela, mas não temos a autoridade de rezar EM NOME dela, por isso não levantamos a mão como se o fizéssemos. O protestante adota todos os mesmos gestos pois eles não possuem sacerdotes, logo lá todos tem igual dignidade. Na Igreja, temos Cristo em nosso meio. Na Missa este Cristo atua ordinariamente na Actio Liturgica, em particular na figura do Sacerdote quando este segue a liturgia. Mas também em nós (de outra forma) quando também seguimos a Liturgia.

      Excluir
  9. E o que amor e confiança tem a ver com levantar as mãos, Débora?

    A admonição "oficial" do Pai Nosso, contudo, é outra: "Obedientes à palavra do Salvador e formados por seu divino ensinamento, ousamos dizer"

    Aliás, Nosso Senhor inclusive fala para rezar o Pai Nosso de maneira discreta, e não a mostrar que se reza.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A monição oficial são as cinco constantes do Missal...

      Excluir
  10. O diácono liturgista da minha paróquia sempre ensinou que não era bom fazer a vênia a cada vez que se menciona o nome de Nosso Senhor, pois além de ser excessivo(tendo em conta que o nome de Cristo é mencionado a cada minuto), pode fazer com que o gesto seja banalizado e mais que um sinal de piedade seja interpretado como um sinal de pietismo e rigorismo.

    Uma sugestão: seria interessante que o autor do tópico explicitasse o que está expressamente previsto nas rubricas.

    ResponderExcluir
  11. Uma dúvida que tenho é se os gestos na missa são obrigatórios para os fiéis, e se só as posições do corpo (sentados, de pé, de joelhos)é que são obrigatórias. Parece-me que antigamente durante as missas os fiéis apenas acompanhavam as posições do corpo.

    Gustavo

    ResponderExcluir
  12. Particularmente sou da opção de "fazer tudo e somente aquilo que me convir", conforme trás a Sacrossanctum Concillium e, de forma geral, não misturar os gestos e posições das diferentes Formas do Rito Romano, apesar de não haver uma proibição sobre isso, conforme dito acima, pelo fato de que faz parte da Tradição. Todavia, conhecendo ambas as formas do rito, prefiro por fazer os gestos particulares de cada forma, confiando na sabedoria do Magistério. A fusão das formas faz parte do espírito da Reforma da Reforma, porém sigo a opção de esperar pela nova versão do Missal. Assim, busco sempre fazer os gestos que vêm na Instrução Geral do Missal Romano. Creio que assim, começando por fazer aqueles que são obrigatórios (e que poucos fazem) podemos caminhar mais solidamente para uma real vigoração da Reforma da Reforma, com a saída da terceira versão do Missal. Particularmente, acho mais expressiva a forma Extraordinária. Os gestos, as repetições, o latim, a voz submissa, enfim... transmitem-me mais claramente o sentido da liturgia. A nova Forma, contudo, tem seus méritos. O vernáculo para leituras e orações, o uso da cátedra, a possibilidade de se incensar todo o altar, a possibilidade de inclusão de cantos em missas rezadas, e alguns outros fatores também são atraentes. Enfim... parto do princípio de se fazer tudo e somente o que é necessário, pois existe a tendência de em alguns lugares (como é o caso de minha cidade) da piedade virar piedosismo.
    Quanto ao povo que ensina errado... erro é erro não importa da boca de quem venha. O que vale é o que provém do Magistério. E Gustavo... os gestos previstos na IGMR devem ser feitos. A partir do momento que você os conhece, a pergunta a se fazer é: Cristo não merece esse esforço de sua parte? Não faço por ser ou não obrigatório, faço porque Cristo merece. Além do que a Sacrossanctum Concilium pediu uma participação ativa dos fiéis. A activa participatio é justamente o "fazer tudo e somente aquilo que me cabe". Me cabe fazer os gestos, pois eles estão previstos. Logo os faço. Não me cabe, se for Ministro Extraordinário, retirar Jesus do sacrário nem ficar no presbitério, logo não o faço. Me cabe curvar-me ao Confiteor e bater no peito, logo o faço. Não me cabe bater palmas ou dar as mãos, logo não o faço. Não me cabe levantar as mãos na Missa, logo não o faço. Isso é tomar parte da ação litúrgica, a ação ordinária de Cristo, é unir-me a Cristo em oração.

