Manchetes

Nosso Parceiro

sexta-feira, 30 de abril de 2010

Missa de encerramento do Curso para Cerimoniários (Jacarepaguá - Rio de Janeiro)

Terminou com a Missa dominical do IV Domingo da Páscoa, o Domingo do Bom Pastor, o Curso para Cerimoniários que o mestre de cerimônias episcopal, Wescley Luis de Andrade, a convite do Prof. Alexandre Mendes da Silva, ministrou no Rio de Janeiro, na Paróquia Nossa Senhora de Fátima, Pechincha, Vicariato episcopal Jacarepaguá. A Santa Missa, na forma ordinária do Rito Romano, versus populum, foi celebrada com solenidade pelo pároco, Mons. Jan Kaleta. Detalhe para o altar ornamentado com os castiçais e o crucifixo em arranjo beneditino!


















17 comentários:

  1. Tenho uma duvida!
    por tantos objetos sobre o altar naum perde o seu sentido de altar do sacrificio, e de que ele é o proprio Cristo Jesus?
    Não seria mais liturgico por sobre ele somente o pão e o vinho?
    Ao meu ver esconde um pouco a vizulaização o povo( a assembleia).
    Desde jah agradeço!
    em Cristo!

    ResponderExcluir
  2. Meu caro,

    Se assim fosse, a Igreja teria errado durante tantos séculos colocando "coisas" sobre o altar? E o Papa estaria errando quando celebra assim e, mais ainda, recomenda que assim se proceda?

    É verdade que certos exageros de uma distorção barroca (não o barroco, mas a distorção barroca), devem ser evitados. Mas para isso, não devemos cair num minimalismo litúrgico, bem próprio das Ione Buyst da vida.

    O altar é para o sacrifício? O sacrifício não é o ato mais importante de adoração a Deus? Então, devemos nele colocar os sinais, PEDIDOS PELAS NORMAS E NÃO PELA CRIATIVIDADE DO PADRE, que evidenciem esse sacrifício: os candelabros, a cruz, o Missal a partir do Ofertório, toalhas dignas, e flores (como embelezamento, dado que a beleza evidencia o sagrado).

    É a Igreja que manda assim, e ela conhece mais de teologia do sacrifício do que nós e vocês juntos, não?

    Por outro lado, qual o problema de "esconder a visualização"? O sacrifício não é para ser visualizado, e sim justamente "escondido" misticamente. Os orientais o fazem fechando as portas da iconostase, os ocidentais com o padre se "debruçando" sobre as oblatas no Cânon, e os dois pela posição versus Deum, infelizmente tão abandonada por conta do modernismo.

    A Missa tem o povo por beneficiário, porém a Deus por destinatário: é Ele quem deve visualizar, e não nós.

    Se a visualização pelo povo fosse um valor, então a Missa versus Deum seria um erro, quando sabemos que não é. Aliás, é a melhor posição a ser adotada.

    Em Cristo,

    ResponderExcluir
  3. Obrigado pelas explicações!
    mas tenho masi uma duvida!
    então qer dizer o q rito moderno (paulo vI)onde os cabdelabros ou castiçais ficam o chão e a cruz a lado esta errado?
    pois lenbro-me de ter lido no guia liturgico pastoral da CNBB q esse tipo de ornamentação é a mais adequada aqui para o Brasil para uma melhor participação do povo (Guia liturgico-pastoral pag. 105, edições cnbb,comissão episcopal pastoral para liturgia)

    ResponderExcluir
  4. Caríssimo, no meu texto "Mitos Liturgicos comentados - Mito 1: Eucaristia e Palavra", eu comento sobre esta questão do altar, e dos objetos estarem sobre ele ou próximo a ele, inclusive com algumas fotos:

    http://www.salvemaliturgia.com/2010/04/mitos-liturgicos-comentados-mito-1.html

    ResponderExcluir
  5. Por quê Cerimoniários de preto? São seminaristas?

    ResponderExcluir
  6. Anônimo,

    Além do que o Francisco disse:

    1) Os castiçais precisam ficar ou no altar ou junto dele. O mesmo em relação à Cruz. Mas o "arranjo beneditino" é mais significativo, embora outros não estejam errados. Não é questão de certo e errado, neste caso, e sim de melhor e "menos melhor", se me permite.

    2) Esqueça os guias litúrgico-pastorais da CNBB. O valor maior para eles é uma distorção da "participação popular". Tudo é povo, povo, herança TL.

    Em Cristo,

    ResponderExcluir
  7. Qual a finalidade dos 2 cerimoniários segurarem a casula do sacerdote durante a incensação do Altar? Alem de não estar prescrito, nem o Papa com 84 anos tem alguem segurando a casula dele.

    ResponderExcluir
  8. A questão de não estar prescrita não tem problema, caríssimo anônimo rubricista (depois é o Salvem a Liturgia que é rubricista, mas tudo bem)... É um costume sancionado pela tradição.

    Paulo: qual o problema de cerimoniários e acólitos de preto? A batina é, ordinariamente, preta, ora, bolas! E batina com sobrepeliz é uma veste lícita tanto quanto a alva.

    ResponderExcluir
  9. As normas atuais sobre o uso da cruz na celebração da Missa são retiradas da Instrução Geral do Missal Romano e do cerimoinial dos Bispos.

    A IGMR n.117: "(...)haja também sobre (=pela superfície de o) altar ou em torno dele (=ao lado, uma cruz com a imagem do Cristo crucificado..."