    ResponderExcluir
  13. Tenho uma duvida referente ao momento durante a Oração Eucaristica, que o Padre, pronuncia: "Por Cristo com Cristo e em Cristo..." todos respondem 'Amém". Neste momento muitos estendem a mão em direção ao altar, outros colocam a mão no peito, inclusive eu, qual é o certo, ou o mais certo?

    ResponderExcluir
  14. tenho uma duvida pois o diacono de minha proquia quer que coloqu um copo com agua para ele mesmo quando o padre faz a missa não acho correto mas fica a duvida

    ResponderExcluir
  15. Se eu fizer tudo isso aqui na minha paróquia, serei considerado estranho e megatradicionalista.
    Oq fazer?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Siga tudo por Jesus e não para as opiniões dos outros! Importa que agradamos a Deus e não aos homens!

      Excluir
    2. Faça igual a mim. Não esteja nem aí para que os outros vão pensar ou deixar de pensar. A quEm devemos é a Jesus Cristo e não às outras pessoas. Lá na Missa, se tiver que me ajoelhar, eu me ajoelho, se, num momento de oração pessoal eu tiver que cair no choro, faço mesmo e não estou nem aí.

      Excluir
  16. Por favor tirem essa minha dúvida: ao rezar o terço no momento do "Glória ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo" devemos fazer o sinal da cruz ou não?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bete, até onde eu saiba, se faz uma inclinação e não o sinal da cruz.
      A informação que tenho é de que o "Em nome do Pai,..." é acompanhado pelo sinal da cruz, enquanto o "Glória ao Pai,...", por uma inclinação.

      Excluir
  17. Isso é pra Missa Extraordinário ou a Ordinária?

    ResponderExcluir
  18. Metade disso é facultativo, outra parte não é litúrgica.

    ResponderExcluir
  19. "Ajoelhar-se ao fim do Agnus Dei (“Cordeiro de Deus...”).

    Fazer inclinação de cabeça e bater no peito ao dizer: “Domine, non sum dignus... (“Senhor, eu não sou digno...”)."

    Uma pergunta: ajoelha-se ao final do Agnus Dei e levanta-se logo após ou só depois do "Senhor, eu não sou digno..."?

    ResponderExcluir
  20. Uma pergunta: É preciso ter crucifixo em cima do altar na hora da missa, mesmo quando tem sacrário na nave central, uma cruz sem crucificado substitui?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A cruz que fica sob o altar e virada para o sacerdote não pode ser tirada. Tem o seu significado. Enquanto se tem uma cruz maior para os fiéis, tem-se uma cruz sob o altar para o sacerdote se recordar a todo instante que o sacrifio oferecido é fazendo memória da paixão, morte e ressurreição de Cristo.

      Excluir
  21. O Padre pode exigir que a comunidade fique de pe durante os avisos apos a Santa Missa, principalmente quando sao longos?

    ResponderExcluir
  22. Salve Maria!
    Minha dúvida é a seguinte: Durante as partes da Missa Tridentina em que está previsto aos fiéis ficarem de pé, sendo o sacerdote muito idoso e por isso se senta, os fiéis devem se sentar também? Isto acontece com certa frequência por aqui e nunca sei o que fazer, normalmente quase todos se sentam e alguns permanecem de pé.

    ResponderExcluir
  23. A pessoa que vai participar da liturgia da Palavra e está no altar, ao lado, não pode fazer absolutamente nenhum gesto em cima no altar??

    ResponderExcluir
  24. Permanecer de pé até o final do Sanctus (Santo, Santo, Santo...”), quando se ajoelha durante toda a Oração Eucarística.PODEMOS FICAR AJOELHADOS ATE O AMÉM?que a seguir vem o pai nosso que estais no céu..? Em que momento nos levantamos?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Até o amém, que é quando acaba a Oração Eucarística. Levanta-se antes de rezar o Pai-Nosso.