    A IGMR 308: " Haja também sobre (=acima de)ou perto dele uma cruz com a imagem do Cristo crucificado que seja bem visível para o povo reunido (durante a Missa). Convém que tal cruz ( a do crucificado)permanece junto do altar fora das celebrações litúrgicas".

    A IGMR 122: "A cruz, ornada com a imagem do Cristo crucificado trazida eventualmente na procissão, pode ser colocada junto ao altar, de modo que se torna a cruz do altar, que deve ser uma só (ou a cruz do altar ou a cruz processional!), caso contrário ela será retirada e guardada em lugar adequado ( a sacristia, por exemplo!)"

    Ademais, com relação à cruz 'tapar' a visão do padre, ninguém melhor que o Papa para afirmar: "Considero as inovações maios absurdas das últimas décadas aquelas que põem de lado a cruz, a fim de libertar a vista dos fiéis para o sacerdote. Será que a cruz incomoda a Eucaristia? Será que o sacerdote é mais importante do que o Senhor?" (Introdução ao espírito da Liturgia,cap. 3, p. 62, Joseph Ratzinger)

    ResponderExcluir
  10. Ao anônimo que citou a CNBB, respondo com as palavras da própria Conferência dos Bispos:"Enriquecem visualmente a celebração não só a arte dos arquitetos, pintores, escultores e artistas populares, mas também o bom gosto nas vestes litúrgicas(...) e a preocupação com a beleza até nos menores objetos que o culto se utiliza"
    "Ajudam muito a comunicação humana e, portanto, fazem parte da linguagem litúrgica, muitos elementos visuais ..."
    (Cf. Animação da vida litúrgica no Brasil n.n 81, 82)

    ResponderExcluir
  11. por que sapo não tem bigode? por que ovo não tem pelo? por que Deus fez as vacas sem chifres? Por que blá, blá, blá....
    Ora, quando a questão é aprender, entender, etc... é bom perguntar. Agora, quando se trata de criticar, achar defeitos, pretender que a prórpia idéias seja a correta, prender-se a picuinhas (segurar a casula do celebrante, se não seguram a do Papa, etc...), por favor não é. Quem sabe se ao invés de se fixar a estas coisas pequenas, se rezasse mais, se participasse melhor da Missa, etc... Valha-me Nossa Senhora. Só Jesus!

    ResponderExcluir
  12. Espero um dia poder participar de um curso p/ cerimoniários tb.

    Ass: Uislei Batista

    ResponderExcluir
  13. Pe. Felipe Ferrari1 de maio de 2010 14:22

    Eis a grande contribuição de Bento XVI: como emblema de sua obra reformadora a restauração da Cruz no centro do altar, a fim de dar a entender que a Liturgia é dirigida ao Senhor e não ao homem, mesmo que seja um ministro sagrado. Parabéns àqueles que se esmeram em seguir o exemplo do Santo Padre, colocando a Cruz com o crucificado sobre o altar, para a qual todos devem olhar, celebrante e assembleia. Parabéns pela iniciativa do Curso de Cerimoniários. Percebe-se já, pelas belas fotografias, que o Curso rendeu abundantes frutos em seguimento à tradição perene da Igreja, nem sempre engessada nas rubricas.

    ResponderExcluir
  14. O curso foi magnífico, fez com cada pessoa que ali participava ,mesmo com o seu término,
    buscasse cada vez mais saber sobre a liturgia.
    Adorei o curso e o wescley explicou muitos assuntos q estavam pendentes.

    ResponderExcluir
  15. O curso foi excelente , pude aprender tudo que eu não sabia e o que eu tinha dúvida ... O Wescley foi ótimo , explicou detalhadamente tudo , nos incentivou a aprender e a buscar sempre o conhecimento para que cada vez mais possamos participar de uma grande liturgia .

    ResponderExcluir
  16. Em tempos tão difíceis para nossa igreja, penso que é muito importante, que nós jovens católicos, estejamos juntos nos aprofundando cada vez mais na palavra do senhor.
    O curso para cerimoniário, ministrado pelo já cerimoniário Wescley, nos veio em boa hora, e foi muito agradável poder participar.
    Quanto aos nossos amigos blogueiros anônimos, concordo plenamente que argumente sua dúvidas, porém aceite os contra-argumento de quem entende...
    A paz do senhor para todos
    Philipe Alves – Paróquia N.Sª. de Fátima

    ResponderExcluir
  17. Como se perde tempo com tantas coisinhas....
    Nesta celebração de conclusão da formação dos Cerimoniários, garanto que se o altar tivesse mais meio metro de comprimento teriam colocado mais dois castiçais de cada lado.
    Dignidade é muito diferente de Escrúpulo, meus irmãos!
    Por que vocês não mostram o trabalho de tantos padres, religiosos e religiosas que extendem a sua liturgia no serviço de resgatar a dignidade da pessoa humana e promover "Vida em abundância" através dos diversos trabalhos pastorais e sociais que realizam? Nestes sim eu acredito, pois vivem o que celebram e celebram o que vivem, mesmo se não têm a melhor veste litúrgica, se não têm seis mas apenas uma vela...
    Mas é isso aí. Que são Marcial Maciel interceda por nós!
    Ops, será que já o canonizaram? Pois deveriam, ele usava umas vestes muito bonitas... Fala sério.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...