      Excluir
  25. Servindo no altar me curvo diante do padre ou do altar

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Até onde sei a reverência é para o altar ou no caso de missa presidida pelo bispo a reverência é para o bispo, na minha paróquia como tem o sacrário no presbitério eu faço reverência ao sacrário a não ser quando a eucaristia está no altar

      Excluir
  26. Gostaria de saber se é lícito permanecer na igreja em oração distinta da missa, por exemplo, terminar um Terço já no 4º ou 5º mistério, ou entrar na igreja após seu início para rezar orações apartadas da missa. Já fiz isso, mas sempre me sinto incomodado. Muitas vezes, já entrei na igreja com a missa na consagração da Eucaristia, e me mantenho em silêncio, aguardando o final da missa para iniciar as minha orações, mas talvez não seja nem mesmo estar na igreja se não vou participar da missa.

    Grato pela atenção.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É errado rezar o Santo Rosário durante a Santa Missa?Isso impede de ouvirmos com fruto a Santa Missa?
      Responde o Papa São Pio X:

      "A recitação destas orações não impede ouvir com fruto a Missa, desde que haja um esforço possível de seguir as cerimônias do Santo Sacrifício".E "É coisa boa rezar também pelos outros, quando se assiste à Santa Missa; e até o tempo da Santa Missa é o mais oportuno para rezar pelos vivos e pelos mortos" (CATECISMO MAIOR DE SÃO PIO X - Terceiro Catecismo Da Doutrina Cristã; nº 667 - 668)

      Excluir
  27. Acho que não tem necessidade de fazer o sinal após receber a Comunhão, afinal o próprio Cristo já está em nós.

    ResponderExcluir
  28. Vi que muitas pessoas perguntaram, porém não vi resposta...
    Aprendi aqui na paróquia que não devemos fazer o sinal da cruz quando recebemos Jesus na Comunhão.
    Isto me deixou confusa, de tudo que foi escrito foi a única informcaia que me deixou surpresa.

    O q a IGMR orienta? Deve-se traçar ou não o sinal da cruz após receber a comunhão???

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acredito, eu, que não. Pois você já está recebendo o Cristo vivo!

      Excluir
  29. Tenho uma dúvida, o padre da minha paróquia muitas vezes pula o credo e a oração da assembléia em missas dominicais e vai direto para o ofertório. É lícito isso? Qual a importância do credo?

    ResponderExcluir
  30. Alguns dos gestos que aqui foram citados não constam no novo Missal, entretanto a Congregação para o Culto Divino e a Disciplina dos Sacramentos concede que tais gestos ainda sejam praticados, como o sinal da cruz após a absolvição, a inclinação de cabeça durante o suscipe deprecationem , e o adoramus te... Para conferir o que continua permitido basta acessar ao site http://notitiae.ipsissima-verba.org/ Mas no geral parte-se do princípio jurídico de que aquilo que a nova constituição não aborda, prevalece o que a anterior prescreve. Pax et Bonum!

    ResponderExcluir
  31. Excelente resumo dos gestos, obrigado.

    ResponderExcluir
  32. gostaria de saber de onde foram tiradas estas orientaçãos. pois, queria me aprofundar. qual documento da igreja? ja li o redemitionis sacramento e instrução geral do missal, mas, não tem todas estas indicações. gostaria de saber a fonte, pois temos um grupo de formação e queria ter uma base solida caso haja questionamentos. por favor aguardo resposta

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá. O Cerimonial dos Bispos traz alguns complementos ao que é apresentado na IGMR. O restante é herdado de nossa tradição litúrgica.

      Excluir
  33. Receber a Comunhão de joelhos e na boca. Hoje mais que nunca.

    ResponderExcluir
  34. Gostaria de saber se no momento da elevação das espécies e do por cristo, com cristo... pode-se estender as mão em direção do senhor ou deve ficar com as mão postas?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A postura tradicional é ficar com as mãos postas.

      Excluir
  35. Paz e bem
    Pq devo bater no peito 3 x ao dizer......
    Senhor não sou dgno q entrris em minha morada mais djzei uma só palavra e serei salva

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...